quarta-feira, junho 3

Juventude em fúria

A criminalidade praticada em grupo por jovens aumentou 35% em 2008. Um dado preocupante quando comparado com o que as notícias revelam quase todos os dias: agressões a professores, motins em bairros sociais, etc.
Numa outra vertente, igualmente preocupante, há dados que revelam que 1 em 4 jovens já sofreu de violência no namoro.
Que motivos que levam os jovens a ter comportamentos violentos? Terá a televisão influência? Ou serão factores como a violência na família, perturbações na comunicação familiar e no sistema de regras responsáveis por este problema?
Convidados:
José Manuel Anes, Criminalista e Director da Revista Segurança e Defesa
Sub-Intendente Virgínia Oliveira, Chefe da Divisão de Prevenção Pública e Proximidade da PSP
Padre José Maia, Presidente da Fundação Filos
Rosário Farmhouse, Alta Comissária para a Imigração e Diálogo Intercultural

12 comentários:

Cristina Rocha disse...

Boa tarde!
Eu acho que quer o ambiente familiar quer o ambiente escolar influenciam a criminalidade.
Roubar ou assaltar por dificuldades económicas não acredito, porque instituições existem para isso.
A violência nos media não é desculpa, porque os pais (ou equivalente) só deixam se quiserem e como quiserem.

Cumprimentos

BSimoes disse...

Sem dúvida que o ambiente familiar é um dos aspectos que mais contribui para o desenvolvimento de atitudes de fúria dos jovens. Mas considero que a própria sociedade onde se insere muito contribui para este aumento de violência, além dos próprios meios de comunicação (tv, internet,jornais e revistas).

Lúcia disse...

Boa tarde!

Eu penso que, muitas vezes, a violência surge com o sentimento de revolta, solidão e falta de objectivos de vida, devido a relações familiares pouco satisfatórias.

Além disso, muitos jovens não estão habituados a aceitar contrariedades, e estão habituados desde pequenos a fazer valer a sua vontade - e utilizam os meios necessários para isso. Isto acontece no meio escolar, familiar, etc.

Estas são apenas algumas das muitas causas para este fenómeno.

Cristina Rocha disse...

As leis não estão adaptadas ás diversas situações que aparecem. A polícia só pode disparar depois de levar um tiro.
Há impunidade judicial por o criminoso ser muito jovem, ou porque foi um "crime leve",...

Amnistisiados disse...

Boa tarde!

Tal como os bloguistas que aqui comentaram, também me parece que o factor mais determinante para o comportamento violento dos jovens é o ambiente familiar.

Contudo, é visível a influência que a sociedade tem no acentuar destes comportamentos, na medida em que esta tem tendência a discriminar, e não ajudar. Como é claro, falo de um modo geral. Felizmente existem pessoas, grupo e/ou instituições que se preocupam com a reeducação dos jovens através de inúmeras propostas, como grupos de teatro, de dança, entre outros, como foi já referido no programa.

Julgo que estas formas são fundamentais para a reintegração saudável destes jovens.

Muitos parabéns pelo programa!

helena disse...

Estes problemas sociais poderiam ser minorados através de um programa de educação com a arte, à semelhança do que se faz em outros países. Por exemplo, na Venezuela, «El Sistema» dirige-se a jovens dos bairros pobres, que têm a oportunidade de aprender instrumentos musicais e integrar orquestras juvenis. Actualmente este programa tem já 250 escolas, 15000 professores e 200000 alunos, e continua em expansão. Uma das razões do sucesso do programa é a sua continuidade ao longo de décadas (já tem mais de 30 anos). Esperemos que o programa «escolhas» siga o mesmo caminho.

Bruninha disse...

Boa tarde!
Sem duvida que o ambiente familiar contribui ,em grande parte para estas crianças se tornarem adoslescente um pouco mais violentos que antigamente!Já nada parece mal....Eles estão habituados a ver de tudo..

Cristina Rocha disse...

Nos casos em que os pais trabalham, as Câmaras que utilizem alguns recursos financeiros para aplicar em locais pós-escolares.

analuisa disse...

boa tarde tenho 28 anos e ainda sou do tempo das professoras "baterem" e acho que so me fez bem existia respeito agora nao podem fazer nada e o que se tem visto nas noticias o que tem acontecido nas escolas e 1 vergonha aonde anda o respeito pelos professores? e os pais ajudam a essa falta de respeito porque ainda vao a escola refilar com os professores e dar força aos filhos os professores ficam de maos atadas e aturar faltas de respeito ...

liliana disse...

Eu acho que, de uma forma generica, toda a sociedade está a falha neste domínio: a família, porque não presta o apoio adequado (e isto também acontece com muita frequencia nas familias com elevado poder socio economico, não acreditar nisto é acreditar num mito); a escola, porque não tem recursos (sejam humanos ou materiais) para dar respostaa todas as situações; o sistema judicial (que deve ser o ultimo recurso) também falha, senão vejamos os casos dos centros educativos.
Os meios de comunicação social até podem ter influencia, mas não nos esqueçamos que os pais têm o dever de mediar aquilo que o seu filho vê.
Soluções: começar por ver esta questão sob o ponto de vista social, deve-se enraizar valores e criar desafios motivadores para estes jovens...

Somebody disse...

Boa Tarde!

Parece-me que a problemática da delinquência juvenil tem sido tratada apenas tendo em conta o jovem, isto é, este comete um crime classificado pela lei penal como tal e portanto é lhe aplicada uma medida tutelar educativa. No entanto esta intervenção isoladamente não funciona e não irá prevenir a reicidência. é necessário uma intervençao no meio familiar, social do jovem. Não basta este ser retirado do seu meio durante algum tempo,para ser "reeducado" para o direito, é necessário também que aquando do seu regresso A`vida em sociedade existam programas de acompanhamento . Relembro também que não basta desviarmos o caminho quando existe um buraco, pois isso apenas atrasa a queda nele, é necessário tapar o buraco, ir a raiz do problema.

Marta disse...

Boa tarde,
Sou professora e no âmbito da área curricular de Área de Projecto, os alunos apontaram como um problema, na escola onde lecciono, a falta de segurança. Com o objectivo de tentar combater este problema, os alunos sugeriram a criação de equipas de patrulha, formadas por alunos, no sentido de actuar de uma forma preventiva, dissuadindo comportamentos de risco. Neste sentido, os alunos que integrarão as patrulhas, irão ser recrutados junto dos discentes de acordo com critérios de selecção, serão submetidos a uma entrevista e a formação específica pela psicóloga escolar, no domínio das competências sociais. Finda a formação irão para o terreno. Os alunos envolvidos estão muito entusiasmados, tendo inclusive criado um logótipo que os identifica e estão ansiosos por entrar em acção. È uma iniciativa que estamos a implementar e que esperamos a curto prazo tenha resultados positivos, nomeadamente na diminuição de comportamentos de violência. Estou disponível para partilhar a experiência e o projecto com professores interessados em lutar contra este flagelo que atinge as escolas neste momento. Todo este projecto está a ser monitorizado pela psicóloga da escola, foi solicitada colaboração à Equipa de Missão para a Segurança Escolar, mas até à data não obtivemos qualquer resposta.
Marta Martins