quarta-feira, abril 23

Há um segredo para a felicidade?


Na busca eterna pela satisfação constante é célebre a teoria de Wallace Wattles, segundo a qual os pensamentos bons atraem prosperidade e os negativos situações desagradáveis. Como afirmam os físicos e em especial os investigadores da quântica, tudo no universo é energia- que não se cria, que não se perde, mas que apenas se transforma…se aplicarmos esta regra de que todos somos energia e que as vibrações positivas se atraem, teremos boas hipóteses de alcançar na vida tudo o que desejamos: amor, saúde, prosperidade, sucesso…Estas formulas para a felicidade serviram de base para o sucesso do livro de Rhonda Byrne. Neste Sociedade Civil vamos perceber se “O Segredo” foi já descoberto…

40 comentários:

lady_blogger disse...

O Segredo deixou de o ser, e talvez nunca o tenha sido. Não há fórmulas mágicas, somente caminhos menos difíceis.
Claro que se formos optimistas e encararmos a vida pela positiva, será mais fácil de perante problemas tentarmos encontrar soluções e não pensarmos unica e exclusivamente no que de mal nos tenha acontecido.

Palavras de uma pessimista...

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

A primeira abordagem que fiz ao Segredo, foi através de pesquisas na net, e ainda só se conhecia a versão em lingua inglesa. Agora já anda na boca e olhos do povo. Ainda ontem vi uma senhora na idade da reforma que se passeava com um na mão, talvez tentasse encontrar o segredo para a longevidade...

Quando se revela um segredo, este deixa de o ser, portanto o nome do livro bem poderia ser "Era uma vez um Segredo..." ou "Revelação de um Segredo para o Sucesso".

CC

Maria Mendes

AXFDASILVA.BLOG disse...

B. TARDE

AXFDASILVA.BLOG disse...

A FELICIDADE NÃO EXISTE, É UMA UTOPIA.

jon disse...

"O Segredo" é um documentário muito interessante e útil, mas tem na minha opinião alguns defeitos, e o mais grave de todos é que não refere que a pessoa para alem de acreditar que é possível e que vai conseguir atingir um objectivo, tendo pensamento positivo, tem de trabalhar para o conseguir. Outro defeito é que se focaram demasiado no dinheiro, nas coisas...


Mas a verdadeira felicidade não vem de fora mas de dentro, nós sim, a nível espiritual temos tudo que precisamos dentro de nós.


Mais profundo e de muito melhor qualidade, é o documentário "O que raio nós sabemos" (What the bleep we know), este sim, diz tudo de mais relevante a nível espiritual/emocional, vai muito mais além do que "o segredo". Sem dúvida um documentário que deveria dar em horário nobre na televisão.


----

Podem ver os documentários indo a:

video.google.com

AXFDASILVA.BLOG disse...

DICIONÁRIO: FELICIDADE - VENTURA, BEM ESTAR, CONTENTAMENTO, BOM RESULTADO, BOM ÊXITO, DITA, QUALIDADE OU ESTADO DE QUEM É FELIZ.
E DIGO EU, FELICIDADE, É TUDO E É NADA.

AXFDASILVA.BLOG disse...

PARA A GRANDE MAIORIA DAS PESSOAS FELICIDADE É TER SAÚDE, PARA SE DESEJAR SER FELIZ.

jon disse...

VIDEO A VER TODOS OS DIAS:

http://www.youtube.com/watch?v=AIBtaoDfulk&feature=PlayList&p=E1109E51F0F95E77&index=20



O SEGREDO:

http://www.youtube.com/watch?v=_b1GKGWJbE8




QUE RAIO NOS SABEMOS:

http://video.google.com/videoplay?docid=3513316196575653140&q=what+the+bleep+we+know&ei=qjoPSNqbO4vWigLC6J2xBA

EviL disse...

O segredo é que não há segredo :)
Mas é bom terem escrito um livro para as pessoas que ainda não o sabiam (e aproveitar para angariar alguma nota...).

AXFDASILVA.BLOG disse...

PENSO EU, QUE FELICIDADE É ESTAR VIVO, PARA EM DETERMINADOS MOMENTOS SENTIR-MOS-NOS INFELIZES, RAIVOSOS, INVEJOSOS, PODER SACIARMOS A FOME E A SEDE, TERMOS A ESPERANÇA DE NO SÁBADO SAIR O EUROMILHÕES, MESMO QUE NÃO ACERTEMOS NUM SÓ Nº, ETC., ETC..
RESUMINDO: É ACORDAR DE MANHÃ, E MEXER O DEDO GORDO DO PÉ.

José disse...

Conceitos como a Felicidade ou a Alegriá o Bem-estar, o Bem, o Feio, o Pobre, o Gordo, trazem sempre anexados com eles o seu oposto: Infelicidade, Tristeza, Mau-estar, Mal, Bonito, o Rico, o Magro, etc... A isto se chama: Dualidades! Vivemos num Mundo replecto de Dualidades, duas forças opostas que constantemente tanto conduzem a nossa vida sem que nós demos por ela! Andamos sempre de um oposto para o outro e tanto estamos alegres como estmos tristes! O Verdadeiro Guru como estás a dizer Fernanda, é aquele que está consciente dessas duas polaridades e que se recusa a estar numa ou noutra! Está em vez disso, no centro! Naquilo em que algumas pessoas dizem: mente vazia, no ponto nulo! Imaginem o eixo matemático dos X, o ponto do meio é o 0 o lado direito, a ploradidade positiva, do lado esquerdo a negativa! :) Equilibrio Fernanda! :) Esse é o segredo :) Toda a Vida é uma vibração, é um ritmo, são energias que são produzidas pelo nosso pensamento acerca de algo! Daí a mente ser tão perigosa se não está nesse ponto central, dominada ou equilibrada! Como Neale Donald Walsh diz num dos seus livros: "O Segredo mais profundo é que a vida não é um processo de descoberta mas sim um processo de criação" O Segredo para a Felicidade não é um Segredo mas sim um Estado Natual do Ser. Basta deixarmos de acreditar na ilusão que existe na nossa mente da força contrária à nossa essência: o Medo! "O Medo é a energia que contai, fecha, isola, foge, esconde, amealha, faz mal.
"O Amor é a energia que expande, abre, liberta, fica, revela, partilha, cura" "O medo envolve os nossos corpos com roupagens, o amor permite-nos andar desnudos. O medo pega-se e agarra-se a tudo o que temos, o amor despoja-se de tudo isso. O medo cerca-nos, o amor enlaça-nos. O medo prende, o amor liberta. O medo infecta, o amor alivia. O medo agride, o amor apazigua. Qualquer pensamento, palavra ou acção humana assenta numa destas emoções. Nada podes fazer quanto a isso pois não tens outras hipóteses de escolha. Mas o teu livre arbítrio permite-te escolher entre as duas!"
:)
Do admirador secredo da Fernanda :P
José
Beijos e abraços para todos!
:)*

jon disse...

O que faz com que uma pessoa possa sentir sofrimento emocional e espiritual essencialmente é o medo, o medo de não conseguirmos o que pretendemos (seja material ou emocional), o medo de perdermos o que já temos, o medo de mudança, o medo de podermos sofrer, o medo de não conseguirmos atingir certos objectivos.

O medo gera uma panóplia muito vasta de sentimentos negativos que depois vão interferir directamente na mentalidade da pessoa, e naturalmente nas escolhas pessoais de cada um, alterando a sua vida e eventualmente podendo trazer infelicidade.

Ao se superar esses medos, consegue-se fazer um avanço interior muito grande, estando mais perto de se compreender o essencial da vida e conseguir-se encontrar a verdadeira felicidade dentro de nós.

O "segredo" é viver a vida com amor e alegria.

Sérgio disse...

segredo para a felicidade: "descobre aquilo que não queres e simplesmente não tenhas/faças" assim o todo que sobra é potencial espaço para a felicidade! depois é agir, antes de nada a felicidade está intrínseca. ;-)

A disse...

Infelizmente, a maioria das pessoas não sabe o que é a Felicidade. E por essa razão, não a sabe viver...

j disse...

Boa Tarde.

Atingir a plena felicidade é uma utopia, é um conceito criado por esta sociedade que trocida tudo e todos, para fazer com que as pessoas consumam e trabalhem quase sem parar, para que alguns tenham tudo e outros nada.
É um conceito criado pelos mais fortes para condicionarem os mais fracos.
É um conceito que vende, como se vê nesses livros que a Fernanda mostra aí no programa.

A disse...

Infelizmente, a maioria das pessoas não sabe o que é a Felicidade. E por essa razão, não a sabe viver...
Jorge Dias, Consultor Filosófico.

C.Maria disse...

Reflexões sobre a felicidade:
"Happiness: Lessons from a New Science", de Richard Layard
e
"Tropeçar na felicidade", de Daniel Gilbert.
Não são guias para (supostamente) atingirmos a felicidade; são reflexões sobre o que tende a fazer-nos felizes... e infelizes também.

Debbie Harry disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jon disse...

Em nome do amor... o que podemos fazer, o que podemos ser...


Não existe nada fora de ti, que não exista dentro de ti.
Não existe nada que busques fora de ti, que não possas encontrar em ti próprio.

Se buscas o amor, compreende que é em ti que ele se manifesta. Entende que a tua vontade de ser amado é a ânsia do amor que falta em ti próprio, por ti próprio e que procuras suprir através do amor que esperas receber dos outros. Percebe que tu és o grande fazedor, operador, dador e receptor de amor na tua vida. Não entregues a realização do amor, na tua vida, nas mãos dos outros. Não peças, não esperes. Dá e oferece, tal como gostarias que te fosse dado e oferecido. Não exijas de ninguém aquilo que ainda não obtiveste de ti: amor incondicional.

Não confundas amor-próprio com vaidade, com arrogância. Por detrás da vaidade há sempre vergonha, insegurança. A vaidade é outro nome para afirmação sublinhada, enfatizada. Só precisa impor-se quem se move na dúvida, quem duvida de si próprio. O amor não esconde nada nem revela nada. O amor é uma energia e por isso serve apenas para pôr em marcha, para criar movimento, acção. És tu, e não o outro, a única central energética que produz o amor que alimenta a tua vida, te alimenta a ti e aos que te rodeiam. Ser amado é uma resposta e um resultado da relação causa efeito – o que vai volta. Ama e, sem dúvida alguma, serás amado. A vida opera, sem esforço, o justo e eterno retorno de tudo aquilo que é gerado e posto em marcha.

Amar não é ser bonzinho. Amar é agir com amor, movido por amor, por benquerença, a ti e ao outro. É também dizer "não", deixar ir, partir e, muitas vezes, renunciar. Amar é antes de mais libertar, a ti e aos outros das condições que colocamos, tantas vezes, no exercício de amar – amar só quem nos corresponde, dar tendo em vista aquilo que queremos obter, possuir para sentir segurança, sacrificar e sacrificar-se como provas de amor.

Amar é iluminar e aquecer como a luz do Sol. É dar, indiferenciadamente, sem expectativas nem julgamentos. Amar é brilhar, gerar luz, calor, força. Amar é auto-gerar essa energia e perceber que o amor é uma responsabilidade exclusivamente nossa – que somos responsáveis por gerar essa energia nós próprios, em nós próprios, por nós, para nós e para os outros.

Por isso aceita-te, mima-te, cuida de ti. Perdoa a tuas falhas, os teus erros e todos os teus fracassos. Aprende com eles. Não há prémios nem castigos, apenas experiências. Compromete-te contigo próprio a amares-te incondicionalmente, antes de te comprometeres com o outro ou a exigires dele esse compromisso.

Amar é perdoar. Amar é aceitar. Aceita-te tal como és e ao outro tal como ele é. E, antes de julgares que a tua vida poderia ser bem melhor se o outro mudasse, pensa no quanto poderias fazer por ti e pela tua vida se tu próprio mudasses. Supera-te antes de pedires a alguém que se supere por ti, para teu benefício. Tu és a única pessoa sobre a qual podes agir e sobre a qual deténs o poder da transformação.

Por amor, olha para dentro. Por Amor...


----


COMO AS ENERGIAS MODIFICAM A ÁGUA:

http://www.youtube.com/watch?v=rZDOPQRdxJM&feature=PlayList&p=E1109E51F0F95E77&index=34

j disse...

A Drª Maria de Jesus Barroso acha que o Baltazar Nunes pode ser feliz com a sua filha Esmeralda Porto Nunes e vice-versa? Ou será que se está à espera que o Partido Socialista faça uma nova Lei de tutela de menores, para que os dois sejam infelizes...e se dê felicidade a pessoas que desafiam a lei...estará Portugal já transformado num país terceiro mundista, onde reina a anarquia.


Agradecia que respondesse Drª Maria de Jesus Barroso.

Obrigado.

jon disse...

A dor como caminho e oportunidade

"Não há caminho sem dor para a transformação psicológica"
Carl Gustav Jung


As alturas de maior sofrimento na vida são as maiores oportunidade para o crescimento interior - isto nos ensinam os mestres da sabedoria arcana ancestral.

Quando o homem atravessa uma crise no seu percurso de vida, encontra-se consigo próprio e com aquilo que criou para si. E onde entra a dor? A dor é ilusão de separação. A dor é a atenção no caminho e a negação do caminhante. A dor sempre esteve aí, tal como o está a beatitude infinita. E no entanto, para a consciência do homem são estados impermanentes. Melhor, intermitentes - como a luz e a sua falta numa lâmpada que pisca.

Assim como a beatitude nasce da lembrança - ainda que momentânea - da nossa natureza divina, a dor surge do esquecimento que a vida humana é o trilho da divisão. A dor só emerge quando tem missão a cumprir, lembrando ao homem que se lembre de si próprio. Lembrando ao homem que ele é quem olha, mas quem deve ser visto também. Lembrando-o de que só pode conhecer na medida em que se conhecer. A dor convida o caminhante a parar a marcha sôfrega, a retirar os olhos da estrada e olhar para si próprio.

É altura de pousar a carga que pesa de tantas serem as coisas que escolheu lá pôr dentro e levar consigo; é altura de parar de amaldiçoar o caminho e olhar para os próprios pés verificando se estão convenientemente calçados; é altura de dar a si próprio o tempo de repousar numa encruzilhada antes de seguir o caminho.

Talvez aí o caminhante se sente e feche os olhos; talvez aí o caminhante reveja mentalmente todo o caminho que percorreu e o levou ao lugar onde se senta; talvez aí o caminhante possa traçar novos planos ou ver-se livre das coisas que traz consigo e já não necessita, deixando-as para outros que venham atrás e possam delas precisar; talvez aí o caminhante decida percorrer um caminho diferente; talvez o caminhante descubra que não há lugar nenhum onde ir, nenhum sítio aonde chegar. E talvez nesse momento a relação do caminhante com o caminho se altere profundamente. Talvez respire fundo e fique onde está, ou então retome o caminho - mas com uma nova liberdade, uma nova consciência, e os seus passos não serão mais dados por necessidade de chegar. O caminhante então saberá que o caminhar é o próprio caminho e a aventura maior.

E agradecerá à dor, que o fez parar, por esta nova descoberta.

lady_blogger disse...

A felicidade é tal como o conceito de beleza, dotada de grande ambiguidade, e experienciadas a nível particular, logo o que me dá felicidade e o que é belo para mim, pode ser o oposto para tantas outras pessoas.
Somos seres com diferentes perspectivas, vivemos e conceptualizamos tudo de modo distinto.

CC

Maria Mendes

AXFDASILVA.BLOG disse...

SÓ NÃO É FELIZ AQUELE QUE DESEJA AFINCADAMENTE MORRER.
OU NÃO??

j disse...

A DRª MARIA BARROSO NÃO DEVE VIVER EM PORTUGAL DE CERTEZA, PARA DIZER QUE A CURVA DA FELICIDADE NÃO SE APLICA...FIQUE SABENDO QUE SE APLICA E MUITO E CADA VEZ MAIS, A MAIORIA DOS PORTUGUESES SÃO INFELIZES, NÃO TÊM A VIDA FACILITADA, NEM SEQUER AS MORDOMIAS QUE VOSSA EXCElÊNCIA TEVE A VIDA TODA.

María disse...

"Ser positivo", "a felicidade está dentro de nós", tudo muito simples, mas como se deve e pode lidar com desgostos que se tem e que são irremediáveis?

AXFDASILVA.BLOG disse...

EU CÁ SINTO-ME FELIZ, POR ESTAR VIVO E PODER OUVIR A EXª. SRª. DRª. MARIA BARROSO, QUE O POVO PORTUGUÊS É FELICÍSSIMO.
ISTO É FELICIDADE.

AXFDASILVA.BLOG disse...

POR ISSO É QUE EU, CONTINUO A DIZER QUE FELICIDADE É ESTAR VIVO, QUANTO MAIS NÃO SEJA PARA OUVIR DIZEREM QUE ESTE POVO É FELIZ, E EU POR TABELA.
NEM A SRª Dª LILI CANEÇAS DIRIA MELHOR, (VIVER É O CONTRARIO DE ESTAR MORTO).

j disse...

Eu se vivesse na Suiça, na Alemanha, ou no Luxemburgo era mais feliz de certeza, e a maioria dos Portugueses também, ...vá-se lá saber porquê?

C.Maria disse...

É interessante pensar que um dos países com menor índice de felicidade seja igualmente um dos países com o mais elevado rácio de viaturas por milhar de habitantes e com uma penetração de telemóveis superior a 100%.
Provavelmente, os portugueses andam à procura da felicidade das formas erradas...

Ina disse...

O segredo está dentro de cada um de nós. A nossa frustração é não saberemos qual a chave a utilizar para abrir a caixinha onde está contido o segredo.

C.Maria disse...

Um aspecto que não me parece ter sido ainda abordado no programa é a relação entre confiança e felicidade. Se não confiamos - nos outros, no futuro - teremos óbvias dificuldades em ser felizes.

j disse...

Senhora Drª, a censura agora é maior que no passado porque as elites das quais a senhora faz parte, são em maior número e exercem o poder condicionando os outros...o número de censores cresceu e vive à custa da maioria da população.

Pedro Alves disse...

Liguei a televisão há pouco e comecei a acompanhar o programa quando estava a ser comentado o problema do sofrimento. E assaltou-me um pensamento que resolvi publicar quando ouvi falar em Buda.

E Deus, não terá um papel relevante na questão do sofrimento e felicidade? Valerá a pena, já que pomos a nossa confiança em nós mesmos, em filosofias, e em tantas outras coisas, colocar a nossa confiança em Deus, também nesta (para tantos) problemática?

j disse...

C.Maria estou mesmo tentado a perguntar-lhe se nasceu apenas ontem, é que me parece que está ainda um pouco na idade da inocência.

AXFDASILVA.BLOG disse...

SRª. Dª. FERNANDA DIGA-ME LÁ, SE NÃO É UMA FELICIDADE, ESTAR VIVO, PARA PODER OUVIR E VER, O SEU EXCELENTE PROGRAMA DE DEBATE, COM TANTA EXPLICAÇÃO E CITAÇÃO, REBUSCADAS E ERUDITAS, ACERCA DE UM ESTADO DE ALMA, LER OS COMENTÁRIOS DOS EXMSº, PARTICIPANTES DESTE BLOG, SOBRE UM ESTADO DE ALMA (FELICIDADE), DE UM TROLHA DA AREOSA, COMO EU, NO DESEMPREGO E APESAR DE TUDO FELIZ.

AXFDASILVA.BLOG disse...

EU SE VIVESSE NA SUÍÇA OU NA ALEMANHA, SERIA MAIS FELIZ SÓ POR UMA RAZÃO: NÃO TERIA QUE VER TODOS OS DIAS UMA CERTA CARA LAROCA NOS TELEJORNAIS, PORQUE DE RESTO NÃO EXISTE QUASE DIFERENÇA NENHUMA.

AXFDASILVA.BLOG disse...

SABEM QUE MAIS???
EU CÁ VOU PARA RUA EXTERIORIZAR TODA A FELICIDADE DO QUAL ME SINTO INUNDADO... AOS PULOS E SALTOS.

A menina do quarto azul disse...

Olá a todos.Alguem me sabe dizer quais foram os livros que o escritor José Jorge Letria mencionou?

lady_blogger disse...

"NEM A SRª Dª LILI CANEÇAS DIRIA MELHOR, (VIVER É O CONTRARIO DE ESTAR MORTO)"-disse o AXFDASILVA

A ideia está lá, mas a Lili terá dito mais concretamente "Estar vivo é o contrário de estar morto".
Nós nem sabíamos isso... ;-)
Esta é que é a melhor das teorias da socialite... ;-)

CC

Maria Mendes

Cöllyßry disse...

Por experiencia própria, digo que não há segredo…Apenas a lei universal de causa e efeito, não há fórmulas mágicas, como se diz todos iguais e todos diferentes…
Cada um, arca com as consequências do que fez no passado, mesmo sabendo que de nada tem lembranças, mas a tendência é inegável, assumindo claro…


Vejo e gosto muito do programa, mesmo sendo tarde, parabéns

Hoje não esqueci de aqui vir…

Um beijo para todos Vós

Fernanda Fontes