quarta-feira, novembro 12

Medicação errada mata

A administração errada de medicamentos aos doentes hospitalizados provocou a morte anual de 7.000 pessoas – dados internacionais. Desde a prescrição – ilegível ou pouco clara -, até à administração, passando pela farmácia, há todo um sistema onde por vezes ocorrem erros que podem matar os utentes. No entanto, também em casa podem acontecer interacções entre medicamentos ou a toma de fármacos com determinados alimentos que podem inibir a acção terapêutica ou provocar reacções inesperadas. No ano passado, um estudo da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa concluía que quase 40% dos idosos toma um ou mais medicamentos inapropriados. O problema da venda on-line de medicamentos falsos também será discutido nesta emissão.
Convidados:
Aida Batista, Presidente da Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares
João Oliveira, Responsável Departamento Saúde DECO Proteste
Eduardo Mendes, Vice-Presidente Associação Portuguesa dos Médicos de Clínica Geral
Suzete Costa, Directora Executiva do Centro de Estudos e Avaliação em Saúde da Associação Nacional das Farmácias

12 comentários:

Martinha disse...

A prescrição, muitas vezes de forma exagerada e leviana, de antibióticos por parte de muitos médicos parece-me importante ser falada. É uma situação bastante preocupante receitar antibiótico para um simples resfriado+um anti-inflamatório+um analgésico. Quais as consequências no futuro?

sonharamar disse...

Este ano tive um caso de medicação errada. Fui medicado erradamente e fiquei ainda pior. Estive várias vezes nas urgências do hospital uma delas cerca de 22horas, estive internado e fiquei 4semanas de baixa. O que me causou enormes transtornos e por ter calhado em época de exames chumbei o ano.

Os médicos não sabiam o que eu tinha mas afinal era apenas uma reacção alérgica a um medicamento. O medico que receitou o referido medicamento sabia perfeitamente que eu tinha alergia aquele medicamento.
Eu podia ter sido um desses 7000 que morreram.
Que fazer em casos destes?

Florbela disse...

Boa tarde,

Gostava de votar no V/ inquérito,mas concordo com 3 pontos:
- Confiro a receita médica(porque agora é informatizada)
- Respeito dosagens e
- Estou atento às validades

Florbela

Florbela disse...

Sugestão para minimizar os erros:

Receita médica com código de barras do medicamento.
Chegando à farmácia, a receita era lida pelo leitor de código de barras.

É possível???

Florbela

sergio jardim disse...

boa tarde
só gostaria de lembrar aos vossos convidados os preços dos medicamentos !!!???

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Ainda há dias faleceu alguém próximo com 80 anos, que tomou um medicamento para o estomago cuja validade findava em Janeiro deste ano. Não me foi dito o nome do medicamento, mas mesmo assim questiono os vossos convidados se este tipo de medicamento pode ter sido o responsável por desencadear um enfarte de miocárdio.

CC

Maria Mendes

sergio jardim disse...

e o k dizer das receitas , onde o médico prescreve , por exemplo duas caixas de medicamentos e uma é sempre para deitar fora ....

feniana disse...

olá, boa tarde!
parabéns à Fernanda e a toda a equipa pelo programa que já conhecia através do blog mas que nunca tinha visto a esta hora!
é que fiquei doente domingo à noite e - algo raríssimo - estou em casa a esta hora!!
o tema do V. programa veio mesmo a calhar...explico:
segunda-feira passada fui ao médico, pois tinha uma consulta marcada devido a um problema na coluna. saí de lá medicada com
TRAMAL e
CARBAMAZEPINA

depois, ao final do dia, como estava com dores garganta e febre fui ao meu médico habitual. saí de lá (depois de lhe ter falado da medicação anterior) com uma receita para ir comprar
ZITHROMAX
BRUFEN 600
ADALGUR N

à noite quando me sentei para tomar a medicação só consegui tomar o ZITHROMAX e o ADALGUR N, pois nunca na vida me vi com tanto comprimido à frente!!! eu que nunca tenho dores de cabeça e só tomo uma aspirina uma vez por ano!

será que fiz bem?
será que isto se pode considerar automedicação?

eu confio nos médicos, mas cinco comprimidos???? aliás, 6 porque do adalgur N eram 2 de cada vez!

fiquei assustada! e depois começo a ler a bula e ainda fico mais doente!!! com as contra indicações...

mas agora estou para aqui a moer se fiz mal em não tomar tudo?

é que eu adoro trabalhar e gostava de ficar boa o mais breve possível!
feniana
37 anos

Florbela disse...

Delegados de propaganda médica com "ofertas especiais" aos médicos, aumentam ou não as prescrições de determinados medicamentos?

Florbela

Filipe disse...

Devido a falta de disponibilidade de utentes e falta de tempo, há medicos que enviam receitas por correio, ou renovam sem observar devidamente os pacientes.
Apesar das patologias serem para uma toma de caracter cronico, deveria haver por vezes uma observação. É como uma falta de etica profissional ?? Desculpem.

lady_blogger disse...

Há dias li num jornal que os a maioria dos universitários automedica-se. Neste caso será talvez como complemento para fortalecer as capacidades intelectuais... Poderá ser assim tão perigoso ingerir tal medicação sem prescrição médica?

CC

Maria Mendes