terça-feira, junho 19

CUIDADOS A TER COM OS MEDICAMENTOS


Quem não teve já pelo menos uma dúvida durante um tratamento farmacológico? É precisamente por essa razão que iremos abordar este tema, na véspera do arranque de uma campanha da Apifarma, ANF e Ordem dos Médicos. Auto-medicação, as crianças e os medicamentos, a gravidez e os medicamentos, a interacção com alimentos e com outros medicamentos serão alguns dos temas desta esclarecedora conversa.

74 comentários:

lady_blogger disse...

Olá Fernanda.

(Tenho-me esquecido de lhe dizer que estava bonita nas Marchas...)

Comentemos o tema de hoje:

Os medicamentos são um mal necessário, mas quando mal usados poderão acarretar consequências nefastas. Opino que atentem um pouco mais para as contra-indicações das literaturas relativas a qualquer medicamento.
No entanto gostaria de colocar uma questão. A quem devemos informar sobre um efeito secundário que sofremos e que não surge descrito na literatura do medicamento que ingerimos? Já li que poderiamos informar o médico ou o farmaceutico... Mas o que fazem eles com os nossos dados? Ignoram-nos na certa...
Há tempos andei a tomar uns medicamentos que sem serem propriamente soníferos, de certa forma me deveriam induzir o sono. Porém passada quase uma semana suspendi a sua toma porque há vários dias que via todas as horas passarem sem que "pregasse olho".
Como eu, muitos outros pacientes devem ter tido efeitos secundários similares. Como podemos agir de modo a que isso surja descrito nos efeitos secundários?


Maria Mendes - Lisboa

lady_blogger disse...

Olá uma vez mais!

Outro aspecto que gostaría de ver devidamente debatido no vosso programa, é a "reciclagem" de medicamentos uns dentro da validade e outros já nem por isso.

E a verificar-se aproveitamento de medicamentos ainda dentro do prazo, como há a garantia que eles ainda estão bons para consumo? Será que eles estiveram guardados em locais secos, ou frios, conforme o indicado para cada caso?

Acho que existem em farmácias locais de recolha de medicamentos que já não precisamos. Mas uns Ecopontos para Medicamentos, estilo os do lixo doméstico, presumo que seriam inviáveis devido ao perigo de se deixarem cair umas embalagens fora do contentor e puderem ser consumidas por crianças. Ainda haveria o perigo de assalto por certas pessoas viciadas em determinados fármacos ou substâncias activas.

Sou uma pessoa preocupada com a saúde, pareço ter uma farmácia em casa, mas só mais por prevenção, porém evito ao máximo a toma de medicamentos, e raramente consigo seguir à risca as indicações.

Deixo 2 conselhos que eu própria costumo seguir:

- Nunca descurem a validade inscrita nas embalagens dos farmacos
- Leiam aquelas revistinhas que as farmácias oferecem, pois contêm informação que lhes poderá ser útil

Até já!

Maria Mendes

Sara disse...

Boa tarde!

Calmantes como o xanax podem viciar? Passado algum tempo a tomar este tipo de medicação, é preciso aumentar a dose porque começa a perder o efeito? Este tipo de químicos são prejudiciais à saúde?

Obrigado.

Sara disse...

Mais uma pergunta:

Se se exagerar na dose por algum motivo em especial, que consequências é que isso poderá acarretar?
(ex: a prescrição médica diz para tomar meio comprimido de xanax xr 0.5 à noite e, numa ocasião em que o indivíduo terá que fazer um discurso em público e está mais nervoso toma 1 à noite e outro de manhã)

Obrigado.

lady_blogger disse...

Estranho que este tema ainda não tenha suscitado mais comentários...!

Quero acrescentar ao meu post anterior, outros conselhos uteis:

- Nunca se automedique. Aconselhe-se junto do seu farmacêutico ou do seu médico

- Não tome medicamentos que amigos com a mesma enfermidade tomaram. Lá porque teve o efeito esperado com eles, não significa que funcione consigo. Todos temos constituições físicas diferentes e algumas pessoas tomam medicamentos que podem interagir de modo prejudicial com fármacos que tome sem aconselhamento de especialistas na matéria

- Mantenha os medicamentos em locais inacessíveis a crianças

- Não aumente ou diminua as doses diárias que lhe são recomendadas

- Não seja tão desconfiado dos medicamentos ditos genéricos, são como que a marca branca dos habituais que você costuma comprar, e têm os mesmos principios activos, e o melhor é que são significativamente mais baratos, o que o pode fazer poupar na sua despesa com a saúde

E se quiser mais umas dicas para poupar nas mais diversas práticas diárias, visite o meu blog euronios.

Até logo!

Maria Mendes

Anónimo disse...

O melhor tipo de medicamentos são sem dúvida os naturais à base de plantas.

Este tipo de "medicamentos" naturais regra geral não têm efeitos secundários ou quando têm, normalmente não se notam ou causam qualquer problema visivel (Existindo excepções como é óbvio).

Estima-se que na Amazónia existam alguns milhares de plantas que contenham propriedades curativas, para com centenas ou milhares de doenças diferentes, desde doenças simples como constipações até poder ajudar na cura de cancros.


Pelo contrário os medicamentos à base de vários químicos sintéticos regra geral têm sempre efeitos secundários, em muitos casos bastante graves e podendo provocar mesmo a morte.

Oficialmente existem centenas de casos de medicamentos que estiveram anos no mercado e depois descobriram que podiam causar graves problemas de saúde e mesmo a morte. Alguns medicamentos da PFizer é um dos últimos casos., outros são alguns medicamentos para a gripe muito conhecidos.

O negócio das farmaceúticas é um dos mais lucrativos a nível mundial, em que existe muitos negócios obscuros.

Paulo

Anónimo disse...

Gostaria que neste tema dos medicamentos aproveitassem para falar um pouco da questão dos fortes interesses que existem por detrás deste negócio, que muito prejudicam os pacientes e o estado.


A questão é que ainda existem muitos médicos em especial, que se recusam a autorizar a venda de medicamentos genéricos, dizendo como "desculpa" que estes não são seguros quando isto é claro, é totalmente falso. Quase todos nós já passamos por isto. Os medicamentos genéricos são tão seguros como os de marca excepto que são muito mais baratos.


Estes médicos fazem isto porque recebem dinheiro e viagens de empresas farmaceúticas, ou seja, corrupção (um caso muito conhecido é o da BAYER). Muitas vezes estes médicos chegam ao ponto de explorar pessoas idosas que recebem pensões miseráveis e mal conseguem ter dinheiro para comer.

Além de receitarem unicamente medicamentos de marca, ainda por cima receitam vários medicamentos sem necessidade nenhuma, para forçar a pessoa a gastar ainda mais dinheiro.


Pessoalmente conheço médicos e farmaceúticos que confirmam que existe este nível de corrupção instalado neste sector.


Assim fica a pergunta:
Sendo que não se pode confiar nas grandes farmaceúticas e nos médicos que as apoiam, em quem confiar e principalmente o que fazer para mudar as coisas?

Sendo que esta situação é bem conhecida e que "todos" sabemos que acontece, a PJ deveria investigar estas situações, no entanto não o faz, porque?

Paulo

Sara disse...

Concordo Paulo. E existe variadíssimos produtos e "medicamentos" naturais que não fazem qualquer mal à saúde, inclusive calmantes, e que têm bons efeitos.

Anónimo disse...

Os comprimidos podem viciar?

Pedro disse...

Pergunto:

Os medicamentos com validade que sobram pós prescrição a quem se pode doarem?

Pergunto se os médicos têm algum cuidado na dosagem excessiva na prescrição, sabendo que as empresas privadas querem que os médicos vendam medicação por vezes em troca de benefícios, questiono que tipo de relação existe nestas situações com as entidades que devem fiscalizar?

Pedro Marinho de Arcos de Valdevez

Anónimo disse...

"Anónimo said...
Os comprimidos podem viciar?"


Depende do medicamento e da pessoa, muitos deles podem viciar.


Há pessoas que literalmente tomam dezenas de medicamentos diferentes, não porque precisam, mas porque estão VICIADOS neles desde há muitos anos. Conheço alguns casos assim. Infelizmente em alguns casos os médicos apercebem-se disso mas em vez de os ajudarem, aproveitam para como digo acima, vender o "seu" produto.

Esse senhores que representam os médicos indicam que as pessoas podem confiar cegamente nos médicos, quando sabem bem que existem muitos casos de corrupção como já indiquei.

Paulo

fábio disse...

Boa tarde sofro de enxaquecas com aura diagnostica pelo meu neurologista e tenho que tomar diaricamente uma dose de cerca de 75 mg de um vasodilatador chamado TOPAMAX. perguntava ao convidado se acha que a habituação pode ser um factor de risco mesmo quando numtratamento prescrito? ja que no meu caso o meu medico disse-me que este é um tratamento sem fim previsto?

Pedro disse...

SEM dúvida, quando o médico lhe prescreve remédios, faz isso com boas intenções, baseando-se no diagnóstico, no próprio conhecimento médico e na experiência. Contudo, o paciente não deve deixar que a responsabilidade pelo próprio bem-estar fique apenas nas mãos do médico. O paciente continua sendo responsável pelo que introduz no próprio corpo.

Ao tomar remédios prescritos, leve em conta as seguintes sugestões práticas dadas por um médico:

• Todo remédio tem efeitos colaterais. Você tem o direito de saber que remédio lhe é prescrito e quais são seus possíveis efeitos colaterais. Se seu médico não lhe der essas informações, não hesite em perguntar. Na maioria dos casos, os benefícios compensam os efeitos colaterais. Mas você precisa estar bem informado para tomar uma decisão inteligente.

• Os efeitos dos remédios variam de pessoa para pessoa. Seu médico não pode predizer exactamente como determinado remédio vai afecta-lo. Se ficar preocupado com efeitos colaterais inesperados, consulte seu médico.

• Informe-se por quanto tempo terá de tomar o remédio e se ele é potencialmente viciador.

• Não é bom parar de tomar a medicação por conta própria, talvez por já se sentir melhor. Parar com o remédio antes do tempo pode piorar seu quadro clínico. Consulte primeiro o médico.

• Só tome remédios sob supervisão médica.

Pedro Marinho de Arcos de Valdevez

Anónimo disse...

como especialsita do medicamento devo esclarecer que sempre que notarem algum efeito adverso não descrito na literatura ou mesmo que descrito, e que seja grave, devem SEMPRE notificá-lo , e com a garantia que ele será por nós, farmacêuticos, notificado ao sistema Nacional de Farmacovigilância.

Anónimo disse...

não são so as viagens que os medicos recebem,mas ferias, jantares, congressos, caros e emsmo dinheiro. conheço uma medica que recebe 7.5 euros, por cada embalagem de generico que ela prescreva de um determinado laboratorio!!

lady_blogger disse...

Lembrei-me de algo que pode ser útil para uma toma correcta e seguida da terapeutica prescrita aos pacientes.

Passem a adoptar a implementação do uso de uma coroa distribuidora das doses de medicamentos para cada dia. Esta invenção de um dentista argentino pode ser bastante útil principalmente para quem se esquece de tomar os medicamentos a horas e para que se recusa a tomá-los.
Calcula-se que o valor desta coroa ou dente seja de 100 euros. Não é um valor assim tão incomportável, e até talvez possa ser comparticipado pelo Estado.

Os nossos médicos já se reuniram para debater a utilização deste produto em Portugal?

Maria Mendes

Ana disse...

Pomadas para picadas de insectos podem usar-se depois do prazo de validade?
É que eu já usei, porque não reparei que já tinha passado a validade, mas não me aconteceu nada (felizmente). O que poderia ter acontecido?

Pedro disse...

Dra Fernanda Freitas também neste blog aproveito para lhe dizer que hoje está um encanto , muito bonita e esse sorriso num perfil hoje diria excelente ... o seu programa é bom mas a senhora hoje está linda , com todo o meu respeito e humildade.seja sempre assim.

Pedro Marinho

pedrocarlos disse...

Ouvi um convidado afirmar que o doente nao tem de saber como funciona o medicamento, isso e com o medico!
Entao o doente nao tem de saber o que lhe estao a fazer?!
E mesmo a portuguesa: toma e cala!
Pode ter a certeza que eu discuto com qualquer medico o fundamento fisiologico da terapeutica!
Eu reconheco que nem toda a gente o pode fazer ao meu nivel, mas as pessoas tem direito a saber o que lhe ira acontecer.
Ainda por cima os medicos nao costumam revelar as contraindicacoes ou questionar possiveis alergias.
Eu nao tomo um medicamento se verificar que as contraindicacoes sao demasiadas.

Quanto a tomar os medicamentos ate ao fim, aqui na Inglaterra nao vamos comprar os caixotes de comprimidos que a industria farmaceutica gosta de impingir em Portugal!
O medico escreve, para o farmaceutico, o numero exacto de comprimidos que devem ser dados ao doente.
Nem mais, nem menos.
Em Portugal, as pessoas tem de comprar as caixas por inteiro e as pessoas ficam confundidas com o que devem ou nao tomar e por quanto tempo.

Pedro Alves - Manchester

Anónimo disse...

e quanto aos genéricos, nao fazem sempre o mesmo efeito, porque os excipientes (ingredientes) são diferentes, o que faz com que numas determinadas pessoas tenham efeito, noutras mais e noutras menos! embora na teoria todos sejam biodisponiveis e bioequivalentes! ate porque uma pessoa pode ser alergica a um dos excipientes e como tal desencadeie uma reacção alergica, de gravidade variável! como tal, eu nao opto por genericos, so se souber que a pessoa em causa é idosa e t/ou tem problemas economicos graves!

lady_blogger disse...

Fernanda, a minha questão não ficou completamente esclarecida, pois como eu dizia no primeiro post do dia, eu de facto sei que devo informar o farmacêutico ou o médico que senti efeitos secundários, só não sei é como eles podem contribuir para serem anexados aos contidos nas literaturas dos medicamentos.
As informações sobre efeitos secundárias que damos aos médicos ficam registadas? Ou só as ouvem e "caem em saco roto"?

Maria Mendes

Anónimo disse...

quanto a medicamentos que ja nao utilizamos ou fora do prazo, devem ser SEMPRE entregues a farmácia, colocados no recipiente VALORMED que sera correctamente encaminhado para incineração sem poluição excessiva do ambiente.

quanto a pomadas para insecto fora do prazo, desde que nao seja pazo demasiado longo, nao tem qualquer efeito nefasto, apenas pode nao ter o efeito desejado, visto que a substancia activa pode ja ter -se degradado.
Carla

Anónimo disse...

"Quanto a tomar os medicamentos ate ao fim, aqui na Inglaterra nao vamos comprar os caixotes de comprimidos que a industria farmaceutica gosta de impingir em Portugal!
O medico escreve, para o farmaceutico, o numero exacto de comprimidos que devem ser dados ao doente.
Nem mais, nem menos.
Em Portugal, as pessoas tem de comprar as caixas por inteiro e as pessoas ficam confundidas com o que devem ou nao tomar e por quanto tempo."



Como já se referiu no blog, acho que já percebemos o porque de fazerem isso cá em Portugal.

pedrocarlos disse...

Quanto aos supostos medicamentos ditos naturais...
Cuidado com esses produtos!
A esmagadora maioria nunca foi cientificamente testada.
So aqueles produzidos por grandes laboratorios da area homeopatica em Franca ou na Alemanha e que ainda podem apresentar algumas garantias.
O resto e banha da cobra de Vilar de Perdizes...

Pedro Alves - Manchester

pedrocarlos disse...

Uma pergunta aos comentadores:
mais alguem esta com dificuldades de recepcao no computador ou sou so eu?

Pedro Alves - Manchester

Anónimo disse...

Boa tarde, pena não ver aprofundadas algumas temáticas acerca dos medicamnetos (seu uso) que, de resto, pela leitura da maioria dos comentários até seriam bem pertinentes...nomeadamente: contra-indicações de alguns (se não mesmo a maioria) dos medicamentos; malefícios "cientificamente provados" de outros; alternativas naturais; etc. etc.
Já não é a primeira vez que o vosso programa adultera as minhas expectativas, ainda há dias o tema era a utilização generalista e abusiva de anti-depressivos e, mais uma vez, não vi ninguém a falar sobre "alternativas", ou complementos, naturais...é pena! Fica a sugestão (em ar de crítica!)
Bruno Correia
Almada

pedrocarlos disse...

A cicuta e natural e nao a aconselho a ninguem!
;-)

pedrocarlos disse...

A ligacao hoje esta bera! Agora nao oico nada!

pedrocarlos disse...

Por acaso este programa podera ser descarregado mais tarde para o ouvir todo?

maria disse...

"pedrocarlos disse...
Por acaso este programa podera ser descarregado mais tarde para o ouvir todo?"

Pode ver o programa integralmente no site da rtp, só tem que escolher o programa a ver:

http://multimedia.rtp.pt/index.php?aud=1

Anónimo disse...

"pedrocarlos said...
Por acaso este programa podera ser descarregado mais tarde para o ouvir todo?"


Sim, no site da RTP multimedia:
http://multimedia.rtp.pt/area_home_video.php

Anónimo disse...

Desculpem-me mas esse Sr. da ANF é uma coisa de bradar aos céus!
Então a Inglaterra não serve de exemplo a Portugal? Não serve a Inglaterra como não servirá nenhum que ponha em causa os interesses instalados...ah pois é! Quanto custa uma caixa De Voltaren 75? 16€(salvo erro) É um anti inflamatório poderosíssimo qu não deve ser utilizado por mais de 48/72h...Quanto custaria a dose necessária? Enfim, mais uma vez, má escolha de convidados!
Bruno Correia
Almada

Tiago Rodrigues disse...

Estava a ver o programa e sendo sincero ao mudar de canal vejo um anuncio de um produto supostamente milagroso para o emagrecimento.
Gostava da saber porque é que não são regulados este medicamentos uma vez que quase nenhum tem o efeito esperado.

Hugo C. disse...

Boa tarde!
Um dos grandes problemas da automedicação são as mentalidades. Os portugueses são culturalmente hipocondriacos: "E a sua saúdinha, como vai?... O que interessa é saúde...". Para além disso existem questões como os genéricos que não são suficientemente difundidas, apesar de publicitadas. Muitos médicos ainda não contribuem para a sua maior utilização em Portugal.

Anónimo disse...

"Quanto aos supostos medicamentos ditos naturais...
Cuidado com esses produtos!
A esmagadora maioria nunca foi cientificamente testada."


Dando de novo o exemplo da Amazónia, esses "medicamentos" naturais já foram testados durante milhares de anos pelos nativos, e têm resultado bem.

Quantos casos de pessoas que morreram ou ficaram com graves problemas de saúde porque as farmaceuticas não fizeram todos os testes, ou sabiam mas ainda assim venderam, ou por outras questões?

Milhões.

Anónimo disse...

É lógico que (pelo menos neste caso) Inglaterra é um bom exemplo. A diferença de comprar uma caixa inteira ou só o número de comprimidos realmente necessários e que vão ser utilizados é bastante grande!

Anónimo disse...

Tretas da Apifarma e Companhias...
A minha questão é: "Querem-nos entupir de medicamentos???"

Eu estive na Holanda com uma gripe de cair para o lado...

Só que lá na Farmácia eles aconselham-nos tudo menos medicamentos... Tome um chá de limão com muito mel, cuidado com correntes de ar, alimentos, etc.
E cá: vai logo um molho de medicamentos po organismo...

Querem-nos entupir de medicamentos?? - Alguém falava mal de Inglaterra... Pois... Não convém falar bem dos que vendem menos medicamentos em prol de um ser humano mais resistente e restrito ao essencial, e não entupido de medicamentos.

Desculpem a agressividade mas estes interesses interesseiros revoltam-me... Cumprimentos e Felicidades saudáveis!!! ;)

Joana S.

Guimaraes disse...

Não há dúvidas de que a unidose é o melhor e mais seguro sistema para os doentes. Claro que, para a indústria farmacêutica, é um sistema sacrílego. Diminui grandemente o negócio. Se as marcas da automóveis pudessem também só venderiam lotes de 10.

pedrocarlos disse...

Pelo que o comentador Bruno escreveu - obrigado por isso pois nada posso ouvir - o representante da ANF afirmou que a Inglaterra nao e exemplo para Portugal...
Pois, se for para pagarmos mais impostos ou para fechar centros de saude - o governo chama racionalizar custos - ja e mas como e para cortar nos lucros das farmaceuticas ja nao serve.

E por causa dessas e doutras que tanta gente cai na aldrabice das ditas medicinas alternativas!
E que as pessoas nao gostam que gozem com elas!
O problema e que os alternativos tambem o fazem...
Mas sao mais doces...

Anónimo disse...

Não será totalmente verdade o que dizem sobre a quantidade dos medicamentos ser adequada para a maioria dos tratamentos.

Tenho 4 filhos e uma das situações que para mim é mais flagrante são os antibioticos em xarope, acontece com muita frequencia ter que comprar mais um frasco por dois dias de toma (de forma a prefazer os 10 dias), e depois vai praticamente inteiro para reciclar...

Tenho alguma dificuldade em compreender isto, apesar de saber que a posologia tem a ver com as idades e pesos das crianças, não poderiam utilisar os percentis médios para efectuar as embalagens...

Inês

Anónimo disse...

Eu gostava era de ver o outro lado da Indústria "Farmacêutica"....a ser publicitado...

Ana

Anónimo disse...

"Estava a ver o programa e sendo sincero ao mudar de canal vejo um anuncio de um produto supostamente milagroso para o emagrecimento.
Gostava da saber porque é que não são regulados este medicamentos uma vez que quase nenhum tem o efeito esperado."


Caro tiago,

Muito boa essa pergunta, visto que esses "medicamentos" de emagrecimento, são uma trafulhice, não ajudam em nada a pessoa, pelo contrário.

A única resposta com lógica é que isso não acontece porque existem lobbies que protegem esses interesses.

A única e melhor forma de resolver essa questão do emagrecimento, é melhorar DRASTRICAMENTE a nossa alimentação (não comer produtos animais que contêm muita gordura, nem açucar, etc etc) e fazer exercício. Não há volta a dar nesta questão.

As pessoas pensam que um comprimido pode fazer milagres quando não é assim.

Paulo

orlando ferreira disse...

Boa tarde.

Fui operado em Londres e quando, lá, fui à farmacia levantar medicamentos, a quantidade de cada medicamento fornecido foi EXATAMENTE a necessária para os dias receitados. Foram-me fornecidas caixas em branco, com um autocolante com o meu nome, do medicamento e outras referencias. Será dificil fazer o mesmo em Portugal e poupar milhões de Euros?

Anónimo disse...

"Tretas da Apifarma e Companhias...
A minha questão é: "Querem-nos entupir de medicamentos???"

Eu estive na Holanda com uma gripe de cair para o lado...

Só que lá na Farmácia eles aconselham-nos tudo menos medicamentos... Tome um chá de limão com muito mel, cuidado com correntes de ar, alimentos, etc.
E cá: vai logo um molho de medicamentos po organismo..."



Cara Joana,

Compreendo que se sinta assim, é de FACTO muito REVOLTANTE.

O que diz tem tudo o sentido de ser, e isso cá em portugal acontece porque há fortes interesses em VENDER MEDICAMENTOS.

É tudo uma questão de dinheiro e não de "como cuidar o melhor possível do meu paciente".

Como bem referiu, alguns desses senhores na minha opinião não são de confiar, dizem-nos para confiarmos cegamente nos médicos (aconteça o que acontecer), que tomemos sempre medicamentos, entre outras questões.

Como bem diz, o que não fazem é ensinar como conseguir evitar estes problemas logo na raiz.

Paulo

orlando disse...

Boa tarde.

Fui operado em Londres e quando, lá, fui à farmacia levantar medicamentos, a quantidade de cada medicamento fornecido foi EXATAMENTE a necessária para os dias receitados. Foram-me fornecidas caixas em branco, com um autocolante com o meu nome, do medicamento e outras referencias. Será dificil fazer o mesmo em Portugal e poupar milhões de Euros?

Hugo C. disse...

Hoje em dia, com a quantidade de produtos alimentares enriquecidos com alguma substância activa farmacêutica ou alguma estirpe bacteriana é imensa. Este poderá ser um exemplo, onde poderá haver interacção medicamentosa com alguma prescrição médica que o utente esteja a tomar. Não deveria ser também melhor regulamentada a sua venda no mercado, sabendo que muitos dos benefícios dos compostos adicionados a estes alimentos se baseiam apenas em estudos de eficácia, e não de implementação e exploração de todos os seus efeitos?

lady_blogger disse...

Olhe Orlando o podermos adquirir somente as doses necessárias seria muito útil, principalmente para os reformados com pensões de valores reduzidos, pois poderiam poupar q.b.
Se isso passasse a ser uma norma em Portugal, teria todo o gosto em indicá-la aos meus blogo-leitores como sendo uma nova forma de poupança.
Seria também poupar o ambiente, dado que não haveria excedentes farmacológicos a serem deitados ao lixo.

Anónimo disse...

Peço desculpa, o sr, não é representante da ANF mas sim da APIFARMA..."venha o Diabo e escolha!". MAs continuo, agora perguntando: Será que esse sr. vai conseguir, até ao final do programa, responder a uma pergunta de forma objectiva, sem se tentar escudar na representante da ANF?

Quanto às alternativas naturais/alternativas/complementares: é óbvio que elas são válidas como são óbvios os seus benefícios mas, como tb é óbvio, dificilmente serão aprovados, sequer avaliados, pois isso põe directamente em causa um negócio que gera triliões de euros/dólares e afins por ano!
Mas digo isto com preocupação, pois enquanto não se regulamentar essas terapêuticas continuaram a existir os vendedores de banha da cobra, e a sua utilização continuará a ser muito pouco racionalizada!
Bruno Correia
Almada

orlando disse...

Este sistema não funciona em Portugal porque o 'lobby' das farmacias é gigantesco!!!!!

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
pedrocarlos disse...

Agradeco aos comentadores pelas informacoes.

A(o) comentador(a) que refere os chamados "medicamentos" naturais gostaria de dizer o seguinte.

E correcto afirmar que as florestas tropicais sao um deposito de bilioes de moleculas das quais umas quantas terao valor terapeutico.
A industria farmaceutica sabe-o e manda la investigadores para colherem amostras.
Isso ate ja levantou alguns problemas por causa de quem deve receber os lucro. Os paises onde estao as florestas dizem que as moleculas sao deles - e tem razao.

Mas e errado afirmar, taxativamente, que essas moleculas
já foram testadas durante milhares de anos pelos nativos, e têm resultado bem.

Umas sim outras nao.
So pelo escrutinio do metodo cientifico e possivel verificar essas alegacoes.
O resto e folclore.

Mas tem toda a rzao quando escreve
a ocorrencia de mortes ou graves problemas de saúde porque as farmaceuticas não fizeram todos os testes, ou sabiam mas ainda assim venderam.

Mas aqui a falha nao foi do metodo cientifico por si. Estas situacoes acontecem por causa dos poderosos interesses financeiros das farmaceuticas.
Ou, mais raramente, por causa dum ou outro investigador que quer fama a todo o custo.

lady_blogger disse...

Fernanda poderiam comentar o facto de que se comer "correctamente" poupará bastante em medicação.
Lembremo-nos do caso das constipações, que em vez de ser curada com fármacos podem parcialmente evitadas se nos nossos hábitos de consumo alimentar incluirmos vitamina C, e podem ser curadas com produtos caseiros tipo xarope natural de cenoura, entre outros.

Evite os medicamentos se puder curar-se de modo natural!

Maria Mendes

jgoncal disse...

Boa tarde Fernanda.
É a primeira vez que escrevo no Blog do programa e queria por isso felicitá-la pelo excelente trabalho que tem feito nas tardes da RTP2.
A minha questão prende-se com as propriedades terapêuticas dos chás.
Já se falou que em vez de medicamentos para a febre, gripe, tosse pode-se tomar um cházinho de limão, hortelã etc. O que queria saber era quais são de facto as propriedades terapêuticas do chá tão frequentemente aconselhado pelas nossas avozinhas e mães?

João Gonçalves - São Jorge, Açores

orlando disse...

...vender charope à colher? não precisava chegar aí... Porque não vendem em função das necessidades de cada doente? Caixas em branco, com a quantidade receitada e tá a andar!

Alguém tem a coragem de dizer qual a margem de lucro de uma farmácia?

lady_blogger disse...

Ainda não falaram sobre o "dente distribuidor" na hora h e nas doses de medicamentos que foram prescritos por médicos a pacientes.

Não é importante esta temática? Ou os convidados ainda não estão sensibilizados ou familiarizados com isto? Ou em Portugal isto não serve de nada?

Quanto a mim acho que seria uma solução a adoptar para uma toma adequada dos fármacos.

Este é sem dúvida um tema pertinente!

Maria Mendes

orlando disse...

Existe uma grande diferença entre um medicamento de marca e um genérico:

Um dá mais lucros a várias entidades.

Mário G disse...

Parece-me o sistema do Reino Unido (onde vivi com os meus filhos pequenos), de prescrição de dose individual, muito mais benéfico para o utente e para o Estado, além de n provocar excessos, bulas e auto-medicação. Se n está adaptado à nossa lei, porque n se começa a trabalhar nesse sentido? O Serviço Nacional de Saúde inglês é melhor do que o nosso!

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Em resposta à Sra do meio:

eu não estava de férias na Holanda, mas mesmo assim não nos impingem em medicamentos, mas informan-nos e dão-nos a conhecer formas de não os tomar.

Portanto, seja em Inglaterra ou na Holanda, serão eles melhores que Portugal??... Não... Que ideia...

Por alguma razão somos "a cauda da Europa"!!....

lady_blogger disse...

Orlando eu não queria dizer que o xarope fosse vendido nas farmácias. Todos temos mãozinhas para fazer esse xarope em casa.

E quanto à sua questão sobre os lucros das Farmácias... deixo uma outra questão: e como funcionam realmente a venda de fármacos nas grandes superfícies e nas para-farmácias e quais os lucros destes estabelecimentos? Será que influenciam os técnicos a recomendarem o que os doentes precisam ou a venderem os medicamentos que têm em stock em doses industriais, de modo a irem escoando esse excedente?

Maria Mendes

Anónimo disse...

não é de estranhar que as para farmácias nao tenham ninguem!!! as pessoas confiam nos Farmacêuticos!

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Lamento que o programa tenha terminado sem que tenham sido debatidos temas algo polémicos que hoje foram mencionados neste espaço do Sociedade Civil.

Até amanhã.


Maria Mendes

Anónimo disse...

"pedrocarlos said...
Ouvi um convidado afirmar que o doente nao tem de saber como funciona o medicamento, isso e com o medico!
Entao o doente nao tem de saber o que lhe estao a fazer?!
E mesmo a portuguesa: toma e cala|"


Sinceramente, que me desculpem pela forma como o vou dizer, e com todo o respeito pelos senhores convidados, tenho de o dizer que, por vários comentários deles, o senhor da APIFARMA e a representante da Ordem dos médicos não são de confiar, esta é a minha opinião.

Viu-se como tentaram denegrir e manipular a questão da utilização de genéricos (que a farmaceutica prontamente refutou e muito bem), para além do senhor da APIFARMA ter dito uma falsa verdade (para não dizer outra coisa) de afirmar que 70% dos medicamentos vendidos em portugal são genéricos, o que é falso, isto vindo de uma pessoa que OBRIGATORIAMENTE deveria saber desta questão. A maioria ainda é de marca e isto são dados oficiais.

É de fazer uma pessoa suspeitar...

No inicio levantei a questão de, em que médicos confiar, certamente não confiaria nesses dois convidados.


Paulo

Sara disse...

Quando eu era pequena e tinha tosse, a minha dava-me rodelas de cenoura envoltas em açúcar.

Quando tinha gripes ou constipações comia laranjas e outros frutos com vitamina c, tomava banhos de emersão quentinhos e prolongados, vestia roupa quente, tomava mel, não me expunha a correntes de ar e inalava chá de folhas de eucalipto.

Ainda hoje, um dos melhores remédios (para mim) para curar gripes muito rapidamente (máx. de 2 dias) é ir a um complexo desportivo que tenha banhos turcos e ficar lá uns 20 ou 30 minutos (é um espaço húmido, de banho a vapor onde se inala aroma de eucalipto (penduram uns ramos algures)).

Quando as gripes eram mais acentuadas ia ao médico, mas o que me receitavam demorava sempre tanto ou mais tempo a curar a gripe como se esta se curasse da forma natural que referi no 2º parágrafo (uma média de 5 dias).


O que quero, com tudo isto, dizer é que para uma série de enfermidades não é preciso recorrermos a medicamentos para melhorar o nosso estado de saúde, basta tomar algumas medidas naturais como nos exemplos que citei acima (que são muito mais benéficos).

Sociedade Civil disse...

Cara Maria mendes, em relação à sua questão inicial, fomos informados que, ao indicar efeitos secundários se um medicamento ao seu médico, poderá solicitar que os mesmos sejam transmitidos ao Sistema Nacional de farmaco-vigilancia. É através desta acção que pode vir a ser feita uma revisão da bula.
Quanto à questão do "dente distribuidor" não poderia ser abordada no programa já que os convidados não tinham a informação necessária de forma a prestar os devidos esclarecimentos.

saudações civis

Sara disse...

Correcção: emersão não(para cima), imersão (para baixo)...

Anónimo disse...

"lady_blogger said...
Fernanda poderiam comentar o facto de que se comer "correctamente" poupará bastante em medicação.
Lembremo-nos do caso das constipações, que em vez de ser curada com fármacos podem parcialmente evitadas se nos nossos hábitos de consumo alimentar"



Sim, a maioria dos problemas de saúde que temos ocorrem devido a dois factores mais importantes:

- a alimentação
- contacto com químicos/poluição

Sobre esta questão pode ler mais em outros temas referidos no SC em programas anteriores até relativamente recentes, que dará a informação mais pertinente.

Paulo

Anónimo disse...

Lady_blogger,

Esqueci-me de referir que por ter esses cuidados com a alimentação (ser vegetariano, não comer fritos, açucar, etc) é que não tenho gripes há muitos anos nem qualquer outro problema de saúde.
Já não ingiro nenhum tipo de medicamento há muitos anos nem sequer me lembro da ultima vez.


Para além do mais há outro assunto que os convidados não falaram, a resistência aos antibióticos, que as bactérias e virus ganham quando muitos medicamentos são usados, o que faz com que essas bacterias e virus se desenvolvam numa estirpe mais resistente e letal.

Mas também não convinha falar não é verdade...


A solução não é ingerir medicamentos, mas sim combater o problema na raiz.

Paulo

Anónimo disse...

"Mas e errado afirmar, taxativamente, que essas moleculas
já foram testadas durante milhares de anos pelos nativos, e têm resultado bem."


Por terem sido "testados" durante milhares de anos é que os nativos já seleccionaram e assim conhecem muito bem quais as plantas que são seguras, como fazer o "medicamento", as doses e para o que servem. Obviamente as plantas que não serviam não eram usadas.


Se eles já "testaram" esses "medicamentos" e se funciona bem, é o que importa, e é um método tão válido como fazer testes cientificos em laboratório.

Paulo

Anónimo disse...

PLANTAS MEDICINAIS EM PORTUGAL:

http://www.cantinhoverde.blogspot.com/


divulguem

Margarida Neves disse...

Muitos Parabéns!!!
o vosso programa de hoje foi muito bom. Eu sou aluna do 2º ano de Ciências Farmacêuticas da faculdade de Coimbra e durante o ano tive que fazer alguns trabalhos e muitos temas abordados ao longo do programa foram discutidos nas minhas aulas de farmacologia. Portanto, achei extremamente importante abordarem este tema, pois muitas pessoas acham que os medicamentos são apenas bens de consumo e não podem ser vistos assim, pois para além de causarem a cura podem também ter efeitos adversos, indesejáveis.
Parabéns a toda equipa!!!
Fico à espera pelo programa sobre os genéricos... :)

pedrocarlos disse...

Caro Paulo, desculpe mas o sr. esta a assumir que as sociedades tradicionais tinham metodos para discriminar os efeitos, beneficos ou nao. Isso e manifestamente falso a nao ser em casos extremos: se tomarem algo que mate logo nao repetem.
Os estudos clinicos necessitam tanto de controlo como de resultados estatisticamente validos.
Poderia dar-lhe muitos exemplos, fique com estes: as folhas do tabaco e de coca eram e sao considerados medicinais pelos xamas das Americas Central e do Sul.
Na Medicina Chinesa - e aqui nao estamos a falar duma sociedade tradicional - usam-se orgaos de muitos animais - como o corno do rinoceronte, ou o penis do tigre -, a bilis retirada de ursos vivos engaiolados, insectos, terra, carvao, minerais moidos, etc.
Se lhes perguntar se aquilo resulta eles juram que sim!
E voce acredita?!

Tem de se ter cuidado quer com a medicina moderna cientifica, mas muito mais com as outras.

Quanto aos antibioticos e os virus nao ha qualquer relacao!
Os antibioticos so actuam em bacterias - sao moleculas que bloqueiam a fisiologia bacteriana, ou seja venenos.
Os virus precisam doutras abordagens pois nao sao celulas.

Cumprimentos.

Anónimo disse...

Caro pedro

Desculpa dizer que não concordo com muitas coisas que diz, além que não percebeu exactamente o que quis dizer do exemplo dos nativos da amazónia.


1º: estas pessoas foram reconhecidas por cientistas e médicos que estudam as plantas na amazonia, como PERITOS no assunto, que derivado à enorme quantidade de biodiversidade de plantas que uma selva tem, que eles percebem mais de plantas curativas que qualquer pessoa no Planeta (exceptuando nativos que estejam a viver nas mesmas condições).


2º: estas pessoas têm a experiencia de gerações, de milhares de anos, por isso conhecem MUITO BEM cada planta e para o que cada planta serve.


3º: se eles utilizavam planta X para curar doença Y, e resultava, e sempre que voltavam a usar resultava, então é porque RESULTAVA mesmo, não era uma questão de "sorte", de "experimentar" ou de simplesmente "acreditar", depois de terem provas que resultava, era somente uma questão de FACTOS. É também assim que a ciencia moderna funciona.


4º: Essa comparação dos chineses e pedaços de animais não é válida porque nesse caso especifico é APENAS uma questão CULTURAL (na parte dos pedaços de animais), não se trata de factos, enquanto que o exemplo que dei trata-se de FACTOS. Mas os chineses têm algumas técnicas de cura diferentes e de medicina alternativa (natural) que realmente funcionam...
Além do mais não conheço nenhum caso de pedaços de animal que curassem pessoas de alguma doença (tipo: canja de galinha é um mito errado), pelo contrário conheço muitos casos que provoca muitas doenças: Vacas loucas, febre aftosa, gripe das aves. Tudo isto provocado pela exploração intensiva dos animais. Go Veg...



Por último, admira-me que não tenha ouvido casos (muitos até) de bactérias ou virus que, depois de serem expostos a uma grande quantidade de vários tipos de antibióticos/medicamentos, que evoluiram para serem mais resistentes, e para os combater é preciso usar mais medicamentos, e cada vez mais, e mais poderosos, e é um ciclo vicioso. Já existem bactérias e virus que devido a este esquema de manipulação e inconsciência humana, são tão resistentes que são por demais perigosos.
Isto é mais um facto (infeliz).


Paulo