segunda-feira, outubro 30

PORTUGAL - ESTADO DO AMBIENTE


No SC queremos tirar a limpo o estado ambiental do nosso país, numa altura em que o Orçamento de Estado propicia debates sobre o estado (genérico) da nação. O ar, a água, as florestas, os rios, os parques naturais. E também a mudança (ou não) de mentalidades.

8 comentários:

Anónimo disse...

Fantástica como sempre Fernanda Freitas (esse vestido preto!)e os convidados de hoje, muito bons, fazem um programa interessantíssimo!
M. Lopes

Anónimo disse...

Permacultura

O que é Permacultura?

Em poucas palavras, dizemos que Permacultura é: um sistema de planejamento para a criação de ambientes humanos sustentáveis. Seus princípios teóricos e práticos são uma síntese das práticas agrícolas e conhecimentos tradicionais e das descobertas da ciência moderna visando o desenvolvimento integrado da propriedade.

A Permacultura oferece as ferramentas para o planejamento, a implantação e a manutenção de ecossistemas cultivados no campo e nas cidades, de modo a que eles tenham a diversidade, a estabilidade e a resistência dos ecossistemas naturais. Alimento saudável, habitação e energia devem ser providos de forma sustentável para criar culturas permanentes.

Por que Permacultura?

Porque tendo como base o planejamento consciente, a Permacultura torna possível, entre outras coisas, a utilização da terra sem desperdício ou poluição, a restauração de paisagens degradadas e o consumo mínimo de energia. Quando a ação do permacultor se volta para áreas agrícolas, o resultado é a reversão de situações dramáticas de degradação sócio-ambiental.

Todo sistema permacultural deve evoluir, com designs arrojados, para a construção de sociedades economicamente viáveis, socialmente justas, culturalmente sensíveis, dotadas de agroecossistemas que sejam produtivos e conservadores de recursos naturais.

A Permacultura exige uma mudança de atitude que consiste basicamente em fazer os seres humanos viver de forma integrada ao meio ambiente, alimentando os ciclos vitais da natureza. Como ciência ambiental, reconhece os próprios limites e por isso nasceu amparada por uma ética fundadora de ações comuns para o bem do sistema Terra.

Os australianos Bill Mollison e David Holmgren, fundadores da Permacultura nos anos 70, buscaram princípios éticos universais surgidos no seio de sociedades indígenas e de tradições espirituais, que estão orientados na lógica básica do universo de cooperação e solidariedade.

Anónimo disse...

Se queremos reduzir a emissão de gases de estufa não podemos a ter políticos incompetentes que cometem erros como o metro do porto, que tem zonas funcionais nomeadamente dentro da cidade do Porto e Matosinhos, mas tem grandes defeitos e zonas muito ineficientes como é exemplo no deslocamento entre a Póvoa de Varzim e o Porto em que o tempo de viagem é aproximadamente de 1 hora, que é sensivelmente o dobro do tempo quando a viagem é feita de carro. Para quem tiver de se deslocar entre o Porto e a Póvoa de Varzim todos os dias só irá utilizar o metro se realmente não poder utilizar o carro…
Parabéns pelo programa
João

Anónimo disse...

De que forma podemos melhorar o ambiente se não existem incentivos significativos que justificam a aplicação de medidas individuais como a aplicação de painéis solares em casas particulares. Quanto custa a aplicação destas infra-estruturas relativamente aos tradicionais métodos de aquecimento? Que benefícios/ incentivos fiscais? Se calhar estamos à espera que algum assessor de algum ministro crie uma empresa de distribuição ou importação de paineis solares para depois se alterar a lei e assim melhorar o ambiente. Até lá é preferível consumir electricidade para aquecer as nossas casas proveniente de uma central termoelectrica a carvão!

Mais uma vez parabéns por um dos poucos bons programas da televisão portuguesa
João

Vítor Jesus disse...

Sou um espectador pouco frequente do seu programa, não pela falta de qualidade do mesmo mas pela hora escolhida para a sua apresentação.
Hoje, como estou de férias, estou a assistir.
Quanto ao assunto em discussão, várias vezes denunciei e junto de várias instituições, ataques ao ambiente sem qualquer resultado.
Vivo na zona de Leiria. Muitas das cheias resultantes do temporal da semana passada foram resultado da falta de limpeza do rio e das valas, isto porque a Câmara Municipal de Leiria está mais interessada na execução de obras de retorno duvidoso (Estádio) em detrimento da segurança das populações que deveria defender.
Ainda recentemente sugeri ao Ministério do Ambiente a fiscalização de uma zona da chamada mata dos Marrazes que está "cheia" de chumbo em resultado dos tiros aos pratos do campo de tiro ali existente sem que da parte daquela instituição obtivesse qualquer resposta.

ana_m_oliveira@portugalmail.pt disse...

Aproveito o tema do programa para neste espaço expor a minha indignação.
Acho muito bem a pratica da politica do utilizador pagador, no entanto ha que criar condiçoes!Vivo em Vialonga sou casada e mãe de filhos, trabalho em benfica.Sempre tenho sido utilizadora de transportes publicos.Este ano ,aceitei o desafio da formação ao longo da vida e propus-me regressar.Estou a estudar/...)

ana_m_oliveira@portugalmail.pt disse...

à noite. Saio das aulas na Av Miguel Bombarda (junto ao Saldanha)as 22.45 e so tenho um comboio as 23.58 em Entrecampos, chego a casa proximo da 01.00 am,ja expus a situação à CP,que me diz que nao tem solução.Perante esta situação, vejo-me obrigada a utilizar transporte particular.È melhor para o Estado que assim arrecada o valor dos impostos s/ combustiveis. Esquecemo-nos é da factura q vamos pagar pela emissao de CO2.

ana_m_oliveira@portugalmail.pt disse...

Quero ainda acrescentar que gosto mt do vosso programa e consigo assistir a ele porque tenho um gravador video VHS.è realmente uma pena q programas assim sejam exibidos ás 14.00 ou as 4.30 am
De qualquer maneira continuem!;-) (nos abstraimo-nos do horário)