quinta-feira, fevereiro 21

Distúrbios da Personalidade


Uma em cada dez pessoas sofre de distúrbios da personalidade. Nuns casos os sintomas são mais agudos (personalidades múltiplas, por exemplo), noutros menos. Estas patologias estão associados, na sua grande maioria, a consumo de álcool ou drogas, a outras doenças psiquiátricas, indefinição sexual, lutos ou perdas, distúrbios alimentares e famílias desestruturadas. Muitas vezes encontramos nestes doentes o interesse pelos desportos radicais, onde se procura o limite da vida.
Em Portugal, a prática médica europeísta faz com que não se diga aos doentes que sofrem desta patologia, o que leva a crer que muitos portugueses sofrerão sem saberem. A análise e a explicação, hoje, no SC, com os melhores especialistas.

18 comentários:

iblog4u disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Acho estranho que não se revele aos pacientes que sofrem desta doença. Talvez seja para não os deprimir e não terem comportamentos ainda mais imprevisíveis que os anteriores.
Mas que dizem os médicos afinal a estes seus doentes? Se não lhes revelam que sofrem por exemplo de doença bipolar, dizem-lhes o quê?

CC

Maria Mendes

.lado errado do coração disse...

Todos nós temos um pouco de múltipla personalidade em nós, mudamos de personalidade e humor consoante as sitauçoes em que nos encontramos ou até das pessoas que nos rodeiam.

E é isso que nos faz seres sociais e comunitários e que nos levam a sobreviver em diferentes ambientes.

As pessoas que sofrem destas doenças do foro psicológico apenas tiveram o "azar" de ter um cota demasiado grande deste componente humano, a múltipla personalidade.


Bom programa*

Pedro disse...

Boa tarde,
O tema de hoje é muito interessante e actual. A forma como a pesonalidade se forma e revela é sem dúvida complexa e resultante de diversos "inputs" ao longo da nossa evolução. A padronização de personalidades vem ao encontro da sistematização do conhecimento e seria interessante as pessoas poderem conhecerem-se melhor para puderem compreender melhor as potencialidades e limitações do seu tipo de personalidade. Gostaria de saber se existe alguma relação entre o tipo de personalidade e a lateralidade (entre ser canhoto ou dextro) dadas as diferenças na apreensão dos acontecimentos/raciocinio e relação com o meio.

Pedro Castro, Lisboa

lady_blogger disse...

Sempre ouvi dizer que somos fruto do meio social e do meio familiar, mas acho que a personalidade vai muito além disso, nós também somos resultado da nossa auto-criação.

CC

Maria Mendes

Pedro disse...

Com as novas tecnologias e novas formas de relacionamento, e refiro-me em particular ao uso da internet para relações sociais estaremos perante novos tipos de personalidade, neste caso cibernáutica? Refiro-me a isto por verificar que existem pessoas que são extremamente sociais online capazes de conversas interessantíssimas e captivantes e que pessoalmente se revelam bastante introvertidas e socialmente deslocadas. Como se pode classificar este tipo de personalidade?

j disse...

Os maiores génios evidentemente que sofriam de um qualquer distúrbio de personalidade, a genialidade não é uma característica do homem comum, só quem está num outro nível pode manisfestar o que é inalcansável pelos outros (os ditos normais).

Alvaro disse...

Peço desculpa, mas mais uma vez estou a assistir a um programa televisivo em que o tema da Violência Doméstica é abordado e as vítimas são sempre elas e os agressores, eles.

Por favor, minhas senhoras. Como saberão muito bem os agressores não são sempre eles.

No nomem as marcas de violência por parte da sua cara metada não são olhos negros ou outros danos físicos que se podem registar fotograficamente numa esquadra de polícia. Conheço alguns, por exemplo, que aos quarenta anos depois de uma relação conflituosa voltaram maluquinhos da cabeça e incapazes de se governarem para casa da mãe. Mãe essa que, por vezes, ainda tem de pagar pensões de alimentos aos netos que nunca vê.

Quanto ao tema do programa de hoje pelos vistos está a ir pela mesma via. Mais um vez, uma boa parte das pessoas inegavelmente perturbadas da cabeça (talvez mais de metade) são mulheres que violentam sistematicamente os companheiros e os filhos, os quais apresentam sérios problemas de relação com colegas e de aprendizagem.
Estas agressoras (que muitas vezes adoptam sistemeticamente o papel de vítima), não entram para as estatísticas, mas os filhos psicologicamente instáveis daqui a uns anos quando num momento de pressão perderem a cabeça e agredirem fisicamente alguém lá constarão das estatísticas de violência doméstica.

E lá se fará outro programa dobre a Violência Doméstica e a sobre as causas que OS levam a actuar assim.

Para quando um programa a sério sobre a violência psicológica no lar-doce-lar, com consequencias muito mais profundas, no Sociedade Civil?

Maria P. disse...

Trabalhei durante alguns anos para uma pessoa que penso sofrer de uma perturbação narcisista da personalidade. É uma experiência assustadora, pois a sua capacidade de manipulação e dissimulação torna muito difícil reconhecê-los pelo que são.
O mais preocupante é a sua capacidade para alcançar os seus objectivos impunemente, a qualquer preço.
Nos dias de hoje a imagem tem mais importância do que o conteúdo, as pessoas centram-se numa apreciação emocional do outro, baseada numa aparência de simpatia, e acabam por não conseguir fazer uma avaliação objectiva.

António disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
MS disse...

Interrogo-me se será possível que uma pessoa que sofra de um destes distúrbios de personalidade possa ter esperança numa cura completa ou pelo menos numa melhoria substancial da sua condição

António disse...

Grandes pancadas existem, mas muitas de genealidade não tem nada.
É tão bom ter ou viver com uma mulher que saiba perceber-se e perceber o outro, e atenção não basta ser inteligente, é preciso ter sensibildade e noção de respeito. A auto-avaliação não é próprio de todos. E depois desculpas não se pedem,...evitam-se.
Ainda á pouco abandonei o ensino superior e uma memória tanto inesquecível tanto traumática foi a professora de Matemática. Dizia as maiores barbaridades, logo, ou algum tempo depois pedia desculpa. Nunca percebi como ela é realmente, para além de acabar com a mais forte convicção dos alunos interessados em estudar.

Antes de casar dever-se-ia, ter um acompanhamento psicológico. Um dia será até obrigatório.

Anttónio

Pedro disse...

Volto a referir a questão da lateralidade e a sua influência na personalidade por ter lido um artigo que referia que entre os canhotes se verifica a maior disparidade entre pessoas ditas geniais e as que apresentam distúrbios de outra ordem. É realmente um facto ou não existe confirmação?

José Pedro Chaves disse...

Boa tarde Fernanda e aos Convidados.
Eu tenho um blog com poemas amorosos e alguns com contéudos eroticos,publicitei em foruns que as crianças podem ter acesso,e hi5 onde as crianças tém sempre acesso.
Posso ser considerado predador sexual só por o facto que ter um blog com conteudos pessoais que os menores de idade legal tem acesso e podem discutir o conteudo com a minha alcunha?

António disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
silvia disse...

CRianças sujeitas a tratamentos e constantes hospitalizações sofrem traumas.Como distinguir disturbios e até patologias graves do crescimento normal?É que por vezes nós pais não sabemos se é próprio de uma idade tão tenra ou realmente já é patologico.

silvia disse...

Parabéns mais uma vez por um programa de tanto interesse.Era tão diversificado que era quase impossível não nos tocar de alguma forma.Muito ficou por dizer e perguntar porque o tempo é escasso para tanta informação e vontade de participar.
E tanto havia para falar...

João Carlos disse...

Falhou na análise a qualidade do entorno, quero dizer, acha-se que o "normal" é melhor sempre!? Então onde esteve a razão na sociedade alemã do período nazi, ou a portuguesa durante quase 40 anos!? É também sabido qie as instituições tendem a cristalizar...
E quanto a indivíduos manipuladores e profissões mais férteis ao prejuízo social... Será sempre nociva a sua contribuição?! Não haverá quem sofra no seu íntimo e socialmente seja autor de saltos gigantes para a humanidade, precisamente por não ser normal!? Acho que devia haver mais desregulados activos nesta sociedadezinha corrupta e mesquinha. Digo eu, que estou desempregado por ser pouco... Normal! Ou será antes, por ser inconveniente ao status quo. Obrigado! João