quinta-feira, dezembro 21

SEGURANÇA NA ESTRADA

O número de acidentes nas estradas portuguesas diminuiu. Apesar disso, Portugal está entre os dez países da UE com maior número de mortos e feridos rodoviários.No SC queremos saber se Portugal atingirá em 2010 os objectivos do Plano Nacional de Prevenção Rodoviária e perceber porque teimam em ocorrer mais acidentes à sexta-feira e dentro das cidades.

40 comentários:

Rui disse...

Gostaria de deixar uma pergunta. Sou contra a ideia que os acidentes sejam causados por excesso de velocidade, acho que são na realidade causados não só por falta de civismo mas também por falta de capacidade de julgamento. Poucas pessoas pensam nas condições climáticas, rodoviárias, e mesmo no próprio carro. Não será tudo isto culpa da péssima formação dada pelas escolas de condução? Aprendemos a estacionar, a "andar" com o carro, mas nunca a evitar acidentes ou como se comportam os diferentes tipos de carros...

orlando disse...

Boa tarde Fernanda.

Em toda a minha vida tive dois acidentes graves, felizmente sem danos fisicos, em ambos os casos o acidente foi provocado por excesso de água na auto-estrada. Num dos acidentes/despiste existe até um relatório da BT-GNR com a indicação de "um lençol de água com 50 metros e 15 cm de profundidade provocado por falta de limpeza da via". A Brisa claro que não pagou, assim como as câmaras ou o instituto das estradas de portugal que invariávelmente são desculpabilizados.

orlando

antónio disse...

Comcordo completamente com o Rui.
Nos meus acidentes o facto de ter praticado Karting fez com que os prejuizos materiais e fisicos fossem menores.
Em Portugal não se aprende a conduzir, apenas a seguir regras.
Será que alguem sabe se o seu carro tem tração atraz ou á frente? O que é realmente o abs? Para q serve? Tem travões de disco? E se tem quais as diferenças. É preciso passar a formar condutores e não ensinar a trabalhar com um aparelho chamado carro.

Anónimo disse...

Não compreendo como é que é possivel que um condutor que circula em contra mão numa auto-estrada possa continuar a estar habilitado a conduzir.
Essa pessoa deveria ser irradicada da "sociedade automovel" nesse preciso momento!
Uma coisa é por desconhecimento do local ou indicações deficientes entrar em sentido contrário, outra coisa são as PROEZAS que se ouvem nas nosticias de 20 ou 30 Km em contra mão numa auto-estrada que ate nem se percebe bem que se vai em sentido contrario (Os carros que surgem de frente, os reflectores da estrada, o facto de à direita estar o separador, etc).

o que necessita ser feito é uma alteração nas sanções aplicadas aos automobilistas, a coima so por si não previne futuros acidentes, mas compreendo que os senhores agentes da autoridade tem de arranjar os €€€ para os bailes de Natal!

orlando disse...

Formação, formação, fomação.
Não adianta saber saber, nem mesmo saber fazer, é preciso SABER SER, um condutor.

ORLANDO disse...

...ainda sobre os meus despisteS na auto-estrada....

TIVE DE PAGAR O CONCERTO DOS RAIDS à BRISA!!!!!!!!!!!!!!!!

Rui disse...

Adianta sempre saber. Saber conduzir, saber que carro temos nas mãos e saber respeitar as regras da estrada. No caso dos acidentes descritos pelo Sr.Orlando, causados por aquaplanagem, o "Saber como" evitar este fenómeno poderia ter reduzido a gravidade do acidente ou até mesmo ter evitado o acidente. Nisto falo por experiência própria, em que tenho um curso de condução activa e já me ajudou bastante.

orlando disse...

Rui, também tenho um curso de condução activa. Em ambos os casos, o conhecimento apenas serviu para minimizar o despiste. Apenas queria alertar para a responsabilização de quem nos "arrenda" uma estrada, visto quer pagamos: portagens, Imposto de circulação, IVVA, etc.

estevão disse...

boa tarde
... para mim os limites de velocidade são completamente irreais no nosso país, senão vejamos: fora das localidades a velocidade máxima é de 90km/h mas não diferencia uma estrada nacional com berma e que permita essa velocidade de uma estrada municipal/regional ou mesmo nacional no meio da Serra da Estrela, por ex.?! o que eu defendo é que a velocidade deva ser limitada consoante as condições da via e não por mera classificação abstracta... O mesmo se passa dentro das localidades... se na Baixa de Lisboa, defendo, a velocidade devia de ser 40km/h nos túneis do Campo Grande não vejo inconveniente de a velocidade máxima aumente para os 70/80km/h...
Sou uma pessoa com princípios e aplico-os na estrada... por exemplo nos arruamentos de bairros urbanos e aldeias circulo a 30/40 km/h; numa estrada municipal 40/50km/h dentro das localidades, fora 60/70km/h; estradas regionais 60 dentro, 80 fora; estradas nacionais 70 dentro e 90 fora; vias reservadas a automóveis sem separador 110km/h com separador 130km/h e auto-estradas 150km/h...
sou geógrafo e sei os impactos ambientais de tais velocidades nas auto-estradas... mas mesmo assim serão um "mau menor"... pois o problemas destas vias está sobretudo na sua construção em áreas sensíveis. como já me estendi demasiado só dizer que é rídiculo no mínimo existir as coimas leves?! para mim deveria de haver um "excesso de erro de 10km/h" pois somos ser humanos, e daí "para cima" multa grave e muito grave"... penso muito nesta problemática e procuro sempre elucidar as pessoas que vivem em meu redor... o principal problema é de facto a educação de princípios.
Estevão, Ponte de Lima

Rui disse...

Alias, é por este motivo que se inventam as "ajudas electrónicas" como o ABS, ESP, TCS. Para fazer coisas que supostamente as pessoas deveriam saber fazer. No entanto, apesar de muito desenvolvidos, não têm a capacidade de julgar a fundo a situação, como um ser humano, e portanto nunca é tão bom como uma pessoa que realmente sabe o que faz.

Anónimo disse...

gostaria de deixar uma palavra de apreço ao Sr. Manuel João co a "sua" ACA-M... tenho acompanhado as suas ideias desde o início e penso que a sua luta é de todos nós...obrigado

Rui disse...

Peço desculpa pela má interpretação. Não era de todo minha intenção, ao comentar os acidentes do Sr.Orlando, minimizar a responsabilidade das entidades responsáveis pelas vias rodoviárias. O mau estado das estradas é sem duvida um grande problema neste país. Na zona onde moro há muita via em péssimo estado, onde a solução da câmara municipal passa apenas por colocar um sinal afirmando "Via em mau estado. Limite 50Km/h".

orlando disse...

Não precisa pedir desculpa. Estamos todos no mesmo barco.

Bom Natal Rui

Rui disse...

Outro grave defeito é a falta de renovação do código quando renovamos a carta de condução e o largo prazo, desde que tiramos a carta até termos que a renovar. Conheço pessoas entre os 30 e os 50 anos que já não fazem a mínima ideia do que significam os sinais de transito e por isso muitas vezes colocam as outras pessoas em risco.

Rui disse...

O problema destes cursos, e gostava que fosse mencionado no programa, é o preço bastante elevado. Estes cursos variam entre 250 a 600€. Seria uma boa iniciativa praticá-lo nos parques da DGV durante as aulas de condução, por um preço muito mais acessível.

Anónimo disse...

O meu Pai tem 79 anos, teve um avc e tem problemas de equilibrio. Não reune condições fisicas para conduzir. Um médico amigo passou-lhe um atestado.... para poder renovar a carta... e lá anda até um dia... Quantos serão como o meu pai?

Anónimo disse...

O meu Pai tem 79 anos, teve um avc e tem problemas de equilibrio. Não reune condições fisicas para conduzir. Um médico amigo passou-lhe um atestado.... para poder renovar a carta... e lá anda até um dia... Quantos serão como o meu pai?

Anónimo disse...

O meu Pai tem 79 anos, teve um avc e tem problemas de equilibrio. Não reune condições fisicas para conduzir. Um médico amigo passou-lhe um atestado.... para poder renovar a carta... e lá anda até um dia... Quantos serão como o meu pai?

Anónimo disse...

Na peça, ouvi referir que os veículos estão cada vez mais rápidos.
Para quê?
Para chegar aos 120 Km ou para os ultrapassar?

Carlos Macedo

Anónimo disse...

o único acidente que tive foi sozinho numa rua quando numa descida abrupta com iluminação mediana havia um buraco sinalizado com uma simples fita vermelha e branca?!!! quando o vi guinei e perdi o controlo do automóvel. Reconheço que ia a uma velocidade um irresponsável (cerca de 80km/h) e paguei o preço... felizmente apenas monetário... Mas de facto um dos problemas maiores das nossas estradas a falta de civismo de quem sinaliza...
Foi esse pequeno acidente que com apenas 6 meses de carta me fez mudar o modo de "andar na estrada". Facto que já o faço há 8 anos quer de moto quer de automóvel.. já viajei por quase todo o país e vejo muitas asneiras nas nossas estradas, sobretudo quando chove...

Anónimo disse...

uma ideia....

sempre que virmos uma asneira na estrada, mandamos um sms com a matricula para uma central, ao fim de algumas sms da mesma matricula algo deveria ser feito.

GNR PSP pensem nisto

surf disse...

olá!
e os peões? como estão as nossas estradas para que possamos andar apé e até de bicicleta.
quando medirijo para o emprego sigo uma estrada sem bermas nem com largura suficiente para os peões. para além disso há pessoas que ainda caminham aos pares.
bom natal
ana

Rui disse...

Os veículos não estão cada vez mais rápidos. Hoje em dia a maioria dos carros estão limitados aos 250Km/h. Perto dos anos 90, anos de ouros no mundo dos desportivos, muitos carros atingiam velocidades superiores sem grandes problemas. Os carros estão é cada vez mais potentes devido à evolução tecnológica. Isto também trás motores mais eficientes, económicos e menos poluentes. Em Portugal 250 é muito mas há países onde é permitido portanto não convém ás marcas reduzir. Quanto à rapidez com que os carros atingem os 120Km/h a regra comum é quanto mais rápido melhor, não que tiremos partido disto todos os dias, mas porque um dia pode ser útil e é bom saber que o carro consegue. Isto também tem a ver a capacidade do carro. Há certas manobras de emergência que requerem força por parte do carro e muitos carros não têm força suficiente para tal, acabando por nos deixar sem solução.

Anónimo disse...

para o Anonymous filho do papa de 79 anos.
O meu problema nao e o numero de papas de 79 anos como o seu o meu problema e o numero de filhos que lhes permitem continuar...

Anónimo disse...

Boa Ana!!!!!!!!!!!!!!!!

Rui disse...

Para os que não sabem, as derrapagens (excepto a baixas velocidades) controlam-se sempre com o acelerador.

Rui disse...

Para o outro anónimo, os filhos não são responsáveis por acções médicas ilícitas em relação aos seus pais.
Embora eu ache que é do bom senso daquele senhor tentar não permitir que o seu pai conduza, não é de todo culpado por algum acidente que daí advenha.

Anónimo disse...

anonymus,

... Não é fácil tomar uma decisão quando alguns especialistas defendem que se ele parar de conduzir, morre poucos meses depois. Não é fácil... Não é fácil lutar contra um pai, Não é fácil...

Anónimo disse...

Pois se o senhor presenciar um acto ilicito encolhe os ombros e vai para o outro lado da rua... Boa...

Rui disse...

Embora eu saiba que lutar contra um pai é difícil, conduzir não trás saúde a ninguém. Aconselhe-o a fazer umas caminhadas matinais e ou a praticar outro tipo de actividade. Hoje em dia é coisas que não falta.

Anónimo disse...

...então diga lá de sua justiça, se o pai fosse o seu o que faria?

Rui disse...

Nunca se encolhe os ombros, mas aqui o acto ilícito não foi do pai daquele senhor mas sim do médico. Denunciar o médico é uma hipótese mas garanto-lhe que, graças ao sistema judicial português, não serve de nada.

Anónimo disse...

Nao renovava a carta pode ter a certeza... Afinal gosto muito dele pra deixar que se matassse num acidente...

Anónimo disse...

...levava o seu pai a tribunal? fazia queixa á policia? como?

Anónimo disse...

Julgo ainda ser um crime a nao denuncia do acto ilicito praticado sob seu conhecimento... Mas eu acho que a medida nao tem de passar por denunciar o medico, apesar de hoje em dia haver formas de o fazer com sucesso, mas sim chamar o pai a razao...

Anónimo disse...

Quanto a mim o pai daquele senhor não fez nada ilícito, como tal não tem que responder em tribunal por nada. O facto de ter tido um AVC não o invalida automaticamente para a condução. Conheço pessoas com doenças graves, como o Parkinson, e que fizeram montes de exames médicos que mostraram que estão completamente aptos a conduzir.

Anónimo disse...

...chamar o pai a razão...ahahah lembra-se quando era teenager e o seu pai lhe chamava a razão?

Anónimo disse...

Quanto a mim o pai daquele senhor não fez nada ilícito, como tal não tem que responder em tribunal por nada. O facto de ter tido um AVC não o invalida automaticamente para a condução. Conheço pessoas com doenças graves, como o Parkinson, e que fizeram montes de exames médicos que mostraram que estão completamente aptos a conduzir.

Anónimo disse...

Sim lembro sera que o senhor de 79 ainda se lembra? poucos meses pos tirar a carta fiz uma entrda triumfante a collin macrae no parque de estacionamemto da empresa do pai, brilhante, so visto... Resultado um mes sem carro e um passe social... Resultou comigo acredito que resultaria com ele tambem, mas acima de tudo nao me resignava...

Rui disse...

Sim, concordo plenamente, há pessoas que dão ouvidos aos filhos, assim como teens que dão ouvidos aos pais. A minha avó com 72 anos sempre teve carta, desde os 20 e poucos, e só conduziu duas vezes na altura em que a tirou. Depois de ser chamada à razão, pelos familiares, de que era um perigo para os outros, simplesmente nunca mais conduziu. Razões médicas ou não, ouviu a "voz da razão".