quarta-feira, setembro 13

Caça: desporto ou agressão?

A época de caça abriu no início do mês, e esse é um pretexto para discutir uma prática que uns vêem como um desporto e outros como um acto primitivo que deveria ser banido.

10 comentários:

Vitor M disse...

Parabéns pelo programa! A minha intervenção neste programa pauta-se pelo acerto da verdade. O Sr representante da FENCAÇA referiu que a Perdiz-vermelha (Alectoris rufa) foi recuperada em termos populacionais pelos caçadores, mas a realidade é precisamente o oposto. Eu trabalho em estudos moleculares das populações de Alectoris rufa portuguesas e uma das razões que levantou a necessidade destes estudos foi precisamente o declinio que a espécie sofreu aqui e noutros países, devido à caça excessiva. Adicionalmente, as reintroduções de espécimes, especificamente para serem em parte massacrados, têm também trazido problemas de introgressão genética aos indivíduos sobreviventes da espécie autóctone portuguesa.
Deixem-se de caças e evoluam para a fotografia.

Antonio Afonso disse...

Olá. Tenho a dizer que o programa de hoje faz-me alguma confusão, porque a mera hipótese de discutir a caça como um desporto é só por si ofensivo a toda a classe desportiva.
A caça actual, à semelhança de outras práticas como a Tourada, é encarada no âmbito da psquiatria como uma expressão de sadismo, reconhecida aliás por agências de investigação, como o FBI, como potencial precursor de psicopatias, quando no decurso de uma investigação.
Cumprimentos.

Joao Moura disse...

Gostava de começar por felicitar o programa que acho bastante interessante. Em segundo lugar gostava de perguntar a um dos convidados se sabe como é que quase se extinguiram as espécies de que falava como a perdiz, a cabra etc., se foi por artes mágicas ou se foi por intervenção humana, destruição de habitats, caça etc. também gostaria de saber se o mesmo convidado é contra qualquer tipo de violência, é algo que me tem estado a intrigar e que gostaria de saber.

Margarida disse...

Parabéns pelo tema!
A caça é agressão...sem dúvida
É triste que alguém possa sentir satisfação em perseguir e matar animais.
O Sr que está a representar a Fencaça devia pesquisar mais sobre o vegetarianismo, porque eu sou vegetariana e sei bem que não gasto mais dinheiro que quem não o é.

ana m. disse...

Ola. Gostaria de começar por dizer que nao sou especialmente contra a caça _ embora seja uma actividade que me causa alguma repugnancia - por considerar que, infelizmente, se passam coisas muito piores e muito mais desrespeituosas dos direitos dos animais, ao nivel da criação de animais para consumo. Basta ver como vivem e como morrem os grangos, vacas, porcos, etc...que comemos.
Mas o que realmente me fez vir deixar um comentário foi a incredulidade com que ouvi um dos convidados do programa por em causa o sofrimento animal. Eu até pensei que me tinha escapado alguma parte do que ele disse e nao tinha percebido bem, mas parece que o tal senhor punha mesmo em duvida a existencia do sofrimento animal, e não apenas emocional!! bem, brevemente: se o homem nao tivesse compreendido , muito rapidamente, que os animais sofriam, por que razao estimula os animais com esporoes, chicotes, paus ou o que lhe venha à mao, parar os fazer trabalhar? s os animais nao sofressem, nunca os poderiamos ter dominado, nao é óbvio? Nao esta provado cientificamente?! nunca ouviu flar das experiencias de Skiner?
Para alem disso a questao do sofrimento emocional tambem deixa de se pôr a toda a pessoa que já teve um cao, por exemplo. Nem tudo precisa de ser provado cientificamente.
Finalmente - e sem deixar de felicitar o programa - gostaria de sugerir que sejam mais selectivos na escolha dos convidados, porque pelo que vi, ha pessoas cujas opinioes so servem para fazer regredir o debate a questões primárias.

Anónimo disse...

Este blog e uma treta! Nao leram nenhum comentario daqui no programa!

Ricardo disse...

Parabéns pelo programa e pelo tema!

Jorge Almeida disse...

Olá, em primeiro lugar quero dar os meus sinceros parabéns pelo vosso programa e a Sandra Freitas pelo seu desenpenho.
No que se refere ao tema da caça, não sou caçador, mas tenho imensos amigos caçadores. Penso que aquelas pessoas que tanto invejam a caça, deveriam pensar e olhar para o lado, pois penso que em primeiro lugar se deve respeitar toda a comunidade caçadora. Pensem nos galinhos que voces comem, no porquinho que comem...entre muitas mais coisas. Exemplo quem gosta de sarrabulho (sangue de porco), sabe que para apanhar o sangue é necessario deixar sangrar o porco, agora será que os criticos da caça e dsa matança, não pensam isso enquanto comem...Deixem-se de criticas...infelizes.
Abraço e continuem..

Anónimo disse...

Incrédulo, só posso pensar estar perante uma farsa do tipo "apanhados" e puseram na televisão um individuo qualquer a dizer que é médico e paralelamente caçador, porque não é contra nada!!!
O castigo a aplicar a quem tanto nos ofendeu, deveria ser obriga-lo a ver e ouvir o teor das suas próprias intervenções, mesmo quando pretendeu defender a sua "inteligencia" como reacção ao que disse o único interveniente digno e sério, ao tentar explicar a distracção da humanidade face ás insensibilidade humana com respeito aos direitos dos animais.
O que verdadeiramente acho é que deveriamos provar cientificamente que todo o animal fica imune à dôr por habituação, através de testes efectuados no próprio, já não digo a tiro, mas ao menos á paulada...

Anónimo disse...

Senhor antónio afonso. (presumo que a ortografia foi escolhida pelo senhor, e por isso lhe sigo os passos, escrevendo o seu nome com letra minuscula.)
Pelo que li de si, nos comentários aqui mesmo ao lado, sou levado a pensar tratar-se de alguém com conhecimentos além do normal.
Agradeço-lhe a si e a todos os que puderem ajudar a desmascarar a hipócrisia que campeia na sociedade.
Espero bem que um "médico caçador" não venha a tentar exercer represálias sobre sí, por ter aflorado que "...é encarada no âmbito da psquiatria como uma expressão de sadismo,...", pois vimo-lo estrebuchar quando o convidado defensor dos animais,(de quem lamentàvelmente não sei o nome)tentou explicar por palavras mais duras a razão pela qual os animais são tão desavergonhadamente desrespeitados...
Mas o que dirá então ou o qye terá dito o Senhor antónio afonso, quando se viu confrontado com a decisão tomada pelo mais alto magistrado da nação (ao tempo...) ao ir a Barrancos autorizar os touros de morte, atropelando, ao que me parece, a própria lei vigente, que considera crime tal acto?
cumprimentos de respeito ao Senhor antónio afonso.