sexta-feira, abril 11

Viver com Parkinson



Cientistas norte-americanos conseguiram avanços no tratamento da doença de Parkinson. O feito deve-se a uma experiência laboratorial com ratos com doença de Parkinson, segundo reporta a revista “Nature”. Os ratos receberam um transplante de células por clonagem. Em Portugal, a doença afecta mais de 15.000 pessoas e, igualmente, os seus familiares. Descrita por James Parkinson em 1817, a doença de Parkinson é um dos distúrbios do movimento que mais acomete os idosos, sendo um desequilíbrio do sistema nervoso central que afecta milhares de pessoas. Porque não é contagioso e não tem que ser relatado por médicos, a incidência da doença é frequentemente subestimada. No dia que se assinala o dia mundial do doente de Parkinson queremos saber mais sobre a doença.

3 comentários:

lady_blogger disse...

Sendo necessário recorrer à clonagem, Portugal não me parece por agora ser suficientemente progressista para avançar nessa área.
É uma pena, pois não seriam só os doentes de Parkinson que seriam beneficiados.

CC

Maria Mendes

Terça-feira Trample disse...

É sem dúvida um caso dificil!

Há que ponderar as possibilidades de "aproveitamento", e os beneficio que os doentes de parkinson poderiam obter.

Tema controverso!

Poemas de amor e dor disse...

Certo dia o céu desabou em mim: Fiquei a saber que sofria do Mal de Parkinson.
Foi assim que um dia escrevi quando resolvi criar um blog onde se falasse, e desse notícias, de avanços sobre a doença de Parkinson.

Passados estes anos vamos reparando que ficamos completamente sós, melhor, vamo-nos isolando no casulo das nossas casas – entre quatro paredes – e isso é mau.

A internet é um instrumento que nos pode ligar à vida – mesmo virtual. Pese isso, no meu caso, penso muitas vezes no meu futuro – no meu futuro muito negro.

É verdade não que devemos desistir! É verdade que existem pessoas, dedicadas ao voluntariado, que tudo fazem para ajudar nas associações de Parkinson, porém, está verdadeiramente em nós, aqueles que ainda se podem movimentar, alterar as coisas procurando combater essa força natural para nos isolarmos.

Falando na primeira pessoa, afectado do lado esquerdo há mais de 6 anos, não tenho outro remédio senão trabalhar. Isto de aposentações por incapacidade é complicado e, certamente, terei de optar por sair com penalização. Aqui começa a minha revolta quando vejo que o sacrifício não é para todos. Uns comem o bife outros comem as espinhas.
Quem faz a Lei terá de se aposentar aos 65 anos? Precisam de fazer 40 anos de descontos ou basta uma dúzia?
Qual a razão para se uniformizar por baixo, cortando regalias e mantendo, ao mesmo tempo, benesses adquiridas que me fazem corar de revolta!
Serve isto para dizer que a evolução da doença não é uniforme para todos e o mesmo acontece a certos senhores que se reformam com “chorudas” e acumuladas reformas, - um verdadeiro escândalo nacional.

Voltando ao meu caso, noto recentemente uma lenta prisão no movimento na minha mão direita que vai impedindo de reagir, como então o fazia. Como sou Funcionário Público e tenho de cumprir com objectivos! Que objectivos? Como os irei cumprir afectado como estou?
-Tenho de me aposentar perdendo 4,5% por ano de antecipação! Se não o fizer e adiando como adio a fisioterapia que vai ser de mim?
Finalizo com uma proposta que certamente resolveria esta questão. Como sabem os jovens estão a ficar desempregados e a emigração vai levando essa mão-de-obra.
A minha proposta é manter a idade de reforma como estava e criar uma Lei que impeça os reformados, que tenham reformas acima de 1500 Euros (por exemplo), de exercerem qualquer trabalho remunerado até aos 70 anos. Deste modo evitava-se que os reformados viessem a retirar postos de trabalho aos jovens, criavam-se empregos e cumpria-se o que tinha sido prometido, há muitos anos, por Lei aos trabalhadores.
Finalizo este testemunho para agradecer mais uma vez aos voluntários que ajudam e apoiam os que sofrem de doença incapacitante.
Aos investigadores que lutam pela descoberta da cura para as doenças degenerativas.
Quero agradecer à classe médica e ao pessoal de saúde que vai fazendo o que pode para remediar o sofrimento.
Quero recordar os familiares e os verdadeiros amigos que estão sempre prontos para ajudar. – Por vezes basta um gesto ou uma simples palavra.
Voltando ao meu caso – que seria de mim sem a constante presença da minha doce Elisabete Sombreireiro Palma. Não tenho palavras ou poemas que consigam explicar o quanto a Bete me tem ajudado. Os meus melhores poemas são-lhe dedicados, como foi o primeiro vídeo que consegui fazer, a muito custo, com a sua pintura.
Falar de Elisabete M. Sombreireiro Palma é falar de verdadeiro amor e dedicação ao próximo. É falar de arte! Esta é a justa homenagem que faço àquela que me ajuda a apertar os botões, que me ajeita o nó da gravata e a roupa. Esta é a simbólica homenagem a todos aqueles e aquelas que, sem sem publicidade ou à espera de agradecimento, ajudam ou estão sempre prontas a ajudar quem sofre.
Saúde para todos
Rogério Martins Simões
Deixo um poema

A ESTRELA MAIS BELA QUE ENCONTREI!
(Rogério Martins Simões)


Sabes encontrar-me pela manhã.
No riacho cristalino do desapego.
Onde, renunciando, dores refego,
Para que a esperança não seja vã…

Livre da dor e tortura é este afã,
Cuido este corpo onde me apego.
Tarde libertar-me deste carrego,
Que extingue o carma de amanhã.

E se estiver na hora quero propor:
Irei de mãos dadas pelo caminho
Perdido eu de amores devagarinho.

Levarei comigo o meu lindo amor,
A estrela mais bela que encontrei
Não quero perder quem tanto amei!

Lisboa, 27-03-2008 22:04:08