terça-feira, outubro 9

IDEIAS QUE VALEM MILHÕES

Em 2007 venderam-se mais start-ups portuguesas do que nunca. Só na área das novas tecnologias, as empresas que mudaram de mãos somaram cerca de 500 milhões de euros – e quando foram criadas valiam escassos milhares.
No início da Semana Europeia do Empreendedorismo vamos conhecer casos de sucesso e explicar como é que a sua ideia de negócio também pode valer milhões. Que apoios existem? Em que áreas apostar? Como criar um negócio em casa? Onde obter formação? Como funciona o franchising? Sabia que existe uma Rede Europeia para a Promoção do Empreendedorismo Feminino?

50 comentários:

lady_blogger disse...

E já que falamos de ideias, olá Companhia das Ideias!

O que não me falta a mim e ao meu marido são ideias, e sabemos que a maioria delas seriam rentáveis, algumas são inovadoras a nível mundial, mas não dispomos do capital suficiente para as pôr em prática e receamos que se apuderem de algumas delas.
Os financiamentos que conheço não ascendem os 150 000 euros o que para apoiar os nossos projectos não é o bastante. Poderíamos ajudar muitas pessoas a melhorar as suas vidas, mas para tal precisamos de conseguir pôr as nossas ideias em prática.
Sabemos da hipótese de recurso a micro-créditos, porém estes são micro e impõem a cláusula de serem sócios da empresa que venhamos a constituir.
Gostaría de saber se existe alguma instituição ou grande empresa interessada em apoiar grandes projectos que podem tem impacto a nível mundial. O que essas empresas teriam a ganhar connosco seria publicidade mundial por apoiarem projecto(s) originais, e além do mais poderiam ser nossas clientes com regalias especiais.

Já um dia aqui manifestei que entre muitas coisas agradar-me-ia sobremaneira ser gestora de heranças. Sei que há indivíduos que não sabem gerir a sua herança e por vezes nem têm herdeiros, e eu nesses casos poderia incentivá-los a investir(com riscos devidamente calculados) em algum destes nossos projectos.

Há semanas atrás, contactei a ANJE de Algés via e-mail para combinar-mos uma reunião, mas até hoje ainda não responderam. Pergunto por quê?

Caso algum dos vossos convidados (que ainda não sei quem são) esteja disponível para uma reunião connosco, por favor facultem-lhe o meu contacto.

Cumprimentos Civis

Maria Mendes

lady_blogger disse...

As nossas ideias surgem basicamente quando deparamos com as diversas lacunas do nosso quotidiano. E acreditem que há muitas, e isso facilmente nos faz maquinar em soluções.

Há quem tenha muito dinheiro e não tenha ideias, e há o inverso. E que tal aliarmos dinheiro a ideias?

CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

Gostava de ver debatido no programa soluções e oportunidades de negócios em Portugal?

Sofia Mendes,

Anónimo disse...

Gostava de ver debatido no programa soluções e oportunidades de negócios em Portugal?

Sofia Mendes,

Anónimo disse...

Caros,

Com os números do desemprego a disparar, como é quer podemos fixar pessoas nas empresas? E já agora conhecem algum empresário português de sucesso que tenha criado a sua empresa em Portugal e no interior? E de que forma podemos nós investir em novas ideias de negócio se a banca não concede crédito nem acredita no risco? Só se financia se houver 99% de probabilidade de ser uma ideia de sucesso.

lady_blogger disse...

Nos centros de emprego há formação para quem quer concluir o ensino secundário. Há também formação para pessoas até aos 25 anos, e há ainda para licenciados. Mas esqueceram que existem pessoas com mais do 12.º ano ou com este completo mas que por terem mais de 25 anos já não têm formação possível nem lugar no mercado de trabalho. Como pretende o nosso Ministro dar solução a essas pessoas que nem estão abrangidas para serem potenciais formandos ou ainda serem válidas para trabalhar?
Se por um lado há aqueles que já estão cansados de tantas formações, há também os que gostaríam de ter formação em áreas específicas, mas que por motivos académicos ou de idade lhes é vedado o acesso a novas formações.
A política é apostar nos jovens e deixar os "velhos" abandonados à sua condição de excluídos do mercado de trabalho, deixando-os definhar ou continuar a depender de apoios sociais. E que tal apostar nos mais velhos, para que os recursos para pagar as reformas não se esgotem mesmo antes de estes lá chegarem? É que os jovens ainda têm muito pela frente e podem ser quase tudo que quiserem desde que estudem e trabalhem nesse sentido, enquanto que aos mais velhos já não restam grandes hipóteses de escolha.
Se o nosso país está a envelhecer, e o nosso governo só aposta maioritariamente nos mais jovens, não está a agir de acordo com a conjuntura social. Convenhamos que há aqui umas arestas a limar...

À falta de trabalho, há os apoios financeiros para a criação do próprio emprego, no entanto estes não deveriam excluir tantos CAE.

Sabemos que os apoios existem, basta procurá-los. Mas onde posso encontrar um apoio de 500 000 euros? Alguém me pode dizer?

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Eu quero ganhar e dar a ganhar milhões. Conhecem alguém disposto a financiar?

As ideias estão cá, os conhecimentos basilares também, só nos falta a alavanca dinheiro.

Se dinheiro gera dinheiro, algumas ideias geram muito mais dinheiro ainda.

O que faz alguém com muito dinheiro e poucas ideias? E o que faz alguém com muitas ideias e pouco dinheiro?
Já pensaram no que fariam ambos juntos? Resposta: mais dinheiro.

Alguém aceita o desafio?

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Pergunto ao Dr. Andrez se apoia projectos para os quais sejam necessários 500 000 euros para os pôr em prática? E se pode apoiar mais de 1 projecto de um só particular?

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Só vou dar um exemplo de algo em que gostava de investir mas não tenho como. Quem me financiaria a criação daqueles parques eólicos que vemos espalhados pelas serras portuguesas?
Sei que é demasiado caro para o IAPMEI financiar...

CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

Qual é o valor de uma ideia? Não seria válido fomentar a criação de um "banco de ideias", de projectos possíveis, inovadores, capazes? Onde quem quer investir poderia comprar a ideia e quem desenvolveu a mesma recebe direitos de autor pela sua invenção. Falo de reunir o produto de um brainstorming nacional. Muitas vezes o talento para desenvolver conceitos não reúne no mesmo "pacote" talento para ser empreendedor. Assim como nem todos os bons conceitos se encaixam na vertente "micro empresa".
Cumprimentos,
Ana Chagas

lady_blogger disse...

E há o risco de apresentar-se uma ideia e a entidade que iria ajudar negar essa ajuda e posteriormente essa instituição apuderar-se da ideia. Dá para salvaguardar-nos desta situação sem patentear a ideia? Pode-se patentear uma ideia sem nunca a pôr em prática? Como e onde se patenteia e quanto custa?

CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

Antes mais, Parabés pelo vosso programa.
Eu e o meu marido gostariamos de criar um empresa, na área da prestação de serviços florestais e agrícola, isto, porque ambos somos formados nesta área e gostariamos de exercer com muito gosto.
Esta empresa seria para ser instalada na zona da Beira Baixa, mais concretamente na Cova da Beira. Pergunto se é de facto uma boa ideia e o que precisamos para poder atingir a nossa meta.
Um Bem-Haja pela atenção.

Sara disse...

Boa tarde!

Que apoios é que se tem e especialmente que ajudas financeiras no caso de se querer criar o próprio emprego, até a própria empresa? E por quanto tempo se prolongam esse tipo de apoios? Se por qualquer motivo o projecto falhar e se precisar de novas ajudas, são-nos fornecidas?

Obrigado.

Pedro Marinho disse...

Um beijinho para si Dra Fernanda Freitas e um bem haja à equipa do SC.

Pedro Marinho
Arcos de Valdevez

Sara disse...

Quais serão as áreas de trabalho que terão mais sucesso e/ou quais as mais carenciadas quando se pensa em criar o próprio emprego?

Pedro Marinho disse...

Pergunto:

Depois de se criar uma empresa será que se avalia a localização geográfica para que essa mesma empresa tenha sucesso e não seja digámos um tiro no pé?


Pedro Marinho de Arcos de valdevez

lia disse...

Boa tarde

Onde me posso dirigir para me ajudarem na criação da minha futura empresa o que devo levar e com que ajudas posso contar e quais os contras (por exemplo ter que ficar aberta mesmo que não seja lucrativa há alguma obrigoratiedade).Sou de Espinho Santa Maria da Feira.
Tudo de bom para todos.
TU

Pedro Marinho disse...

O facto de se ter uma empresa com todas as condições humanas e técnicas será que muitos sonham como o tio patinhas, enriquecer, sem saber se o negócio é o mais adequado e se essa mesmas pessoas tem a formação para a criação de uma empresa, é comum dizer-se que "Deus dá nozes a quem não tem dentes" será que as associações comerciais dão esse apoio? Com tantos especialistas neste país porque razão existe tanta crise nas empresas? Será que se deve criar uma empresa num país em crise económica?

Pedro Marinho de Arcos de Valdevez

lady_blogger disse...

Pois eu já me dirigi à ANJE de Algés no sentido de marcar uma reunião mas não me dizem nada há mais de um mês.
Eles servem ou não para ajudar o jovem empresário?

CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

Boa tarde.

este tipo de ass. presta apoio em casos de pré-falência?

Antonio Carlos

Anónimo disse...

Fico muito orgulhosa que haja mais mulheres empreendedoras em Portugal. São umas verdadeiras heroínas, pois ser mãe e empresária não é nada fácil. Tem de se ter uma grande disciplina em relação ao tempo e uma enorme sabedoria para saber gastá-lo.

Parabéns pelo programa,
Margarida M.

Fausto Martins disse...

Olá, e parabéns pelo programa. 1º tenho que dizer que sou investigador privado na àrea das novas energias, particularmente em campos onde houve enorme supressão tecnológica desde os anos 50, Já me candidatei à "pesquisa de fronteira do conhecimento" ao European Research Council, mas em vão, porque não fui seleccionado, além de não me dizerem nada. De que maneira posso desenvolver e pôr em prática as minhas novas tecnologias de sistemas gravitacionais e anti-gravitacionais para a produção de energia livre e sem contaminação alguma? Ou será que ainda estou a trabalhar na "lista negra das energias" ? Continua este meu campo de investigação a ser demasiado incómodo? Ou há alguém preparado para dar a "pedrada no charco"? Tanvez o IAPMEI não, porque iria contra os interesses imediatos governamentais, por acaso não será assim?

Anónimo disse...

Gostaria de perguntar aos convidados quais os tipos de prospostas a futuros projectos que chegam às suas instituições que mais os motivam e, que tipo de projectos gostariam de ver mais frequentemente. Ou seja, em tipo de apostas dos futuros empreendedores, o que existe em demasia, e o que faz mais falta?
Obrigada,
Ana Chagas

Pedro Marinho disse...

Tenho um amigo meu que criou o seu negócio com os fundos europeus ajudaram-no, mas acho que o especialistas nao estudaram geograficamente o projecto resultado não tem gente para ter o negócio aberto e agora?

Pedro Marinho de Arcos de Valdevez

Antº Frazão disse...

O problema de fundo são os impostos que o Estado português aplica às empresas. Na Irlanda têm impostos na casa dos 11%, em Portugal rondam os 25% e ainda há a obrigatoriedade de todos os "brutais" descontos para a segurança social. Assim, não há business angels nem IAPMEis que funcionem.
Diogo Frazão (engº e empresário)

Pedro Marinho disse...

lady , sofia, maria mendes, sara , ana chagas, um beijinho para vós

Pedro Marinho Arcos de valdevez

lady_blogger disse...

"Pergunto:

Depois de se criar uma empresa será que se avalia a localização geográfica para que essa mesma empresa tenha sucesso e não seja digámos um tiro no pé?


Pedro Marinho de Arcos de valdevez"


Olhe Pedro, essa avaliação deve ser feita antes de se criar a empresa. Há uns anos atrás estive para aderir a um franchising, porém fizemos um estudo populacional e se aparentemente dado o número elevado de habitantes este não bastava pois aquela população tinha hábitos culturais enraizados o que dificilmente os levaria a adoptar o nosso "produto". E se nós achámos que não seria um bom investimento, uma cidade vizinha achou o mesmo e tentou vender-nos o seu estabelecimento, mas nós não nos deixámos enganar.
Estar a ver Pedro, porque o estudo da localização deve ser anterior à criação da empresa? Não queiramos construir um edifício por outra estrutura quenão os alicerces.

CC

Maria Mendes

Pedro Marinho disse...

Maria Mendes o meu msn é pedromarinho5@hotmail.com, pode me adicionar

lady_blogger disse...

"Pedro Marinho disse...

lady , sofia, maria mendes, sara , ana chagas, um beijinho para vós

Pedro Marinho Arcos de valdevez

15:03"

Cumprimentos retribuídos, porém a lady (de lady-blogger) é a Maria Mendes.

CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

Perante esta situação que devo fazer?

Eu a minha namorada ambos de 24 anos pretendemos abrir um restaurante e posteriormente avançar com um empreendimento turistico. já possuimos terreno dos pais dela, mas inicialmente apenas pretendemos reconstruir uma casa antiga e dela fazer um restaurante tipico. Eu neste momento estou empregado, ela tambem e está no 2º ano de gestão. Não temos capital próprio e para iniciar a actividade seria necessário cerca de 150.000€.
Perante esta situação gostava que me fosse indicado por onde devemos começar, e qual a instituição que melhor poderia responder as minhas necessidades.

cumprimentos

lady_blogger disse...

Pedro se quiser podemos debater este tema, mas não me proponha para ir para o MSN, pois não ando nem no Hi5 nem no MSN, nem no Orkut, etc e tal.
Estarei disponível para falar dos diversos temas com toda a equipa SC, com os convidados e com os bloggers de serviço no forum. O contacto têm-no acedendo ao meu cognome.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

"Pedro Marinho disse...

Maria Mendes o meu msn é pedromarinho5@hotmail.com, pode me adicionar

15:11"

Se esta mensagem era para mim, acabou sendo para todos. Agora vai ter inúmeras pessoas adicionando o seu contacto.

CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

olá
a minha ideia não vale milhoes mas para mim vale alguns euros que nos fazem muita falta. tenho 25 anos, desempregada, logo mãe a tempo inteiro. Descobri o meu jeitinho para as artes decorativas e gostaria de saber se as ajudas que essas instituições prestam só servirá para grandes ideias ou também para nós os pequinos? A minha maior dificuldade é mesmo a nível de encontrar fornecedores, também prestam ajuda a esse nível?
muito obrigada.
Márcia Silva

Fausto Martins disse...

Digam-me então Srs. convidados, se o tema de exploração de novas fontes de energia, que acabam parcialmente com a dependência dos combustíveis fósseis, estão na vossa agenda de apoios e incentivos! Ou continuamos a depender dos interesse pré-establecidos. Quem não sonha ser independente em termos energéticos por uma infima parte do que gasta por ano em combustíveis e electricidade? AFINAL A PERGUNTA É: HÁ MANEIRA DE CONSEGUIR INVESTIMENTO PARA PÔR NO MERCADO NOVAS FONTES DE ENERGIA BASTANTE MAIS MAIS BARATAS, E QUE NÃO POLUEM? OU O CHOQUE É DEMASIADO QUE NÃO SE ATREVEM A APOIAR? OU AFINAL AINDA É PROIBIDO? Digo isto porque tenho feito investigação intensa sobre supressão tecnológica, principalmente indicada por conhecidas instituições internacionais. O meu contacto: fpm.68@hotmail.com

orlando disse...

Há MUITOS franchisados falidos... muitos mesmo. É só abrir o Jornal e ler o 'passa-se'.

Muitas pessoas pensam que ao 'pagar' um franchizing, o lucro está garantido.

Penso que a maioria das pessoas não têm formação e vocação para gerir um negócio. Cafés e restaurantes...são aos montes a abrir e.... a fechar.

O estudo do mercado antes de avançar para qualquer negócio é fundamental, as emprezas fanchizadoras são agressivas e só mostram os casos de sucesso....

lady_blogger disse...

Márcia a sua questão é importante, mas é um problema pequeno comparando com a falta de dinheiro.
A si basta-lhe fazer umas pesquisas e fazer um certo shopinguismo. Nada difícil...
No meu caso específico, preciso de uma avultada quantia para consolidar as ideias.


CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

caros, 500 000 mil euros não dá nem sequer para apresentar um projecto na area das energias alternativas. quem tiver mesmo uma boa ideia neste ramo, vá ter com o principal investidor na area- a EDP!!

sara costa

Maria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

"caros, 500 000 mil euros não dá nem sequer para apresentar um projecto na area das energias alternativas. quem tiver mesmo uma boa ideia neste ramo, vá ter com o principal investidor na area- a EDP!!

sara costa"


Sara esses 500 000 euros seriam para outra ideia.

Quanto a das energias renováveis, propõe a EDP? Eu já fui accionista da EDP, isso dará alguma facilidade de acessos? E onde em específico nos devemos dirigir? Qual será a receptividade deles e qual a morosidade na resposta? Há garantia que não se apropriam dum nosso projecto? E eles de facto prestam apoios financeiros?

CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

Muito complicado para o Estado com o tema de apoio às novas energias,não podem abdicar dos milhões de lucro que representam a venda de combustíveis, o transporte e facturação de electricidade, entre outras. Senão seria o colapso instântaneo da economia, embora para lá caminhe. Seria mais acertado para o futuro visualizar mais além e tornar-se o principal fornecedor Europeu, mas enfim, "eles" não abrangem.

lady_blogger disse...

"Anónimo disse...

Muito complicado para o Estado com o tema de apoio às novas energias,não podem abdicar dos milhões de lucro que representam a venda de combustíveis, o transporte e facturação de electricidade, entre outras. Senão seria o colapso instântaneo da economia, embora para lá caminhe. Seria mais acertado para o futuro visualizar mais além e tornar-se o principal fornecedor Europeu, mas enfim, "eles" não abrangem."

Subscrevo o post deste anónimo.

CC

Maria Mendes

Mortisa disse...

Olá, eu sou uma jovem recém saída da universidade, e juntamente com mais dois amigos, queríamos abrir uma editora literária.
Já contactamos algumas tipografias, recolhemos uma série de informação para dar consistência ao projecto, e para nos ajudar a definir um rumo, mas o que nos falta é mesmo o financiamento.
Andamos a ver os apoios a novas empresas e a jovens empresários, mas o que constatamos é que a maior parte dos financiamentos é atribuído mais na área de serviços.
O que nos deixou a pensar que os financiamentos para a cultura são realmente muito escassos, ou então nós não encontramos ainda o local certo para esse tipo de apoio.
Os projectos com um carácter mais cultural devem procurar apoio onde? Se é que tal apoio existe.


Catarina Silva

Sara disse...

Pedro Marinho disse...
"lady , sofia, maria mendes, sara , ana chagas, um beijinho para vós

Pedro Marinho Arcos de valdevez"

É um querido! Beijinho para si também! =)

lady_blogger disse...

Catarina sabe ao certo de quanto necessita? Se me disser até talvez saiba de alguma solução para si.
No meu caso há o perigo de se apuderarem das ideias enquanto projectos e além disso precisaria que por exemplo o grupo SONAE me apoiasse. E acredite que se este grupo só teria a beneficiar tanto a curto como a longo prazo e faria com certeza exportações significativas.

CC

Maria Mendes

Alexandre disse...

olá a todos,

Sou mais um iluminado! Também a mim a lampada ja se acendeu a algum tempo. =)

Brincadeiras á parte, faço parte do grupo que tambem se sente frustrado por nao conseguir avançar devido á falta de dinheiro para investir.

Tenho realmente uma ideia literalmente milionária, pois pelas suas proprias caracteristicas tem um mercado potencial gigantesco.

Gostava de partilhar opinioes convosco. Gostaria de ter conhecimento de casos em concreto de pessoas que procurem o mesmo, ja tenham procurado e conseguido alcançar os objectivos e casos que ja tenham falhado.

Gostava de obter informações sobre como obter investimento atraves dos apoios existentes. Quem me puder ajudar pode adicionar no MSN o seguinte endereço : alexandrempinto[ @ ]hotmail.com (sem [])


Cumprimentos,
Alexandre Pinto

Anónimo disse...

Ola Maria Mendes, eu compreendo a sua necessidade de esse dinheiro todo para abrir uma empresa, e se uma pessoa nao o tem dificil e o ter , mas tambem lhe digo se com tantas ideias nao tem uma mais barata? eu dou lhe um exemplo de muitos sucessos milionarios em que no seu primeiro investimento foi de 30 euros , e num mes esse investimento ficou a valer milhares de milhoes , numa pequena ideia se fez milhoes , este exemplo foi de um rapaz que apostou numa forma de publicidade na internet , tem apenas 20 , com isto tenho lhe a dizer que dinheiro faz dinheiro mas nao quer dizer que muito dinheiro faca muito dinheiro , eu tenho um empresa tb necessito de algum dinheiro para lancar melhor este projecto , bastava-me uns simples 2000 euros , mas claro que 500.000 euros faria maravilhas , mas nao quer dizer que o investimnto seria muito retorno , os projectos tem sempre um ponto de partida em vez de se lancar de cabeca pensando que se tem sempre sucesso , comece do pequenino e depois pense alto , se nao tem esse dinheiro e achas se uma pessoa de ideia luminosas de grande sucesso , porque nao pensa primeiro num pequeno invesimento que lhe garanta um pequeno sucesso e assim tornando-se uma rampa de lanamento para a tal grande ideia de sucesso , mas nao as pessoas querem logo coisas grandes.

Ass- Tiago

lady_blogger disse...

"Tenho realmente uma ideia literalmente milionária, pois pelas suas proprias caracteristicas tem um mercado potencial gigantesco."

Alexandre Pinto, como revejo alguns dos meus projecto familiar nas suas palavras...!

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

"...porque nao pensa primeiro num pequeno invesimento que lhe garanta um pequeno sucesso e assim tornando-se uma rampa de lanamento para a tal grande ideia de sucesso , mas nao as pessoas querem logo coisas grandes."

Tiago, não se trata de pensar só em coisas grandes, sempre vivi bem com mais ou menos dinheiro. Não vamos por aí!
Tenho de facto inúmeras ideias, mas elas são basicamente ideias projectadas para mercado nacional e internacional, isto porque se eu não o fizer de imediato haverá quem o faça. Acredite que tenho projectos válidos que há anos têm ficado guardados na gaveta das ideias não postas em prática.
São projectos que poderão ter grande impacto e que não resultam começando por um vão de escada. É difícil explicar-lhe.
Lembre-se que há por exemplo negócios que só resultam em dados países ou cidades, e os meus projectos resultariam em vários países, sobretudo um desses projectos.

CC

Maria Mendes

António disse...

Sou Gerente de uma nova Empresa sem grandes horizontes...

Embora e dado o facto de que o vosso programa (Sociedade Civil), devido à hora avançada em que é emitido não contar com uma audiência considerável, temos assistido ao mesmo em esporádicas incursões temporais as quais nos provocam ondas de indignação.

No entanto e porque não temos disponibilidade nem interesse em assistir a uma emissão completa, tivemos a oportunidade de visionar parte dois últimos dias de emissão para os quais gostava de salientar;

1. Não sabemos se os ilustres Senhores quer do IAPMEI quer das outras duas associações de pretensa ajuda aos promissores "Novos" empresários e ou às pequenas empresas gostariam de rebater estes factos,

1.1 Não existe qualquer programa de apoio a quem não tenha ou que o seu capital próprio seja diminuto, caso tenham conhecimento de programa no género gostaria que o nomeassem bem como as suas características, promotores e acessos. Porque tal como conhecemos os programas que existem são para quem tem dinheiro e ou empresas montadas com IRS etc, etc.
1.2 Fala-se muito nas empresas com inicio em uma só pessoa, em muitos casos pessoa desempregada, mas depois fala-se em incentivos aos jovens empresários, então quais são os incentivos para a maioria dos desempregados que estão na faixa etária dos 45/55 anos, será que para estes existe apenas como incentivo o fundo de desemprego! por três anos e depois a mendicidade? (para alguns uma vez que imigrantes fora da CEE não podem aceder sequer ao fundo de desemprego).
1.3 Será que algum destes senhores sabe que para registar uma MARCA e ou PATENTE nova em Portugal demora um ano!!! será que sabem que o INPI demora um ano a efectivar qualquer destes registos!! será que em Portugal existe tanta inovação e tantas novas empresas a tentar registar as suas Marcas e ou Patentes que não é possível responder aos novos pedidos de registo em menos de um ano!!! será que os senhores do INPI sabem o que quer dizer concorrência e novas tecnologias de informação e compartilha de bases de dados? parece que não... um ano para registar uma MARCA ou PATENTE !!! viva Portugal.
1.4 Pode algum dos senhores presentes justificar o facto de que a maior tranche (90%) de ajudas e incentivos atribuidos cair nas mão de empresas e ou de quem nem precisa e já tem as suas empresas em bom funcionamento, usando apenas os incentivos existentes apenas para aumentar de forma simples, barata ou mesmo livre de encargos o seu património? Pelo que conhecemos existem mesmo bastantes empresas com empregados específicos para escrutinar todos os incentivos e ou as verbas a que podem concorrer, os quais conhecem muitos dos funcionários (com rasgos de conivência e ou amizade)...nos organismos com poder de decisão e ainda todos os trâmites e ou formulários a preencher, relegando imediatamente para ultimo plano quem apenas possui ideias e força empreendedora? Não nos digam que isto não é um facto basta consultar as listas de incentivos atribuidos.
1.5 Ainda falando nas novas tecnologias, como se justifica que em Portugal exista apenas um organismo estrangulador do registo de domínios internet com sufixo .pt (FCCN/DNS) não sendo o mesmo livre de registo como acontece nos Países evoluidos e com forte poder concorrencial em que cada promotor comercial e ou industrial é livre de registar o seu próprio domínio em termos concorrenciais?

Quer-nos parecer que as directrizes que fundaram as regras para a "Empresa na Hora" precisam de ser aplicadas aos IAPMEI, INPI, FCCN/DNS para que estes serviços sejam de facto o motor de novas iniciativas, mesmo que as mesmas possam conter alguns riscos iniciais, (no caso em que os promotores estejam na faixa etária acima dos 45 anos e que não possuam capital próprio mas que possuam forte complemento Técnico Profissional e se encontrem em situação de desempregados mas com todos os compromissos sociais em dia), de outra forma para falar de incentivos bem se lhe pode acrescentar, "Incentivos para apenas quem tem dinheiro extra para investir e ou empresas formadas" porque para os restantes actualmente não existe absolutamente nenhum incentivo e ou ajuda.

Atenciosamente

Anónimo disse...

Olá a todos.

E para implementar ideias que não visem o lucro? Mas sim que poderiam apoiar socialmente muita gente desfavorecida, apenas através de um investimento inicial de arranque que rondaria os 34 mil euros?

Sou uma profissional na área das Ciências Sociais e Humanas, com 26 anos, e tenho todo um Projecto Social criado (que não consigo implementar por falta dessa verba). Só falta mesmo que consiga encontrar um investidor que estivesse interessado em apoiar a causa e associar-se a mim no bem-fazer a quem tanto precisa.

O projecto tem como beneficiários: grávidas em risco, recém-nascidos e crianças em perigo e famílias desfavorecidas. Será um meio (todo ele estruturado não para o "assistencialismo", mas sim para a emancipação e inclusão dos beneficiários) de se diminuir disfuncionalidades familiares, de se obter a inclusão de muitos, de aumentar a taxa de natalidade (permitindo a muitos bebés nascer), entre muitas outras coisas.

Existem programas comunitários, é sabido, mas não quero uma mera "reprodução" daquilo que já existe. O Projecto está pensado de uma forma inovadora, que visa "fazer diferente" e não entra nos parâmetros dos apoios comunitários, daí estar à procura de alguém, quiçá, potencial Benfeitor da Causa, que tenha posses económicas e quisesse investir algo em prol do bem de outros (algo que realmente funcionará e não ficará preso a institucionalismos).

Só tenho pena de não ter recursos financeiros próprios, pois se os tivesse, já podia implementar o Projecto voluntariamente (sem lucro e investindo dinheiro próprio para auxiliar outros). Assim sendo, e visto que penso que o que hoje falaram no programa visa apenas a ideia "empresa e lucro" (não havendo respostas para o que preciso), resta-me lançar aqui o apelo...

Quem sabe se não passará por aqui alguém que queira muito contribuir para uma causa sem saber como, e possa unir-se a mim (que sei como).

Se for o caso, agradeço um comentário de resposta neste espaço e neste tema que virei consultar nos próximos tempos (se obtiver alguma, retornarei o contacto e facultarei o meu).

Muito obrigada pela atenção.

Saudações sociais a todos.