sexta-feira, fevereiro 11

Dia Europeu do 112

Nem todos sabem, mas em caso de emergência em qualquer um dos 27 países da UE só há um número a marcar: 112. O nível de resposta é que pode ser diferente. Em Portugal têm sido introduzidas algumas valências ao serviço, com recurso a tecnologias na resposta ao socorro. Mas de que níveis de eficiência estamos a falar? Como se articulam as diversas entidades no terreno numa emergência? Como se gere um serviço gratuito que recebe por ano 9,9 milhões de chamadas, mas cerca de 70% são falsas. No Dia Europeu do 112 vamos perceber de que forma está otimizado este serviço e como serve as populações dos vários distritos do país.

Convidados:
Pedro Coelho dos Santos, Diretor do Gabinete de Comunicação e Imagem do INEM
Duarte Caldeira, Pres. Liga dos Bombeiros Portugueses
Subintendente Carlos Martins, Dir. da Divisão de Comunicações e Electrónica da PSP, Coordenador Centro de Instalação 112, Centro Operacional 112.pt Sul
Maria Augusta Sousa, Bastonária Ordem dos Enfermeiros

13 comentários:

Ana disse...

Eu tive uma gravidez ectópica em 2006, faz daqui a alguns dias anos.
Liguei para o 112 porque estava a vomitar sangue escuro e não conseguia respirar, foi-me diagnosticado gastroentrite e, mesmo eu dizendo que estava sozinha em casa, foi-me dito para ir ao centro de saúde.
Eu desmaiei e fiquei 2 horas em casa até que chegou o meu companheiro que me levou para o Hospital.
Foi considerada chamada falsa?

pedro neves disse...

viva,
Para quando as policias terão um numero nacional, para as pessoas não ligarem para o 112(urgencias).
e incrivel que todas as situações policias que são graves, mas não de urgencias terem que ligar para as esquadras, numeros com 6 digitos?, e muitas vezes ocorrencias que nao acontecem na area da residencia das pessoas.
cumps
vectrix

pedro neves disse...

viva,
Se o 112, é para urgencias medicas, porque policas a atenderem as chamadas?
cumps
vectrix

Viriatus disse...

Boa tarde,

Gostaria de colocar duas questões:

- Primeiro, qual a opinião do painel relativamente à demora do atendimento das chamadas por parte do serviço 112?

- Porque é que não existe uma descentralização dos centros de atendimento, porque por vezes o socorro é solicitado no sul do país e o alerta é dado no centro do país, o que provocará uma demora muito grande no socorro.

Gostei de ouvir, o representante do INEM, referir que os Bombeiros, não são só úteis no combate a incêndios.

Atenciosamente,

pedro neves disse...

viva,
Os desaparecidos em portugal, não tem por parte das policias, serviços, só dedicados a esses casos. Nas esquadras recebecem em papel a4, com fotos a preto e branco, os desaparecidos. O sistema informatico(sei) nao tem uma secção so para desaparecidos com fotos.
cumps
vectrix

Pedro Marinho disse...

O voluntariado é amor, alegria,paz, carinho, respeito, abenegação pois é assim no Quartel dos Bombeiros de Arcos de Valdevez
Presidente
Pedro Marinho
Comandante
Carlos Ferreira

fatima disse...

Sou Bombeira trabalho varias vezes com o 112 (codu) na recepção da chamada e na passagem de dados.
A minha duvida é : Na passagem de dados no local passa-se sempre ou não ?
È que muitas vezes do codu dizem passar dados se na chamada codu for dito para passar.

AS chamadas de transmissão de dados e de socorro são gravadas?

Pedro Marinho disse...

Olá Dra viva

Voluntáriado é ser um ANJO ao serviço de todos sem excessão de alguém pois é assim na Associação dos Bombeiros Voluntários de Arcos de Valdevez

O Presidente
Pedro Marinho

Comandante
Carlos Ferreira

Pedro Marinho disse...

VOLUNTARIADO é amar sem nunca pedir perdão por qualquer erro. Assim o País tem bombeiros de um enorme coração cheios de vontade de ajudar um abraço a todos eles que ajudam os portugueses todos os dias.

Mas Pergunto ; era fundamental congregar toda a operacionalidade nos quarteis de bombeiros por uma questÕ DE LOGISTICA E TEMPO DE RESPOSTA. Concorda? Dr Caldeira

Pedro Marinho
Presidente de Arcos de Valdevez AHBVAV

Pedro Marinho disse...

Ainda ontem numa escola com 400 alunos em Arcos de Valdevez entreguei um livro que fala TUDO SOBRE BOMBEIROS, PORQUE RAZÃO NAS AEC NÃO SE ENSINA SOCCORISMO? Voluntariado? pois marcamos formações na Escola de Tavóra em Arcos de Valdevez em detrimento de outras aereas que não são prioritárias...
Presidente
Pedro Marinho
Arcos de Valdevez

Carlos Pinheiro disse...

Discordo em absoluto com a forma como são catalogadas as chamadas consideradas falsas para o 112. Se não vejamos: - Há um acidente numa via movimentada. Com a facilidade que hoje existe dos telemóveis, alguém vai ser a primeira pessoa a alertar o 112 para o acidente. Outros a seguir farão o mesmo. Só que as segundas chamadas são todas classificadas como falsas. Mas isso acontecerá em qualquer outra situação a carecer de socorro, seja um incêndio urbano numa qualquer cidade em que muitas pessoas telefonam a dar noticia do sucedido e até nos incêndios florestais acontecerá o mesmo. Então as segundas chamadas serão falsas, só porque já alguém teria informado primeiro? Essa coisa das estatisticas tem que ser melhor apurada pois caso contrário alguém com juizo poderá pensar que somos um país de mentecaptos. Sabemos que há muitos, mas esses entretêm-se com outras coisas que lhe darão interesses directos e não com estes casos que para eles são banalidades.
Portanto nessa reunião com várias entidades de algum modo ligadas ao sistema 112, seria bom que esta coisa das tais chamadas falsas fosse discutido para ser melhor compreendido. Já agora, quem é que vai liderar a reunião? E ainda tenho que dizer que acho muito estranho que no painel não esteja ninguém da ANPC nem da GNR. É estranho!
Obrigado.

João disse...

João

Finalmente um tema "europeu". Este saiu de cesariana. Não vi o programa mas deixo a minha opinião. Em vez de se estar a formar um tradutor, telefona-se á origem. Por ex: um ucraniano telefona ao 112 Nacional, o 112 Nacional passa a chamada ao 112 da Ucrânia, e o 112 da Ucrânia envia uma tradução ao 112 Nacional em Inglês. 11/2/2011

Saritha disse...

Boa noite,
gostava de esclarecer algumas coisas:
Cara Ana a única coisa que tenho a dizer é que em 2006 ainda não existia o centro operacional sul, estou certa que esse erro grave não foi cometido por alguém que tem a formação dos operadores do 112.

Caro Pedro Neves,
O 112 não é só para emergências médicas mas sim para emergências de todos os tipos, desta forma não são apenas policias que estão a atender chamadas também militares da GNR e há sempre presente bombeiros no caso de ser necessário

Caro Viriatus, não percebi a sua primeira pergunta mas relativamente à segunda tenho a dizer que não há por enquanto necessidade no meu ponto de vista de haver uma descentralização como disse dos centros de atendimento, isto porque se trata de um encaminhamento de chamas entre o centro operacional e o INEM ou esquadra do local de residência etc., o que demoraria o mesmo tempo quer o centro se encontrasse no sul, norte ou centro.

Caro Carlos Pinheiro,
Quando uma ocorrência é registada pela primeira vez e alguém telefona a relatar o mesmo acontecimento essa chamada não e considerada falsa mas sim anexada à ocorrência já registada.
No meu entender, somos na realidade um pais "mentecaptos" e mal-educados.
Acontece que há crianças a telefonar na brincadeira, pessoas que não têm mais nada que fazer, pessoas que por o telemóvel dizer "apenas chamadas de emergência" decidem ligar 112, bebés que brincam com os telemóveis dos país, etc., etc.

O problema é que temos um país a subestimar o trabalho dos agentes, militares, bombeiros, etc.
É muito divertido ligar 112 não pagar nada e poder gozar com quem está a trabalhar, mais grave que isto é que enquanto se atende chamadas falsas outras pessoas ficam à espera, mas este não é um problema da responsabilidade de quem está a atender as chamadas mas sim das pessoas sem educação que temos no nosso país.

Gostaria de acrescentar que não trabalho no 112, nem trabalho para o MAI, simplesmente tenho visto reportagens e lido algumas coisas que têm saído nos jornais, gostava que tivéssemos um país mais atento ao trabalho das nossas autoridades.