sexta-feira, maio 20

Gravidez na adolescência

Segundo um relatório que traça o perfil da saúde sexual e reprodutiva da União Europeia, a gravidez da adolescência (entre os 15 e os 19 anos), Portugal baixou os casos de gravidez na adolescência dos 12% para os 4% nos últimos 30 anos. Um dado que revela que Portugal não está entre os piores da União Europeia, mas que acima de tudo demonstra que é necessário ainda intervir bastante em assuntos relacionados com a saúde da mulher, contraceção e interrupção voluntária da gravidez. Apesar do trabalho feito até ao momento, muitos jovens portugueses desconhecem os factos mais elementares sobre a sua sexualidade, dai a premência da discussão. Pais, educadores e outras entidades juntam-se à mesa do Sociedade Civil para avaliar, propor e divulgar comportamentos adequados aos adolescentes de hoje.

Convidados:
Sónia Ventura, Coordenadora de Projetos Comunitários em Gravidez e Parentalidade Adolescente - APF
Miguel Oliveira da Silva, Médico Ginecologista e Obstetra
Patrícia Bordalo, Resp. Residência Temporária Grávidas Adolescentes - Ajuda de Mãe
Henrique Joaquim, Instituto de Ciências da Família - UCP

4 comentários:

Mizaa disse...

Olá boa tarde,o meu comentário passa pela minha própria experiência,não tive educação sexual nem em casa nem na escola,não tive nenhuma gravidez e comecei a tomar contraceptivos por iniciativa propria.
A informação existe não podemos é esperar que nos caia em cima...acho que dizer que os paises mais desenvolvidos têm menos taxa de gravidez na adolescência não é verdade pois o caso da Inglaterra é prova disso.
Obrigado e parabens para o programa.
Sofia Fernandes
31anos Vila Nova Gaia

Inês, Rafael, Telma disse...

O grupo de Área de Projecto "Gravidez na Adolescência" quer agradecer a oportunidade que nos deram de transmitir uns minutos da nossa apresentação e, desta forma, conseguimos divulgar o projecto ainda mais!

Cumprimentos de todos os elementos do grupo :)

Carla disse...

Boa tarde,
Sou licenciada em Sociologia pela Universidade do Minho estou a terminar o mestrado em Saúde e Sociedade.
A mim parece-me que os adolescentes têm várias opiniões erradas provadas em estudos: pensam que O V.I.H / S.I.D.A. é um mito inventado pelos adultos para não iniciarem a sua sexualidade.Depois existe o mito que se os jovens têm acesso a Internet por conseguinte estão informados.
Infelizmente na nossa sociedade judaico cristã o sexo ainda é visto como um pecado que deve ser feito no matrimónio. Isso aumenta a pressão e o medo de se falar de sexo. Quando deve ser visto como algo natural quando consentido, livre ( os jovens não sou forçados pelo «ainda és virgem????????????».)O sexo deve ser vivido com carinho , respeito pelo nosso corpo e do outro, rodeado de carinho e se possível com amor.
O dialogo faz com que a sexualidade se inicie mais tarde de uma forma saudável e consentida e de forma responsável.
A educação pelos pares deve ser falada pelos pais e educadores. O sexo faz parte da vida é para toda a vida.Importa ainda salientar que o sexo não se resume ao coito existe nos beijos, nos carinhos e nas relações humanas.O Homem é um ser afectivo.
Obrigado,
Boa tarde.
Mafalda Magalhães

Carla disse...

Boa tarde,

Felicito pela pertinência do tema

Gostaria de questionar o seguinte: a informação/divulgação, educação para a saúde e a dinamização feita pelos diversos técnicos para a abordagem desta temática é cada vez mais visível, desenvolvida e considero que também é de alguma forma trabalhada “com” os jovens nomeadamente afectos, tomadas de decisão ,comportamentos e no entanto a gravidez na adolescência permanece de forma elevada no nosso país…
então, o que está menos bem em todas as intervenções que são feitas ? (considerando também a diversidade e facilidade de utilização dos métodos contraceptivos)
Grata pela atenção
Teresa M