quarta-feira, fevereiro 27

Aprender a ser músico


Está em curso a reforma do ensino da música em Portugal. O Ministério da Educação pretende já a partir de Setembro que as escolas passem a leccionar em regime integrado. No fundo, os alunos passam a receber na mesma escola a formação geral e a especializada da música. Até ao momento, os alunos podiam escolher o regime supletivo e acumular o ensino regular com as aulas de música do conservatório.

10 comentários:

lady_blogger disse...

Com tal medida os alunos deixarão de pagar mensalidades das escolas de música? O único benefício que se vê de imediato é que os alunos terão todo o ensino concentrado numa só escola. Mas enumerem outros.
E como será o acesso a essas escolas?

CC

Maria Mendes

ruinamora disse...

Um dos argumentos para esta reforma, é o suposto insucesso escolar nos conservatórios, devido ao reduzido número de alunos que terminam de facto todas as disciplinas do curso.
Se quem fez o estudo, se se tivesse dado ao trabalho de recolher os dados sobre os alunos que frequentam os cursos superiores de Música nas Universidades ou nas Escolas Superiores de Música, verificaria com certeza, que a grande parte dos alunos não terminou o conservatório, porque tal não é exigido. O que é exigido sim, são os conhecimentos e as competências adquiridas nos conservatórios.
O regime supletivo permitiu-me, tal como a muitos outros, que começaram mais tarde, estudar no conservatório(apesar de não ter completado duas disciplinas teóricas), e estar a terminar uma licenciatura em guitarra na Escola Superior de Música do Porto.Insucesso escolar? não me parece?

Rui Namora

António disse...

Temos tudo para ser felizes, mas não queremos ... e não gostamos de ver os outros felizes.

Um adulto "maduro", não pode aprender musica. E como? aoende?

Nem namorar!!! já teve um tempo, a sociedade está doente, é um problema do foro psiquiátrico. Vamos acabar com esses cursos nas faculdades, não dão dinheiro, nem colocações.

Abraço (para quem não é egoista)

Vieira_dos_pneus disse...

Estou a ver o programa e acho extraordinário que o prog Wagner continue a olhar apenas para o seu umbigo e a considerar que todo o País se resume a Lisboa, Loures e Amadora.
Ó sr professor, que ensino de música leva o senhor às meninos e meninos de Carregal do Sal, Tondela, Vilarandelo, Unhais da Serra, etc? Tem resposta para isso?

Daniela S disse...

Discordo com o desaparecimento do Regime Supletivo, principalmente em idades inferiores a 10 anos. Está mais do que provado que a aprendiazagem da Música é essencial para o bom desenvolvimento, intelectual e não só, das crinças nessas idades. Estudei durante 8 anos num Conservatório de Música em Regime Supletivo (dos 10 aos 18) onde existia crinças de 4 e 5 anos a darem grandes lições a alunos da minha faixa etária.

Fernanda disse...

Boa tarde.
Gostaria de colocar uma questão, que mais é uma grande dúvida:
tenho um filho com quatro anos de idade. frequenta a creche / jardim de infância desde os 5 meses e nas que frequentou, todas as educadoras me chamaram a atenção para o facto de o diogo ter uma apetência bastante forte para a musica. eu e o meu marido já decidimos entretanto que mais um ano ou dois e iriamos visitar o conservatório de castelo branco para talvez o inscrever no entanto o diogo irá continuar com o seu percurso normal no jardim de infância / escola. por aquilo que percebo do vosso programa, isso vai deixar de ser possivel?

Xica Sperta disse...

Boa tarde!

Os moldes desta reforma parecem-me pouco pensados. Os músicos são artistas e a formação artística ocorre em locais apropriados. Não se vão formar bailarinos, pintores, actores, escultores na escola pública pois não?!
Se o estado for capaz de concretizar a educação e sensibilização de novos públicos através do ensino genérico já cumpre uma tarefa fantástica e prestará certamente um serviço mais útil que substituir-se ao ensino especializado.

Parabéns pelo programa,
Margarida Lopes.

isabel disse...

Tenho uma filha com 15 anos que frequenta o 7º grau de piano no Conservatório de Música de Coimbra no regime supletivo. Ela entrou para o Conservatório com 9 anos, quando foi para o 4º ano de escolaridade, ou seja, um ano antes do necessário para poder ter acesso ao regime articulado ou integrado (embora este último não exista aqui em Coimbra). Neste momento a minha filha anda no 10º ano, com esta reforma proposta pelo Ministério da Educação ela deixa de ter acesso ao Conservatório, pura e simplesmente porque está adiantada para a idade, a menos que chumbe um ano no Conservatório. Curioso, não?
Isabel Vieira

Nuno disse...

De que forma uma pessoa como eu , com 33 anos de idade e com 8 anos de formação musical dos 7 aos 15 anos de idade, diploma em orgão electrónico e 2 anos e 1/2 de aprendizagem de piano, poderá fazer uma reciclagem na área musical e ingressar possivelmente numa intituição de ensino? cheguei a ir ao Conservatório de música do Porto fazer o exame de 4º ano e só chumbei na prova oral pois nunca havia sido preparado para solfejar frente a um grande júri, não por por não dominar o que havia aprendido. Sentia uma leveza de espírito na altura em que praticava e cometi um grave erro ao não ter apostado numa carreira nessa área. Cumprimentos
Nuno Santos

Templo do Giraldo disse...

http://templodogiraldo.blogspot.com/

Passem por aqui.

SAUDAÇÕES