quinta-feira, fevereiro 5

Viciados em SMS

Um português envia em média 140 mensagens instantâneas por mês. Durante o terceiro trimestre do ano passado foram enviadas 6 milhões de mensagens.
O paradigma da comunicação entre os portugueses mudou radicalmente: menos contato direto (mesmo por voz), comunicação abreviada e, sobretudo nos jovens, um novo léxico de abreviaturas e neologismos.
Que influência tem esta forma de comunicação nas relações inter-pessoais? E nos adolescentes em idade escolar? Afeta o seu desempenho?
As explicações, sem SMS, no Sociedade Civil.

Convidados:

Paulo Feytor Pinto, Presidente da Associação Professores de Português
Raquel Strada, Atriz e Apresentadora de TV
Carla Ganito, Docente de Comunicação Digital na Universidade Católica Lisboa
Mário Sousa, Diretor de Dados e Conteúdos de empresa de telecomunicações

58 comentários:

Jorge CF disse...

Acho que não há volta a dar. Deve-se tirar vantagens.Não se pode andar para trás.

Doce disse...

Já se tornou natural e banal! Existem vantagens e desvantagaens. Aproxima pessoas por facilitar o contacto mais rápido... mas também as pode afastar por não se conseguir expressar tudo tão bem quanto se quer por sms...
Fica à consideração e ao bom senso de cada um de nós usar os meios que temos para o nosso bem-estar e dos que nos rodeiam!

Helder Carneiro disse...

Eu consigo mandar cerca de 200/300 sms por dia, isto se não ficar acordado durante a noite (quase sempre aos fins de semana).

Durante as ferias as 1500 por semana não chegam :S

Já é algo como respirar, principalmente na camada jovem

Rosa Branca Pinto disse...

Eu queria apenas lembrar que os dados obtidos nesta sondagem do blogue devem ser interpretados tendo em consideração que as camadas mais jovens, provavelmente, não estão a participar no programa e, portanto, aquelas pessoas que, em princípio, utilizam mais as mensagens não estão a participar nesta sondagem. Assim, os dados podem ir contra os dados dos quais partem para o programa de hoje.

De resto, o telemóvel revelou-se um instrumento do dia-a-dia da pessoas e, segundo ouvi há uns anos, é também utilizado muitas vezes como forma de evitar falar com alguém, pois ao saber quem está a chamar a pessoa decide se quer ou não atender.

A utilização do telemóvel é irreversível, assim como a utilização do e-mail que veio deixar para o passado a escrita das cartas.

Bom programa!

Um abraço, Rosa Branca. (do Porto)

Pedro disse...

Boa tarde,
Os telemóveis hoje em dia só lhes falta tirar bicas. Fazem de tudo!
A alteração que está a provocar nas relações pessoais e de grupo é algo que deve ser sem dúvida estudado e avaliado o seu impacto no futuro da sociedade.
Sou de uma geração (tenho agora 29 anos) que na adolescência usava o telefone fixo para contactar com os amigos, e quando queria estar com eles marcava um ponto de encontro e o convivio era presencial.
Hoje, tudo é falado, combinado e vivido por telemovel (sms e messenger) e pela internet. Até a maneira de apropriação do espaço está a mudar, passando o ciber-espaço a ser o local preferencial das relações interpessoais.

Quanto à utilização do telemóvel, limito-me ao essencial e o mesmo quanto aos sms. Até utilizo com mais frequência o envio de sms via internet nos sites dos operadores.
E quando quero estar sossegado, desligo os 2 telemóveis que tenho. Pelo direito à privacidade! Hoje parece ser obrigatório estar contactável e por vezes simplesmente não apetece.

Pedro C
Lisboa

ptc_user disse...

eu não me englobo nisto...se enviar 30 mensagens por mês já é muito.

Aproveito para enviar o jinho para a Raquel :p

Rui Ferreira de Almeida disse...

É um atentado à lingua portuguesa!
Mais ano, menos ano, iremos ter um acordo ortográfico entre a lingua oficial portuguesa e os neologismos criados através da escrita pos sms...

Helder Carneiro disse...

Penso que a "desculpa" da radiação não pode ser aplicada, porque pensando exteriormente, uma chamada deve prejudicar bastante mais devido a proximidade e ao contacto directo com o crânio e com o canal auditivo!

E quanto a transladação de vocabulário usado em SMS e o que é necessário em exames/testes/trabalhos, penso que é RIDÍCULO!

Uso bastante o telemóvel e uma das coisas que tenho a certeza (tanto por experiência própria como através do meu circulo de colegas) que não usamos essa linguagem nesses casos e ate penso que é uma maneira de nos alertar mais para a nossa escrita de forma a não "escapar" e "qq" ou um "k" :D

PROTUGLA disse...

Sou uma jovem lisboeta de 20 anos e tenho 2 telemóveis. Ambos têm tanta importância na minha mala como a carteira, as chaves de casa e os lenços de papel. Já utilizo telemóvel há 8 anos e mandou cerca de 20 SMS por dia, todas em escrita inteligente. Ou seja, não faço abreviações como é habitual nos jovens da minha idade, apesar das conhecer.
Envio tantas SMS que a cada 2 dias tenho a caixa cheia e preciso de as apagar todas... Por oposição sou capaz de passar 2 ou 3 dias sem receber ou efectuar uma chamada de voz.
Penso que a utilidade das SMS está na capacidade de se ser conciso e ser rápido a escrever, o que só vem pelo hábito.
Como professora de inglês do ensino primário compreendo que as SMS especialmente entre as crianças pode ser prejudicial pois diminui a capacidade descritiva dos mais jovens.

juliana pereira disse...

Boa tarde a todos, sou estudante, participo no programa ERASMUS na capital da Republica Checa e não pude deixar de comentar o assunto do programa de hoje. uma das potencialidades do telemovel, mais precisamente das SMS é o facto de podermos utilizar nos transportes publicos da cidade para adquirir um bilhete. para isso basta mandar uma SMS para um referido numero e em poucos segundos temos um bilhete em formato digital no nosso telemovel! interessa referir que este sistema nao implica custos para os utentes, ja que o preço da SMS é exactamente igual ao que gastariamos passando varios minutos na fila para comprar o bilhete! não sei se este sistema funciona em portugal...se nao existe porque nao pensar no assunto?!

BSimoes disse...

Nós como seres humanos é obvio que temos que comunicar, pois não conseguimos viver isolados do mundo, já que precisamos se socializar. Mas este "vício"do sec. XXI traz muitos aspectos negativos. No meu caso tenho primos nos segmentos de idade 10-15 e reparo que eles têm muitos problemas no que toca á escrita do Português. Mas não são só eles, eu tenho colegas no ensino superior que chegam a apresentar trabalhos em aulas com abreviaturas, do genero nc(nunca),vz(vezes) e outros mais. Concluindo penso que deve existir um controle por parte dos país, de forma a que os filhos não estejam nas aulas a enviar Sms e que utilizem o menos possível de abreviaturas pois podem afectar a sua compreensão na nossa língua.

Markcs disse...

Eu não envio por norma SMS, e comsidero que estes são muitas vezes usados de uma forma desrespeitosa. Ou seja, o receptor da mensagem fica obrigado a ter de gastar dinheiro numa resposta, quando um simples telefonema seria bem mais respeitante.

Célia disse...

Eu sou fanática dos SMS´s desde que aderi ao moche tenho a vantagem de serem à borla

carica disse...

Boa tarde,

Tenho 29 anos e tive o meu primeiro telemóvel aos 20. Lembro-me que optávamos pelos sms, porque simplesmente era mais barato do que um telefonema.
No entanto, nunca fui viciada em telemóveis. E embora seja um telefone pessoal acredito que tenho o direito de só atender quando quero.
Creio que a famosa linguagem de abreviaturas tão utilizada pelas camadas mais jovens teve o seu início aqui - no sms - porque afinal existe um limite de cerca de 150 caracteres!
Quanto às crianças e telemóveis, os primeiros a serem educados quanto ao bom uso desta ferramenta são os pais! A minha melhor amiga é professora e é-lhe comum deparar com pais que se acham com todo o direito de telefonar durante o período de aulas.

Um abraço. Ana Chagas

Pedro disse...

Como se diz "O mal não está na tecnologia, está no uso que se lhe dá!"

Helder Carneiro disse...

Os carros no inicio, eram símbolo de status quo, depois tornaram-se banais e esse status foi reduzido aos melhores carros, e agora procura-se sempre carros mais baratos, eficazes etc, etc.

O mesmo se passa com os telemóveis!

Cada geração da mais ou menos atenção ao telemóvel e outras tecnologias, a nossa geração (90) nasceu numa era "futurista" mas demasiado complexa!

Estamos a evoluir com os tempos e se não os acompanharmos, iremos perder informação!

SMS, Chamadas, MSN, qualquer coisa serve para comunicação, e isso sim é o bem essencial! Nos usamos os SMS, para nos "escondermos" devido a vergonha da conversação pessoal, ser muito mais confidencial(ninguém ouve as nossas conversas) e simplesmente por ser mais rápido e simples (e não há sempre aquele problema de ligar novamente porque nos esquecemos de algo).

Imaginem o que era ter de avisar 100 colegas que a sala de aula mudou 5 minutos antes da hora prevista? chamadas? impossível!

Rosa Branca Pinto disse...

O telemóvel tem, ainda, um grande potencial no caso dos idosos. Pode constituir um instrumento fundamental de comunicação com os filhos ou com alguém amigo, até mesmo com os agentes de autoridade, para o caso de precisarem de pedir ajuda. Há, até, casos de pessoas que não sabem ler nem escrever e que utilizam o telemóvel através do sistema de marcação rápida e as pessoas decoram que o botão um chama para uma pessoa e o dois para outra...

Tive o meu primeito telemóvel aos 16 anos e tenho 25.
Hoje em dia as crianças brincam com os telemóveis velhos que, entretanto, deixamos de utilizar. Portanto, é óbvio como estas novas gerações são gerações muito, muito diferentes das nossas, na minha óptica.

Votos de bom trabalho.

Cumprimentos, Rosa Branca.

Gil Fonseca disse...

Boa tarde em primeiro lugar. Queria dar minha opinião acerca da linguagem utilizada na escrita das mensagens sms. Certamente a culpa deste processo vem do resultado das limitações que as operadoras e os modelos de telemóvel apresentam. Aproveito para colocar esta questão ao Sr. Mário Sousa. Obrigado.

Pedro disse...

Falando de poesia não podia deixar de referir a poesia japonesa, concretamente o Haiku, tinha 5 versos, de 5 e 7 sílabas.
Tudo se resume a originalidade e talvez genialidade.
A capacidade de síntese é algo de muito dificil e que talvez o sms consiga auxiliar

Os criativos da Maia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Helder Carneiro disse...

E lembrei-me agora de algo que devia ser dito:

O meu avo tem 71 anos, e manda-me quase diariamente SMS a informar-me de algo que se passou, perguntar se esta tudo bem ou para pedir para o ir visitar porque tem algo mais "complexo" para me dizer!

Tudo vai da simples adaptação!

PROTUGLA disse...

As utilidades do telemóvel ainda não foram totalmente exploradas. Daqui a 5 ou 10 anos teremos triplicado a sua utilidade passando o telemóvel a fazer parte da nossa existência.
Contudo, para que esta evolução aconteça acho que as pessoas vão precisar de se habituar melhor a esta realidade.
Mas mais que tudo isto é preciso também tornar mais acessível estas novas funcionalidades, por exemplo, €0,60 (120 escudos!) é quanto custa saber, em Lisboa, quanto tempo demora a chegar o autocarro da Carris. Não é exurbitante mas afasta muitas pessoas da utilização destas funcionalidades.

Luís Miguel Alves disse...

Eu tenho 17 anos e sou estudante do 12º ano.
Há bem pouco tempo atrás enviava em média, por dia, 500 mensagens para vários amigos. Apercebi-me que estava a abdicar involuntariamente da minha familiar e a prejudicar a minha vida escolar.Decidi desligar o telemóvel e entregá-lo à minha mãe. Foi, sem dúvida a melhor decisão que poderia ter feito.
Agora, estudo o necessário e convivo normalmente com a minha
família sem a preocupação de estar a receber e a enviar mensagens.

Bom Programa!

Stonetalker disse...

Boa tarde!
Devo dizer que fui e, embora de maneira restringida, viciado em tecnologia. Qualquer gadget que saísse para o mercado, eu queria comprar. Tinha no Messenger, centenas de pessoas que conhecia presencialmente e depois continuava a desenvolver a relação através do contacto via internet. Cheguei ao ponto em que deixei de aceder ao Messenger porque ao abrir o programa, imediatamente era fustigado por dezenas de conversações.

Hoje luto para conseguir alguma privacidade. O meu nº telemóvel só é conhecido pelas pessoas que interessam (família, amigos (a sério), colegas de trabalho, etc.) e só com muita insistência é que utilizo o Messenger. Tive o meu primeiro telemóvel com 17 anos (quando os meus pais se divorciaram). Tive sempre uma regra inquebrável. Não utilizar a linguagem imperceptível à grande maioria dos portugueses nos meus SMS e conversações no Messenger.

Hoje, como professor de inglês no 1º ciclo do ensino básico, fico agradavelmente surpreendido que na zona onde lecciono o nº de telemóveis entre as crianças é extremamente reduzido.

Cumprimentos

Pedro disse...

E quem é que nunca enviou os famosos sms's de Natal e Ano Novo que vieram acabar com os postais de Natal convencionais? Já Camões dizia "Todo o Mundo é composto de mudança..."

Stephane disse...

Olá!
Não sou muito utilizador do telemóvel, mas acho importante quando o seu uso é correcto... mas por outro lado, acho que o telemóvel é utilizado de forma excessiva, isto é, vejo muitas vezes colegas meus, que às 9h da manhã, já mandam milhões de sms... o que haverá para se dizer às 9h da manhã? Alguns chegam a falar com o colega do lado pelo telemóvel... e isto faz com que os nossos jovens comecem a perder a capacidade de dialogar cara à cara,e quando se sentam num café, não têm tema de conversa, porque a inspiração ficou presa ao telemóvel.
Cumprimentos e bom programa!

Catarina disse...

o uso das sms nao so entre os jovens e vantajoso porque, por exemplo, quando existem mensagens de procura de sangue para certo necessitado, torna-se mais facil essa divulgaçao pois uma pessoa envia a 5 e uma dessas 5 envia a mais 5.e assim sucessivamente.


catarina, 17

Carolina disse...

Numa sociedade onde o imediato e o utilário são regra, julgo que o recurso às sms vem facilitar em muito a comunicação, não substituindo, a meu ver, as relações presenciais. Um outro ponto interessante a analisar é que, apesar da proximidade cultural entre a Europa e os EUA, os norte-americanos não possuem este hábito da sms.

Inês disse...

Este tipo de comunicação afasta, sem dúvida, as pessoas. Enquanto que antigamente nos encontrávamos para desabafar com um amigo, hoje em dia, em poucos segundos temos o problema resolvido, basta enviar uma sms. O problema é que depois quando estamos com o amigo já nem falamos com um assunto, as sms's fecham-nos num mundo que por um lado nos ajuda a desabafar mas, por outro, nos afasta um pouco da realidade que é falar directamente com alguém.
Quanto às aulas é uma questão de educação e de medidas que os professores têm de tomar para se adaptarem a esta realidade.

BatataJunior disse...

Tenho 14 anos, tenho um tarifario em que tenho comonicações elemitadas, sms, mms e messeger por 10 euros mês.
Por dia mando mais de 300 sms e falo pelo menos 2h ao telefone por dia.
Sim sou viciado em sms.
Mas veijam a partae boa dos sms com eles podemos tartar de imporvistos.
Sim mando sms durante as aulas, ao jantar, sempre a mandar.
Ontem porque estou doente em casa mandei cerca de 500 sms.

Dj K8 disse...

Ola chamo-me Miguel estou a ver do porto, tenho 18 anos o primeiro telemovel aos 14 anos.
Realmente o telemovel tras muitas vantagenss e desvantagens tambem porque quando andava na escola tinha amigos que de tanto escrever sms com o "x" "y" esqueciam-se que estavam em teste e davam esses erros!

Eu mando poucas sms no msximo 5 ou 6, costumo utilizar mais as chamadas!

O telemovel ja e um vicio porque vou na rua e mais de 70% das pessoas vai agarrada ao telemovel!

Miguel pereira Porto

Andreia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Markcs disse...

De modo a combater os riscos de mal-trato à lingua portuguesa as operadoras muito simplesmente deveriam colocar preços mais altos nos SMS's do que nas chamadas.

Helena Mouta disse...

Boa tarde!

Quanto à linguagem características das SMS é importante referir que, existem abreviaturas ditas legais, autorizadas que podem ser usadas na mensagens..Para isso, basta que os jovens saibam da existência destas abriviaturas da nossa língua que permitem compactar o espaço das mensagens e manter uma escrita correcta..;)

Nuno disse...

Estou a ver o vosso programa, e disseram que as companhias móveis em portugal foram pioneiras em muitas coisas.A coisa que acho que foram pioneiras foi em tratar mal os consumidor, mas não é caso unico, porque vivo em Espanha e lá ainda é pior, os monopólios mantêm-se e as pessoas(nós)inconscientemente somos tentados em utilizar o telemóvel tantas vezes ou mais do que algumas pensámos.
Quando temos alguma dúvida ou se queremos fazer alguma reclamação, dão-nos musica, passados 10 minutos responde-nos um assistentecom um nickname(normalmente mal formado a nivel técnico)e quando questionamos se poderemos resolver a questão pessoalmente dizem que não é possível.

O representante da TMN aí no programa pode confirmar se usam nicknames nos call-center.

Muito Obrigado

Pedro disse...

nos Estados Unidos já se chegou ao ponto de criar hotéis onde os hóspedes têm de entregar os seus telemóveis, em particular os de uma marca específica por serem vocacionados para as mensagens de texto. Isto porque se provou que cria dependência e as pessoas que o usavam, quando lhes era retirado o equipamento apresentavam sinais de nervosismo (quase uma ressaca).
Bom-senso tem de ser imperativo e esperemos que em Portugal não cheguemos aos SMS Anónimos para curar dependências.

igor disse...

Boa tarde, antes de mais gostaria de referenciar que o uso dos telemóveis espelha uma das muitas necessidades sociais, nomeadamente, comunicar.
O acto de comunicar é todo ele necessário ao ser humano.
Por outro lado, encontramos o lado do "empresarial" das operadoras que estudam as necessidades e tentam compreender as mesmas, para conseguirem terem mais aderentes.
Estes estudos e estas campanhas (gratuitas;sms e chamadas) criam novos hábitos sociais e novas tendências, ou seja, o lado empresarial cria todas as tendências "móveis".
O uso abusivo do telemóvel é prejudicial, o contacto permanente entre indivíduos poderá deteriorar as relações humanas e as formas de exprimir sentimentos e emoções estão globalizadas e generalizadas.
Contudo o uso do telemóvel é obrigatório, por aquilo que nos oferece.(comunicação; estatuto.)

Andreia disse...

As sms são sem dúvida alguma um instrumento extremamente essencial para uma senhora de 82 anos que conheço que não ouve e é através das sms que pode comunicar com a familia. É sem dúvida muito importante para ela e para quem a rodeia.
Parabéns ao programa.

rjcp disse...

Ao contrário do que as operadoras nos querem fazer crer, os SMS não custam absolutamente nada às operadoras.

Acontece que a limitação dos 160 caracteres advém justamente do facto de tal se servir dum canal de controlo - a comunicação automática e periódica entre as torres e os telemóveis - onde esses dados teriam de ser transferidos de qualquer forma.

Ou seja: os utilizadores pagam, às vezes dezenas de cêntimos, por um serviço que não custa rigorosamente nada às operadoras!

Estes factos foram originalmente expostos pelo New York Times, em http://www.nytimes.com/2008/12/28/business/28digi.html

Nuno Cruz disse...

Boa tarde.
Este programa é excelente, obrigado pela sua existência. Relativamente a algo que ouvi no programa, peço desculpa, mas essa empresa operadora de serviço móvel não tem participação do estado?! Assim, se calhar não será tudo de borla. Resta saber quem é que são os accionistas!!!

Joao disse...

Olá!
Como gosto muito do programa não podia deixar de "postar" isto que vi no site da Fac do Porto

Mais de 60% dos jovens “não vive” sem telemóvel
De acordo com os inquéritos realizados, a utilização do telemóvel por parte dos jovens é imprescindível, servindo para comunicar por SMS ou voz, tirar fotografias, filmar, enviar e ver vídeos, jogar e, também, para aceder à Internet. 67% dos inquiridos afirmou "Não sei passar sem o telemóvel”.

Muito Obrigado

e beijinhos para a Fernanda Freitas e convidados...principalmente para a bela Raquel Strada!!!

João

Luísa disse...

Sou aluna de Comunicação Digital da professora Carla Ganito e uma das coisas que nos disse logo na primeira aula foi que não valia a pena proíbir-nos de ligar o messenger porque só nos faz ter mais vontade de o ligar. A verdade é que acho que nos telemóveis acontece a mesma coisa. Por muito que os professores digam para os mantermos desligados, não conheço absolutamente ninguém que o faça (e somos estudantes universitários, logo com supostamente mais capacidade de nos alienarmos deste objecto pelo menos durante as aulas). Verdade seja dita que é raro o aluno que, ao receber uma mensagem escrita durante a aula, não a leia...já para não falar das vezes que se atendem chamadas...
Quanto às mensagens, tal como a Raquel, também as guardo...tenho inclusivé pastas reservadas para determinadas pessoas ou alturas.

BSimoes disse...

Estamos a fugir do contexto do programa.O tema não é as SMS mas sim os viciados em SMS, logo não devemos realçar os aspectos positivos dos SMS mas discutir os pontos fracos(e fortes se houver)dos viciados em SMS.

Luís Miguel Alves disse...

O telemóvel, tal como o messenger e outros tipos de chats, promovem o isolamento e a não convivência entre as pessoas.
Devia haver um dia sem telemóvel tal como o dia sem automóvel. Acredito verdadeiramente que muitas pessoas iriam continuar esse dia, tal como eu fiz.

Catawina disse...

eu tenho 2 telemoveis. Costumo mandar cerca de 700 mensagens por dia e fazer 900 telefonemas.
Mas acho bastante cedo termos um telemovel antes dos 12 anos. Só apenas para contactar com os pais.
A minha sobrinha tem um telemovel da tmn, em que os pais têm um alerta quando a criança sai dos 2km previstos ou mesmo da escola.

Tiago disse...

Boa Tarde!!

Eu antes mandava a' volta de 300 sms por dia, passei a enviar menos quando o meu telemóvel começou a dar problemas, agora envio á volta de 150 p/dia.

Ass Tiago Amaro

martinhaa disse...

viciada?
já n sou, mas confesso k ja passei a fase do vicio!porém kd mudei d tarifário,k n tem sms gratis,mas tem chamadas, passei a ligar e a utilizar os sms via net!
mas o sms é mt mais pratico!inda custa n pegar o tlm e escrever! :)
a titulo dos tlm, eu tenho d mudar,mas inda n encontrei o modelo k m cative cm o meu 6600!

bom programa...fernanda, ta linda hj!
(hj escrevi abrevidado em algumas siglas por razoes obvias!)

marta loureiro

2XOfUTN1woGrBxb.bpw1s0UWE7jMVMc- disse...

A Raquel Strada é «actriz» e não «atriz», tal como o Mário Sousa é «Director» e não «Diretor». Isto quer no blog quer nos rodapés que são difundidos no próprio programa de televisão.

Gostava de saber como é possível admitir alguém que não domina a ortografia básica do português europeu num cargo destes. Totalmente irresponsável.

Claudia disse...

Tenho 30 anos e já usei muito mais o telemóvel, recebi o meu primeiro telemóvel quando fui para a faculdade, cheguei a enviar 200/300 mensagens por semana e agora envio apenas 5 por dia, se tanto; mas a minha participação vem pelo seguinte: ouvi ontem uma notícia na Antena 3 sobre um concurso de língua portuguesa para quem envia sms.
Espero que as abreviaturas não transformem negativamente a nossa língua; cada vez mais me perguntam como se escreve....pois éstá tudo a habituar-se a escrever por abreviatura...
Bom Programa :)

Luísa disse...

Um dos aspectos que me parece relevante é o facto de existirem agora tarifários que fomentam o envio de sms mas também de chamadas como o Moche, o Extreme ou o Tag dependendo da operadora.

A realidade é que quando só as mensagens eram gratuitas fazia o menor numero de chamadas possíveis. Agora em vez de enviar mensagens prefiro telefonar... principalmente quando vou a conduzir.

Falava-se da questão de atravessar as estradas a mandar mensagens... e conduzir a mandar mensagens?
Vê-se constantemente...e contra mim falo.

Xavi disse...

Li alguns comentários bastante interessantes dos restantes "colegas".

Como alguem disse, o "mal não está na tecnologia, está nas pessoas."

Não tem lógica proibir/limitar a tecnologia em si, as pessoas é que necessitam saber quais os limites que devem ou não ultrapassar.

Falando em SMS, é muito menos incomodativo alguém numa mesa ao lado num restaurante receber/escrever SMS do que estar a falar ao telemovel, incomodando aí sim as restantes pessoas que querem estar em descanso.

Quanto à inscrita "SMSzada" nos testes/trabalhos da escola, todos nós sabemos que é rara a pessoa que a escrever apontamentos não abrevie, tal como se fazia muito antes dos SMS e isso nunca se mostrou um problema nos testes/trabalhos. São coisas independentes

XAVIER COSTA

Nhepras disse...

Sou jovem de 19 anos e não me considero, de todo, viciado em telemóvel, muito menos em SMS. Não por inconformismo, mas porque, pessoalmente, não me identifico com o objecto.

Apenas utilizo mensagens electrónicas (messenger incluído) com o objectivo de informar e combinar algo, por achar demasiado impessoal para um carácter mais sentimental. Prefiro mil vezes presenciar as reacções e expressões das pessoas em relação a assuntos tão importantes.

Conheço pessoas que abusam na utilização de SMS, como se de algo vital e essencial às suas vidas se tratasse. Embora respeite, é algo que não compreendo. Pior ainda quando o acto de envio de mensagens se torna automático e desrespeitoso caso coincida estarmos na companhia presencial de outra pessoa.

Quanto ao facto da escrita, não encontro nenhum mal nas abreviaturas quando é um mal necessário (limites de caracteres, dinheiro, etc.). Caso contrário é preguiça aguda. Para além disso, acho um atentado à nossa língua quando se decide enveredar por anglicanismos ("adoro a tua mãe, best; ela é awesome!"), substituição de letras (x's e z's excessivos) ou erros ortográficos, de acentuação ou pontuação frequentes ("eu fui á casa do Miguel";"á tempos que não te via!"; "olha o que fizes-te", etc.).

Agnis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hilton Silva disse...

Olá,

Tenho 47 anos e sou catedrático em Língua Posturguesa (Brasil), mas lembro-me de que na minha adolescência podia conversar com meus amigos sem que meus entendessem alguma coisa, com gírias, mas isso nunca impediu-me de obter boas notas, tanto em Português como em Literatura.
Há sempre uma evolução e introdução de novos elementos à língua, por exemplo palavras francesas e inglesas inseridas na nossa lingua e que usamo-las com a maior naturalidade.
Um abraço.

Hilton Silva
P.S.
Concordo com a idéias do professor convidado, uma reflexão nas aulas de português.

Agnis disse...

Um telemovel é bastante importante, eu mando cerca de 20 a 50 mensagens e costumo fazer 10 telefonemas.
Ás vezes estou na escola e preciso de telefonar á minha mãe, por isso acho importante o telemovel. Mas também acho que em exagero tudo faz mal.

Cumprimentos Sofia.

Rafael disse...

nao concordo com o uso de telemóvel em qualquer recinto de trabalho ou de estudo. além disso e frequente encontrar pessoas com as quais estamos a falar e não nos prestam a devida atenção. e uma falta de respeito

Magui disse...

Olá, boa tarde a todos!

Não posso deixar de fazer um breve comentário...

Em relação à questão da segurança invocada pelo representante da TMN, o problema são exactamente os usos indevidos que os interesses dão à tecnologia!

Quando introduzirem os Bio-CHIPS (já a ser fabricados pela Motorola), serão invocados os mesmos argumentos de MEDO e NECESSIDADE de SEGURANÇA!

Cabe-nos a nós ter a consciência e o sentido crítico, para não nos deixarmos "levar" pelo marketing agressivo que é permitido às operadoras na MANIPULAÇÃO DAS MASSAS!
Isto é ainda mais grave quando essas campanhas se destinam às camadas jovens, que ainda não têm background para terem esse discernimento!

david leal disse...

Para além das sms serem mais rápidas e objectivas de enviar, tambem existe pacotes muito bons para a população. Não concordo receber sms a promover serviços pois o telemóvel que uso é para uso privado e quando adquiri o telemovel com o cartão não preenchi nenhum papel a dar autorização do mesmo.