segunda-feira, abril 10

Educação Sexual: em casa ou nas escolas?

A educação sexual é fundamental para a formação dos jovens? Como, o quê e quando deve ser transmitida esta informação? Qual a altura ideal: na pré-puberdade ou na adolescência?

9 comentários:

Anónimo disse...

A educação sexual deve ser dada pelas escolas em coordenação com as várias entidades relacionadas com saúde - ou seja, uma disciplina em que não se discuta como se coloca um preservativo, mas qual a sua utilidade e vantagens.

Anónimo disse...

Qual a altura ideal? Neste aspecto os pais é que devem decidir qual o momento certo para dar esses ensinamentos. O que não pode acontecer é os pais continuarem a não falar de sexualidade com os filhos e que persista como assunto tabu na nossa sociedade.

FDV disse...

boa tarde.

existe particular pertinência da educação sexual na perspectiva da educação para a saúde.

considero o início da adolescência [3º ciclo do ensino básico] a altura ideal para a transmissão de informação aos jovens.

nas escolas, já se efectua algum trabalho no âmbito de clubes de saúde e na área de formação cívica.

Anónimo disse...

deve ser dada principalmente em casa,porque tem s falado mt mas cada vez mais aumenta a sexualidade entre adolescents.A mentalidade dos pais é k tem d mudar e ganhar coragem e diaologar c/os filhos.Nos tempos k correm ñ s justifica o elevado no de mães solteiras.Pergunto quem são os professores k podem ensinar a prevenir os jovens e suas vidas pessoais andam em acordo ao k ensinam?

Anónimo disse...

A educação sexual é a imagem na nossa sociedade.Nunca 1 estranho pode e deve falar c/os nossos jovens d 1 assunto mt melindroso e cada jovem é 1 caso. Cabe aos pais essa tarefa,e serão esses mesmos entidos exemplos para ensinar 1 questão tão responsável??Tanto s tenta alertar os jovens mas só os estão a empurrar para vida sexual cada vez mais precoçe.

Anónimo disse...

Como voluntária num projecto sobre o tema, venho só trazer a luz algo que não foi focado durante o programa. Já alguém tentou impedir a publicação semanal da revista Maria? E a Ragazza ou a Cosmopolitan (com conteúdos explícitos), que eu vejo as miúdas a folhear avidamente nos recreios? Por acaso os nossos jovens aprendem a moda, o cinema ou a música dentro da família ou na escola? E que tal as séries televisivas como o Sexo e a Cidade, ou os canais de cabo (incluindo os videos da MTV)? Já nem vou falar do que os nossos jovens recebem e trocam via email... Não existe maneira de evitar a exposição das crianças e jovens a esse conteúdo social e também ainda não vi quem se lembrasse disso. Pela minha parte, defendo que têm, podem e devem continuar a ter acesso a tudo isso, contanto que alguém os acompanhe na descodificação de todas essas mensagens! A escola e a família deverão intervir é NESSA área incontornável e incontrolável da vida dos miúdos. Há que abrir os olhos para o que se passa FORA da escola e da família para se entender realmente quem os pressiona e DESinforma e evitar que eles abracem apenas esse lado subvertido da informação.

HF disse...

Trata-se de uma matéria controversa.
A questão é saber se pode ser imposta à família a introdução desta disciplina, a ser ministrada a menores.
Pessoalmente, eu sou contrário à existência de uma disciplina de educação sexual.
Não se trata de ensinar matemática ou língua portuguesa.
Pode estar em causa a transmissão de valores com os quais a família não estará de acordo.
Evidentemente, importa ensinar aspectos relativos ao aparelho reprodutivo, às funções sexuais, às doenças sexualmente transmissíveis e à gestação. Até porque as propostas sexuais surgem numa idade muito precoce, na escola.
Mas essas matérias devem ser abordadas nas aulas de ciências da natureza e de biologia.
Assuntos diversos devem estar a cargo de cada uma das famílias, de acordo com a sua visão própria sobre a matéria.
São os pais que devem transmitir os respectivos valores aos filhos, segundo as convicções que adoptam.
Estes aspectos dizem respeito a temas como a tolerância em relação à homossexualidade, o momento de início da actividade sexual, os métodos contraceptivos ou o planeamento familiar, por exemplo.
Deste modo, em minha opinião, a educação sexual deve ser integrada nas disciplinas já existentes. Não deve ser autonomizada como disciplina isolada. Por outro lado, na escola, não se devem abordar questões que devem ser tratadas em casa, pelos pais.
É esta a minha visão pessoal.
Helder Fráguas

Anónimo disse...

kkkkkkk

Anónimo disse...

Eu acho que a educação sexual deve está baseada na biblia.