quarta-feira, novembro 5

Poupar nos impostos

Teixeira dos Santos, ministro das Finanças, diz que o Orçamento De Estado para 2009 “baixa impostos” para que particulares e empresas possam enfrentar as dificuldades impostas pela crise mundial. Mas será mesmo assim? Haverá impostos indirectos que irão penalizar os cidadãos? Que benefícios fiscais podem ser aproveitados para poupar no IRS a pagar no próximo ano?
Neste Sociedade Civil queremos analisar o OE na perspectiva que mais interessa: a do bolso dos portugueses. Com o apoio dos melhores especialistas.

Convidados:
Rogério Ferreira, Ex-Secretário de Estado dos assuntos fiscais e advogado especialista em direito fiscal
António Domingues Azevedo, Presidente da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas
António Ernesto Pinto, Fiscalista da DECO
Alexandra Ferreira, Jornalista do Diário Económico

30 comentários:

Frederico Pinto disse...

Este programa promete... Estou à espera das 14 de propósito para o ver.

Parabéns a toda a equipa.

Orlando Pinheiro disse...

Ao contrário dos Egípcios, a Fernanda, fica, ainda mais bonita, de frente.
Parabéns pela nova disposição do cenário.

Orlando Pinheiro disse...

Impostos não é apenas o IRS.

Por cada 100 euros que o patrão paga pela minha força de trabalho, o Estado tira-me 20 euros para o IRS e 11 euros para a Segurança Social;
O meu patrão, por cada 100 euros que paga pela minha força de trabalho, está obrigado a dar ao Estado mais 23,75 euros para a Segurança Social;
Por cada 100 euros de riqueza que eu produzo, o Estado retira ao meu patrão outros 33 euros;
Cada vez que eu, no supermercado, gasto os 100 euros que o meu patrão pagou, o Estado fica com 20 euros para si.

Em resumo:
− Quando ganho 100 euros, o Estado fica quase com 50 euros;
− Quando gasto 100 euros, o Estado, no mínimo, cobra 20 euros;
− Quando lucro 100 euros, o Estado enriquece 33 euros;
− Quando compro um carro, uma casa, herdo um quadro, registo os meus negócios ou peço uma certidão, o Estado, e muito bem, fica com quase metade das verbas envolvidas no caso.

Como poupo nestas situações?

IsaLenca disse...

Como podemos exigir os recibos nas escolas/colégios particulares que agora utilizam o cartão de estudante que é também o cartão para compras na papelaria da escola e das senhas de refeição? Eles dizem que se deve levar os papelinhos que os nossos filhos recebem quando carregam o cartão. Mas as crianças por vezes perdem os papéis. Não deveriam estas identidades, com estas simplificações informáticas, passar de imediato a factura pelo menos mensalmente?
E como exigir o custo das fotocópias extra para as aulas que os professores vão tirando e que dizem logo não poderem arranjar o recibo? Há forma de podermos obrigá-los?
Obrigada

XN disse...

Agradecia o especial favor ao Sr. Presidente da CTOC que não se esquecesse de que quando intervém nos órgãos da comunicação social naquela qualidade, está a faze-lo em representação nos TOC, pelo que seria expectável pelos profissionais daquela classe que se ouvisse mais palavras relacionadas com as dificuldades impostas aos mesmos, por via de consecutivas alterações à legislação, e menos sobre o que determinada matéria fiscal interfere neste ou naquele sector de actividade, ou franja desses mesmos sectores.

Caso não esteja a intervir na referida qualidade, agradecia que não aparecesse mencionado o nome da nossa Câmara.

Obrigado,
Paulo Martins (TOC n.º 40412)

Anjos disse...

Boa tarde.
Pois se calhar esta duvida já vêm tarde,pois os meus filhos já estão quase a deixar as fraldas.
Nunca coloquei as despesas com fraldas nem leite na declaração de IRS pois sempre me disseram que não eram contabilizadas.Quando diagnosticaram uma doença crónica grave a um dos meus filhos alertaram-me que todas essas despesas contam.Bem este ano juntei todos os recibos,afinal posso ou não colocar estas despesas?
Os gastos com desinfectantes domésticos no caso de doentes crónicos pode ser contabilizado?

margarida10 disse...

Boa tarde,
Desejo colocar uma questão :
uma empresa que não tem estabelecimento comercial em Portugal, pode pedir a um trabalhador que receba o seu vencimento de fora (neste caso de França) e depois na sua declaração de IRS é o trabalhador que apresenta as suas despesas fiscais do ano na entrega da declaração e posteriormente será notificado se tem algo a pagar ou não. Isto é possível de existir? Na repartição de Finanças disseram-me ser ilegal.
Agradecia uma resposta.
Obrigada

Florbela disse...

Boa tarde,

Acerca de solicitar facturas, já experimentaram solicitar uma,numa loja da comunidade chinesa?

Florbela

ViP disse...

Boa tarde

Era só elogiar o trabalho que a DECO tem feito nos últimos anos em prol dos direitos dos contribuintes. Continuem o bom trabalho.

Luis

Florbela disse...

Donativos.

Quantos de nós já contribuiu com donativos à porta do super mercado?
E o recibo?
Independentemente do valor, temos direito?
Isto porque, não é só uma vez, hoje é para a luta contra o cancro, amanhã é para uma liga, depois uma associação... não tem fim.

Paula Lopes disse...

Olá.Se puderem esclareçam esta dúvida:quando vou comprar o pão à padaria NUNCA(escrevi em maiusculas para reforçar ideia)vi ninguem a receber factura.O proprietario só declara o que quer?????

Paula

tracy disse...

pq é que o governo não muda a lei e diz: td e mais alguma coisa entra no irs, ai td a gente pedia as facturas, é preciso deixar-nos de utopias, se verdadeiramente queremos justiça social

Orlando Pinheiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Orlando Pinheiro disse...

Boa Tracy!

tracy disse...

porque motivo td as caixas registradoras não emitem logo factura, em vez do famoso talãozinho?

Orlando Pinheiro disse...

Tenho um apartamento avaliada pelo fisco em 84.500€, pago IMI por esse valor.
O que acontece é que ninguém me compra essa casa por esse valor porque simplesmente ela realmente vale menos.
Não consigo convencer o fisco a baixar o valor da minha casa nem a comprar-me a casa por esse valor.
Injustiça tributária?

tracy disse...

já existe o cartao do cidadão, que contém td a informaçao do mesmo, porqur motivo não se muda as caixas registradoras para que cada vez que um cidadao faz uma compra fique registado para efeitos de irs, ai também ninguém fugia!!!

tracy disse...

existem muitas formas de combater a evasão fiscal, os portugueses precisam de ter atenção a isso, o problema não está no português q n pede factura, mas sim no governo que verdadeiramente n tem vontade politica de combater a evasão fiscal!

Deragnu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
tracy disse...

só com uma verdadeira vontade de combate á evasão fiscal será possível baixar impostos e dinamizar a economia!! boa tarde a todos e e reflitam

tracy disse...

apresentei duas hipóteses que combatiam eficazmente a evasão fiscal sem manobras e sem hipótese de fuga, vejam os outros comentários. a questão é para quê factura se no irs pouco ou nada se pode deduzir, pelo menos sem se endividar!

Nelson disse...

Relativamente a "exigir" factura acho muito bem, mas quando alguém que recebe o salário mínimo tem que forçosamente pagar o arranjo do seu carro e o mecânico dá a opção de o valor a pagar sem factura ficar, por exemplo, 50€ mais barato, eu não tenho duvidas de optar pela "ilegalidade" para que possa chegar ao fim do mês de cabeça erguida. Uma forma de combater essa ilegalidade suponho que, possa passar pelo governo aceitar todo o tipo de facturas para descontar no IRS, mesmo que o ganho seja pouco ou nenhum. Já agora porque é que as despesas obrigatórias gastas com o governo (ex: IMI,IUC, etc.) que em alguns casos são elevados não entram para o IRS tal como outros países, salvo erro Finlândia.

Deragnu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
recrutamentoeuphony disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Deragnu disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
tracy disse...

espanta-me como tanta gente com cargos importantes ou já os tiverem, continuem na tecla de que o português a q tem de pedir sp factura, qd apresentei ja 2 excelentes hipoteses e q n sao utópicas, existe assim tanta falta de ideias? ou não interessa mudar de tecla?

lady_blogger disse...

Tenho um familiar que elaborou parte da previsão deste orçamento para um ano transato. Logo de certa forma conheço este assunto bem de perto.

Quem paga a factura maior são os mais pobres, porque os ricos conseguem dar a volta ao pagamento correcto dos impostos fazendo malabarismos nas declarações de IRS.

Não me vou aqui alongar muito sobre este assunto, até porque não devo.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Se possível peçam sempre factura, pois assim se todos pagarmos os impostos devidos, talvez se consiga baixar por exemplo o valor percentual do IVA.

É injusto que o seu vizinho ganhe muito mais e declare muito menos que você, não é verdade?!

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Ouvi dizer que os chineses em Portugal irão finalmente ser incumbidos de pagar os seus próprios impostos. Mesmo entendendo a ideia de governo deles, acho muito bem que isso suceda, porque o comércio português há muito se ressentia com tal concorrência a roçar o injusto.

CC

Maria Mendes