segunda-feira, novembro 15

Alimentos fora do prazo

Consumir alimentos fora de prazo é seguro?
Quantos de nós em caso de dúvida não hesitamos e mandamos os alimentos fora do prazo para o lixo. Será desperdício ou estaremos a proteger a nossa segurança alimentar?
As expressões “consumir até..” ou “de preferência…” podem suscitar muitas dúvidas e na maioria das vezes vão parar ao caixote do lixo.
Mas muitos destes alimentos (bolachas, chocolates e conservas) podem estar ainda em condições de serem consumidos. E como saber? Pela cor, pelo cheiro ou pelo sabor?
Numa altura em que é urgente poupar, será que o consumo de alimentos fora de prazo por ser uma opção segura?

Convidados:
Conceição Hogg, Docente da Escola Superior de Biotecnologia da UCP – Porto
Pedro Queiroz, Diretor-Geral Fipa
Catarina Durão, Nutricionista APN
José Manuel Esteves, Secretário-Geral AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal

4 comentários:

Pedro Arunca disse...

Como se justifica que um pão caseiro (estou a pensar num delicioso pão alentejano)dure uma ou duas semanas e pães (de Mafra?), vendidos numa rede de supermercados conhecida, dure menos de 4 dias e ganhe bolores de cores estranhas (amarela ou rosa) ainda dentro dos prazos de validade indicados?

Obrigado

lipeseven disse...

Boa tarde, gostaria de saber se é verdade que os refrigerantes, mesmo os gaseificados, tem uma garantia de estarem consumiveis apos 4, 6 meses da expeiração da validade.obrigado

Carlos Alberto disse...

Se uma lata de conserva, quer seja de peixe, carne ou de legumes estiver amolgada, o que se deve fazer? Pode ser consumida ou não?

Zeta Draco disse...

As datas de validade são completamente subjectivas e estão subordinadas aos interesses económicos dos grandes productores e retalhistas, que só ganham com o curto prazo de vida dos productos nas prateleiras. O desperdício não importa, apenas o lucro. O resto é conversa de políticos e pseudo-cientistas vendidos aos interesses dos acima mencionados agentes económicos, que usam o seu poder e jargão para assustar a população. Se não, façam como ro Reino Unido, onde se podem legalmente vender productos expirados, desde que claramente assinalados como tal. Eu fartei-me de os comer e nunca tive a menor dor de barriga.