sexta-feira, setembro 14

COMBATE À OBESIDADE



Como combater a obesidade dentro de casa? E na escola? E nos locais de trabalho?
É a epidemia do séc.XXI, nas sociedades onde a comida abunda e anda de mãos dadas com o ócio. Neste Sociedade Civil queremos traçar um plano para si. Com o objectivo de combater a obesidade vamos propor-lhe exercícios para praticar em casa, actividades para realizar com os filhos e uma dieta equilibrada e variada. Não engordar é possível com pequenas alterações nos hábitos, seja no trabalho, na escola e em casa. Saiba como no Sociedade Civil.

48 comentários:

Maria (ª_ª) disse...

Ser saudável passa um pouco por ter hábitos saudáveis.
Os principais aspectos a ter em conta são:

- A alimentação deve-se basear mais na qualidade e não na quantidade, pelo que as refeições devem ser o mais variadas possível, em pouca quantidade mas várias vezes ao dia. O ideal seria ter por base a roda dos alimentos.

- O exercício físico é também muito importante e cada um pode fazer o mais adequado a si próprio e às suas necessidades.




Sugestão para quem quer experimentar actividades físicas diferentes ou encontrar uma de eleição:

Neste fim-de-semana (15 e 16 de Setembro), vai haver um evento desportivo na loja Decathlon da Amadora, onde se podem experimentar várias modalidades desportivas.
Para mais informações e para consultarem o programa:

http://decathlon.internet.pt/2007.09/VitalSport/

http://www.creativesales.pt/decathlon/vitalsport/programa.html

Soube ontem deste evento e decidi partilhar convosco, a propósito do programa de hoje, não é para fazer publicidade porque não ganho nada com isso, mas sim para incentivar as pessoas a fazerem exercício e aproveitar este evento porque é gratuito.

Joana, Cartaxo disse...

olá!!!
Na minha opinião, a obesidade não deveria ser considerado um problema da sociedade, mas um problema dos obesos, já q a obesidade, p mim, não é nenhuma doença(salvo raras excepções,cm é óbvio), mas, sim, pura gulodice!!!
Basta reparar nos obesos, qd vão a uma pastelaria: eles normalmente pedem qq coisa p beber, normalmente refrigerantes, e dps pedem um bolo, ou dois; com as crianças passa-se precisamente o mesmo: os meninos vão ao supermercado e só compram, com a autorização dos pais, bolos, bolachas, quase tudo com chocolate!

Fiquei chocada, qd vi uma reportagem q se referia à obesidade mórbida, e onde apareceu o caso de 1 mãe e uma filha, ambas obesas, onde a mãe q já tinha posto a banda gástrica, disse q a filha lhe pedia tds os dias um bollicao, e a mãe disse com a maior das naturalidades:"eu compro-lhe tds os dias o bollicao, pq ela lá por ser gorda,é minha filha e precisa de miminhos!"
Tenham a santa paciência, mas eu, não estou p andar a descontar p gente gulosa andar a por bandas gátricas e dps continuam gordas pq não são capazes de se sacrificar em prol da sua própria saúde!!!

Para mim, só é gordo quem quer, salvo raras excepções, cm disse anteriormente!!!

Obrigada e Parabéns pelo excelente programa!

lady_blogger disse...

Olá equipa SC!

Confesso-me pouco adepta dos desportos físicos até porquer tenho alguns problemitas de coluna e porque me canso facilmente.
Mas gosto de ir "nadar" nas tardes que tenho livres. E todos sabemos que a natação é o desporto mais completo.
Por outro lado tento andar muito a pé.
Quanto à comida, sou gulosa especialmente no Inverno onde com frequência como um chocolatito.
Como detesto vegetais crus, nunca ingiro saladas onde estes sejam o ingrediente principal, contudo sugiro a quem goste que quando sinta fome prefira uma salada dessas a algo mais calórico.
Deveria haver mais preocupação com as refeições nas escolas e em casa, sobretudo no caso das crianças, para não adquirirem maus hábitos que as conduzam a obesidade infantil e posteriormente os tornem nuns adultos insatisfeitos com a sua imagem e doentes em consequência da gordura excessiva.


Já agora, bom almoço para quem estiver a almoçar!

Cumprimentos Civis

Maria Mendes

Pedro Marinho disse...

"Somos aquilo que comemos".
A frase não podia ser mais acertada. De facto, uma alimentação equilibrada é determinante para o bem estar físico e mental. Só que esta relação causa-efeito está a passar ao lado da maioria. A prova está na adesão massiva ao fast-food que além de atrair os graúdos, cedo conquista os miúdos. Sem se substituir aos pais, há quem veja na escola um espaço privilegiado para a educação alimentar. Certo é que a "Roda dos Alimentos" sempre constou dos currículos das disciplinas de ciências. Mas aquilo que se come nos refeitórios escolares, está de acordo com o que os livros ensinam?" Outros aspectos há ainda a considerar: gestão dos espaços, funcionamento dos refeitórios, controlo higiénico-sanitário de instalações, funcionários e alimentos e até os projectos de educação alimentar específicos. Tudo importa para sabermos o que se come nas nossas escolas, para no final sabermos quem é a nossa população estudantil. De pequenino se torce o pepino..."A educação do paladar deveria começar no momento em que a criança deixa o leite materno e inicia uma alimentação diversificada. Se deixarmos o açúcar e o sal fora da dieta, elas vão ter menos apetência para os paladares doce e salgado." Independentemente do grau de ensino, o refeitório deve ser visto como um espaço de educação e enquanto tal "pode não contribuir para uma mudança imediata dos hábitos alimentares, mas terá sempre de funcionar como modelo de alimentação a seguir." Nos níveis de ensino abrangidos pelo estudo da DECO, o CE é o responsável número um pelo refeitório. Assim, mesmo que ele esteja concessionado a uma empresa de restauração, a administração da escola deve sempre fiscalizar a qualidade nutricional das ementas, a higiene do espaço e dos manipuladores de alimentos. E é fácil perceber porquê. Ainda que os técnicos de acção social das Direcções Regionais de Educação (DRE) e dos Centros de Área Educativa (CAE) confirmem que o trabalho de supervisão e acompanhamento da actividade dos refeitórios seja uma das suas funções, todos concordam que é in loco que se detectam os problemas. Torna-se, assim, claro que só o CE, sempre presente na escola, poderá fazer fiscalização de forma contínua, visando sempre controlar também a conduta dos alunos no momento que aguardam nas filas de forma ordeira fiscalizando todo o ambiente da cantina evitando sempre actos de violência que por vezes se registam nas filas, como também é importante que os Professores dêem o exemplo comendo nas cantinas e não nos restaurantes porque os alunos se apercebem de algo não está correcto, as crianças no seu discernimento entendem certas atitudes que para nós adultos são normais e passamos indiferentes mas para eles tudo conta, é fundamental criar jovens saudáveis e regras para todos nos padrões da educação porque eles frequentam uma escola onde se ensina e não um mero espaço que por vezes se torna numa selva onde cada um sobrevive como a mãe natureza lhe permite.

Pedro Marinho de Arcos de Valdevez

Anónimo disse...

Querem combater a obesidade evitar graves problemas de saúde?

entao tornem-se vegetarianos, façam exercicio e não comam fritos e doces. É simples.

Maria (ª_ª) disse...

Quem tem tendência (genética) para engordar, tem que estar mentalizado desde cedo que tem que ser muito disciplinado e fazer sacrifícios para ter hábitos saudáveis.

Quem já é obeso, não deve tentar emagrecer à base de químicos, pois não adquirirá hábitos saudáveis e volta a engordar (as chamadas dietas iô-iô).
É necessário sobretudo muita força de vontade para deixar de ter hábitos errados e adquirir hábitos saudáveis.

O ideal será aconselhar-se com os especialistas e ter muita, mas muita força de vontade para conseguir levar a luta até ao fim.

Pedro Marinho disse...

Porque razão existem "máquinas" nas escolas onde abundam os refrigerantes, chocolates,e sandes com alto teor calórico, quem fiscaliza as escolas neste âmbito? Que tipo de alimentos são estes? Que regras são interiorizadas nos mais novos, as cantinas não devem substituir as refeições em casa, os pais não devem "aproveitar-se" para despachar os mais novos para as cantinas evitando o esforço de cozinhar para os seus filhos, a obesidade é por meia culpa dos pais, tenho pena dos jovens que vivem numa sociedade que impera o facilitismo... a alimentação tem consequências no estudo diário daí a necessidade de entender a importância da familia e da alimentação. A culpa não é dos doces ou das gorduras mas sim da conduta.

Pedro Marinho de Arcos de valdevez

Rute Santos disse...

Olá a todos

A Dra. Isabel do Carmo que me perdoe, mas qual a credibilidade de uma médica com excesso de peso que dá consultas de obesidade??

Gostaria de obter uma resposta a esta questão.

Cumprimentos,
Rute

Anónimo disse...

"Porque razão existem "máquinas" nas escolas onde abundam os refrigerantes, chocolates,e sandes com alto teor calórico, quem fiscaliza as escolas neste âmbito? Que tipo de alimentos são estes?"


Não são alimentos, são produtos sintéticos que só fazam mal à saúde.

Vendem-se na escola somente por uma questão de dinheiro, dinheiro e mais dinheiro... e a saúde das pessoas que se lixe.

Anónimo disse...

Olá a todos!

Sou aluna da faculdade de nutrição e alimentação, e devido a falta de condições a nível de instalações... a faculdade n tem um bar...o único posto de venda de comida é mesmo uma pequeba máquina, que contém bastantes doces, chocolates, sandes... enfim fruta é algo que não consta!!!

os melhores cumprimentos

Pedro Marinho disse...

Dra pergunte ao convidados

Houve um estudo recente que a obesidade é por culpa de um défice da produção de pepetina pelo facto de não ser produzida em quantidades sufecientes para que o cerebro corte o apetite no timing certo , se os níveis forem baixos ou irregulares dessa substância o cerebro desliga mais tarde a sensação de saciamento, daí a ingestão em exagero de alimentos...
poderá ser um problema congénito

Pedro Marinho Arcos de valdevez

Anónimo disse...

Olá, boa tarde a todos.
Tenho 28 anos e desde pequena que fui sempre um pouco "cheinha", como a família gosta de dizer, mas de à uns anos para cá comecei a ficar mais preocupada, por a idade também o exige. A zona "mais complicada" é na barriga. Já à cerca de 2/3 anos que alterei a minha alimentação, deixei de comer fritos e como grelhados, mas mesmo assim nunca vi nenhuma alteração. Pratico desporto, natação, uma vez por semana. Pergunto aos convidados, que poderei fazer para perder, principalmente a "barriguinha"? Será que necessito de mais actividade física!? Infelizmente o facto de estar desempregada não ajuda a investir na minha saúde...

Obrigada,
Susana Santos

Maria (ª_ª) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro Azevedo. disse...

RE: Joana Cartaxo.
permite.me discordar, a obesidade, não é um problema individual, mas sim um problema colectiva, que diz respeito a toda gente, e sim, é um doença, e não pura "gulodice" como afirmas.te ser. Não pode.mos ser egoistas ao ponto de só olhar.mos par ao nosso elegante umbigo.

Quanto às maneiras de a combater, dentro de cása, cabe a cada um, estabelecer, rigidos, hábitos alimentares, e evitar o sedentarismo;
Nas escolas, não me parece problema, a alimentação em cantinas, não é das piores, e raramente os alunos param quietos, tendo actividade de hora em hora, pelo menos 10 minutos ( intervalo, e mudança de sala );
No trabalho, já a coisa se complica, porque de facto, já não impomos nós os hábitos... tanto de sedentarismo, como de alimentação, dado que, ou porque possui.mos muito pouco tempo para almoçar, ou porque nos obrigam a estar sentado diareamente em frente a um computador... sinceramente não sei como o combater, a não ser então ao fim de semana...
Cumprimentos [ ]

Maria (ª_ª) disse...

Se nas escolas as crianças não têm acesso a alimentos saudáveis, então podem levar as refeições de casa.

Lembro-me de, quando andava à escola, levar todos os dias o meu lanchezinho, enquanto muitos outros iam ao bar da escola, que enchia às horas do intervalo.
Almoçava no refeitório da escola, mas a partir do momento em que verifiquei que eles não variavam muito a refeição e era cada vez cozinhar mais em quantidade do em qualidade, passei também a levar o almoço de casa.
É lógico que custa um bocado, porque é sempre mais peso que se leva e também custa ver os outros a comer coisas aparentemente melhores, mas é uma questão de hábito, é uma alternativa e uma boa solução.

Pedro Marinho disse...

É importante que os Professores dêem o exemplo comendo nas cantinas e não nos restaurantes porque os alunos se apercebem de algo não está correcto, as crianças no seu discernimento entendem certas atitudes que para nós adultos são normais e passamos indiferentes mas para eles tudo conta, é fundamental criar jovens saudáveis e regras para todos nos padrões da educação porque eles frequentam uma escola onde se ensina e não um mero espaço que por vezes se torna numa selva onde cada um sobrevive como a mãe natureza lhe permite.

Pedro Marinho de Arcos de Valdevez

Pedro Marinho disse...

Dra fale na pepetina...

Para ao convidados

Houve um estudo recente que a obesidade é por culpa de um défice da produção de pepetina pelo facto de não ser produzida em quantidades sufecientes para que o cerebro corte o apetite no timing certo , se os níveis forem baixos ou irregulares dessa substância o cerebro desliga mais tarde a sensação de saciamento, daí a ingestão em exagero de alimentos...
poderá ser um problema congénito

Pedro Marinho Arcos de valdevez

Anónimo disse...

Boa tarde,

Convivo de perto com realidades educativas para a infância e o que venho testemunhar é que mesmo em centros educativos onde se apregoa a existência de menus elaborados por nutricionistas afectos às instituições, e os há, na prática, após os funcionários servirem às crianças os tais pratos equilibrados, elas limitam-se a não comer o que não querem comer (alface, tomate, brócolos, ervilhas, peixe, cenoura, couve, enfim...). Comem apenas as massas, as batatas e o arroz. Quando são almôndegas, algumas comem um pouco. E os adultos? Recolhem-lhes os pratos passado o tempo estipulado (a maratona de cerca de uma hora em guerra aberta com os vegetais, leguminosas e peixe) e deitam fora as obras de arte nutricional. De tarde, quando chegam os cereais com chocolate, é ver os miúdos repetirem até 3 vezes a dose do lanche e papaguearem as mensagens publicitárias como "os danoninhos é que fazem bem aos ossos! A mamã disse-me!". Mas leite não bebem.
Pergunto-me o que será pior: "traumatizar" as crianças, obrigando-as a comer coisas horrorosas que detestam, mas que garantirão a sua saúde, ou deixar que façam e comam apenas o que lhes dá prazer, sabendo que as estamos a prejudicar? Parece-me que a questão coloca na balança o referido "mimo" e o verdadeiro amor...

Alexandra Ferreira, Coimbra

vicente cruz disse...

estamos a tratar dum problema deveras grave.tal como a doutora diz o problema está enraizado no modus operandi da sociedade actual em que o tempo é fugaz e n s perde tempo com a confecção de comidas saudaveis.n pude deixar d reparar que a própria doutora tem exceso de peso e isto é um sinal evidente q a luta contra a obesidade é uma luta desigual.

cumprimentos e obrigado por prestarem um importante serviço publico no sociedade civil

Anónimo disse...

Eu penso que este combate é essencial já no presente mas primordialmente para o futuro.
As pessoas hoje em dia procuram o mais fácil e mais rápido, seja na alimentação como no exercício físico. Não conseguem ser equilibradas e procurar saber tudo aquilo que nos faz, além de obrigar o corpo a mexer.
É por estas razões e por outras, que o acumular de vários erros, provoca consequências nefastas tanto para as pessoas como no geral, para o próprio país (ministérios da saúde).
São sempre meritórias todas as políticas que tenham em vista, as melhorias de hábitos alimentares e bem estar físico.

Francisco Rodrigues - Lisboa

Anónimo disse...

Na minha opinião deve-se a duas coisas:
1- Falta de exercicio fisico. Vivemos numa sociedade cada vez mais sedentária.
2- Falta de educação alimentar. Isto deve-se ao facto de nas escolas, nas máquinas só haver porcarias doces. Porque é que nas escolas não existe alguém que controle o que metem à venda nas máquinas?

Pedro Marinho disse...

Pratiquem Natação e adeus gordura...
Pedro Marinho
Arcos de valdevez

Catita4ever disse...

Eu tenho 28 anos, tenho 1.61m e peso 99 quilos. Faço desporto todos os dias, não como doces, não como fritos, bebo 1.5 l de água por dia, e nada me faz perder peso. Há dias que me sinto completamente prisioneira do meu corpo, sou ainda muito nova, gostava de engravidar, mas tenho medo de aumentar muito o meu peso e vir a ter problemas graves de saúde. E agora em resposta a Joana do Cartaxo, não me parece que tenha sequer o direito de falar de gula, quando o problema afecta tantas pessoas, é com certeza um problema que a todos diz respeito, e tem de ser visto de uma forma muito cuidada, porque é realmente muito grave.

Pedro Marinho disse...

Na minha terra é difícil fazer dieta , cozido á portuguesa, bacalhau à moda dos Arcos, feijoada, bifana, posta barrosã com arroz de feijão,sopa de legumes,broa caseira, vinho verde,e desporto? ok já sei a tentação é grande...

Pedro Marinho de Arcos de Valdevez

Anónimo disse...

Anteriormente falei em ser "cheinha" (tenho cerca de 10kg a mais) mas não referi o facto de a família ser toda para o gordinha e o meu pai ser obeso.
A minha preocupação aumenta ainda mais.
O que vai ser de mim no futuro!? Serei obesa!? Espero bem que não!! Visto não conseguir emagrecer, o meu objectivo neste momento é não ultrapassar o peso que já tenho.

Susana Santos

Anónimo disse...

Gostava de ver dizer aos alcoolicos para beberem apenas 1 copo de vinho á refeição, ou a um tabagista para fumar apenas 2 cigarros por dia, ou até a um viciado em jogo para jogar apenas 5 mins por dia. Ao contrário dos vicios acima descritos, o vicio da comida é dos piores, já que não se pode deixar de comer...tornando muito mais dificil o controlo de um impulso natural fortissimo.

Maria (ª_ª) disse...

Um dia destes, vi por acaso uns desenhos animados na RTP2 chamados Vitaminix (se não me engano) e que são um exemplo de desenhos animados que educa para uma alimentação saudável. Achei curioso que no final diziam “come o que é saudável e serás saudável”.

Pedro Marinho disse...

Os perigos da obesidade

Segundo o jornal The Independent, de Londres, prevê-se um aumento drástico nos casos de diabetes, doenças cardíacas e outras em resultado da “epidemia de obesidade que varre a Europa”. Em uma reunião de especialistas médicos de 26 países em Milão, Itália, o presidente da Força Tarefa Internacional da Obesidade disse: “Esta crise global exige acção urgente e imediata para prevenir uma epidemia silenciosa de doenças graves e crescentes gastos com a saúde. Se não agirmos, teremos de enfrentar um desastre na área de saúde.” Todos os países europeus estão envolvidos e, em algumas regiões, entre 40% e 50% da população já foi afetada. Desde 1980, os índices de obesidade na Inglaterra aumentaram de 8% para 20% entre as mulheres e de 6% para 17% entre os homens. As razões incluem estilo de vida sedentário e dieta com muitas calorias, ambos ligados ao aumento da prosperidade. O que mais preocupa é a quantidade de crianças com excesso de peso. Segundo o professor Jaap Seidell, presidente da Associação Européia para o Estudo da Obesidade, “há indícios de que uma proporção maior de pessoas da próxima geração estão a ficar obesas e com excesso de peso ”.

Pedro Marinho

Anónimo disse...

Boa tarde!

Faço consulta de Obesidade no H.Dona Estefânia...uma tarefa difícil. A questão está em incentivar não só os meninos, mas todo o núcleo familiar, na mudança de hábitos. A 1ª tarefa é evitar as tentações em casa... Como não oferecer a guloseima se ela estiver disponível diariamente? Por outro lado, é mais fácil e seguro colocar os miúdos sentados a ler, jogar, ver TV (desculpe...)do que deixá-los ir brincar para o jardim...

Pedro Marinho disse...

Se nos apanham no trabalho a fazer exercícios de secretária talvez nos aconselhem a ir ao médico psíquiatra ou somos despedidos...risosss

Um abraço...
Pedro Marinho

Maria (ª_ª) disse...

Beber água é bom, mas beber água antes, durante e depois das refeições só não é muito bom porque dilui o ácido do estômago (diminuindo a sua eficácia na degradação dos alimentos) e, consequentemente, dificultando a digestão (prolongando-a por muito mais tempo). Logicamente se for bebida durante a refeição em pequenas doses e apenas para ajudar na deglutição, não faz mal nenhum.

JOANA, CARTAXO disse...

RE:catita4ever
Eu não disse q tds os gordos eram gordos pq queriam, disse q haviam excepções, mas a maior parte é gordo pq não se sacrifica em nada, e julgam q os magros comem tudo e por isso eles tb têm esse direito;eu não digo q não tenham direito a comer gulodices, mas pelo menos assumam q o fazem e não venham pedir p o estado lhes "pagar" bandas gástricas, qd só assim estão, pq não se quiseram privar de nada.

Eu acho piada às pessoas q me dizem:"Nem parece q tiveste uma filha, estás tão elegante;eu não sou capaz, não sei pq!"!
Pois eu passo a explicar: eu como todos os dias carne e peixe, não como fritos(rissois,croquetes,etc),tento comer os alimentos grelhados ou cozidos, evito doces demasiado caloricos; obvio q tambem como chocolates e outras coisas q não pestram, mas sempre com conta, peso e medida; e normalmente a pessoa a quem eu respondo isto diz:" eu não como peixe, pq não gosto; carne grelhada, como poucas vezes pq não tem "sustância" nenhuma e não me mata a fome,etc,etc"
Agora respondam-me: COMO É QUEREM SER MAGROS, ASSIM?!?

Doenças Virtualmente Reais disse...

Não é preciso ter medo do ginásio.
Isto porque se formos com espirito de diverção, podemos emagrecer e nos divertir ao mesmo tempo.

(falo por experiencia própria)

Ana Moura
Vidigueira

Pedro Marinho disse...

..."A educação do paladar deveria começar no momento em que a criança deixa o leite materno e inicia uma alimentação diversificada. Se deixarmos o açúcar e o sal fora da dieta, elas vão ter menos apetência para os paladares doce e salgado." Independentemente do grau de ensino, o refeitório deve ser visto como um espaço de educação e enquanto tal "pode não contribuir para uma mudança imediata dos hábitos alimentares, mas terá sempre de funcionar como modelo de alimentação a seguir."

Pedro Marinho de Arcos de valdevez

Anónimo disse...

Ao contrário do que foi afirmado, o LEITE (de outros animais) NÃO FAZ BEM, pelo contrário.

Estudos cientificos demonstram que quem consume mais leite tem mais probabilidades de sofrer de osteoporose, e pessoas no 1º mundo sofrem muito mais de osteoporose porque consumem mais lacticinios e carnes (proteina animal não deixa absorver o cálcio), do que nos países mais pobres onde se consome mais vegetais.

Procurem na internet que descobrem artigos sobre este assunto.

lady_blogger disse...

A minha filhota desde os 3 anos que fala de vitaminas e minerais, isto porque vê esse programa infantil que a Fernanda referiu.
Ela ao contrário de mim, gosta de alguns vegetais crus. Eu até gosto muito de vegetais, mas só em sopas ou no dito "conduto".
Quando estava grávida tinha muitos desejos de sopas e engordei com estas. Tinha uma ex-vizinha com problemas de peso que quando estava grávida nas últimas semanas ingeriu muitas sopas para emagrecer e conseguiu.

Queria colocar uma questão:
Quem pode colocar uma banda grástica? Só quem tiver mais de 40 ou mais Kgs do que o ideal? Alguém que pese até 10 Kg ou 20 Kg do que o ideal, e que tenha tentado várias dietas infrutíferas, pode solicitar a colocação de uma banda gástrica?

Cumprimentos Civis

Maria Mendes

Catita4ever disse...

A Joana disse que a obesidade não é uma doença (salvo raras excepções) se calhar então é ao contrário, os casos em que as pessoas são obesas por serem gulosas é que são as raras excepções. Ainda bem que se consegue manter elegante com esse tipo de restricções, e parabéns, eu não consigo e faço de tudo.

RUTE disse...

A Obesidade resulta da combinação de uma série de factores:
Factores de ordem alimentar, factores de ordem ambiental/cultural e factores genéticos.
Todos aqui no blog já referiram o tipo de alimentação errada baseada em hidratos de carbono e gorduras.

Também já se falou da falta da prática de exercício físico onde se possa "queimar" as calorias em excesso que se ingere.

Porém, a predisposição genética para a obesidade é algo mais complexo e sério. Ninguém deve apontar o dedo aos obesos sem saber primeiro as dificuldades porque pássam! É muito cruel generalizar. E muito feio ser preconceituoso.

O Indice de Massa Corporal achar-se da seguinte forma:
IMC = Peso (em quilos) a dividir pela Altura ao quadrado (em metros)

O resultado encontrado classifica-se da seguinte maneira:
IMC < 18,5 = peso abaixo normal
IMC entre 18,5 e 24,9 = peso normal
IMC entre 25 e 29,9 = pré-obesidade
IMC > 30 = obesidade

Eu, por exemplo, tenho 1,61 m. Peso 62 kg. Aplicando a fórmula, 62 a dividir por (1,61 x 1,61) dá 23,85.

Quanto ao vegetarianismo como opção para emagrecer...não me parece. Pois eu desde que me tornei vegetariana, engordei um pouquinho :-)

Sara disse...

Boa tarde!

Acho que se devia começar a melhorar os hábitos alimentares pelos menus dos restaurantes, refeitórios e outros lugares onde se sirvam refeições, para dar o exemplo. A quase totalidade nem segue a roda dos alimentos. Se repararmos, as maiores fatias do que se deve consumir diariamente cabem às frutas, às hortaliças e verduras e aos cereais, pão e batata. Então porque é que grande parte dos pratos servidos não levam nem 1 "folhinha verde"? Outros levam umas amostras de salada de alface (só para dizer que isso também se come...). Mas só isso não chega. Muito mais importante do que a quantidade é a variedade. O consumo de carne e peixe é exagerado. A venda de doces e refrigerantes em bares, cafés e pastelarias também (tantas vezes as alternativas que dão são poucas e de qualidade não muito melhor).

Devia haver publicidade que educasse para uma alimentação mais correcta, tal como somos bombardeados de publicidade (que tantas vezes falsea a realidade só para vender o seu produto) para consumir tanta coisa que muitas vezes nem é favorável a uma boa saúde ou mesmo a prejudica (especialmente se consumido em excesso).
Penso que isto incentivaria melhores hábitos em casa, que é o fundamental. Mas acho que realmente tem que partir da divulgação de informação e incentivo persistente acerca de hábitos alimentares mais saudáveis por entidades responsáveis e até instituir novas políticas alimentares em restaurantes e afins. A venda de produtos que não são propriamente benéficos (doces, refrigerantes, pizzas...) deveria ser reduzida e os seus preços aumentados e baixar-se os preços dos alimentos que mais se devem consumir.

De resto, deve haver um certo equilíbrio entre a quantidade de actividades e exercício físico que fazemos e o que comemos (que deve ser pouco e variado várias vezes ao dia).
A obesidade é na maioria dos casos uma questão de reeducação alimentar e deve-se ter em conta que quanto mais o tempo passa mais difícil se torna, logo, convém começar desde pequenino.

Sara disse...

Há sem dúvida factores genéticos que influem e também factores de saúde. Conheço uma mulher com cerca de 50 anos cujo organismo absorve tudo e ela tem que ter um cuidado enorme na alimentação e fazer bastante exercío físico para queimar as calorias que consome.

O importante é melhorar os hábitos alimentares e, de resto, cada um é como é e deve gostar de si e sentir-se bem como é. Não temos que ser super modelos só para caber na imagem do corpo perfeito que a sociedade teima em querer impingir!

RUTE disse...

Concordo Sara. Cada um é como é. E temos de libertar-nos das imposições da sociedade. Venha o tempo das mulheres roliças outra vez!! Os grande pintores retrataram as formas cheias com uma beleza formidável.
Além de que há muita gente magra que não é saudável.
Porém quando se fala em obesidade, fala-se em excesso de massa gorda e isso pode prejudicar grandemente a saúde. O excesso de peso nem sempre é excesso de gordura. As mulheres que praticam musculação por exemplo são mais pesadas.
Falando em começar de pequenino, é uma grande verdade! As escolas deviam de cuidar mais da alimentação dos nossos filhos. Inclusive ter uma alternativa vegetariana, se possivel. Não é uma culinária que dê muito trabalho.
Embora o vegetarianismo não seja solução para emagracer, é de certeza, uma solução para ficar mais saudável. Desde que optei por este regime nunca mais fiquei doente. E já lá vão 3 anos.

Sara disse...

Sem dúvida Rute, devia haver mais locais onde houvesse pelo menos uma alternativa de refeição vegetariana (aliás, devia haver em todos, mas isso por agora parece que é pedir demais). Os vegetarianos que não podem vir fazer refeições a casa por qualquer razão como trabalho, por exemplo, ou mesmo lazer, ou levam comida de casa e fazem pic-nics ou então têm que se sujeitar a comer outras coisas que não é da sua vontade incluir na sua dieta, ou então passam fome...
Quanto a emagrecer, não sei se o vegetarianismo ajuda, mas a verdade é que se trata de uma dieta bem mais pobre em calorias e, normalmente, quem opta pelo vegetarianismo tende a ter um pouco mais de cuidado com o que come e em que quantidade. Mas isso também depende muito do organismo de cada um.

E que piada é que tinha se as formas dos corpos fossem todas à semelhança do ideal de perfeição da sociedade? Magreza não significa beleza nem saúde. Já imaginaram um filme só com actores magros? Ou andar na rua e só ver corpinhos "perfeitos"? Acho que até perdia o interesse em olhar por me parecer tudo igual e acho que daí a pouco teria que começar a tomar pastilhas para o enjoo...

Anónimo disse...

A alternativa não é passar a ser vegetariano, mas sim ter em atenção à maneira como se confeccionam os alimentos e ter uma dieta variada, porque também há muitos vegetarianos gordos!

Anónimo disse...

"Anónimo disse...
A alternativa não é passar a ser vegetariano, mas sim ter em atenção à maneira como se confeccionam os alimentos e ter uma dieta variada, porque também há muitos vegetarianos gordos!"


Muitos? Que seja gordo só conheço um entre muitos, e se também comer muitos doces e beber leite e comer ovos também não é de admirar que se engorde.


De longe, o problema principal da obesidade é a ingestão de gorduras (colesterol, etc) que são obtidas ao se ingerir "produtos" de origem animal, como as carnes, ovos e lacticinios. É através destes "produtos" de má qualidade que uma pessoa ingere muitas porcarias e fica gorda muito mais facilmente.


Gordura animal é de muito má qualidade, saturada e contem imensos quimicos derivado de vários factores, o colesterol mau por exemplo só pode ser obtido ingerindo "produtos" de origem animal, este não existe em gordura vegetal.

A gordura animal facilmente coloca uma pessoa obesa enquanto que a gordura vegetal como o azeite não tem nenhuma dessas desvantagens, muito pelo contrário, só vantagens, e só engorda se se ingerir em grandes quantidades.

carpe diem

RUTE disse...

Ahahah "pastilha para o enjoo" :-))
Ó Sara tu tens umas saídas muito engraçadas :-))
Mas não podia concordar mais contigo: Eu adoro a diversidade. O mundo é um espetáculo com toda a sua variedade de formas, de cores, de sabores. É lamentável estarmos a caminhar para "n" clones do mesmo estereótipo de mulher ou de homem fisicamente perfeito.
Cada vez é mais fácil, retirar daqui com lipoaspiração, colocar ali silicone, contornar e aumentar com batidos de proteína... E em breve não será só o milho modificado genéticamente, também nós, seres humanos, seremos OGM´s! Có Horror!!!!

Sara disse...

=) Ya, a geração "putos transgénicos", olha que não me admirava muito...já há certas alterações que se podem fazer nos bebés dentro do ventre materno, por exemplo para ter determinada cor de olhos... Nesta altura do campeonato começo a preocupar-me mais com o "Para onde vamos?" do que com o "De onde viemos?"

Joana Pinheiro e Luísa Álvares disse...

Antes de mais queria deixar os parabéns ao excelente programa que têm.
Queria só deixar focado que se não se apostar na prevenção, esta pandemia a nível mundial continuará a alastrar-se e atingirá valores ainda mais alarmantes com todas as repercurssões que isso implicam. Deve-se apostar em fazer educação alimentar nomeadamente nos cuidados de saúde primários.

Yoga disse...

Gostaria de dizer que sou vegetariano há mais de 8 anos e me sinto muito bem e feliz.
Começou com a prática de Yôga, onde ganhei uma enorme consciência. Experimentei e os resultados foram fantásticos :)
Agora, não como nada que dê origem à morte de animais que não têm culpa da falta de consciência do Homem que gratiutamente se alimenta de cadaveres e depois sofre as consequências na saúde.

SwáSthya!