quarta-feira, janeiro 12

Antidepressivo é placebo?

O debate já é antigo, mas a questão continua atual.
Seria adequado ministrar um placebo numa depressão minor? Num momento em que um em cada cinco portugueses sofre de depressão, é preciso falar verdade e saber de forma científica quais os exactos efeitos dos anti-depressivos nos doentes.
Será que se pode curar uma depressão sem medicamentos? Em comparação com dados de outros seis países europeus, Portugal é o que tem a prevalência mais alta de depressão, com números que se aproximam dos EUA. Porquê?

Convidados:
Manuel Coutinho, Psicólogo Clínico, Secretário-Geral IAC, Coordenador SOS Criança
Isabel Vitória, Profª de Farmacologia na Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra e representante da Ordem dos Farmacêuticos
Pedro Varandas, Médico Psiquiatra, Secretário-Geral da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental
Maria do Céu Santo, Médica Ginecologista e Obstetra

16 comentários:

João disse...

João

Acho que tem tudo a ver com as necessidades nutricionais e não só do corpo humano. África é um continente pobre e no entanto são bafejados pelo maior anti-depressivo natural, o Sol e os números de depressão são reduzidos. Se calhar estaria na altura da medicina alternativa fazer parte do leque de opções por parte dos médicos, no início de algumas situações.

Martinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Geogalhano disse...

Os médicos, na sua maioria não têm sensibilidade nem têm tempo suficiente com um doente para diagnosticar uma depressão. Tentam atribuir a causas sempre examináveis.A mim, foi um neurocirurgião que me diagnosticou uma depressão, inicialmente receitou-me uma medicação que me deixava a dormir todo o dia, mas dada a minha actividade de Professor "não me podia dar a esse luxo".Agora estou apenas com paroxetina, mas não sinto melhoras. É essa tal dor na alma, cefaleias, o ver um filme e começar a chorar,são as cefaleias e a falta de concentração.Estou a efectuar uma dissertação de PhD mas não a consigo acabar, sento-me ao computador e nada sai.Não sei mais o que fazer.Falar a colegas está fora de questão, pois é a tal fraqueza que fica a transparecer e às vezes até incompetência.Tento sair de casa, mas por vezes só tenho vontade de dormir, dormir durante dias...Obrigado pelo programa.
Carlos Galhano

paula disse...

Felicito o programa pelo serviço público que presta e pelo interesse do tema.
Gostaria que me esclarecessem sobre depressão no idoso. o Meu pai de 72 anos está a ser medicado ( há 6 meses) com Cypralex ( 1 comprimido de 20 mg)e sedioxil ( 1 comp )pelo psiquiatra pela grande ansiedade que sente, mas não temos notado melhorias: vive grandes momentos de ansiedade, mas o pensamento e fala estão mais arrastados e lentos assim como a coordenação de movimentos, quedas frequentes. Será que está a ser bem medicado ? Sei que não devo suspender mas o meu receio é estar a afectar a sua lucidez mental. Obrigada

paula disse...

Felicito o programa pelo serviço público que presta e pelo interesse do tema.
Gostaria que me esclarecessem sobre depressão no idoso. o Meu pai de 72 anos está a ser medicado ( há 6 meses) com Cypralex ( 1 comprimido de 20 mg)e sedioxil ( 1 comp )pelo psiquiatra pela grande ansiedade que sente, mas não temos notado melhorias: vive grandes momentos de ansiedade, mas o pensamento e fala estão mais arrastados e lentos assim como a coordenação de movimentos, quedas frequentes. Será que está a ser bem medicado ? Sei que não devo suspender mas o meu receio é estar a afectar a sua lucidez mental. Obrigada

Vitor disse...

Costumo dizer que actualmente vivemos numa "sociedade Prozac". A utilização de antidepressivos tem sido extremamente banalizada e o seu consumo alvo de facilitismos. Penso que muitas vezes as pessoas (em particular jovens)transformam os seus problemas num circulo vicioso e não procuram uma saída lógica sem antidrepressivos, acontece que frequentemente o caminho para o recurso a estes medicamentos não é necessário. A sociedade portuguesa é uma das que mais consome antidrepressivos isto poderá ter a ver com a sociedade portuguesa em si? A crise económica pode ser culpada por esta falta de força psicológica dos portugueses, para a sua solução ser o recurso a estes medicamentos?

Diana Coelho

Miguel disse...

Boa tarde,

As pessoas são dotadas de metonímia, bipolaridade e sofisma, porque o entendimento está errado em face da interpretação aleatória das palavras que não acompanhou a chegada da economia do conhecimento. A maioria das palavras dos dicionários já está pois fora da prática e do entendimento.

Mas, sobretudo, em face do regime de direito subversivo, onde a responsabilidade das pessoas foi retirada e onde só existem grupos e máfias políticas. Só os estrangeiros podem ter direitos por causa do processo de in-colonização e do NN-Nazismo Negro e escondido sob a capa de fé-pública.

Os tribunais são redes de crime organizado das suas próprias famílias no exterior, disse a PJ em 2003, no âmbito do processo 509/00.6TASXL, onde uma associação de jovens inventores foi eliminada por uma rede terrorista instalada na Margem Sul, auto-financiada pela CM Seixal.

Ou seja, Todo o país é entregue ao produto estrangeiro, ninguém pode ter oportunidades. As PPP's escravizam toda a população uma vez que somos obrigados a uma saúde fictícia em função dos donos das clínicas que querem o lucro ao segundo para o lavar no futebol.

Por outro lado a função-pública e os tribunais têm contas paralelas para dar dinheiro aos partidos, estando a obrar taxas e IRS através de falsificação da interpretação das leis (criadas em circulares pelos sindicalistas.


Miguel Meireles

Luís disse...

Olá sou um jovem com 35 anos e estou a chegar a um momento da vida que me sinto quase em panico...Sinto-me deprimido,ancioso,frustrado por não conseguir encontrar a felicidade com a auto estima muito em baixo e cada vez estou mais isolado da sociedade por vários motivos.Procuro ajuda,mas não sei se devo ir a um psiquiatra ou psicologo,também não tenho muito dinheiro para gastar.Existe algum sitio no Algarve onde possa recorrer e que seja mais adequado à minha situação ? Obrigado

Daniel disse...

Acho que seria optimo como tema para o programa, a Doença vitiligo e todos os efeitos que têm na vida de uma pessoa tais como a depressão, etc...
Infelizmente em Portugal verifico que dão mais atenção à psoríase e muito pouca atenção ao Vitiligo.

Helena disse...

Olá boa tarde.
Tenho 44 anos e tenho andado com uma depressão (não diagnosticada) sem justificação aparente.
Será que já entrei na menopausa?
Continuo a menstruar mas com muto pouco fluxo.
Como posso saber se já entrei? Quais são os sintomas?
Obrigada

Miguel disse...

Boa tarde,

O problema é simples mas a vontade é pouca devido ao regime de ditadura e de censura actual.
O que garante o Direito ou igualitariedade:
a) Separar o objectivo da decisão nas entidades, de facto a mesma entidade recebe, analisa e decide (parcialidade e fraude total, especialmente nos tribunais, institutos e câmaras municipais). Nos tribunais de comarca o sistema é subversivo pois todos os tribunais são constituídos pelas famílias dos presidentes, vereadores e comandantes (exemplo: no Seixal, Barreiro e Setúbal). Os tribunais locais devem servir apenas para tratar dos processos e não para decidir em primeira instância. Ao decidir em primeira instância, as familórias dos magistrados fabricam os processos e criam despachos de acusação a mando do exterior como vinganças sobre denúncias, transformando as vítimas em culpados (usam os métodos proibidos de prova para acusar as pessoas). Os tribunais são essencialmente uma rede de extorsão, perseguição política e protecção a todos os crimes, mas sob a capa de fé-pública;

b) Salário mínimo, médio e máximo, se for atribuído mediante a idade ou capacidade contributiva económica do cidadão derivada da sua experiencia, e não por motivo de privilégio ou de oportunidade de estudar porque a sociedade é indivisível, ou seja, ninguém é dispensável nem indispensável pois somos todos doutores da vida;

c) A lei da prioridade, que garante a igualdade de obtenção de prioridade, não sendo prioritária a necessidade do funcionário público nem da sua família (tal como acontece agora em Portugal), excepto nos casos de dever administrativo, registando a data e número de entrada de todas as operações (pedidos, requerimentos, etc.) e cumprindo o prazo máximo de decisão ou cumprimento ou atribuição do direito, sob pena de indemnização directa e gradual à data do prejuízo;

d) Proibição do lucro pessoal e colectivo, e de captação do lucro supérfluo, sendo apenas direito a poupança no salário líquido e o lucro para investimento;

e) Salário líquido inviolável, porque é ele que garante a liberdade de escolha e a existência de classes sociais, resultantes das diferenças de comportamento;

f) Ambas as partes devem ser constituídas arguidas em processo-penal, quer para assegurar a igualdade de tratamento e quer para assegurar o cuidado com a interpretação dos factos de forma a não imputar falsamente a culpa ao inocente e, assim, criar crimes em sequência, lutas e guerras.


Obrigado

Miguel disse...

Boa tarde,

O problema é simples mas a vontade é pouca devido ao regime de ditadura e de censura actual.
O que garante o Direito ou igualitariedade:
a) Separar o objectivo da decisão nas entidades, de facto a mesma entidade recebe, analisa e decide (parcialidade e fraude total, especialmente nos tribunais, institutos e câmaras municipais). Nos tribunais de comarca o sistema é subversivo pois todos os tribunais são constituídos pelas famílias dos presidentes, vereadores e comandantes (exemplo: no Seixal, Barreiro e Setúbal). Os tribunais locais devem servir apenas para tratar dos processos e não para decidir em primeira instância. Ao decidir em primeira instância, as familórias dos magistrados fabricam os processos e criam despachos de acusação a mando do exterior como vinganças sobre denúncias, transformando as vítimas em culpados (usam os métodos proibidos de prova para acusar as pessoas). Os tribunais são essencialmente uma rede de extorsão, perseguição política e protecção a todos os crimes, mas sob a capa de fé-pública;


Continua...

Miguel disse...

b) Salário mínimo, médio e máximo, se for atribuído mediante a idade ou capacidade contributiva económica do cidadão derivada da sua experiencia, e não por motivo de privilégio ou de oportunidade de estudar porque a sociedade é indivisível, ou seja, ninguém é dispensável nem indispensável pois somos todos doutores da vida;

Continua...

Miguel disse...

c) A lei da prioridade, que garante a igualdade de obtenção de prioridade, não sendo prioritária a necessidade do funcionário público nem da sua família (tal como acontece agora em Portugal), excepto nos casos de dever administrativo, registando a data e número de entrada de todas as operações (pedidos, requerimentos, etc.) e cumprindo o prazo máximo de decisão ou cumprimento ou atribuição do direito, sob pena de indemnização directa e gradual à data do prejuízo;

continua...

Miguel disse...

d) Proibição do lucro pessoal e colectivo, e de captação do lucro supérfluo, sendo apenas direito a poupança no salário líquido e o lucro para investimento;

e) Salário líquido inviolável, porque é ele que garante a liberdade de escolha e a existência de classes sociais, resultantes das diferenças de comportamento;

f) Ambas as partes devem ser constituídas arguidas em processo-penal, quer para assegurar a igualdade de tratamento e quer para assegurar o cuidado com a interpretação dos factos de forma a não imputar falsamente a culpa ao inocente e, assim, criar crimes em sequência, lutas e guerras.


Obrigado

Teenager disse...

exite algum sitio onde possa rever o programa?
agradecia o link, ja procurei na rtp e nada