segunda-feira, setembro 28

Como escolher uma creche?

Escolher uma creche não é tarefa simples. É preciso analisar ao pormenor a localização, as acessibilidades e acima de tudo estar preparada para incluir esta nova despesa no orçamento familiar. Depois desta primeira análise, arranje tempo para visitar as instalações. Faça as perguntas essenciais: onde é que as crianças dormem a sesta? Quantos educadores existem por sala? Como são as condições dos refeitórios? Quais os planos de contingência para a Gripe A? Estas são perguntas que cada família tem que fazer por si. Todas as outras, os especialistas do SC respondem.

Convidados:
Sandra Nascimento, Presidente Associação para a Promoção de Segurança Infantil
António Ponces de Carvalho, Director Escola Superior de Educação João de Deus
Paulo Oom, Médico Pediatra
Cristina Fangueiro, Directora do departamento de desenvolvimento social do Instituto de Segurança Social

6 comentários:

Angelica disse...

Referindo-me à intervenção de um dos vossos convidados, posso dizer que não sou menos inteligente nem menos capaz! Isto porque não frequentei uma creche mas sim estive com uma senhora que "tinha muito jeito" e que considero minha avó!!! Desde já lhe digo que em termos de desenvolvimento fisico, cognitivo e emcocional não vejo diferenças, comparando com colegas e amigos meus! Antes pelo contrário, na minha ama brincava com outras crianças e tinha um ambiente bem mais familiar... Um complemento à minha familia de sangue...

Angelica disse...

As amas são a única opção para quem não tem os avós por perto ou quando os pais têm horários que fogem ao tradicional até às 7h, por exemplo das quatro da tarde à meia-noite...

Carla disse...

A minha filha entrou este ano no jardim escola João de Deus com 3 anos. Apesar de todas as boas reerências que tinha de outros pais e ex-alunos, surpreendeu-me o facto de encontrar uma classe com 29 meninos e apenas uma educadora. Tendo em conta este numero de crianças, não deveria estar uma auxiliar de educação a tempo inteiro em sala?
A resposta que a escola me deu foi estar à espera dos estagiários que chegarão em Outubro e até lá como é assegurada a integração das crianças que vão para a escola pela primeira vez?

Telma disse...

Boa tarde a todos o meu nome é Telma.
No meu caso eu e o meu marido decidimos que eu ficasse em casa por as creches da minha área de residência serem demasiado despendiosas para o nosso orçamento, mas no entanto o meu menino em casa comigo aprendeu várias coisas como o abecedário, os números, a tabuáda, algumas coisas em inglês( com a ajuda do "zigzag"). Pois aproveitando a disponibilidade e a vossa ajuda sempre o incentivei a gostar de aprender. Entrou este ano para a pré-primária pública e correu tudo muito bem.(obviamente expliquei-lhe que o ía lá deixar apenas por umas horas e dei-lhe uma noção de quando ele saberia que depois "daquela" actividade estaria quase a ir buscá-lo). E ele adora a escolinha desde o primeiro dia.

Rui disse...

Estou a ver o programa na RTP2. Pergunto se acham justo que as crianças devam obrigatoriamente apresentar um certificado médico de saúde após ser reencaminhada para casa com suspeita de doença. É que o risco de contágio é maior nos centros de saúde e hospitais... Para além de que os médicos particulares se oporem à industrialização destes certificados, obviamente, neste cenário de psicose em que vivemos.

Obrigado,

Carla Simão Lima
Paredes

Rui disse...

Viva, estou a ver o vosso programa em directo.

Acham justo que uma criança deva obrigatoriamente apresentar uma declaração médica no regresso à escola/infantário, após ter sido encaminhada para casa com suspeita de doença? É que o risco de contágio é maior nos centros de saúde e hospitais, para além de os médicos particulares se oporem à industrialização destes certificados no presente clima de psicose...

Obrigado,

Carla Simão Lima
Paredes