terça-feira, julho 6

Rir contra a crise

Há quem diga que “rir é o melhor remédio”. Já em 2008 um grupo de espanhóis juntou-se em Madrid com narizes de palhaço promovendo umas horas de “terapia do riso contra a crise”; Será que umas boas gargalhadas fazem esquecer aquilo que nos atormenta? Serão nomes como os de Luis Filipe Borges, Pedro Fernandes, Filomena Cautela, Fernando Alvim e Nilton mais importantes para o bem-estar da nação do que os do Ministro das Finanças, da economia ou até mesmo de José Sócrates? A aposta da RTP2 no Humor será a estratégia afinal para aumentar o nosso PIF: Produto Interno de Felicidade?

Convidados:
Luís Filipe Borges
Pedro Fernandes
Filomena Cautela
Fernando Alvim
Nilton

32 comentários:

Gil disse...

O 5 para a meia-noite às 14 horas...Os elementos que mais contribuem para que a crise seja levada com uma forma mais ligeira...Não podiam ter arranjado melhores convidados...
BJS E ABRAÇOS

Tino_Lomboy disse...

lamento ponham isto no ar, se o país depende do 5 para a meia noite para rir e ser feliz estamos condenados ao mesmo. pessoalmente continuo a depender do made in GB para mostrar os dentes, honestamente insinuar que o humor português é sequer próximo do razoável é um assombro.

zoup disse...

http://messsineto.tk/

Frank aka Pakko disse...

Melhor comentário para começar:
6 pessoas fantásticas na tv ao mesmo tempo!!!!!
Parabéns a todos

Tino_Lomboy disse...

optimo fernando alvim, comigo sucede-se o contrário. faço zapping à procura de algo que me faça rir e acabo sempre a chorar ao constatar que sou descendente de uma sociedade que nao consegue ser eficiente em absolutamente nada

Maria Bettencourt Lemos disse...

Os Jovens identificam-se com o programa "5 para a meia noite" e são ferverosos adeptos o que terá certamente um importante significado nomeadamente quando se fala de universitários...eu não sou jovem mas também sou adepta..parabéns a todos pelo programa excepcional que fazem!
Maria Lemos

João disse...

JOÃO

Gostaria de deixar um desafio aos humoristas em Portugal que têm programas na TV em criar uma linha para que os portugueses digam que tipo de humor gostam e que tipo de pessoas ou situações lhe dão mais piada.
Isto serviria para "refinar" o humor em Portugal.

Tino_Lomboy disse...

piada homófobas e xenófobas por outro lado são completamente aceitáveis. o super ego do alvim nao filtra essas coisas.

Óscar Gil disse...

Olá muito boa tarde a todos.
Na minha opinião o humor é essencial à vida, é a rir que se ultrapassam os problemas. O humor é também uma forma de facilitar a convivío com os outros, por exemplo no meu caso costumo andar sempre contente e mandar as minhas piadas e os meus colegas perguntam-me como é que consigo estar às 8 da manhã, mas passado pouco tempo estão todos a rir-se e a esquecer que se levantaram cedo para ter um dia fantástico de aulas, ou não, pois o humor é a melhor arma para combater as adversidades...
Viva o 5 para a meia-noite, viva o Sociedade Civil, resumindo viva a RTP2...e logo à noite estarei a ver o Alvim a levar o tema do programa sempre para o mesmo assunto: sexo!!!
Beijos e Abraços

Marco Azevedo disse...

Olá Boa Tarde,

De facto RIR é o melhor remédio.
Ai se muita gente pudesse pagar a prestação da casa, do carro ou da viagem de sonho com uma boa "gargalhada" perante o seu gestor de conta, não havia tanta família endividada. A conta dos ansiolíticos baixava e toda a gente AMAVA O PRÓXIMO.

PS: Fernanda peça ao Pedro que faça em directo o MUCHO MOCHE.

Cumprimentos,

Eduardo disse...

Olá!
Para mim o rir é sem dúvida o melhor remédio para a crise. Hoje em dia quando falamos de assuntos delicados (como a crise do nosso país) adoptamos sempre um lado cómico do assunto, se não fosse isso andaria toda a gente com depressão (apesar de já não faltar muito). Mas ainda existem pessoas que gostam de animar o país, é o caso de Cristiano Ronaldo com o seu novo filho.


P.S. Quero uma t-shirt do Amo Você
e um livro do Boinas:D

Inês Brito disse...

Esse grande grupo de senhoras, segundo a Filomena, ontem no programa, conseguiu preencher um espaço necessário na tv nacional e um espaço necessário na vida de muita gente. Falo numa prespectiva mais pessoal, na qual senti a minha vida mudar de um momento para o outro. E não estou a exagerar. Desde a criação do blogue de fãs e da obrigação moral, da minha parte, de o manter até à realização de enventos impensaveis, como o Flash-Mob nos Aliados em que a Fernanda marcou presença, entre outros. Só tenho a agradecer a humildade de todos e a vontade de fazer mais e melhor a cada dia que passa.

drogado disse...

So quero perguntar uma coisa ao Nilton .... Pagas o que deves ?

Lúcia disse...

Boa tarde,

Sem dúvida que o humor é fundamental para lidar com a(s) crise(s) que vão surgindo, não apenas por proporcionar boas gargalhadas, entretenimento e distracção, mas sobretudo por ajudar a "exorcizar" o que de mal existe dentro de nós e na sociedade, apontando o dedo e fazendo-nos tomar consciência de quem somos e de como vivemos.

O papel do humor como crítica social fará sempre parte da sociedade, seja na literatura, na rádio, na televisão ou qualquer outro meio de comunicação.

Parabéns pelo programa e muitas gargalhadas!

Pegasus disse...

Olá a todos,

Gosto muito do programa dos 5 convidados, com o seu diferente humor. E por acaso até gosto que o "5 para a meia noite" passe à meia noite e meia ;)

Um pequeno comentário quanto ao tema do programa:
Acho que o principal problema dos portugueses é não perceberem as piadas que são feitas.
Sempre que vejo programas de humor com amigos reparo nisso, há sempre alguém (quando não mesmo muitos) que não percebem a piada ou piadas ditas.
O melhor exemplo passou-se ainda à instantes com a piada que o convidado fez com os alentejanos.
Aqui onde estou houve pessoas que pensaram logo que estavam a dizer "mal" dos alentejanos, vindo até com comentários do tipo: "Aqueles ca... que estão ali à sombra a gozar com o povo alentejano, povo trabalhador e que tanto sofre com o sol..."
Só depois de eu explicar realmente a piada é que perceberam e acharam graça e perceberam que a piada foi contra o jornal, contra o artigo, e não contra os alentejanos.

Este é apenas um exemplo do que se passa com muitos outros programas.

Bjs e abraços e felicidades para todos.

Venham as piadas rápidas...
Venham as piadas inteligentes...
Venham as piadas "negras"...
Venha humor para alegrar este povo que se orgulha de ter como musica do coração o "fado"...

Job disse...

NESTES ANOS TODOS DE EMISSAO GOSTAVA DE PERGUNTAR AO ALVIM SE ELE CONSIDERA A PROVA ORAL, PARA MIM "O PROGRAMA" MAIS COMICO DE TODA A TV E RADIO, UM PROGRAMA DE HUMOR? mt obrigado

Ritinha disse...

Tal como a Filomena sou contra o humor negro, até porque já fui vítima dele. Sou disléxica, não é que isso seja um problema grave, nem eu me sinto complexada por sofrer dele. Porém quando não gostamos de uma piada "negra" somos acusados de falta de humor.
A sorte é que há humoristas como os convidados de hoje que fazem muita gente feliz!

Vitor disse...

Melhor que uma boa gargalhada, só um bom coito :)

Vitor Oliveira

fernando miguel disse...

Boa tarde.
hoje conseguiram reunir os melhores humuristas do nosso país. excelentes!
Acabei e ouvir um comentário agora por não ter dito uma piada sobre o fim do 24 horas, pois sentiu-se mal. pois bem, Tive pena de ter visto uma piada com a GNR. Aparecia um GNR com uma trela. Pena

Beta disse...

Estou a assistir ao programa,aliás sou uma vossa expectadora assídua e hoje, mais do que nunca, senti vontade de contar a minha experiência, na medida em que o tema tem a ver com essa minha experiência: Tenho um filho deficiente, ou melhor tenho um filho diferente e especial.Ele tem um mundo muito próprio,não entende os vários condicionalismos a que estamos sujeitos no nosso quotidiano - as regras que nos movem, o saber esperar, o estar em silêncio, enfim são imensos... Este facto arrasta-nos para situações terríveis e de tal modo embaraçosas que não podemos reagir doutra forma senão rir. E digo-vos, transformamos grandes momentos em autênticas histórias elariantes. Aliás há amigos que nos perguntam: Então e qual é a história que hoje o Rodrigo vos fez viver? Poderia ser dramático, mas garanto-vos que rir destes nossos pequenos dramas é muito, muito mais fgácil.
Obrigada pela vossa atenção e um abraço enorme para todos aí presentes.
Mãe do Rodrigo

David Almeida disse...

Boa tarde Sociedade Cívil e convidados. Eu acho que realmente se deve rir para "melhorar" esta crise, pois tal como o Nilton disse é melhor rir da crise do que chorar.

Joa de Arievilo disse...

Rir não é o melhor remédio. Assim como nada é o remédio para tudo, tudo é relativo.
Estamos no tempo das frases feitas, da generalização.

É lógico que enquanto estivermos a rir, choramos menos. Mas os problemas resolvem-se resolvendo-os; ou aceitando-os, compreendendo-os.

A morte recente pode ser humorada, Há pessoas que nem morrem, exemplo: Saramago no céu.

http://joacartoons.blogspot.com/

Doutor Berbigão disse...

É essencial para o povo Português o humor, ainda para mais em épocas de crise como a que passamos.
5 para a meia noite, lado B, entre outros, penso que basta de programas sem qualquer conteúdo formativo ou cultural.
A preservativa de lucro para as estações televisivas é importante mas acima de tudo é mais importante informar e entreter de forma inteligente.

Nelo disse...

Sabem o que é que o realizador disse ao Pedro Abrunhosa depois de ele cair em directo?? Levanta-te e ri!! Parabéns a essa Turma super bem disposta e inteligente... fazem bem à vida!!!

Miguel Fonseca disse...

aqui vai uma de humor negro

Era uma maternidade muito pobre. Tão pobre e mal equipada que não tinha sequer uma balança para pesar os bebês que nasciam. Um dia, uma mãe quis saber o peso do recém-nascido e o jeito foi o pai levar o bebê para pesar no açougue do outro lado da rua. O pai chegou lá e explicou o que queria: saber o peso do bebezinho. O açougueiro pegou o bebezinho com muito cuidado e levou ele lá pra trás do balcão. Alguns minutos depois ele voltou:

- Um quilo e meio, bem pesado. Sem ossos.

disse...

Todos os cinco são humoristas de grande calibre.
Há que salientar, em especial, a Filomena que parece ter o humor enraizado no seu corpo, uma vez que sendo mulher consegue e com grande audacia captar tanto ou ainda mais que um homem!

adoro-os

santosesantos disse...

Na minha opinião rir faz bem a tudo e contra tudo o que nos faz mal ainda faz melhor... Crise é a palavra mais usada para definir o insuceso de muitos... só mesmo uma crise me faria rir tanto.

SS

Carolina Rito disse...

Boa tarde,
Gostaria de saber se é possível enviar divulgação cultural para ser divulgado no vosso programa?
Obrigada
Carolina Rito

Patogênico disse...

Tema engraçado, especialmente numa altura em que a tristeza está a invadir, ainda mais, o nosso dia-a-dia. Se a solução passa por rir mais, não sei, mas o que sei é que não é necessário gozar o "vizinho" para ter piada.

A meu ver, o humor português peca porque ainda existe o estigma que para se ter piada é preciso criticar, quando está mais que provado, que o melhor humor, ou aquele que mais vende, é exactamente o oposto... Basta ver o exemplo de algumas series que estão a ser feitas lá fora (não, não estou a minimizar o que os nossos humoristas fazem, apenas a chamar à atenção que existem alternativas melhores à forma de "fazer humor")

Patogênico disse...

Aproveito igualmente para deixar os parabéns por mais um assunto bem tratado e ter juntado todos esses humoristas portugueses, no entanto, penso que poderia ter havido um pouco mais de diversidade no que a convidados diz respeito.

Penso que teria sido bastante relevante ter tido um sociologo/psicoloco como convidado, para nos ajudar a perceber alguns pontos relevantes sobre o impacto da boa disposição ou falta dela, na sociedade.

Pedro_D disse...

Sempre, a melhor forma para combater qualquer crise e depresão é rir e praticar o sexo, não há nada melhor que este dois. Quer disser, para quem é bom garfo, comer um bom prato e delicioso, também ajuda!!!!

Jose disse...

Gostava de salientar uma questão que foi levantada pela humorista Filomena Cautela e que considero particularmente interessante: o papel das humoristas na sociedade portuguesa.
Tanto a apresentadora, como Maria Rueff continuam a ser uma minoria neste universo, temos de ter em conta que o humor ao longo da história foi uma arma, pois o humor desperta a inteligência, nomeadamente na liberdade de criticar e de rir de situações absurdas que todos temos mas que o humorista reúne em si mesmo. O humor é um meio de despertar consciências e daí a preocupação dos governantes,muitas vezes, em vigiar e restringir estas manifestações, pois o humor também tem a propriedade de se difundir muito rapidamente. A partir daí se quiserem aplicar este princípio à actual situação da mulher na sociedade poderá haver alguma lógica, ou então existem pura e simplesmente menos mulheres humoristas :)

Felicidades e continuem com o bom trabalho que têm desenvolvido