terça-feira, maio 27

Boa imagem, bons empregos

Há profissões vedadas a pessoas “menos bonitas”, ainda que estas tenham melhor currículo.
Estudos académicos revelam que existem 75% de probabilidades de se ser aceite num emprego se a primeira impressão, a imagem portanto, estiver dentro dos padrões “normais” de beleza.
Segundo os especialistas na matéria, não é preciso ser-se modelo, basta possuir um bonito sorriso aliado a uma expressão de confiança e uma boa expressão corporal.
Neste SC queremos então saber qual o poder da imagem na conquista profissional.

Convidados:
Sara Falcão Casaca,Professora Sociologia do Trabalho no Instituto Superior de Economia e Gestão
João Brás, Director de Recursos Humanos da Randstad (empresa de recursos humanos)
Ana Borges,Direcção-Geral Elite Portugal

34 comentários:

José Camacho disse...

A imagem é realmente importante e não só para se conseguir o emprego desejado. Se assim não fosse os institutos de beleza e as lojas de roupa cara estariam ás moscas. Mas não pensemos que este é um comportamento típico da sociedade consumista em que vivemos ou que é próprio das sociedades humanas. Muitos animais escolhem o seu parceiro tendo por base o seu aspecto físico pois este é um indicador de competência na busca de alimento essencial para a sobrevivência das crias. Esse é um aspecto com que temos de lidar cada vez mais frequentemente pois os bons empregos vão sendo uma coisa rara e com muitos interessados. Há hoje em dia pessoas que recorrem à ajuda profisional na preparação de entrevista de trabalho, tendo em conta que um bom curriculum não é suficiente para se conseguir o lugar. No fundo os mecanismos subjacentes à escolha de um profissional são os mesmos de sempre mas o nosso conhecimento sobre eles aumentou, o que os permite estar mais atentos e ir de encontro ao que que pode chamar de uma "boa entrevista".

PEDRO DE CASTRO disse...

Boa tarde,
Sem dúvida que a nossa imagem é o nosso cartão de visita e pode ser o espelho da nossa personalidade.
Mas hoje em dia quando aperciamos alguém para um emprego é necessário considerar muitos outros factores que vão além da boa aparência e a simpatia "fácil".
Em termos empresariais acho caricato os critérios que a TAP estabelece para assistentes de bordo/comissários de bordo, que além da muito boa imagem, limita a idade aos 26 anos (numa altura em que cada vez temos de trabalhar mais anos). Por sua vez a British Airways que é uma companhia com uma dimensão totalmente diferente estabelece o limite de idade para as mesmas funções nos 60 anos. A experiência e a capacidade de transmitir segurança no desempenho de função deveria ser mais valorizado. Mais do que vermos manequins a desfilar pelas empresas, é necessário valorizar a competência. A percentagem da população mundial que se enquadra dentro dos ditos cânones de beleza são a minoria!

Silvino Figueiredo disse...

Na frente do contacto com o público, além da boa formação técnica, a boa imagem é uma mais valia. Já nos processos de produçao, sem visibilidade pública, a imagem passa despercebida. Aliás, hoje em dia, a beleza está uniformizada nas grandes empresas prestadoras de serviços. é uma espécie de fato-macaco, embora desenho por estilistas modernos e não pelas simples costureiras de outrora.
Silvino Figueiredo
Reformado-Gondomar

PEDRO DE CASTRO disse...

não estará a discriminação pela aparência a "roçar" a xenofobia?

marta silva disse...

Boa tarde, sem dúvida a imagem conta, já deixei de trabalhar numa lavandaria por ter os dentes tortos... Por outro lado já trabalhei numa loja de roupa de marca bastante conceituada na qual me era permitido usar os meus piercings, penso que também passa um pouco pela mentalidade da pessoa que está a fazer a entrevista, porém quando vou a entrevistas não tenho qualquer problemas em tira-los. Neste momento penso que o facto de ainda não ter emprego é mesmo o factor da idade apesar de aparentar menos, olham para a idade e pensam "tem filhos" tenho de dizer sempre que não tenho filhos, enfim é o meu Portugal

PEDRO DE CASTRO disse...

e se for calvo, devo usar peruca para parecer mais bonito??
Penso que o fundamental é um bom cuidado, o "grooming" e uma boa capacidade de relacionamento interpessoal.
Agora, se for bonito mas tímido? Ou se tiver uma abordagem na entrevista mais típica do norte da europa (que nós gostamos muito de apelidar de atitude fria)?
Quando é que a simpatia ultrapassa o desejado?

Susaninha disse...

(Antes de mais peço desculpa pelo meu nome de utilizador. É uma brincadeira e neste momento não a consegui alterar.)
A questão da credibilidade... Tenho e sempre tive cuidado com a imagem e procuro adaptá-la às várias situações.
No entanto, deparo-me com outro problema na minha vida profissional: tenho 26 anos e aparento muito menos. Em várias situações senti que não fui levada tão a sério como deveria porque parecia jovem de mais para o cargo que ocupava.
Conselhos?

j disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Sandra disse...

Boa Tarde,

Sem dúvida que concordo que a aparência cada vez pesa mais, no momento de empregar alguém.

No entanto não posso deixar de falar na discriminação que continua ainda a existir em pleno séc: XXI entre Homens e Mulheres, na hora de empregar.

Outra questão prende-se com a idade.
Tenho 36 anos e apesar de me cuidar, sempre que vou a uma entrevista, penso qu essa questão pesa, em detrimento da experiência.

É questão para dizer que sou demasiado nova para a reforma e demasiado velha para ser empregue.

Obrigada
Sandra

Carla M disse...

A educação (não a instrução), o saber estar e comportar-se, no fundo, a utilização do protocolo adequado a cada situação, são também muito importantes. Não basta ter bom aspecto.

disse...

Não acham que tudo o que tem a ver com a "boa imagem" é muito subjectivo? Quem vai a uma entrevista tem sempre o risco de ser avaliado subjectivamente e de acordo com as circunstâncias, preferências do entrevistado(a). Não deveria haver regras universais em todas as entrevistas, como regras reguladoras, que deveriam orientar o entrevistador? Acontece na maior parte das vezes haverem erros de "casting" simplesmente por causa da aparência. A aparência é isso mesmo aparência, não a realidade. E nósvivemos numa época muito triste onde se olha apenas para a aparência e não para a pessoa. É uma sociedade mt fútil, criando pessoas futeis. Trabalhei numa companhia aérea e 90% das e dos assistentes de bordo SÓ tinham aparência mesmo.
A boa apresentação, a boa imagem (resta saber o que é que isso significa em si) deve ser uma máxima de cada um, por todas as razões, e não algo imposto pelas convenções da sociedade. Vivemos como máquinas - em função das convenções da sociedade.

António disse...

Boa tarde,

As perguntas são: curriculum ou imagem?
Eu respondo, as cunhas.-

Dasilva disse...

Não nascemos todos iguais: uns serão mais rápidos outros menos, tanto no respeitante à fala como na mobilidade física, tanto no racicínio como na cara e no físico ou ainda na capacidade de gerar empatia.
Dos critérios instituidos de avaliação para a admissão resultam autênticos casos de exclusão social em muitos casos permanentes.
Gostava que comentassem.

Ana Ferreira disse...

Portugal vive numa cultura de aparências e isso passa também por tentar aparentar aquilo que não se se é na realidade... Aquando de uma entrevista, muitas organizações deixam-se levar pela imagem, quando o verdadeiro interesse está na qualificação da pessoa, no mérito e no trabalho desenvolvido ao longo do percurso profissional e académico... Lamento que vivamos numa cultura que avalia, sobretudo, a cintura, ou seja, a componente física... Feia ou bonito, magro ou gordo, o que interessa, no meu ver, é a qualidade do trabalho e a competência da pessoa... Deixemos de ser invisuais e passemos a valorizar o que é mais importante para a qualidade de um país que aposta, infelizmente, em factores chave muito transparentes... Enfim...

João Pedro disse...

Já se falou de quem por ser jovem e aparentar ser ainda mais jovem tem dificuldades e quem, embora também aparente idade bastante inferior à real mas de facto já passou o que parece ser um patamar de "aproveitabilidade" como trabalhador - os 45 anos, não consegue arranjar qualquer trabalho pois nem consegue chegar à 1ª entrevista? Por certo este será um bom tema para outro programa...

JOão Pedro

disse...

Podem definir, objectivamente, o que é beleza, bonito, boa imagem?

António disse...

Tudo é relativo, mas a questão é a limpeza de trato e de apresentação, e isso compreendo.
Não compreendo é o que se passa comigo, por já nem me perguntarem o nome , mas desde logo a idade, e não sou assim tão horrivel, até danço, vejam bem.

A Fernandinha, passou logo a correr pelo factor C.

j disse...

jó, concordo 100% consigo, por isso é que o país está como está...durante a minha vida profissional tenho encontrado também muita gente com aspecto bonito, mas a nível pessoal ou profissional não tinha nada na cabeça, são pessoas que vivem num mundo de fantasias e que foram colocadas nos empregos pelo aspecto e cunhas.

ESTAMOS NUM TEMPO DE STANDARIZAÇÃO EM QUE NÃO SE RESPEITAM AS DIFERENÇAS, o que vai acabar por gerar cada vez mais desigualdade e instabilidade na sociedade.

R2MS disse...

Boa tarde,

Gostava de perguntar ao Sr Director de RH o porquê de olhar para as pessoas muitas das vezes só pela imagem...
Digo isto porque tenho uma familiar que por ser gordinha, embora muito bonitinha, sempre que vai a uma entrevista é prejudicada por esse facto...

Gostariam vós de ser tratados assim na hora de receber uma resposta de uma entrevista por ser simplesmente gordinha e até ter um currículo académico muito bom...

AG disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
R2MS disse...

Rui

Só porque não assinei o comentário anterior

j disse...

Outra coisa que me revolta muitas vezes, são vendedoras ou vendedores, isto quando vou adquirir determinado produto, e quando começo a falar das características do que pretendo adquirir e estas não sabem nada do que estão a vender, são uns autênticos bonecos a vender produtos.

FasJet disse...

O que conta na altura de recrutar alguém para uma empresa depende da empresa e da função. Mas cada vez mais se tem levado em conta a boa aparência (equilibrada) ou a aparencia adequada para a função, como um sinal do que está por detrás, ou seja dos valores pessoais e profissionais do candidato.

Cumprimentos,
José de Sousa

disse...

Muitas pessoas não se sentem bem com elas próprias na aparência que a sociedade "obriga" a ter. Logo, qual é o critério para uma pessoa se sentir bem consigo própria perante os outros, perante a sociedade. O mundo era melhor se a aparência se mantivesse isso mesmo - aparência. Neste momento transformam a aparência em realidade e a realidade em aparência.

AG disse...

Se num panorama pré-histórico a Vénus de Willendorf ditava o ideal estético feminino e se posteriormente, na época moderna olhava-se para a Vénus de Milo como o modelo estético a seguir...

---

Penso que esta questão da imagem passa muito por uma re-EDUCAÇÂO do gosto, do padrão social, visto que este mesmo rege a nossa vida como sociedade e comunidade!

---

Ana G.

---

(Bom tema!)

António disse...

A Nandinha cuida-se todos os dias, para apresentar, e para mim é belissima para outros não é, mas para todos preocupa-se com a higiene de todos os tipos inclusive a verbal.

Tenham paciência, estou desempregado, mas trabalhar com quem está ao lado a fumar, que toma banho quando chove, e até se ausenta para por e tirar "peças", esse emprego eu não quero.

Anttónio

António disse...

A Nandinha cuida-se todos os dias, para apresentar, e para mim é belissima para outros não é, mas para todos preocupa-se com a higiene de todos os tipos inclusive a verbal.

Tenham paciência, estou desempregado, mas trabalhar com quem está ao lado a fumar, que toma banho quando chove, e até se ausenta para por e tirar "peças", esse emprego eu não quero.

Anttónio

qrestina disse...

No meio de 300 currículos, gosto de acreditar que o empregador irá olhar para a competência técnica. Depois das entrevistas, se ficar com 4 ou 5 elementos, aí sim poderá pesar a imagem... a simpatia e a boa educação.

Se for apenas pela imagem e esquecer a competência técnica e o profissionalismo, corre-se o risco de contratar algumas dores de cabeça posteriores...

Percontare disse...

A pessoa que não consegue "ver" para além do "look" ... essa, sim, é desgraçadamente cega !!!

Percontare disse...

Permitam-me sugerir que os comentários sejam publicados por ordem decrescente de entrada. Assim, o comentário mais recente será publicado em primeiro lugar, dando mais actualidade ao debate.
Cumprimentos,
Percontare

Percontare disse...

Não faço ideia se a Fernanda lê TODOS os comentários que são publicados ou se eles são escrutinados previamente por uma equipa . Gostaria de saber como isso se passa.
Cumprimentos
Percontare

lady_blogger disse...

Até para voluntariado já pedem foto. Tal aconteceu por exemplo no recrutamento para o Rock in Rio.
Costuma-se dizer que uma imagem pode valer mais que mil palavras, e até no acesso a determinados postos ou locais de trabalho isto se comprova. Geralmente pouco importam as habilitações, pois é prática comum dar-se privilégio aos da cunha, aos conhecidos, aos mais bonitos e galantes, bons conversadores e divertidos.
A inteligência continua a perder terreno para a suposta beleza.
Qualquer dia será um tal corre-corre para as clínicas de estética só para se conseguir este ou aquele trabalho que exige que os candidatos para além de inteligentes sejam sobretudo belos.
O ideal é que todos fossemos inteligentes, belos, e filhos do Sr. "Valente Cunha"...

CC

Maria Mendes

Nelson disse...

Acho que sim que a imagem conta muito mais numas profissões que noutras certamente. Na comunicação social televisiva e no cinema penso que é fundamental. Um bom exemplo é a apresentadora do programa que é muito bonita, e as convidadas... até parece que veio a calhar pelo tema em questão

lady_blogger disse...

Nelson, deixe-me que parcialmente discorde de si. No cinema e noutros locais, excepto para modelos, não é imprescindível que se seja atraente, pois por vezes há profissionais que por serem menos atraentes se aplicam mais nas suas actividades e são muito melhores que os colegas, recordemos por exemplo o caso do actor António Feio.
Se me disser que é agradável olharmos para uma cara bonita, aí concordo consigo, e que a beleza é um chamariz para muitos também é verdade. A maioria dos que foram ver Call Girl realmente não foi motivado pela intelectualidade deste ou daquele actor.
Como cada qual tem o seu critério, há quem ache que somos bons porque somos talentosos apesar de feios, e quem ache que somos bons porque somos belos, e há quem consiga juntar o útil ao agradável reunindo num só beleza e talento.

Para terminar, queria sugerir que se legislasse sobre os pedidos de curriculos com fotos anexas, pois muitas vezes não se sabe a quem se está a fornecer tanta informação e se realmente é para um fim legítimo, e a foto só deveria ser pedida por entidades ligadas ao mundo da moda pois aí a beleza conta.

CC

Maria Mendes