sexta-feira, janeiro 3

Viver com dor

De acordo com a Associação Internacional para o Estudo da Dor, esta é uma experiência multidimensional desagradável e que envolve, além de uma componente sensorial, a componente emocional. Em Portugal, um estudo da Universidade do Porto revela que mais de 30% da população adulta sofre de dor crónica. As principais doenças causadoras de dor são a osteoartrose e outras doenças ortopédicas, e é mais frequente em mulheres em idades avançadas. Mas como se convive diariamente com a dor? Como pode afetar o dia-a-dia? Saiba tudo no Sociedade Civil.

1 comentário:

Cristina Seabra disse...

Transcrevo o que escrevi no vosso mural de facebook, que tal como bloque, me aparecem desatualizados em cerca de 1 mês (?). Infelizmente não vi o programa "viver com a dor" mas como doente, actualmente em período de agravamento da minha situação (dor localizada associada a síndrome de fibromialgia) e ex representante de doentes lembro que em PT a prevalência de patologia reumática, em geral, é muito elevada e que há muitas mulheres em idade activa (como o meu caso) e jovens que soferm de dor crónica. O impacto que tem na vida pessoal, familiar, soacial, académica e/ou professional pode ser enorme. Há ainda muito a fazer em matéria de sensibilização da opinião pública, serviços académicos, entidades empregadoras e mesmo profissionais de saúde nos serviços primários de saúde, precisamente pela ausência de conhecimento das patologias reumáticas e deste impacto. Espero que possam retomar o tema, estou certas que associações como a Associação Nacional Myos, Associação de Doentes com Lúpus, a ANDAR ou a Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas, entre outras, terão todo o gosto em dar o seu contributo. Bem hajam.