terça-feira, maio 20

Nasce-se ou fica-se psicopata?

O caso Fritzl na Áustria, recentemente noticiado por todo o mundo, revelou o extremo da psicopatia do ser humano. Praticamente ao mesmo tempo foi descoberta uma galeria de horrores semelhante em crueldade na Alemanha e detido um pedófilo em série que abusa com violência de crianças a partir dos 6 anos.
Neste SC queremos traçar o perfil de um psicopata, que é quase sempre um assassino em potência. Mas como se identifica uma pessoa com este tipo de distúrbios? O problema principal desta questão é saber se as pessoas em que confiamos podem ser os principais autores deste tipo de crimes. Haverá psicopatas em Portugal? Estão em tratamento? Ou entregues aos estabelecimentos prisionais?

Convidados:
Paulo Moura - Jornalista
Cristina Soeiro - Psicóloga do Instituto Superior de Polícia Judiciária e Ciências Criminais
António Emílio Pires - Advogado Criminal

15 comentários:

Inês disse...

Embora as questões biológicas ou de natureza genética, como o temperamento, possam favorecer o desenvolvimento de determinados traços de personalidade, é pouco provável que tais influências determinem, de forma causal e linear, uma psicopatia, sobretudo com dimensões subjacentes àquela que se trata no caso referido.

Quase sem excepção, os grandes desajustes sociais/funcionais, estão inerentes a um percurso de desenvolvimento ele próprio desajustado e patológico, considerando a noção de normalidade da sociedade Ocidental, o que nem sempre corresponde a uma "normalidade" da espécie humana.

Não se nasce assim. E em última instância, todos somos potenciais psicopatas. Só são necessários os ingredientes adequados. Relações de vinculação perturbadas; abusos físicos e mentais; negligência; competências cognitivas fracas; ausência de modelos alternativos funcionais; traços de personalidade com características psicóticas.

Felizmente a maioria de nós, mesmo em circunstâncias ditas impróprias (ou favoráveis à psicopatia), dispõe de plasticidade mental suficiente e de uma rede de suporte afectivo relativamente competente na sua função de afecto.

Uma vez que este tipo de cenário pode ocorrer independentemente da cultura, da sociedade, do clima, do relevo, da disponibilidade de recursos, etc., é então óbvio que existirão, onde quer que existam pessoas, alguns que, de tempos a tempos, nos perplexizam com aquilo que gostamos de chamar por "maldade", muito distante de nós, "pessoas boas".

Esquecemo-nos que o acaso é muito improvável e que estas pessoas têm um percurso de vida, uma história e uma narrativa pessoa. Invariavelmente corrompida algures pelo caminho.

Somos responsáveis. Porque, afinal, tivemos a sorte de sermos "normais".

Pedro disse...

Boa tarde,
Nos Estados Unidos são conhecidos vários casos de psicopatas e sociopatas documentados e até transpostos para o cinema.
Quais são os factores prevalentes para o despoletar da psicopatia? Confirma-se o facto de um psicopata responder de uma forma diferente quando lhe é efectuado uma ressonância magnética funcional, não mostrando qualquer emoção perantes imagens chocantes para pessoas sem essa psicopatia?
Como é que pode ser detectado e quais os comportamentos que podem ser de alerta?

Muito disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Pedro disse...

São os psicopatas inseguros por natureza procurando ultrapassar essa dificuldade com a tendência pelo controlo?

A.PINTO disse...

NASCE-SE OU FICA-SE? E PORQUÊ?ESPERO QUE F.FREITAS CENTRE A QUESTÃO QUE NOS PROPOS.

Pedro disse...

pela descrição dos psicopatas parece-me que dão optimos politicos!

António disse...

Como se pode dizer que se tem uma psicopatia por praticar o incesto, num determinado sentido.

Aquelas tribos africanas e de outros lugares no mundo em que o pai tem de obrigatoriamente entregar a filhas desflorada, são psicopatas?

Sendo assim também quem é homossexual sofre de uma psicopatia.

Claro que é uma questão cultural, sendo certo que compreendo e estou de acordo com ela.

O caso da Áustria é crime.

Ainda há pouco vimos na TV um pai de idade que tem vários filhos de uma filha e tendo a rejeição dos vizinhos dizem tentar se afastar, mas não conseguem.

São psicopatas? conheço demais certos individuais M/F, e não são nenhuns destes, mas uma coisa vos digo – os homens são fanfarrões e as mulheres sádicas.

Quem está mais sujeito e estas patologias?

Anttónio

Pedro disse...

ainda no cinema temos o "Copycat" que aborda o tema da psicopatia pelo mimetismo de outros serial-killers. Até que ponto isso é também psicopatia e não outra doença do foro psicológico?

António disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro disse...

hoje em dia até temos séries como a que foi exibida na RPT2, "Dexter" que retrata precisamente o dia a dia de um psicopata que foi precocemente detectado e encaminhado por um caminho de "justiceiro" em contra ponto com o assassino em série que era procurado pela policia que montava um espectáculo com os seus assassinatos.
Os psicopatas necessitam desta catarse para se sentirem realizados?

António disse...

A Áustria tem história nesta matéria, lembram-se do Adolfo?, Bom, mas assim como não gosto de generalizar noutras coisas, também nesta não se deve fazer. Por cá há situações na Segurança Social de responsáveis, que são tão perversas, que "torturam", outros em posição mais frágil, por exemplo.
Não serão psicopatas? ou serão só prepotentes, os resultados finais são muitas as vezes piores.

Anttónio

j disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Jose Borges disse...

Estav aqui a pensar se alguns convidados ja nao estarao a ser manipulados por psicopatas quando cedem a vitimização destes individuos e os concebem enquanto um produto da nossa sociedade. E que isso e uma das distorçoes cognitivas mais commumente utilizadas para desculpar os autores de tais comportamentos nocivos.
Alem disso, ausencia de culpa nao justifica inimputabilidade. Se assim fosse, poucos iam para a prisao

Jose Borges disse...

Achei piada a alguma empatia que o Sr Josranlista Paulo Moura sentiu por um senhor que so queria um 'panache' bem tirado e...va la, aborreceu-se, e como por acaso tinha uma faca no bolso, matou o comerciante. E (nao queria)matar tambem o conjuge, mas enfim, teve de ser...E depois, coitadinho, passou 40 anos na prisao e nao sabe porque! (talvez por estar sempre a criar problemas, metido em sarilhos). Eu tambem estou muito empatico com a vitimização do senhor!

lady_blogger disse...

Mais importante que descobrir se assim se nasce ou se vem a tornar psicopata, é tentar encontrar uma cura para a psicopatia.
E será que há quem seja tendencialmente psicopata mas por um exercício de autontrole impede-se a si próprio de levar à prática os seus pensamentos?

CC

Maria Mendes