segunda-feira, julho 5

Há profissões só para homens?

A Constituição é clara - a igualdade entre homens e mulheres é lei e é para cumprir. Mas nem sempre a legislação reflete a sociedade – a mulher continua a ser subalternizada e afastada de postos de decisão e até mesmo vedada a uma série de profissões. Dados recentes do INE e de outras fontes referem que no ensino superior elas são 65,9%, mas quando chegam ao mercado de trabalho a diferença salarial situa-se nos 20%. O desejo das organizações é atingir um equilíbrio entre géneros: atribuir responsabilidades às mulheres na esfera pública e os homens serem decisores na vida privada. Uma imagem da sociedade nos próximos anos? Como se acaba com os estereótipos?

Convidados:

Sara Falcão Casaca - Pres CIG
Sandra Ribeiro -Pres. CITE
Jorge Marques - APG
Isabel Canha - Dir. Revista Exame

16 comentários:

Gonçalo Rosa disse...

O exemplo da Biologia e da Ordem dos Biólogos é paradigmático. Apesar de existirem mais mulheres que homens inscritos nesta Ordem, os homens estão em clara maioria nos seus corpos sociais e ocupam todos os cargos de maior relevo.

Gonçalo Rosa

Viegas disse...

Existirá sempre uma divisão entre homem e mulher. Um exemplo são lojas de roupas de centro comerciais. É muito raro ver homens em lojas de roupas de mulheres. O que deveria ser ao contrario para o homem dar a sua opinião por exemplo.

Luis Viegas

João disse...

JOÃO

Teoricamente não há nenhum trabalho que o homem faça e que a mulher não consiga fazer também, apenas diferem pequenas diferenças nos resultados para um lado ou para o outro. Julgo que com o tempo haverá igualdade para os dois a nível salarial e profissional.
O que atrasa estas metas é a maneira diferente que os dois têm de ver e posicionar-se para atingir os objetivos que não e compatível, e algum orgulho do homem, claro.

Ana Ferreira disse...

Existem profissões para homens e mulheres de forma indiferenciada, infelizmente. Contudo, o que se assiste é de facto a uma desigualdade de género, ainda que a legislação tenha evoluído no sentido da paridade. Os homens ainda continuam a ocupar os cargos de poder, na sua maioria; ainda 'abafam' a representação das mulheres na actividade política e no campo profissional. Mas este deve ser um trabalho de homens e mulheres e na realidade as próprias mulheres condicionam e propiciam esta desigualdade.
Basta irmos à história para justificarmos esta sub-representação:
Factos históricos demonstram que nenhuma mulher assumiu até hoje a Presidência da República em Portugal. Depois do 25 de Abril de 1974, a função de Primeiro-Ministro foi anunciada a representantes do sexo masculino. Apenas no ano de 1979, uma mulher esteve à frente de este cargo.
Ao nível do Governo, mais especificamente da Assembleia da República, desde 1976 foram eleitos 1618 efectivos do sexo masculino e apenas 166 efectivos do sexo feminino (estudo realizado em 1998). Apesar do número de mulheres a participar, activamente, na Assembleia da República ter diminuído bruscamente, o número de deputadas neste domínio de intervenção aumentou, significativamente, entre 1995 e 1999.
No ano de 2001, registaram-se 10 homens e somente 3 mulheres no Tribunal da Constituição.
No que concerne aos Governos Regionais, refere-se que nenhuma mulher ocupou cargos na área de intervenção do poder político.
No Poder Local, há, de igual modo, uma sub-representação da mulher em todos os órgãos autárquicos e nas várias funções que os compõem. Assiste-se, também, a uma sub-representação das mulheres nos órgãos executivos e sobre-representação das mesmas em cargos deliberativos.
Contabiliza-se, de igual modo, um baixo número de mulheres nos partidos políticos, organizações sindicais e patronais, administração pública e sector privado.
Há aspectos a deliberar no campo do trabalho pago e não pago bem como no poder de decisão.
Problema de socialização, educacional...
Cabe às empresas, Estado e Sociedade Civil mudar, criar políticas e prática-las de forma equilibrada...

Sociedade Civil disse...

Resido em Setúbal, e há coisa de 16 anos o meu irmão iniciou um negocio de chaves e fechaduras, eu na altura com 18 anos fui para lá trabalhar. Aprendi a fazer chaves e a reparar fechaduras. Lembro-me que na generalidade os homens ficávam a olhar dezenas de vezes para as chaves a ver se estavam iguais ( se por acaso entendessem do assunto) Muito engraçado...... Posso dizer tambem que na altura fui a 1ª mulher em Setúbal a fazer chaves.

Tania Charneca

Pedro_D disse...

Eu concordo que somos todos iguais, e que merecemos ser tratados e respeitados da mesma forma. Mas podem me achar retrógado, mas que há uma diferença entre a natureza femenina e masculina e não falo da vertente física, que é óbvia a todos. Mas homens e mulheres têm uma maneira de ser muito própria de ser, não concordo com essa politiquice correcta de forçar uma igualdade que ñ existe, isso sim é uma hipócrisia. Pois devemos a exaltar a diferença, e não ver nisso um problema ou tornar num. Porque se todos fossemos iguais, não haveria piada. Eu pelo menos, ñ achava. Mas nunca tratei mal a minha namorada e nem tem razões para achar isso, eu cozinho e faço outras tarefeas e ñ me sinto pouco masculino, mas é hipócrita ñ aceitar que há de facto diferenças entre homens e mulheres e é isso que também nos atraem ao sexo oposto, para além da vertente física. Eu adoro uma mulher, que saiba ser Mulher, que seja lutadora e assertiva, que nunca perca a sua feminilidade e hoje em dia, isso se vêm perdendo.

juanna Inês Pontes disse...

Não há profissões para homem, assim como não há profissões exclusivas para mulheres. As profissões não possuem uma etiqueta, nem as mulheres nasceram com a etiqueta a dizer "sou cozinheira e excelente cerzideira." No entanto, quer queiramos quer não há profissões mais propícias para os homems onde as mulheres dificilmente são beneficiadas (ex. mecânico, construtor de automóveis, pintor, engenheiro civil, fuzileiro, director banacário, piloto de automóveis/motas, electrotecnico). Quer queiramos, quer não: os homens são diferentes das mulheres e possuem mais vantagens na maioria das actividades comuns (advogados, empresários, médicos, engenheiros,futebolistas, etc.). Os meus possuem mais jeito para a forma (nmúmero), as mulheres para o conteúdo! Toda a vida foi assim... o único desporto em que as mulheres se batem directamente com os homens e em total igualdade (vencem com frequencia homens ou mulheres) é no Hipismo.

Antístenes disse...

Boa tarde,
sou homem e gostaria de dar exemplos de discriminação contra homens.

Estando desempregado, fico em casa a cuidar dos meus filhos para além de outras tarefas: fazer compras, lavagens, comida, etc.
Ora, quando eu menciono "estar em casa" sou logo olhado de lado.

Pior: o Banco de Portugal nem sequer admite essa possibilidade!

Para pertencer à administração do prédio, teria de apresentar um documento duma entidade empregadora ou do IEFP, e eu não tenho qualquer relação com qualquer deles!

Outros exemplos:
é frequente ver locais de comércio com vagas para "senhoras" - cafés ou lavandarias, por exemplo - mas não aceitam um homem.

E o que dizer de empregos de cozinha - apesar dos cozinheiros famosos - ou de secretariado?

Mas, na minha opinião, pior é a discriminação de idades, que se encontra muito facilmente nos anúncios de emprego.

Pedro

pusich disse...

Olá Boa tarde :)

Venho por este meio prestar um destemunho da minha trisavó que no tempo da monarquia já fazia diferença no trabalho entre homens e mulheres.

"Antonia Gestrudes Pusich, católica e monárquica convicta,foi uma mulher fora do seu tempo.De Cultura invulgar,informada, conhecedora de várias linguas, poetisa,escritora com uma forte faceta de pedagoga e interveniente na vida social, fundou varios jornais tornando-se a primeira jornalista portuguesa, a defender e a assinar as suas ideias pela valorizaçao das mulheres. Fê-lo decadas antes do aparecimento das primeiras republicanas. " in Noticias magazine

Como os genes sao fortes..as mulheres da nossa familia sempre se destacaram,por fazerem a diferença nesta sociedade. Penso que na verdade, mesmo havendo diferença, entre as capacidades fisicas do homem e mulher hoje em dia a tecnologia já dilui em muito esse falha muscular! :) A nivel intelectual, sinceramente nao deveria haver diferenças já que se provou mais que provado que a competencia numa mulher para gerir, organizar, elaborar, é igual á do homem. Um abraços e felicidades para o programa.

Vanda pereira Cabral Esquível

Antístenes disse...

Mais uma coisa:
se eu disser no CV, ou numa entrevista, que estive em casa a cuidar dos filhos, serei logo eliminado!
Pura e simplesmente!

Pedro_D disse...

Eu tenho sobrinhos de ambos os sexos e nunca houve impingimento de nada, nem nas cores e nem nos brinquedos, tive presente no seu crescimento desde de bébé de colo a teenagers e acho que muitos ditos doutores que ñ são pais, dissem que há impigimento, quando alguns casos ñ há. Eu constatei que mesmo sem imposição de brinquedos e cores, tenho 2 sobrinhas e 2 sobrinhos, elas tiveram tendência para as cores claras, brincadeiras com bonecas, que promovam a sociabilidade e ñ são de cariz violento. Os rapazes são mais competitivos e gostam de carros, mas o que achei giro, foi a contradição dos doutores, são as próprias crianças que se definem entre menino e menina. Acho negativo, se forçar uma homogenidade, uma sociedade onde só se respeita, se fores igual a mim e pensares como eu, sou frontalmente contra. Não sou machista e nunca fui, se fosse, levava na cabeça. Cada vez vejo mais, mulheres a se portarem como homens e homens a se portarem como mulheres. Eu sou homem e gosto do o ser, mas me obrigarem a pensar e agir como uma, isso ñ. Não gosto de sociedades andrógenas. Se matamos o que significa o que é ser humano, ser homem e mulher e reduzirmos tudo ao pacote físico, acho que como sociedade ñ vamos durar muito.

Ana Ferreira disse...

Existem profissões para homens e mulheres de forma indiferenciada, infelizmente.

Correcção:

Existem profissões para homens e mulheres de forma diferenciada, infelizmente.

Marta disse...

Estas diferenças também se podem verificar no acesso ensino superior. Há cursos mais propícios para homens e outros para mulheres. Contudo, tem-se vindo a verificar alterações.
Por exemplo, há mais mulheres a concorrer às áreas de engenharias do que havia antes, já que esta área é mais para "homens". =(
Acho que Nós, Mulheres, se quisermos, conseguimos fazer tudo o que os homens fazem (e o contrário também pode ser possível, ou seja, os homens fazerem o que nós sabemos fazer!).
Este tema foi discutido nas aulas de Sociologia do Trabalho e da Empresa, cadeira dada pela professora Sara Falcão, a quem mando um grande beijinho.

Marta Branco

Edgar disse...

Como é que colocar uma rapariga a saber usar a bússola promove a igualdade e o rapaz perpetua os preconceitos transmitidos de geração em geração?

Numa sociedade com igualdade entre sexos nunca podia ser ele o único a saber usar uma bússola? Igualdade é mesmo isso, os dois tinham igual probabilidade de saber usa-la e calhou a ele. Por vezes a desigualdade está nos olhos de quem vê.

gorete disse...

ola eu tou divorciada e vivo sozinha com o meu filho,mudei d casa a pouco tempo e tive que fazer coisas em casa que seria mais provavel ser um homem a fazer e quando digo que fui eu que fiz fica tudo a olhar pra mim.sintome descriminada mts vezes porque sou indepemdente(n vivo com um homem), fumo e bebo quando saio a noite com as amigas e por vezes ouco comentarios do tipo deve ser lesbica isto porque n dependo de um homem para sustentar a minha casa e o meu filho.

boa tarde e obrigado pela atencao.

Patrícia disse...

Trabalho numa emprea maioritariamente de homens e embora seja provavelmente a pessoa com o maior nível de escolaridade em termos monetários sou basicamente equiparada a um homem com o 9º ano de escolaridade. Não é de todo por falta de empenho, dinamismo, criatividade e simplesmente uma discriminação de género. Ainda vivemos, infelizmente a ideia de que o homem como chefe de família tem que ganhar mais que uma mulher, mesmo que esta tenha competências técnicas e emocionais bastante superiores. É bastante injusto.
Estamos tão longe da equiparação de géneros. Para dar um exemplo, se eu for com a minha empresa para uma feira técnica, o meu papel é de "enfeite"... Obrigada pelo programa.