sexta-feira, janeiro 23

Há amor para sempre?

Um amor que dure para sempre parece ser coisa dos nossos avós ou um final de história de encantar.
Mas a ciência revela que a partir das bodas de prata é que começa a felicidade – assim o revela um estudo recente realizado nos EUA pelo psicólogo Arthur Arondo Stony da Brook University. Vários casais submeteram-se a um scanner cerebral, uns com relacionamentos de longa data, outros ainda em fase de namoro. A surpresa aconteceu quando os registos cerebrais de casais juntos há mais de 20 anos denunciaram níveis elevados de dopamina (associada ao prazer).

Convidados:
Manuel Domingos, Neuropsicólogo
Sandra Sanches, Psicóloga clínica
Mário Zambujal, Escritor
Pe. Joaquim Carreira das Neves, Professor Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa

30 comentários:

Maria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Há e ponto final! E o meu curiosamente é homónimo do médico aí presente.

Nos dias piores ou menos bons é que lutamos contra os nossos sentimentos, não desejando amar quem nos magoa.

CC

Maria Mendes

P.S. Fernandinha como deve ter visto abandonei o SC, e com todo o gosto lhe direi pessoalmente (caso a encontre) o porquê. Gostava muito disto, mas como os amores por vezes também se separam, eu decidi deixar este vício e o do chocolate. Mas no caso do SC há outras razões que só me interessava revelar à Fernandinha. Beijinhos e bom trabalho.

Martinha disse...

Olá

Conheci o meu marido na cantina da FEUP e até hoje estamos juntos. Já lá vão 12 anos, mais alguns, de namoro. Quero acreditar que seja para sempre.

Deixem-me só transcrever algumas frases do livro "O sorriso das estrelas" de Nicholas Sparks:

"... quase toda a gente que conheci desejava as mesmas coisas: queriam sentir o coração em paz... queriam ser felizes..."
"... os jovens acreditam que a felicidade os espera num ponto qualquer do futuro... enquanto que os idosos acreditam que ela faz parte do passado..."

Eu penso que temos de lutar pelo amor todos os dias e um dia de cada vez.

Martinha

Filipa Serra e Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Filipa Serra e Silva disse...

A propósito do tema de hoje sugiro o livro que estou a ler agora: "O amor nos tempos de cólera" do prémio Nobel Gabriel Garcia Marquez - fala dos amores do início do século XX e numa curiosa troca de cartas de amor, que será a base de toda a história, entre outras coisas...fica a sugestão

helena disse...

Não acredito no amor para sempre ,mas sim no amor de sempre.
Todos nos ja vivemos uma grande paixão que nos marcou para toda a vida.podemos ate nem casar ou ver mais essa pessoa mas nunca a esqueceremos.isso sim é um amor de sempre.o amor para sempre nao existe ,existe amor sim enquanto se namora com alguem mas de um dia para o outro tudo pode acabar.amarmos nos a nos proprios isso sim é um amor para sempre.

vicente disse...

Sim, acredito que sim! Muda de cor de forma e mesmo de feitio, tal como nós... mas dura! Sou casada há 4 anos, namorei 10 anos ( com o mesmo...) e temos dois filhos lindos! tudo o que fazemos um pelo outro, entre tanto cansaço, É AMOR!!! o próprio Tom Jobin casou "n" vezes e amou sempre, assumiu que sempre amoun todas as mulheres da vida dele... Casou até ao fim da vida... Vamos fazer amor tolerando e respeitando, diariamente os nosso compinchas...VIVA O AMOR!!!

Carlos Montês disse...

Ainda sendo muito jovem passei há pouco tempo por uma experiência que me faz pensar que a religião pode ser uma barreira altamente prejudicial para o amor eterno.

Tive uma namoro com uma pessoa testemunha de jeová - religião que não tinha grandes noções do que representava, e com o tempo percebi que isso era o factor para a do afastamento de ambos.

Aos poucos construímos um amor muito forte mas o tempo ditou que outras necessidades viessem ao de cima e sendo eu ateu vime forçado a afastar pois não era compatível com o que uma pessoa testemunha de jeová crê.

Hoje considero essa pessoa como o amor da minha vida, a pessoa que eu amarei sempre mais independentemente de ter ou não outras relações, mas vi que essa era uma barreira que me impedia de ter o amor eterno para sempre.

É a questão que lanço.

NightShadow disse...

Olá, chamo-me Marta e tenho 16 anos.
Aredito no amor para sempre nao porque sao as crenças de meninas da minha idade mas porque em casa tenho o exemplo vivo e muito bonito de que ele permanece... Os meus pais fazem este 13 de fevereiro 35 anos de casados nao ha dia em que nao se comportem como namorados. ate me emociona... penso sempre "quem me dera"...

Joana disse...

E o amor entre pessoas do mesmo sexo, será verdadeiro, será igual ao amor entre pessoas de sexos diferentes?
Terá mais ou menos possibilidades de sobreviver?

Mary disse...

Boa tarde,

Gostaria de alertar para uma recente descoberta feita por um grupo de cientistas da Stony Brook University de New York que descobriram que de facto existe o amor verdadeiro.
Foi feita uma análise a diversos casais que viviam juntos pelo menos há 20 anos e compraram-nos com casais que acabaram de iniciar uma relação. Contudo alguns casais de longa relação revelaram os mesmos "sintomas" que os casais recém-enamorados, quase como se tivessem uma espécie de mapa mental como os cisnes têm.

Podem verificar esta noticia e os seus pormenores no Times Online em: http://women.timesonline.co.uk/tol/life_and_style/women/relationships/article5439805.ece .

Muito obrigada e continuação de bom programa.

Maria Cunha

Miriam disse...

Primeiro quero dizer que é necessário definir o que é amor. Tal como na análise organoléptica, a memória e a capacidade de descrição é muito importante. O domínio da nossa língua é muito importante para descrever os nossos sentimentos. O Amor para mim é diferente da Paixão.
Para mim só existe Amor eterno... A Paixão pode ser tão efémera como um olhar...

Paulo Bispo disse...

Acredito no amor e na cumplicidade....uma pergunta para vocês sera que a cumplicidade é o Amor ou sera o Amor a verdadeira cumplicidade...

sonharamar disse...

Amor não é apego. Grande parte dos relacionamentos começam com um sentimento de desejo e paixão e que aos poucos se transforma em apego.
Uma relação de apego é uma relação onde as duas pessoas trocam favores e se restringem de forma a que esta seja alimentada por um sistema de trocas e recompensas. O apego provem do medo. Medo de não ser amado pela pessoa amada, medo de ser trocado por outra pessoa, medo que o relacionamento acabe etc
Amar provem do amor. Amar é ser invadido por um sentimento de bem estar e de felicidade. É encontrar a felicidade no próprio amar. Não há medo no amor Se a pessoa em questão não quiser partilhar a vida dela contigo não é por isso que se a deixa de amar.
O segredo está em amar e aceitar a pessoa amada como ela é. Saber que existem momentos para estarmos unidos e momentos de desunião. Espaço para sermos livres, tanto para mantermos a nossa identidade como diluí-la na relação.
Não existe ninguém no mundo que nos faça feliz. Não existe ninguém que nos complete na totalidade. É nessa utopia que muitas relações acabam por falhar completamente.

Com muito amor:
Pedro Silva

Pedro disse...

De Fast Food a Fast Love...
A vida em conjunto deixou de ser "para o melhor e para o pior" e passou a ser "para o melhor e para óptimo" e caso surja uma contariedade tudo é posto em causa.
Acredito que existe verdadeiro Amor mas está dependente da maturidade dos intervenientes. Muitas vezes o que se ama é a "ideia que temos do outro" e quando essa ideia começa a desfazer-se e não existe a capacidade de amar o real, a relação termina.
Penso que para haver Amor tem de se estar aberto a conhecer a/o parceira/o pelo o que é e não pelo o que queremos que seja.

madame M. disse...

Amor para sempre, talvez, eu nunca tive esse prazer de o sentir dessa maneira, a não ser pelas minhas filhas- esse, sei do fundo do coração/cérebro é para sempre.
A paixão é efémera, volátil, e acredito que o ser humano não é de natureza monogâmica...por isso o amor se existir, é para além das relações amorosas e carnais.

Tania disse...

ola! Sou a Tania e quero dizer que concordo e acredito no Amor para sempre.No entanto,para mim este amor tem que ser muito bem construido e vivido.Comparo o amor a uma pequena semente em que se nós queremos que ela dê bom fruto temos que a colocar num local propicio ao seu crescimento e cuida-la muito bem.
Beijo e parabens pelo programa:-)

miltonloureiro disse...

O Amor é a vontade de expandir o Eu com o objectivo de expandir o desenvolvimento espiritual do pp ou do outro.
O que nao é? Mais o que estou a ouvir...
1-Amor nao é paixão.
2- Amor não é dependência
3- Catexia sem Amor.
4- Amor não é auto-sacrificio
5. Amor não é sentimento
6- Amor não é o risco da perda
Amor é:
1- O trabalhao da Atenção
2- amor é disciplinado.Atodisciplinado.
3- o amor é separação
4- Amor é um Mistério. Uma graça.
Lanço uma provocação: Gostaria de ouvir o padre dizer isso. Amor +elo Divino, pela Natureza explicar como o Vaticano não aprova o uso do preservativo se o Amor/paixão não é so para procriação.

mariete disse...

Boa tarde
O amor para sempre pode existir ou não. Na minha opinião o amor é uma construção diária, sendo necessário investir nesse amor. Penso que não podemos encarar o amor para sempre como uma paixão, pois o próprio sentimento de paixão traduz efeitos no nosso organismo tipicos de doença, o aumento do ritmo cardiaco, falta de apetite, desconcentração, insónia, etc. Seria impossivel vivermos para sempre com a paixão dos primeiros meses de namoro. Penso que hoje em dia grande parte das pessoas não estão disponiveis para investir numa relação, no amor. Amor é aceitarmo-nos, é aceitarmos o outro com todos os seus defeitos e virtudes, é respeitarmo-nos mutuamente, é darmo-nos ao outro e o outro dar-se a nós, é ceder, um sentimento de entrega, onde não dependemos do outro mas sim completamo-nos. Amar é sintormo-nos melhores pessoas por partilharmos a nossa vida com o outro. É essa a minha opinião, não podemos viver o amor sendo egoistas.
Hoje sou muito feliz pois o meu amor vai durar para sempre pois eu não vou deixá-lo morrer.
beijinhos e abram os vosso corações ao sentimento

Jota disse...

O maior amor penso que é o que se constroi e o companheirismo necessário para levar o matrimónio a bom termo. Enquanto a paixão inicial esmorece este amor cresce sempre.

Os intervenientes da sociedade civil estão todos na pré-história, realmente conhece-se melhor a perssoa por carta do que pela Net com foto e web cam, etc.

Pedro disse...

A música da Rita Lee "Amor e Sexo" ilustra bem a confusão que muitas pessoas fazem entre as duas coisas...

vicente disse...

Acreca da capa do livro que agora mostrou, conheci uma pessoa, já avó, que dizia:
- No 1º ano, barriga com barriga; no 2ª ano, anca com anca; no 3ª ano rabinho com rabinho e nunca mais vira!!! Não concordo, obviamente! Amar alimenta e dá-nos alento e força para encarar este mundo louco em que vivemos

kit-kat disse...

Tive diversas paixões,e cada filho meu é filho de um desses" amores eternos"...Nunca consegui ficar numa dessas relações simplesmente porque o Amor acabava...apesar de me esforçar muito para que desse certo...Talvez porque a minha relação com os meus pais foi uma relação de abandono,abuso,sofrimento...hoje só amo verdadeiramente e com um Amor eterno e incondicional os meus filhos!

Jota disse...

Particularmente interessante é a alusão aos Gregos que tratavam as mulheres como escravas e não sabiam se tinham alma ou não. Nunca as coisas foram tão boas como hoje. Viva a liberdade!

paula disse...

F...az a tua Vida a pena
E...scuta sempre oteu coração
L...uta pelos teus objetivos
I...gnora o que te faz mal
C...entraliza as ruas metas
I...dealiza os teus sonhos
D...á mais de ti a ti mesmo
A...ma quem te ama
D...eixa de lado as coisas ruins
E...assim
S...erás feliz!
Que os teus sonhos se concretizem!

Amor para sempre há. Mas temos que dar AMOR ao AMOR... so assim que consiguiremos em cada dia vencer.

Bjs

Parabéns ao Programa.

roler33 disse...

Olá Fernanda Freitas,

Eu como Gerontólogo, proponho que se fale um pouco no amor na terceira idade e da sexualidade na terceira idade, como continuidade do amor e da sexualidade ao longo de toda a vida.

Cumprimentos,
José Maria Bompastor
(Vila do Conde)

Dulcineia Dias disse...

Creio que hoje em dia existe muita pressão a nível social quanto aos casos de amor perfeito. Basta olharmos para as revistas cor de rosa, sempre com casos extra-conjugais entre celebridades. E até quanto aos livros, muita gente se queixa dos finais felizes e dos finais trágicos. A unica coisa que sei é que a sociedade procurar relações falhadas.

miltonloureiro disse...

O Amor é a vontade de expandir o Eu com o objectivo de expandir o desenvolvimento espiritual do pp ou do outro.
O que nao é? Mais o que estou a ouvir...
1-Amor nao é paixão.
2- Amor não é dependência
3- Catexia sem Amor.
4- Amor não é auto-sacrificio
5. Amor não é sentimento
6- Amor não é o risco da perda
Amor é:
1- O trabalhao da Atenção
2- amor é disciplinado.Atodisciplinado.
3- o amor é separação
4- Amor é um Mistério. Uma graça.
Lanço uma provocação: Gostaria de ouvir o padre dizer isso. Amor pelo Divino, pela Natureza.
AMOR É A EXPANSÃO DA GRAÇA DIVINA PELA HUMANIDADE.

Tiago Mauro disse...

As relações entre os homens e mulheres estão a reeditar papéis antigos para adaptá-los às novas exigências, ambos procuram multiplicar funções, um relacionamento maduro é estabelecido entre uma mulher e um homem plenamente adultos, autónomos, independentes e complementares, o amor entre estes parceiros precisa atender às necessidades dos dois.

Sternberg (1997), na sua teoria trifásica do amor, sugere que este consiste em três componentes: intimidade, paixão e decisão/compromisso.

A intimidade refere-se ao sentimento de proximidade, conexão e união no relacionamento amoroso. A paixão conduz o romance, a atracção física, a consumação do acto sexual. Nas experiências de amor romântico, as necessidades sexuais podem predominar, porém outras necessidades como auto-estima, afiliação, dominância e submissão contribuem para a experiência da paixão.

No que se refere à componente compromisso/decisão, num primeiro momento, ocorre a decisão de um em amar o outro; num segundo momento, o casal, compromete-se em manter o amor.

As três componentes não acontecem necessariamente em conjunto. Uma pessoa pode amar a outra sem ter compromisso com ela.

Os três componentes estão sempre em interacção uns com os outros, todos são partes importantes do relacionamento romântico, mas o grau de importância é que pode variar de uma relação para a outra. Da combinação os três componentes do amor, propostos por Sternberg podem derivar oito tipos de amor:

1) A falta de amor quando não há nenhum dos três componentes;

2) A simpatia quando há presença de intimidade e ausência de paixão e compromisso;

3) O amor apaixonado, cuja paixão está presente, mas os outros dois componentes não;

4) O amor vazio sem paixão nem intimidade quando ambos decidem estar juntos;

5) O amor romântico na combinação de intimidade e paixão;

6) Amor companheiro que deriva da intimidade juntamente com a decisão de compromisso;

7) Amor ilusório pela ausência de intimidade e presença de compromisso e paixão;

8) Amor completo, quando existem todos os três componentes.

Sternberg ressalta que várias questões valorizam o amor, por exemplo, o sentimento de um parceiro pode ou não corresponder ao amor que o outro sente.

O Amor é mesmo complicado………….

Susana disse...

Sim, eu acredito e aprendo (através de muitos testemunhos de vida) que há amor para sempre. Acredito que só o amor autêntico (que não significa perfeito) nos realiza e todos lutamos por amar e ser amados, assim.
Esse amor, o autentico, não se encerra num sentimento, mas é uma opção, um caminho, um compromisso diário. Com efeito, o amor não é abstracto, é prático e concreto (por isso não é perfeito), necessita de ser cuidado, disciplinado, através de muitas estratégias.
O verdadeiro amor é entrega de vida, é fazer com que o outro seja feliz.
;)