quarta-feira, março 10

Amor no trabalho

O trabalho ocupa a maior parte do dia e é no local de trabalho que se fazem amizades ou onde nascem relações amorosas.
Para os profissionais dos recursos humanos, a discrição é fundamental quando se mantém uma relação com alguém que por acaso é colega ou mesmo chefe.
Algumas empresas não têm regras rígidas sobre este tipo de relações, mas outras instituem mesmo a proibição.
Mas como se faz a separação entre os assuntos pessoais e os profissionais? Deve-se contar aos outros colegas? Pode uma relação no local de trabalho por em causa o profissionalismo? Afeta as relações com os outros colegas? Em caso de rutura, como lidar com isso num contexto de trabalho?

Convidados:
Jorge Marques
, Pres. Ass. Port. Gestores e Técnicos Recursos Humanos
Fausto Leite, Formador da Ordem dos Advogados e Advogado Especialista em direito do trabalho
Jorge Coutinho, Dir. Regional de Lisboa e Vale do Tejo da ANJE
Ana Galvão, Locutora da Antena 3

11 comentários:

José Gonçalves-Pinto disse...

é natural o relacionamento no local de trabalho pois:
- a mulher foi progressivamente ocupando postos de trabalhos nas mais variadas áreas
- a água já vem canalizada e não é necessário ir com a cântara à fonte

p.s. mas não esquecer que parte desses relacionamento podem ser extraconjugais :)

Miguel Andrade disse...

Acho que isso depende de pessoa para pessoa. Alguns podem deixar o profissionalismo de parte mas outros podem fazer o contrário.

Ricardo Miguel disse...

Eu conheci a minha actual esposa no trabalho, era comercial e ela estava na àrea de fraude, eu queria fazer um determinado negócio com um cliente e ela nao deixou porque tinha sinais de fraude!
Andámos às turras logo no ínicio e desenvolvemos uma relação que perdura à 9 anos e que nos deu uma menina de 4, 1/2 anos!

Mais uma coisa, nunca ocultamos a nossa relação no trabalho, continuamos a trabalhar no mesmo local e nunca fomos mal vistos por isso. Julgo que tem tudo a haver com a forma como as pessoas se comportam no local de trabalho, tanto faz ser uma relação amorosa, relação de ódio, amizade, desinteresse....
Se eu odiar alguém, não lhe dirigir a palavrar sequer, a empresa também me vai proibir?

Tita disse...

Uma relação no local de trabalho pode ser complicada mas pode funcionar. Se o casal não conseguir trabalhar junto, ou se isso destruir a relação então um deles deve sair para outro lado.

Butterfly disse...

Conheci o meu namorado no trabalho.
Eramos ambos somente colaboradores meses mais tarde, ele passou a ser especialista da area onde trabalhavamos.
Durante dois anos trabalhamos juntos. Quando fomos vistos fora do local de trabalho como casal, começaram os problemas. "Muitos olhares desaprovadores". Não queriam que almoçamos juntos, não queriam que fizessemos pausas juntos. E até aquela data,nunca tinham desconfiado sequer que eramos um casal. Sentimos uma enorme pressão e logo que tiveram a chance mandaram-me a mim embora quando chegou o momento de passarem os trabalhadores a efectivos. Ele ficou eu saí.

Pergunto - Porquê??

Tita disse...

Respondendo à questão da Ana sobre o murchar da relação por causa de se estar todo o dia com o parceiro acho que é tudo uma questão do casal conversar sobre isso e tentarem superar essa questão. Acho que é importante essa abertura numa relação.

Dora Barros disse...

Amor na Escola

No meu caso particular a relação foi de professor aluna.
Estou casada à 3 anos e conhci o meu marido, em 2001, na escola onde estudava. Eu frequentava o 11ºano e ele era meu professor. Durante o ano lectivo a cumplicidade foi aumentando e em finais de Junho (no final do ano) tudo aconteceu, começamos a namorar. No ano lectivo seguinte, como eu ainda estava na mesma escola onde ele dava aulas, decidimos ocultar a relação até ao final do ano de modo a não por em causa o profissionalismo do meu marido nem a minha imagem enquanto aluna.

Dora Barros
(Socióloga)

Contos e continhos..... disse...

Eu acho que um casal pode e deve trabalhar juntos. É preciso é muita confiança entre ambos e desvalorizar a mentalidade daqueles que se opoem ás relaçoes nas empresas, firmas, etc...
eu ja trabalhei com um namorado e sempre fomos apoiados pelos colegas de trabalho.

Rachid Oliveira disse...

Na minha opinião pessoal, o relacionamento no local do trabalho pode ser tanto prejudicial como benéfico para a produção. Iato é dependente da maneira como o casal gere a sua relação.
Conheço um casa, que trabalham na mesma empresa que eu, acho que relação deles é mauito mais vantajosa para a produção, ou seja há uma grande harmoia e total cooperação entre eles, que não poderia existir se não fossem um casa. Concluindo, não lógico nem justo proibir relacionamento no local de trabalho SÓ PORQUE ALGUÉM DEU MAU EXEMPLO.
bom debate
obrigado

Ricardo disse...

Pelo que já foi falado no programa hoje, penso que já ficou claro a natureza polar da consciência humana.

Todo o abuso é derivado do facto de haver constantemente superioridade e inferioridade na mente de cada. Tudo o que vemos do mundo á nossa volta é baseado nisso.

A polaridade em que a consciencia humana assenta, tem como é obvio a geração de energia. Essa faceta é visivel porque se torna real no mundo fisico. Ou seja Somos escravos to trabalho. O trabalho serve para gerar energia para sobrevivermos.

Todas as questõess que nos surgem, e que aparentemente não tem qualquer explicação, é no fundo baseada nessa caracteristica. A cultura académica faz parte desses sistemas, portanto não será nem estatisticas nem estudos académicos que responderão as questões que nos surgem quando olhamos para o mundo á nossa volta.

A base em que podemos usar para obter respostas é o senso comum.

Emquanto a polaridade regrar o mundo - Sob a forma de hierarquias por exemplo - Nada mudará porque os sistemas são maiores do que cada um individualmente, mesmo que o individuo se insurja a olhar o mundo e a questionar o que vê no mundo á sua volta.

Outra caracteristica que revela a adicção que temos a este sistema de energia sa qual a existencia humana CIVILizada se fundamenta é a procura do outro polo para gerar enssa energia a nível intimo pessoal. Ou seja o relacionamento para obter sexo.

Existimos como escravos da energia.

É muito bom ver que começamos a colocar questões sobre esse tema.

Uma das palavras chaves a usar para "criar" soluciões, é, igualdade.

Outro ponto é, apercebermos que de momento, o dinheiro (energia que move o mundo) vale mais do que a propria VIDA humana de cada um individualmente.


(texto não revisto, nem editado.)

jose lessa disse...

Trabalhei mais de 30 anos num Hospital Central, namorei muitas raparigas mas não casei com nenhuma, só assim ainda hoje vou ao "Santo António" e todas as portas se me abrem porque nunca assumi nenhum relacionamento, ficando apenas pela amizade que fiz ao longo dos anos.