quinta-feira, outubro 11

VIDEOVIGILÂNCIA: SEGURANÇA OU INVASÃO DE PRIVACIDADE?

A instalação e utilização de sistemas de Videovigilância em táxis, vai avançar - em Agosto foi publicado o diploma que regula este sistema. Noutro transporte público, no Metro do Porto, vai haver câmaras de vigilância no interior de todas as composições. Nem as escolas escapam às objectivas: o Ministério da Educação quer generalizar a instalação de circuitos deVideovigilância nas escolas do ensino básico e secundário, no âmbito do Programa Escola Segura. No Reino Unido, o país mais “videovigiado” da UE, a proliferação de câmaras nas ruas foi alvo de amplo debate. Esta discussão ainda não teve lugar em Portugal – o Sociedade Civil dá o primeiro passo. Vamos ouvir os argumentos – os seus e os dos especialistas em estúdio – a favor e contra a Videovigilância.

57 comentários:

Maria (ª_ª) disse...

Se por um lado parece tudo mais seguro por ser mais vigiado, por outro lado parece que perdemos toda a nossa privacidade…qualquer sítio onde vamos, é só câmaras, mais parece que o mundo virou um reality show!

Já para não falar que hoje em dia quase todos os telemóveis possuem câmara integrada e quando pensamos que estamos descansados, estamos a ser filmados…

Anónimo disse...

Não percebo por que razão as pessoas têm receio de serem filmadas? Quem não deve não teme... Muitas questões de segurança poderiam ser evitadas, quanto mais não seja para permitir uma ágil investigação...

Obrigado

Anónimo disse...

Trabalho numa bomba de gasolina e sinto-me muito mais protegida por saber que tenho câmaras de vigilância a segurar a minha pessoa.

Anónimo disse...

A verdadeira discussão de hoje não devia ser se concordamos ou não, mas sobre o fim dessas imagens. Depois de utilizadas são apagadas, são reencaminhadas para algum orgão?

Sara Viveiros

Pedro Antunes disse...

Vivemos num país onde fomos durante anos a ser controlados, registadas as nossas conversas sem qualquer limite de invasão de privacidade. é por isso que os portugueses poderão sentir-se mais indignados com a colocação de câmaras de vigilância. Por exemplo na Linha de Sintra a criminalidade desceu nos últimos tempos não por causa das câmaras de vigilância, mas porque colocaram mais polícias a proteger os cidadãos. Mais polícias e menos câmaras é solução.

Maria (ª_ª) disse...

As câmaras são dissuasoras mas não impeditivas de qualquer acto criminoso.
Ainda há pouco tempo os assaltos a caixas de Multibanco foram filmadas pelas câmaras de vigilância, mas ninguém consegue ver quem está por detrás da mascara…os assaltos a bombas de gasolinas também continuam a acontecer independentemente das câmaras lá estarem ou não, pois os assaltantes levam máscara.
E na maioria dos casos as câmaras também não têm a melhor definição para se conseguir depreender quem aparece na imagem, como foi o caso do rapto da bebé no hospital de Penafiel. Nunca ninguém identificaria a mulher raptora se não tivesse sido denunciada…
Em certos casos, é preferível agentes da polícia do que câmaras, como defendeu também o Pedro Antunes.

Outra questão pertinente, que foi levantada pela Sara Viveiros, é qual o destino das imagens captadas e quem tem acesso a elas.

Maria (ª_ª) disse...

No passado domingo, no mercado de Tires (Cascais) houve um indivíduo de etnia cigana que matou outro (num ajuste de contas) com um tiro (de caçadeira, penso eu) e nem policias nem câmaras nem nada!
Eu por acaso ia lá a passar e se calhar não apanhei também um tiro por sorte (tal como muitas outras pessoas).
Num caso como este, penso que uma câmara de vigilância não iria impedir o crime, mas se tivessem lá polícias presentes, provavelmente o crime não teria acontecido.
Há diferença entre prevenção de um crime e registo em vídeo do mesmo (que mesmo quando há registo, pode ser inconclusivo), esta diferença pode ser de vida ou morte…

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

"As câmaras são dissuasoras mas não impeditivas de qualquer acto criminoso.
Ainda há pouco tempo os assaltos a caixas de Multibanco foram filmadas pelas câmaras de vigilância, mas ninguém consegue ver quem está por detrás da mascara…"

Maria de Cascais, concordo que as filmagens das câmaras não sirvam por si só para combater a criminalidade, quando muito faz um criminoso repensar nos seus actos antes, ou servem de prova depois do crime cometido.
Relativamente aos constantes assaltos ao Multibanco que são filmados, eu por exemplo fui vítima de um assalto desses em que as imagens ficaram registadas mas a Polícia nem o Ministério público ainda não as analisaram. O meu caso continua em suspenso mesmo havendo provas e eu sinceramente não percebo porquê. Continuo inclusivé constantemente a solicitar à Fernanda Freitas que as autoridades convidadas do SC me respondam e até hoje não obtive resposta.

Já agora aproveito para formalizar um pedido:
Olá Fernanda e equipa SC.
Venho aqui uma vez mais pedir-lhe que se debruce sobre esta minha causa. Eu gosto bastante do vosso programa, e isso é do conhecimento geral, mas gostaria também que algumas das minhas mais pertinentes questões fossem abordadas, nomeadamente esta do roubo em que há provas e as autoridades nem os tribunais não actuam. Então para que serve a videovigilância?
Pergunte a quem de direito onde me posso dirigir para finalmente o meu processo avançar e ser ressarcida em parte pelo roubo de que fui vítima.
Agradeço a disponibilidade. Continuação de bons SC.

CC

Maria Mendes

Maria (ª_ª) disse...

Pois é, Maria Mendes, a justiça em Portugal é muito lenta…e muitas vezes os casos são arquivados sem terem sido resolvidos…espero que nesse seu caso, a imagens captadas pela câmara de vigilância sejam conclusivas e úteis para resolver o seu caso. Espero que tudo acabe em bem e boa sorte, que também é preciso.

Pedro Marinho disse...

Um negócio estranho

Na qualidade de representante da associação de pais do agrupamento de Escolas de Arco de Valdevez penso que o facto de se instalar câmaras de vídeo vigilância não vai permitir combater o quer que seja , existem sempre formas de contrariar o sistema, porque razão continuamos a acreditar nestes sistema em vez de apostar em profissionais de vigilância com formação para detectar e agir em detrimento da câmaras de vigilância, não tenho dúvidas que não deve faltar muito tempo para que o estado se lembre de instalar câmaras de vídeo vigilância nas nossas casas, é pena que não instalem câmaras nos gabinetes dos ilustres ministros bem como nos gabinetes dos excelentissimos presidentes de camara... enfim, mais um negócio de total inoperancia que propricia o desemprego e que não forma e educam os jovens nas escolas.

Pedro Marinho de Arcos de valdevez

Pedro Marinho disse...

AS PESSOAS ESTÃO PROTEGIDAS PELA LEI MAS A VIDA NÃO ESTÁ PROTEGIDA, AS CAMARAS NÃO VELAM NUMA SITUAÇÃO DE DEFESA DO TRABALHADOR. TIVEMOS UM CASO RECENTE NUMA BOMBA DE GASOLINA, MAL DE QUEM MORRE...

PEDRO MARINHO DE ARCOS DE VALDEVEZ

Pedro Marinho disse...

AS PESSOAS ESTÃO PROTEGIDAS PELA LEI MAS A VIDA NÃO ESTÁ PROTEGIDA, AS CAMARAS NÃO VALEM NUMA SITUAÇÃO DE DEFESA DO TRABALHADOR. TIVEMOS UM CASO RECENTE NUMA BOMBA DE GASOLINA, MAL DE QUEM MORRE...

PEDRO MARINHO DE ARCOS DE VALDEVEZ

14:10

Paulo disse...

A grande dúvida sobre a videovigilancia é saber quem tem acesso às imagens. É a polícia? São os seguranças privados? são os patrões? Vamos criar uma Pide Digital?

Anónimo disse...

Discute-se muito o banalismo das imagens, no entanto não há acesso indiscrimidado às imagens. Normalmente apenas sao revistas as imagens em caso de ter ocorrido algum 'crime'.

Estudo na FEUP e também há inúmeras câmaras. Só acho que são um desperdício, pois há inúmeros assaltos aos carros nos parques e bicicletas, mas nunca se sabe quem foi! Para quê tanta câmara se nao captam o necessário?!

Antonio Silva disse...

SE ALGUÉM QUANDO E ASSALTADO NMA ESPLANADA OU NUM RESTAURANTE, ETC. E VAI A UMA ESQUADRA DE POLICIA APRESENTAR A RESPECTIVA QUEIXA, DEPARA-SE COM UM DILEMA, NÃO SABE QUEM FOI, NÃO VIU NINGUÉM, E SÃO INFORMADOS QUE NO LOCAL EXISTEM CÂMARAS PEDE LOGO QUE SEJA VISUALIZADOS ESSAS CÂMARAS SEM SE IMPORTAR COM A PRIVACIDADE.E FALO COM CONHECIMENTO DE CAUSA PODE ERA CERTEZA PELA QUANTIDADES DE PESSOAS QUE JÁ VI TEREM ESSES COMPORTAMENTO.

Anónimo disse...

Eu acho que as camaras são úteis para a segurança, mas também acho que a nossa autorização para sermos filmados é muito importante. Por isso as camaras que dizem "sorria você esta sendo filmado" tem uma coisa interessante, se eu não sorrir não autorizo. Isso para dizer que pelo menos nos estabelecimentos comerciais deveriam ter um aviso sempre à porta, antes do cliente entrar na loja.

Paulo M. disse...

Gostava que respondessem:
Para que a PJ possa ouvir escutas telefónicas precisa de uma autorização de um juíz. No caso de imagens vídeo não acontece o mesmo?

Anónimo disse...

Vocês ai sabem que estão a ser filmados e concordaram com tal, mas um banal individuo que vai a qualquer sitio publico é filmado sem mesmo o querer.
Das duas uma, ou não sai de casa ou sugeita-se a ser filmado sem querer.

Anónimo disse...

Uma coisa é verdade as câmaras são muito úteis na segurança do cidadão, também é verdade que invade a privacidade do cidadão, mas o bem que visa assegurar "a vida" merece mais proteção que o "bem privacidade". E não podemos nos esquecer que a lei portuguesa nos apoia em relação ao uso indevido das nossas imagens.

Antonio Silva disse...

TEMOS DE SER COERENTE COM AQUILO QUE DESEJAMOS, «NÃO EXISTE SOL NA EIRA CHUVA NO NABAL»,COMO E QUE SE PODE RECLAMAR POR PRIVACIDADE EM LOCAIS PÚBLICOS? AONDE COMEÇA A PRIVACIDADE DE ALGUÉM QUANDO O QUE ESTA EM JOGO E A VIDA OU A INTEGRIDADE FÍSICA DE ALGUÉM COO NO CASO BEM RECENTE NO ALGARVE «MADDIE»?

Anónimo disse...

Pior do que as câmaras que se encontram à vista, são as câmaras ocultas…mas estas são proibidas, certo? Mas são muito utilizadas por exemplo por detectives privados que espiam literalmente a vida de uma pessoa. Isto é invasão de privacidade!
A facilidade de acesso a novas tecnologias facilita também o “espião”.

Anónimo disse...

Não nos podemos esquecer que as câmaras tem sido muito mais beneficas do que a situação contrária.

Anónimo disse...

é mto fácil nos dias de hoje captar imagens de alguém e colocar na net, como o youtube, mesmo q estas imagens da vida privada.

Anónimo disse...

a pior invenção que fizeram foi meterem camaras nos telemoveis, n há privacidade nenhuma

Antonio Silva disse...

RESPONSABILIZE-SE, OS AUTORES DA PUBLICAÇÃO, QUER EM REVISTAS O INTERNETE, NÃO PODEMOS SER REFÉNS, DE ALGUÉM MENOS ESCRUPULOSO, PARA DEIXARMOS, DE TER UMA FERRAMENTA, ESSENCIAL EM TERMOS POLICIAIS, NA CAPTURA DE CRIMINOSOS.

Anónimo disse...

PROBLEMAS TÉCNICOS
IMPORTANTE - PARA A RTP2

Venho alertar que a transmissão em directo da RTP2 e da RTP1 pela internet no site da rtp multimédia, raramente têm som (como neste preciso momento), e muitas vezes apresentam outros problemas como, não apresentar quaquer imagem, repetirem o mesmo vídeo vezes e vezes sem conta.

PF resolvam isso.

Maria (ª_ª) disse...

Tal como disse a vossa convidada Vânia Alves, eu também não faço nada em casa ou na rua que me envergonhe, no entanto não gosto de ser observada ou vigiada por uma câmara a toda a hora e para onde quer que vá.
É lógico que há casos em que considero que seja necessário por motivos de segurança (pelo menos para dissuadir), mas não considero que seja necessário em todo o lado…

José disse...

Boa Tarde!

Considero um tema polémico, mas na sua generalidade concordo com videovigilância!
Vivi mais de 3 anos em Londres onde quase todo o espaço público é vigiado, incluindo locais de trabalho! Para mim é essencial a vigilância de espaço público por uma questão de sensação de segurança! Quanto à utilização posterior da informação armazenada, deveria sentir-se confiança nas pessoas que tratam dessa imagem. e havendo tanta tecnologia nova, porque não videovigilar as pessoas que tratam dessas imagens, controle informático, vigiado e registado das movimentações dessa informação!
Com isto justifica-se videovigilância em certos locais de trabalho.
Em Londres trabalhei num bar, em que as camaras serviam tanto para controlar certas reacções de clientes mais embriagados, mas também para roubos dos próprios trabalhadores ou mesmo simples não produção durante o expediente.
Também funciona para apanhar situações como aquele brasileiro morto por polícias britânicos, que ainda dá muito que falar!
Em Lisboa um amigo foi agredido pelos seguranças de uma discoteca, sendo uma queixa feita na polícia, mas não deu em nada, porque os seguranças são uma classe que se protege muito, e a videovgilância é infelizmente inexistente nestes espaços! Portanto mais segurança humana também implica lidar com diferentes individuos com diferentes educações e moral. Um video não manipulado sempre é uma informação mais isenta!

No geral, da minha experiência em Londres, sempre me senti muito mais seguro do que em Portugal!

Obrigado

José Pereira, Lisboa

Anónimo disse...

Todo o excesso é prejudicial. Acho que todos receiam a realidade que por vezes vemos em filmes, em que todos os passos de uma personagem são seguidos através dessas câmaras.
No entanto, acho que a video vigilância é justificada em diversos locais, seja nos transportes públicos (tanto dentro dos mesmos como nas estações), nas escolas, desde que as pessoas sejam devidamente informadas de que estão a ser filmadas.
Cumprimentos,
Ana Chagas

Paulo Dias disse...

O que me preocupa não é ser filmado mas sim o uso indevido que fazem das imagens.
Dizem que as imagens vão encriptadas e enviadas à polícia, pois bem, todos sabemos das condições precárias em que a nossa polícia chega a trabalhar. Se as empresas têm de montar todo um aparato tecnológico para garantir que as imagens só irão aparecer no ecrã A B ou C de uma esquadra de Polícia, pergunto eu, a polícia consegue garantir quem e quando alguém está a visualizar essas imagens? Mais digo eu, o que impede um polícia de usar toda essa tecnologia ignorando os eventuais pedidos prévios aos juizes? Esse controlo existe?

Anónimo disse...

No caso dos detectives privados, a nossa privacidade esta sendo totalmente violada, mas o que vale é que as imagens desse detective num caso de traição de marido e mulher, não tem relevância em caso de um divórcio litigioso, certo?

Antonio Silva disse...

QUANDO ALGUÉM SE DEDICA A ACTIVIDADES CRIMINOSAS, SEXUAIS, EM LOCAIS PÚBLICOS SABE ANTECIPADAMENTE QUE ESTA SUJEITOS A SEREM VISTOS QUER POR CÂMARAS QUER POR PESSOAS.
PESSOALMENTE NÃO TENHO QUALQUER PRECONCEITO EM SER FILMADO EM QUALQUER LOCAL PUBLICO, QUEM NÃO DEVE NO TEME, E PENSO SEMPRE QUE E NAQUELE MOMENTO, FOR VITIMA DE QUALQUER ACTO ILÍCITO TENHO AO MEU DISPOR UMA TESTEMUNHA CREDÍVEL EM TRIBUNAL.

Namarocolo disse...

Quem não deve não teme!
O homem evoluído do futuro será "transparente", não necessitando de esconder as suas fraquezas.
O secretismo-privacidade, só protege os transgressores das leis sociais.

Anónimo disse...

Boa tarde

Eu acho que deveriam ser colocadas camaras de videovigilancia nas prais. Principalmente nas da costa vicentina, para que hja mais segurança na pratica de desportos nas praias, principalmente nesta epoca. As da costa vicentina era um bom começo. ja este fim de semana......eheheheheheheh controle.

Antonio Silva disse...

E PENSEM, EM CÂMARAS EM TEMPO REAL,QUE PODEM, QUE PODEM ANTECIPAR, ACONTECIMENTOS GRAVES QUER A NIVEL DE VIDAS POUPADAS QUER AO NÍVEL DE BENS MATERIAIS.

lady_blogger disse...

Olá Fernanda.

Pode responder-me à minha postagem das 13h e 21m?
Obrigada.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sylvie disse...

Gostaria de saber se legal, ou não,por ex., no escritório de uma empresa a entidade patronal colocar câmaras de vigilância direccionadas para os empregados, para assim poder ver todos os seus movimentos?
Obrigado.

lady_blogger disse...

O meu marido viveu em Inglaterra, e segundo conta as câmaras lá proliferam por todo o lado, e se por exemplo alguém decidir deitar um papel no chão, a polícia de imediato convidará através de altifalantes acoplados às câmaras, a que esse indivíduo apanhe o que deitou no chão.

CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

A videovigilância nos acessos a um edifício de habitação é legal? Não é necessário obter a unaminidade de votos em assembleia de condóminos para que se possa instalar um sistema desse tipo?
Obrigado.

lady_blogger disse...

Sylvie já responderam à sua questão no SC, e a resposta foi não.

CC

Maria Mendes

cátia disse...

Boa Tarde. Parabéns pelo tema escolhido, e pela excelente forma como mais uma vez a Fernanda está a conduzir a emissão.

Sobre o tema gostaria de deixar uma questão, um restaurante de beja, que nao merece qualquer publicidade, tem camaras OCULTAS de imagem e também de som,nomeadamente em todos os acessos restritos a funcionarios, curioso ainda é salientar que o mesmo restaurante despediu um funcionario porque ouviu na gravação ele comentar com outro colega que os patrões faziam os preços de acordo com o cliente. Foi feita uma queixa e até agora ninguém, agiu.
Quantos negocios importantes se fazem nas mesas de restaurantes? De que forma podem estar a ser "boicotados" ?
Um criminoso só comete um crime se tiver confiante de que não vai ser apanhado..

A policia não usa camaras ocultas para filmar os carros nas estradas, e punir as velocidades e as transgressões?? Isso é legal ?

Antonio Silva disse...

SE EU FOSSE UM CRIMINOSO, A VOSSAS PALAVRAS RESTRITIVAS, NA UTILIZAÇÃO DAS CÂMARAS DE VIGILÂNCIA, ERA O CRIMINOSO MAIS FELIZ DO PLANETA, QUANTO A GARANTIAS SÓ CONHEÇO UMA: UM DIA VOU MORRER.

Pedalófilo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
lady_blogger disse...

Algo muito importante: não se deve captar essas imagens recorrendo ao uso de um computador ligado à Internet, pois há um risco acrescido de apropriação dessas imagens por outros cibernautas.

A Fernanda falou que qualquer pessoa pode recolher as imagens numa pen, mas eu tenho uma solução para isso, basta que as portas USB não funcionem, e que o computador não possuo qualquer outro dispositivo de saída de dados, nomeadamente drive de disquetes e de cds e dvs.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Queria deixar aqui uma sugestão. Coloquem computadores com acesso ao vosso blog em frente aos convidados.
Talvez eles também gostassem de abordar questões propostas pelos comentadores on-line.

CC

Maria Mendes

José disse...

Comentário à Maria Mendes A.k.a Lady_blogger:

Parece-me que se o seu marido viveu em Londres, depois exagerou um pouco na discrição da verdade! Até seria bom que isso acontecesse, que ao deitar um papel no chão as pessoas fossem responsabilizadas pelo seu acto ilicito! Infelizmente isso não acontece!
Há de facto muitas câmaras por todo lado, mas pelo que sei ajudam na resolução de crimes mais graves, como roubos, raptos, crimes graves!
Pessoalmente as câmras ajudaram-me na resolução de assalto na rua, e no local de trabalho foi valioso para culpabilizar um dos nossos colegas de trabalho que foi apanhado a roubar, e claro, retirar todo o clima de desconfiança sobre os outros trabalhadores (como eu)

Como já foi dito e concordo: Quem não deve não teme!

Obrigado
José Pereira

Pedalófilo disse...

Deixo aqui algo que ouvi há meses na BBC: um filme feito só com material filmado em CCTV.
link

O que poderia aqui ser aproveitado, para além de inspirar artistas, pelos legisladores portugueses é facto da lei de protecção de dados britânica dar o direito de acesso aos dados guardados acerca da pessoa que os pede. Isto não só se aplica a registos médicos e financeiros, mas também filmagens.

Este foi o ponto de partida para conceber e produzir este filme sem material de filmagem pago, pois bastava os "actores" irem para junto de câmeras bem anunciadas.

Anónimo disse...

É incrivel que num pais que brotou duma ditadura, crescendo até aos dias de hoje, tenha um povo tão melindrado pelo facto de poder ser observado.

As cameras na via publica (caso o existam)só poderão ser uzadas pelas autoridades policiais, que têm um regulamento interno muito severo. Não poderá haver abuso na utlizaçao dessas imagens.

já existem camaras no metro, nos transportes da carris em lisboa. Há milhares de utilizadores diários e não vejo que qual será a ameaça dessa cameras a nao ser para o comum criminoso.

Tem-se que destinguir as competencias de controle de camaras por parte do Estado. Onde será feito o controle e em que modos?
Numa propriedade privada não será o estado a controlar, mas tem que existir regras severas. Neste momento ha alguma fiscalizaçao por parte das autoridades nos grandes centros comerciais do país? (a legislaçao é omissa, nesse ponto)

Pergunto.
Num caso tao mediatico como o da maddie, já estaria resolvido se existisse filmagens do complexo turistico e nas imediações.....?
Estou certo que ajudaria...em muito.

Para o comum cidadao que nao sabe o que significa uma investigação, não compreenderá o grau de eficácia de filmagens (de boa qualidade) na resolução de um caso que seja investigado e que se necessite respostas imediatas.

Os nosso direitos terminam onde chocam com os direitos do proximo, teremos que controlar (através de legislação)os limites e a legetimidade de ter acesso a essas imagens, seja em circuito publico ou Privado.

Deixo uma questão para colocar ao coonvidados:
TERIAM SISTEMA DE VIGILÃNCIA NA VOSSA RESIDENCIA?
SE A VOSSA RESIDENCIA FOSSE ASSALTADA. QUAL SERIA A DIFERENÇA ENTRE O FACTO DOS ASSALTANTES SEREM OU NÃO GRAVADOS, SERIA RELEVANTE NA PROCURA DOS MESMOS?




FILIPE

LISBOA

lady_blogger disse...

Agradeço Maria o seu post das 13h e 37m, e folgo que não tenha sido uma vítima do incidente que referiu,

CC

Maria Mendes

Anónimo disse...

Sempre defendi termos como a liberdade e privacidade, o que leva a encarar a video vigilância com muitas reticências. Casos como o de Madeleine, o simples receio que podemos ter num comboio à noite, ou conceitos como a pedofilia ou maus tratos que aterrorizam quem tem filhos, a dúvida de como os avós são tratados no lar, etc, podem levar qualquer um a aceitar a video vigilância como uma boa opção.
No fim, apercebemo-nos que o real receio em relação à video vigilância há-se ser sempre quem está do lado de lá da câmara.

Ana Chagas

Antonio Silva disse...

LEMBREM-SE DO CASOS MUITO BADALADOS DAS AMAS QUE AGREDIAM SELVATICAMENTE OS MIÚDOS, DE QUEM SUPOSTAMENTE DEVERIAM CUIDAR, SE NÃO EXISTSSE AS CÂMARAS SÓ DESCOBRIAM A HISTORIA TODA QUANDO A CRIANÇA ESTIVESSE NA MORGUE.

Anónimo disse...

Pessoalmente acho que o futuro pode ser negro, se tecnologias "neutras" forem controladas por entidades incontroláveis.

Imaginem: CCTV+escutas telefónicas ->reconhecimento facial+Speech2Text+motores de busca -> entidades digitais+cartão único+RFID+profiles em bases de dados CRM == toda a vida de cada cidadão à distância dum clique.

Como nos protegeremos? Paranóia? Demasiados dados para serem processados e usados? Só existe um tipo de dados inacessível, incorrompível, e sem possibilidades de serem abusados: os que nunca foram "capturados" em primeiro lugar!

Até lá recomendo: descrição, alterar a nossa "parecença", encriptação de dados digitais ...

Anónimo disse...

eu sou camerofobica lol

Filipe Teixeira disse...

A preocupação com a privacidade não passa de hipocrisia. A minha avó foi durante anos a fio insultada por uma vizinha. Quando apresentamos uma gravação dos insultos às autoridades, foi-nos dito que isso não vale como prova.

Em nome da privacidade e do "bom nome" a minha avó caiu em depressão,.

Obrigado aos advogados!

lady_blogger disse...

José Pereira o meu marido viveu em Inglaterra, não necessariamente em Londres. E se ele me contou aquilo que aqui referi acredite que não está a exagerar.

CC

Maria Mendes