quarta-feira, fevereiro 20

Violência dos gangues


Francisco Silva, de 17 anos, e Osvaldo Beagi, de 18, foram assassinados a tiro no dia 20 de Janeiro em Rio de Mouro, zona de Sintra. Edgar F., de 16 anos, é o alegado autor dos dois homicídios e está em prisão preventiva. Fontes oficiais acreditam que estes crimes podem estar relacionados com conflitos de negócio da venda de estupefacientes ou apenas com a defesa de território.
Como é que os jovens têm acesso a armas de fogo?
Os gangs em Portugal são cópias de cantores rap que “brilham” a toda a hora na MTV? Que fascínio exercem os gangues sobre os jovens?

20 comentários:

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Como não virar marginal, quando por vezes são marginalizados desde sempre?

Criem serviços especializados de apoio a famílias de maior risco para acompanharem a educação dos filhos.

A falta de atenção dos pais, a hipótese de dinheiro fácil (por roubos ou tráfico de droga e armas), a desmotivação escolar e o querer experimentar novas sensações, podem conduzir muitos jovens a entrar na delinquência, associando-se por vezes a gangs que os aceitam e os fazem sentir valorizados porque lhes reconhecem que efectivamente são bons no modo de ser maus.

A prisão não chega para solucionar este mal social. Tem de haver prevenção e mais acompanhamento de jovens com comportamentos frequentemente desviantes.

Os delinquentes juvenis têm tanto acesso às armas de fogo como alguém tem às flores do jardim do vizinho. Eles sabem onde estão as armas, e só terão de esperar o cair da noite para as irem recolher.

As influências americanas são evidentes, e em parte a televisão é responsável por isso.

CC

Maria Mendes

Exgrooviado disse...

2008-02-17 - 00:30:00

Oeiras: Agentes da PSP terão desprezado a doença
Família acusa a polícia de bater em rapaz diabético

Boné ao contrário, ténis desapertados. Sinónimos para “aspecto de marginal”, justificaram ao pai de Carlos Costa os agentes da PSP de Queijas, Oeiras. Por isso puseram o rapaz de 16 anos de braços abertos, revistaram-no e “bateram-lhe com a cabeça três vezes contra o carro”. Tinham-no visto a cuspir duas vezes para o chão, mas “porque é diabético, estava sem comer e precisava de água”, explica ao CM Carlos Fernandes. Depois de algemado e fechado numa sala da esquadra, o filho foi ontem à tarde internado no Hospital São Francisco Xavier. Injectaram-no com insulina e passou quatro horas a soro.

Carlos Costa esperava o autocarro na paragem pelas 16h00, saíra de mais uma aula de condução de moto. “Há muitas horas que não comia e desta vez não tinha água com ele – cuspir nestas alturas é só uma reacção normal do organismo”. Passou um carro patrulha com “dois agentes Costa” e o rapaz terá jurado que não os queria provocar – “explicou que era uma doença”. Pediram--lhe o bilhete de identidade e começaram por perguntar: “Não tens nada estranho?”

Tudo isto, de resto, “foi já na esquadra confirmado pelos dois agentes” ao pai de Carlos. “Disseram-me logo que, apesar de ele se ter justificado com a diabetes, eles não entenderam assim”. Como só tirou chaves e o telemóvel dos bolsos, os dois polícias resolveram revistá-lo de braços abertos. “E bateram-lhe com a cabeça três vezes contra o carro. Um deles até me confirmou mas diz que foi com pouca força...” Depois algemaram o rapaz, que “chorava e só dizia que estava a sentir-se mal. Um respondeu que não queria saber disso”.

Carlos Costa ligou já da esquadra ao pai para o ir buscar – e às 16h40, quando este chegou à PSP, viu o seu filho “quase em hipoglicémia. Nervosíssimo. Sentiu-se tão mal que a tensão estava descontrolada”. O CM foi encontrá-lo ao início da noite no hospital. Depois de injectado com insulina ia completar quatro horas de soro.

Carlos Fernandes, pai do rapaz que se diz agredido por dois polícias, conta que um dos agentes da PSP lhe confidenciou na esquadra os motivos para uma primeira abordagem. “Disse-me: ‘o seu filho, pela maneira como está vestido, tem aspecto de marginal’.”


----------------------------------


A nossa polícia é mal-paga, mal-preparada, sem meios adequados à realidade, mas também é cobarde! E actua exactamente como gangues! É verem-nos à bastonada contra multidões impotentes (acção de despejo contra o Grémio Lisbonense e claque alemã do Nuremberga, por ex) mas em zonas perigosas das periferias nem lá metem os pés.

Cumprimentos!

Pedro disse...

Boa tarde,
Face a uma fraca inegração social de comunidades emigrantes estamos hoje em dia perante 2as e 3as gerações que não foram devidamente integradas no tecido social. Existe claramente uma dissociação cultural que está na origem de fenómenos como os que estão na origem dos gangues. É necessário reaculturar estes individuos, responsabilizando-os e educando-os para a integração. Paralelamente é necessário que se vincule a mensagem de que crianças/jovens que cometam crimes não serão considerados imputáveis, pois eles mesmos têm essa consciência e abusam desse facto. A mensagem que tem de passar é que quem comete crimes de "adulto" será punido como adulto. Não é a ser condescendente com o crime que o vamos erradicar.

Pedro disse...

Gostaria de felicitar as nossas forças de autoridade, GNR e PSP pelo seu desempenho face a comunidades que apresentam total aversão a estes profissionais. Embora mal pagos e ridiculizados continuam a desempenhar as suas funções dentro do maior profissionalismo para zelar pela segurança de cidadãos honestos.

Pedro disse...

Gostaria de colocar a seguinte questão para reflexão:
Não deveriamos reflectir se não se deveria reduzir o limite de idade para responsabilização criminal?? Hoje em dia aos 10/12 anos os jovens que estão associados a gangues têm tudo menos inocência dita típica da idade...

crocodilo escarlate disse...

Estou a assistir ao programa em directo, apareceu o presidente da camara de Sintra...
Eu sou testemunha que ele é o primeiro a descurar a formação dos jovens da zona de Sintra, trabalhei desde o inicio na complexo desportivo de Fitares, até à eleição desse senhor como presidente da camara de Sintra, a primeira coisa que fez em relação à Educa e principalmente ao complexo de Fitares, foi correr com a equipa que pôs o Fitares de pé e substituí-la pela equipa de Mira-sintra, que ele sabia ser composta por maus profissionais, desde faltarem e receberem como se estivessem a trabalhar, a muitas outras situações inconcebiveis... com um presidente assim, como é que os jovens podem ter bons exemplos?

Anabela disse...

Boa tarde a todos.
Ainda este verão queria ir ao cinema e fiquei chocada porque naquela semana apenas havia um filme para crianças, um filme romantico e de resto TODOS os restantes filmes eram sobre o tema da vingança!
Há anos indignava-me com os desenhos animados que assentavam em argumentos de violência e agora, temos uma geração que privada da atenção e afectos dos pais aprendeu esse modelo de violência.
Claro que na altura ninguém se importava com isso mas agora estamos a começar a sofrer as consequências...

janota disse...

A questão é se existe uma relação directa:se ouves hip-hop,és violento?O hip-hop não é só mulheres e carros de luxo,quem tem este preconceito nem conhece a raíz hip-hop,adularam o hip-hop,é certo,há quem goste deste hip-hop,pois cada um tem a liberdade de escolher.
Não me digam que o hip-hop é a causa da violência,a causa está na falta de educação,amizade,amor,confiança,solidariedade....

joao Rodrigues disse...

A minha opinião é a de que a inserção social desses jovens delinquentes n resulta...quantos de nós portugueses sabe que a maioria dos delitos cometidos, são originários de pessoas reincidentes...a reinserção apenas consome impostos...para resolver esta questão axo que passaria muito pelo agravamento de penas...
cumprimentos
joao Rodigues/ponta do Sol /Madeira

lady_blogger disse...

Fernanda, peça à vossa convidada que fundamente a afirmação que fez relativamente ao seu desejo de alteração de idades passiveis de punição.

CC

Maria Mendes

Miguel disse...

Boa tarde a todos, não podemos permitir que os nossos jovens delinquentes se tornem nos futuros marginais que usam e abusam do facto de terem menos de 16 anos. os gans existem é um facto, bem organizados outro facto, à que combater este fenómeno actual dando às forças de segurança as ferramentas necessárias para o fazer, e devem ser punidos como criminosos que são independentemente da idade. o concelho de Sintra é o espelho da realidade nacional, temos de deixar de ser hipócritas e deixar de culpar as famílias de fracos recursos económicos pelos erros dos filhos eu nasci pobre e trabalhei para ter as minhas coisas não roubei nada a ninguém.
Miguel Araújo Cacém

Fátima disse...

A grande responsabilidade é da permissividade da actual sociedade e dos teóricos pseudo-psicológicos.
Um miúdo de 12 anos que espanca outro para lhe roubar a mochila sabe muito bem o que faz.
Devia-se, sim, baixar a idade limite para 12 anos. E já agora acenar com a pena de morte nos casos de homicídio.

janota disse...

concordo com a Anabela,mas os pais devem realizar o sua "função",e a sociedade(todos) devia ser + solidária.E acabar com a enorme desigualdade no ordenado entre patrões e empregados.E deixar de haver preconceitos recaistas,xenofóbos,ou qualquer outro de ordem social.O importante é não generalizar,se se for assalto por pessoas de um tipo de cor de pele.

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
António disse...

Já li muita coisa certa neste blog.
Mas o Inspector PJ, andou pela questão certa, que no fundo é a educação. Começa logo pela familia quando a há. Com a emanicipação da mulher, todos ralham todos mandam e desautorizar o pai é o dia a dia, com enxovalhos diários. Atitude a tomar: quero lá saber, estou farto disto. As mães tradicionalmente é os filhinhos serem super protegidos por estas, e assim ninguém tem poder sobre eles, ninguém os responsabiliza, até porque sabem que tem as costas quentes. Não é geral, mas o numero é elevado. Mais de 45 anos irão aparecer os novos delinquentes, e sabem porquê? - irão ver.
RSI???? - é para rir, com os técnicos que não trabalham no terreno.

AUTORIDADE EM CASA, condição fundamental.
Tenho dito
Anttónio

janota disse...

A pena de morte é que não,basta de mortes(1ªguerra mundial,2ªguerra,etc),basta de matarem-se uns aos outros),não é justo,nem moral haver assassinatos,quanto mais por justiça ser punido tirando-lhe a vida,ou seja mais outra morte,a morte tem que ser natural(as pessoas se viverem bem querem continuar a viver).A punição tem que ser a trabalhar,para ter vontade para viver,para lutar dignamente com o seu esforço.

jorge disse...

A culpa e dos nossoa governantes
Rendimentos minimos
habitação social barata
TRABALHAR PARA QUEM?

janota disse...

trabalhar para não ficarmos parados,para nos realizarmos,desde que paguem justamente pelo que fazemos,e repito a enorme desigualdade nos salários entre patrões e empregados.

janota disse...

Parece que vem aí um desastre com a transformação nos empregos,famílias,é decerto preciso adptar à realidade,mas há príncipios que não devem ser violados,como os direitos dos trabalhadores(despachar às 3 pancadas os empregados)e haver laços fortes na família.