terça-feira, maio 19

Trânsito intestinal

O funcionamento intestinal varia de indivíduo para indivíduo e pode ser afectado pelo estilo de vida de cada pessoa: a alimentação, o stress, os medicamentos e até algumas doenças podem provocar alterações no trânsito normal e a presença de sangue nas fezes pode indicar uma doença grave.
Obstipação, disquesia, doença inflamatória, intestino irritável são alguns dos problemas intestinais que normalmente provocam desconforto, dores abdominais e aumento do volume do abdómen.
Neste SC, com os melhores especialistas, percebemos quais os sinais de alerta e que soluções existem.

Convidados:
António Alberto Santos
, Direção Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia e Médico Gastrenterologista no IPO Lisboa
João Machado, Direção Associação Portuguesa de Doença Inflamatória do Intestino – Colite Ulcerosa e Doença de Crohn
Mariana Brito, Associação Portuguesa dos Nutricionistas
Cristina Camões, Associação Nacional das Farmácias

6 comentários:

ppr disse...

boa tarde,

A minha filha desde bebe que tem um pequeno problema, era muito presa e quand finalmente fazia o seu coco, este tinha sangue e uma mucosa...depois de varias tentativas encontramos nos iogurtes activia a solução desde ai que ela nunca mais teve problemas...
mas ate hoje nenhum medico me soube explicar porque, sera que voçes me poderiam explicar.

Alexandra pinto

Cristina Rocha disse...

Boa tarde!

Eu já tinha problemas intestinais (dada a alimentação), agora como estou tetraplégica e faço muito menos exercício "sofro" de obstipação.

Mesmo com uma alimentação saudável e através de chás (que adoro) continuo com esses problemas.

É verdade que os clísteres prejudicam a saúde?

Obrigada

sparki disse...

Dizem os vegetarianos que as sementes de linhaça são um óptimo meio para regular o intestino.
Gostaria de saber se é verdade e como é que essas sementes devem ser ingeridas.

raquel disse...

Tenho colite ulcerosa desde os 16 anos.

Estive sempre em crise, com diarreias fortes, perda de sangue e consequente anemia, tonturas e dores. Fui medicada com lepicortinolo, imuran, salofalk e pentasa supositórios.

Só neste último inverno consegui uma estagnação da doença (agora com 19 anos).


Voltei a "refazer" a minha vida, estudar, trabalhar, sair à noite com os amigos..

E apercebi-me de algo interessante, já sem falar de uma boa alimentação, o meu equilíbrio emocional é fundamental. Saber gerir os problemas, não dar importância a futilidades, ter objectivos e fazer de tudo para estar feliz e calma é essencial.

Rita disse...

Boa tarde,

Em primeiro lugar os meus parabéns pelo programa.
Gostaria de colocar uma questão. Em relação a trânsito intestinal não tenho problemas, por norma evacuo 3 vezes ao dia. Mas tenho um grande problema com flatulência. Tudo o que como me provoca gases. Existe algum produto ou alimento que se possa ingerir para reduzir os gases intestinais? Será prenúncio de algum tipo de doença? Devo acrescentar que a família da parte do meu pai, sofre também deste problema, será hereditário?
Saudações,

Rita

Liliana disse...

Boa Tarde

Foi-me diagnosticada uma colite ulcerosa apenas quando tinha 18 anos, e foi quando tinha muitas coisas ainda para experimentar e viver que tive que aprender a controlar a minha alimentação, e não só... medicação e vários hábitos que tiveram que ser alterados.
Esforço-me por ter uma vida normal, faço uma alimentação saudável e variada, mas sem excessos, não fumo e raramente consumo bebidas alcoólicas mas apesar disso sempre me senti mais limitada em relação aos meus amigos, principalmente nas saídas à noite, tento gerir isso mas nem sempre é fácil devido às constantes perguntas sobre a alimentação, porque uma vez que sou magra associam o meu cuidado que alimentação com dietas para emagrecimento, que no caso não são necessárias porque peso apenas 49 Kg apesar de fazer todas as refeições.
Sinto no entanto que apesar de ter a doença à 6 anos sei muito pouco, e fui aprendo mais com o meu organismo o que me era permitido do que propriamente com os médicos, apesar de ser seguida num hospital público desde o inicio. Há uma falta de informação relativamente a esta doença, deviam ser debatidas mais frequentemente, e haver mais apoios, penso que por vezes há um certo preconceito em relação a estas patologias!

É verdade em tempos de exames ou trabalhos pioro sempre, já tentei Yoga e ajudou-me mas como trabalho estudo em Lisboa e habito na margem sul (tendo que comer todos os dias fora de casa acabo por não ter tempo...

Obrigado por debaterem este assunto!

Liliana Marcelino