segunda-feira, abril 3

Envelhecer em casa ou numa instituição especializada?


A Rede de Cuidados Continuados Integrados (CCI) aprovada em Conselho de Ministros visa a organização do sistema com base em serviços de proximidade.
Os CCI são uma resposta ao elevado número de internamentos de longa duração em unidades saúde, diminuindo o peso do Estado e tirando à família a preocupação de cuidar dos seus. Nos próximos tempos será possível envelhecer condignamente em casa?

4 comentários:

Pedro disse...

Ser idoso não significa doença nem morte. A velhice representa sabedoria e experiência de vida. Penso que é preciso reequilibrar o papel dos reformados e dos idosos na sociedade portuguesa. Eles têm aptidões que os jovens ainda não possuem. Repensar a forma de ver os idosos parece-me um excelente ponto de partida para melhorar a nossa sociedade.

Anónimo disse...

A questão da 3ª idade só é encarada como um problema porque não se pensa na solução mais óbvia, que é aumentar o período de vida activa. Não faz sentido que com o aumento da esperança média de vida nas últimas décadas se passe à reforma numa idade em que ainda temos 10 a 20 anos de vida pela frente.

Ed. Soc. Gerontólogo disse...

Vida activa: Corpo e mente saudáveis. O verdadeiro elixir da juventude está na actividade física e mental, se pararmos, seja em que idade for, adoecemos, e morremos mais cedo do que deveria ser, a nossa máquina foi programada para ser activa e nos servir (o corpo serve a mente) logo se deixarmos de a usar convenientemente ela "enferruja". Com equilíbrio não deixes a tua "máquina" enferrujar, dá-lhe vida e alegria activa. Vive para lá da quarta idade.

Ana Paula disse...

Tudo depende das necessidades de cada um e do seu modo de vida, dos seus hábitos, da condição familiar. Em caso de debilidade física ou psíquica, o ideal seria em instituições especializadas, MAS EMPENHADAS NO SEU BEM-ESTAR e com infoestruturas adequadas.
Para quem possa permanecer em casa, o ideal seria manterem-se ocupados em passeios e outras actividades, e ainda frequentando as universidades sénior ou centros de actividades, nunca esquecendo que actividade física e convívio em um bem essencial.
Acontece que a sociedade de hoje não dá valor aos nossos idosos, não se houve o que eles têm para nos ensinar, não são procurados para pedir conselhos, não se está atento às suas angústias e necessidades. Mas, acho eu, que se houvesse interacção entre as instituições de idosos e as escolas, inverteríamos esta tendência.
Já as instituições existentes... são particulares, que sobrevivem sabe deus como, ou são limitadas a um determinado estrato social... já o Estado, nos últimos anos, tem construído muitas escolas, ATL´s, etc., mas não o vejo a construir centros de dias/actividades e lares, para TODOS...