sexta-feira, junho 26

Acidentes domésticos: cuidado com as crianças!

Só nos últimos dois anos afogaram-se 34 crianças em piscinas, praias, poços, tanques, rios, lagoas e praias fluviais. Na maioria das vezes, durante um breve desviar do olhar dos pais. Sem alarmismos, o Sociedade Civil explica hoje que a segurança e a proteção devem ser uma preocupação de todos e não exclusiva das autoridades. Como tornar o nosso espaço num lugar seguro? Não estamos a falar apenas de fechaduras, alarmes ou câmaras de vigilância, mas também das intempéries e outras fúrias da Natureza, das panelas ao lume, das fugas de gás e de tantos outros perigos escondidos em casa. Mas é possível evitar o acidente. Basta saber onde e como pode acontecer.

Convidados:
Teresa Belchior, Técnica da Deco Proteste
Sandra Nascimento, Presidente da APSI
Maria de Lurdes Torre, Médica Pediatra
Comandante Nuno Leitão, Instituto de Socorros a Náufragos

13 comentários:

Pedro Couto disse...

Bom dia. Antes de mais, gostaria de felicitar o excelente programa desenvolvido. Infelizmente não posso assistir ao programa em directo, mas vejo diariamente a repetição que é transmitida a partir das 05:45H na RTP2. Contudo gostaria de deixar na mesma o meu comentário e se me é permitido, algumas sugestões...

Pedro Couto disse...

... Relativamente ao tema de hoje, a minha opinião é a seguinte: em 3 passos:

1. Identificar sempre todos os perigos possibeis e nunca analisar as probabilidades de acontecer, ou seja, ter sempre em consideração que pode acontecer e que não é só aos outros.
2. Eliminar o possibel perigo, para segurança de todos e certificar que foi realmente eliminado.
3. Em caso de impossibilidade de eliminação do perigo (como na praia, o perigo do mar)ou não se vai ou então, estabelecer regras, pois em tudo tem que haver regras.

Não serve para anular, pois acidentes acontecem, mas sim para evitar e se todos tomarem o devido cuidado, cada vez mais vamos ter menos casos de afogamentos, e etc...

Continuação de bom dia e bom fim de semana.

Pedro Couto, Ermesinde

Sylvie disse...

Boa tarde!
Moro ao pé de uma estação de comboios e por diversas vezes reparo que alguns pais (e/ou acompanhantes das crianças) descuidam um bocado a segurança dos mesmos neste local. Por vezes, ve-se os miúdos a correr pelo seu pé ali mesmo ao lado da linha! isto é uma coisa q me faz grande confusão!
Cumprimentos.

Grupo Pioneiro disse...

Olá!!
Estou a escrever para divulgar que os Escuteiros da região de Leiria estão a preparar semanas organizadas, para que as pessoas possam deixar os filhos nas férias.
Fiquem atentos a informações dadas pelos agrupamentos intervenientes.
Obrigado!

Escuteiros

António Silva disse...

Boa Tarde (mais uma vez)...
A vinda de uma criança aqui em casa só trouxe felicidade,e claro alguns cuidados tiveram de ser tomados para a sua segurança (protectores nas ficha eléctricas, dos cantos do mobiliário...)
Na praia chegamos a uma solução, por causa dos acidentes no mar, levamos uma pequena piscina insuflável que enchemos com água, debaixo do guada-Sol para o bébé =)!
Uma das primeiras coisas que se devem ensinar às crianças, é o significado da palavra NÃO, depois tudo é mais fácil (quando os pais dizem NÃO, a criança sabe que está a fazer algo de errado)!

Gostava que discutissem os pais super-protectores, aqueles que dão pouca liberdade à criança para decobrir o mundo e que stressam, por exemplo, porque a criança caíu e arranhou o joelho...

Continuação de bons temas para o programa!

Zeta Draco disse...

Só se ouve falar de mas e mais regulamentação e fiscalização: ele é cadeirinhas, os banheiros, os cabos-de-mar, agora também quere regular as piscinas que as pessoas têm em casa, em breve virão as matrículas electrónicas... Um dia destes temos tanta liberdade como na Coreia do Norte; é nisso que dá a paranóia securitária. Para quem não saiba, a Coreia do Norte é dos países mais seguros do mundo.
É por isso que evito, conscientemente as praias vigiadas. É necessário dar espaço à liberbdade e à autonomia, pois sem elas não se desnvolve um sentido de resposabilidade.

Nem Mais (opinião) disse...

No caso de férias no campo temos sempre o dilema das fogueiras. Não tenho a informação se acidentes com fogueiras, mas quais os cuidados a ter?
TIAGO PEREIRA

Sylvie disse...

ás vezes em casa os pais até têm todos os cuidados mas depois na rua...e durante todo o ano (n só em férias) na rua os cuidados são poucos! continua-se a pensar q só acontece aos outros! até um dia....até aquele momento.

Sylvie disse...

O curso de primeiros socorros devia ser uma disciplina obrigatória nas nossas escolas! Imaginem a diferença que faria!

sergio disse...

Boa tarde. Como o sr comandante disse, o curso de nadadores é quase de graça... Mas falta o quase... Realmente há uma grande falta de nadadores, mas se resolvessem os problemas de tal acontecer talvez o número aumentasse.. Porque de facto 130 euros num curso, em que há concessionários que pagam por mês 500euros com um serviço de 10horas diárias... dá que pensar...

Nem Mais (opinião) disse...

Muitas vezes as crianças usam um protector de sol com nível errado. Como saber qual o protector correcto?
TIAGO PEREIRA

bruxiarte disse...

Olá, o cartão de saúde tive que tirar e não custou nada , só escrevi porque estava a ver o progama e como tinham dúvidas resolvi participar.
Parabéns pelo informação que nos dão ajudam imenso , continuem.

sergio disse...

E já agora aproveito também para dizer que é necessário exigir mais dos pais e responsabiliza-los pelos seus filhos! É normal que quando vão para a praia se encontrem de férias, mas não se podem alhear das crianças! Como nadador, já me aconteceram situações insólitas, como pais a pedirem para eu tomar conta dos filhos.. como se pode imaginar não é possível...