segunda-feira, junho 14

Dar sangue – um dever de todos – 14 de Junho

O Dia Mundial do Dador de Sangue que hoje se assinala este ano é dedicado ao objectivo: “Sangue novo para todo o mundo”. O apelo está orientado para a necessidade de ter disponível nas unidades de saúde sangue inócuo para as transfusões e para a importância de receber novos dadores que assegurem as reservas e alimentem os serviços hospitalares de cada país. Mas ainda existe muita desinformação sobre a matéria e subsistem casos de discriminação, nomeadamente com a comunidade homossexual. Mas porquê dar sangue? Há necessidade de dadores em Portugal? Como estão as nossas reservas? De que forma o meu sangue ajuda a salvar vidas?

Convidados:
Leonilde Outurelo
, Resp. Serviço de Promoção e Colheita do Centro Regional de Sangue de Lisboa do Inst. Português do Sangue
Ana Silva, Assessora Jurídica da Autoridade para os Serviços do Sangue da Transplantação
Joaquim Moreira Alves, Presidente da Federação das Associações dos Dadores de Sangue
Pedro Couceiro, Piloto de competição

32 comentários:

Rodrigo disse...

Boa tarde,

tenho 25 anos e ao 3º dia de vida fiz uma exsanguino-transfusão, posso ser dador?

EMILIA disse...

Sou dadora de sangue há muitos anos. Lamento que os hospitais não tenham os serviços de recolha de sangue a funcionar , possivelmente resultado da crise económica.
Concretamente moro em Almeirim . e ia dar sangue ao Hospital Distrital de Santarém ,mas há uns meses já não é possível fazê-lo .Tenho que me informar onde e em que dias as recolhas irão ser feitas, o que não é nada prático. Resolvi optar por quando vou a Lisboa ir ao Instituto Nacional de Sangue. Penso que esta nova politica irá prejudicar o número de dádivas

Marco Costa disse...

Dar sangue é dar Vida! Cada pessoa saudável deveria ponderar a dávida como tal! Puro dom em prol do Homem! Parabéns a todos os dadores!

JG CONDOMINIOS disse...

muito boa tarde e parabéns pelo vosso programa, fala director de associação de sangue de peniche, lamentavelmente importa referir que existe outra federação : FEPODABES e que não está representada nesse mesmo programa.

Bem como algum representante de alguma associação do pais.

obrigado. DR JORGE GUERREIRO.

Espinha disse...

Antes de mais queria congratular o programa por abordar esta nobre temática e felicitar os colegas da área da saúde que diariamente salvam milhares de vidas com o seu trabalho de qualidade. Sabe-se que em Portugal o plasma sanguíneo não é aproveitado para dele serem extraídos vários constituíntes que podem tratar várias doenças nomeadamente os factores de coagulação nas transfusões de plasma. Uma vez que os hospitais gastam milhares de euros na importação destes constituintes, não seria viável criar-se em Portugal uma indústria que nos tornasse também auto-suficientes a este nível?

Melhores cumprimentos,

Filipe Oliveira

rita disse...

Boa tarde,

Então significa que qq pessoa pode ser contaminada com o virus HIV de um dador que foi contaminado há poucos dias!!!???

rita disse...

Boa tarde,

Então significa que qq pessoa que receba uma transfusão de sangue pode ficar contaminada pelo HIV se o dador, não sabendo, foi contaminado poucos dias antes com o respectivo virus!!!???

Mário disse...

Boa tarde. Sou dador há alguns anos e gostava de saber se é possível o dador vir a ter informação sobre a rastreabilidade da sua dádiva. Era capaz de ser um grande incentivo para dádivas futuras. Obrigado.

Joel disse...

Sou dador de sangue a 7 anos. E pergunto, uma vez que estamos numa era cada vez mais cooperativa, porque o IPS não se junta à causa de recolha de sangue para ser dador de medula?? Eu gostava de pertencer ao banco de dados de dador de medula e não sei onde ir... O IPS faz recolhas junto a universidades, porque não fazem recolhas para dadores de medula?

Obrigado

João Fernandes

Espinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
sophia disse...

Sou mãe de uma criança com uma doença metabólica, consequentemente sou portadora da mesma doença, a Fenilcetonúria. Ser portador de uma doença D.M.H.P., constitui um impedimento para ser dadora tanto de de sangue como de medula?

Gigi disse...

Fiquei agora chocada com as informações que ouvi sobre as anílises que fazem ao sangue antes de chegar ao receptor.

Fui sujeita a um transplante de medula e durante os tratamentos necessitei de várias transfusões de sangue e de plaquetas. Na altura tive de assinar documentos para aceitar as transfusões, mas foi-me garantido que todo o sangue era testado e que era 100% seguro.

Vejo agora que tal não é verdade, é supostamente seguro, mas não 100%.

Quem se responsabiza para o caso de algo correr mal?

Nuno Miguel Lopes disse...

Boa tarde Fernanda.

Tenho uma dúvida que gostaria de ver esclarecida pela Dra. Leonilde Outurelo ou pelo Dr. Joaquim Moreira Alves.

Há menos de 2 meses fui ao IPO de Lisboa para me inscrever como dador de medúla óssea. Como parte do procedimento, retiraram-me dois frasquinhos de sangue para amostra. No site do Instituto Português do Sangue, diz que o intervalo para dar sangue é de 3 meses para os homens e 4 meses para as mulheres.

Gostaria de me constituir como dador de sangue e o que quero saber é se, por me terem retirado sangue há menos de 2 meses (ainda que uma pequena quantidade), terei de esperar até perfazer os 3 meses para dar sangue. Já contactei o Instituto Português do Sangue por e-mail com esta dúvida, mas a resposta não foi concreta.

Obrigado e parabéns pelo programa.

Espinha disse...

Cara Rita,

o sangue dos novos dadores são sujeitos a testes rigorosos inclusivé a detecção de hiv, nos casos em que o hiv não é detectado mas poderá estar em período de latencia o sangue é sujeito a um período de quarentena para salvaguardar que o hiv seja detectado no caso de estar nesse estado de latencia no momento da colheita de sangue. Não se preocupe pois a transfusão de sangue hoje em dia é um processo extremamente seguro ;)

Ana O' disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Espinha disse...

Caro João Fernandes,

procure os centros de histocompatibilidade da região onde vive, centro de histocompatibilidade do norte, centro ou sul. Nesses centros procederão aos testes necessários e será inscrito, caso seja considerado saudável, como possível dador de medula. Bem haja pela sua vontade de ajudar ;)

Ana O' disse...

Boa tarde a todos!

Em primeiro lugar, parabéns pelo programa que aborda mais uma vez um tema muito importante para todos nós e interessante.

Tenho uma dúvida em relação à dádiva de sangue que talvez possam esclarecer... Tenho uma certa tendência a desmaiar, nunca foi diagnosticada a origem desses desmaios (poderá ser um problema de tiróide mas nada confirmado), no entanto já não desmaio com a mesma frequência que há 10 anos atrás (menos de uma vez por ano, contra várias vezes por ano há 10 anos atrás). Será isso uma contra-indicação para poder dar sangue, porque tirando isso tenho muita saúde felizmente?

Cumprimentos a todos,
Ana

Espinha disse...

Caro Mario, relativamente à rastreabilidade, poderá apenas saber os resultados das suas análises. Por motivos de confidencialidade e valores éticos não é possível saber a quem foi fornecido o seu sangue, contudo é muito gratificante saber que ajudou a vida de alguém mesmo não sabendo quem foi e é louvável o facto de continuar a ser dador. Bem haja ;)

Sofia disse...

Boa tarde,

Tenho uma dúvida, que gostaria de ser esclarecida.
Tal como a marioria da população tenho alergias e por vezes tenho a necessidade de recorrer a anti-histaminicos para ficar minimamente bem.
Sou dadora de sangue e das 5 vezes que fui para dar, fui recusada 3 vezes, por ter tomado anti-histaminicos á menos de 3 meses(salvo erro).
Será que me poderiam explicar o porquê? Quais os efeitos de um anti-histaminico no sangue dado?

Shanti disse...

Boa tarde,
porque não são adoptadas técnicas de filtragem e reutilização do próprio sangue durante as operações, como forma de nminimizar as transfusões e consequentemente os riscos inerentes às transfusões?
obrigada, Sandra Duarte

Luis Belo disse...

Boa tarde,

Sou deficiente motor, distonia generalizada e tenho 34 anos. Posso de dador de sangue?

Parabéns pelo programa

Espinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvia disse...

Boa Tarde,

Tenho 20 anos, tenho eplepsia cerebral e tomo medicamentos para isso, gostaria de saber porquê não posso ser dadora de sangue?

Tal como a minha mãe que têm 56 anos e é hipertensa, mas não toma qualquer medicamento, porém tirou o utero e os ovários.

Gostaria que no programa falassem mais sobre quem pode ou não ser dador de sangue.

Obrigada

Raquel Sofia disse...

Boa Tarde,

Fui operada a tiroide, posso ser dadora?

Outra questão: é necessário ir em jejum para a dádiva?

lipeseven disse...

Boa tarde, eu sendo hipertenso medicado posso ser dador de sangue?
Rui Sousa
Trofa

Espinha disse...

Caro Nuno Miguel Lopes, a quantidade de sangue que retirou no IPO não é de todo significativa para o impedir de ser dador de sangue. A quantidade da dávida essa sim é significativa, ainda que não seja prejudicial ao dador, mas é necessária uma reposição que exige um tempo de espera na ordem dos 3 a 4 meses. Com isto, poderá ser dador no caso de preencher todos os requisitos necessários à dádiva. Um bem haja pela sua colaboração ;)

Sergio disse...

Boa tarde, tenho 29 anos e portador de Síndrome de Gilbert, será que posso ser dador?
Obrigado.

Ana O' disse...

Caro Espinha,

Obrigada pelo esclarecimento. Parece que sempre me qualifico para dadora afinal, vou informar-me melhor. E, sim, a sensação de dar é sempre fantástica ! Toda gente deveria praticar mais actos de dádiva e voluntariado, dentro das suas possibilidades. Espero que o programa tenha incentivado mais gente a dar sangue.

Cumprimentos,
Ana

Espinha disse...

Cara Sandra Duarte,

a ideia é boa :) porém em ambiente hospitalar são muitos os microrganismos que estão à espreita de uma oportunidade para nos infectar, até mesmo os profissionais de saúde que conhecem o perigo por vezes são contaminados. Por mais "limpo" que o ambiente de uma sala de cirurgia seja, existe sempre o risco desse mesmo sangue ser contaminado quando está exposto ao exterior e seria um perigo enorme voltar a "reutiliza-lo" pois poderia desencadear uma infecção generalizada num indivíduo frágil que foi sujeito a uma cirurgia... Relativamente à filtragem, assim que ela existir a humanidade estará livre de doenças do foro microbiológico pois todo o sangue doente será filtrado no exterior e reposto no organismo livre de "bicho", infelizmente a medicina ainda não está assim tão evoluída... pelo menos por enquanto ;)

Espinha disse...

Cara Raquel Sofia, vai depender de há quanto tempo foi operada e das complicações inerentes ao facto dessa intervenção à tiróide mas se se dirigir a um centro de recolha de sangue, irá ter uma consulta que lhe poderá responder a todas as suas questões. Quanto ao jejum não é necessário, bem pelo contrário, tome um bom pequeno almoço e o IPS ainda lhe oferece um lanchinho ;)

Espinha disse...

Os requisitos para serem dadores de sangue podem ser vistos em http://www.ipsangue.org/maxcontent-documento-60.html

Nuno Miguel Lopes disse...

Caro Espinha,

Muito obrigado pelo eslarecimento da minha dúvida. :)