segunda-feira, janeiro 22

HISTÓRIAS DE REIS E RAINHAS

A princesa Carolina completa amanhã 50 anos. Com ou sem Grace Renier o charme da monarquia é transversal à maioria dos países europeus. Neste SC queremos perceber a origem deste fascínio ou nostalgia pela monarquia. Que legado histórico nos deixou? As provas estão espalhadas, seja em documentos, monumentos e sobretudo através das histórias de encantar.

4 comentários:

Anónimo disse...

Tanto eu como a maior parte da sociedade civil, não temos nenhum fascínio e muito menos nostalgia pela monarquia, visto que esta representa imensas atrocidades cometidas ao longo dos séculos.

O que se tem passado nos últimos 100 a 200 anos um pouco por todo o mundo, foi sim uma evolução e revolução social e de mentalidades muito importante, ao se ter abolido a monarquia para passar para uma democracia.

Isto deve-se essencialmente ao historial muito negativo que a monarquia teve ao longo dos séculos, em que a monarquia em si em termos ideológicos, é simplesmente uma ditadura imposta por reis e familiares próximos que explorava imenso o "seu" povo, especialmente nas alturas do "Rei Absoluto", em que todo o poder estava concentrado apenas num único homem que se considerava acima de tudo e de todos, como se fosse um Deus, ou seja, o Rei.

O poder corrompe, o poder absoluto corrompe absolutamente.


As monarquias deram azo a imensas guerras, conflictos egoístas, crimes de guerra e contra a humanidade e, até mesmo genocídio de povos inteiros, em especial os de África e do continente americano.

Felizmente hoje em dia vivemos numa democracia e o poder está também de certa forma partilhado pelo povo.


A monarquia hoje em dia, não têm quase ou mesmo nenhum poder constitucional, excepto em certos casos como no Reino Unido. Diga-se a verdade, a monarquia não tem qualquer utilidade nos dias de hoje, sendo que pode ser apenas representativa de um povo, e que apenas para isso, em muitos dos casos recebe somas avultadas do Estado e dos contribuintes, para poderem viver uma vida de riqueza absurda, de opulência exacerbada, enquanto tantas pessoas passam fome dentro do próprio país. O caso da monarquia Inglesa pode ser o maior exemplo deste género, sendo que literalmente, esta monarquia absorve de forma que considero muito imoral, imensos milhões de libras anuais do contribuinte do Reino Unido enquanto que estes em nada contribuem para a sociedade do próprio estado.

Felizmente as mentalidades vão mudando e pouco a pouco a monarquia deixa de ser apoiada pelo estado e pelos contribuintes, sendo que os "reis" e "principes" passam a ser considerados não pessoa de sangue azul, mas meros humanos como todos os outros, com igualdade de direitos.

Paulo

Anónimo disse...

Falando de reis, príncipes e princesas: que outra pessoa poderíamos escolher para princesa ou rainha senão a própria apresentadora? Se nunca mais tivermos monarquia fica apenas rainha da beleza o que não é pouco!!!!
Russelliano

Helder Fráguas disse...

Não há dúvida de que a monarquia é dotada de um certo charme, mesmo nos regimes republicanos.



Mas a minha pergunta é:

Trata-se de um glamour meramente social ou de uma efectiva influência política?

É atraente apenas na vida mundana ou é também cativante como forma de governo?



É curioso o comportamento de Salazar.

Em meu entender, ele sempre foi republicano e completamente avesso à restauração da monarquia.

No entanto, Salazar tinha uma excelente relação com D. Amélia. Manteve assídua correspondência com ela, quando a mesma se encontrava no exílio, tratando-a sempre por “Majestade”.

Tratando bem os herdeiros da Casa Real, o ditador português afastava a possibilidade de, alguma vez, vir a ser restaurado o regime monárquico.

A firmeza de Oliveira Salazar não o impedia de manter com a Rainha D. Amélia uma relação que ultrapassava em muito a mera cordialidade. A sua única preocupação era a de não melindrar os sucessivos Chefes de Estado portugueses, a quem competia, em exclusivo, a representação do Estado.



Na minha opinião, a atitude de Salazar sintetiza a posição actual da maioria dos portugueses.

Reconhecem e respeitam o charme da família real, enquanto fenómeno social. Politicamente, rejeitam a monarquia como forma de governo.



Nesta linha, em 1945, Salazar autorizou a visita de D. Amélia a Portugal, a fim de visitar a sepultura de seu marido, o Rei D. Carlos, assassinado em 1908.

D. Amélia permaneceu instalada no Hotel Aviz.

O decano dos diplomatas portugueses, Embaixador Teixeira de Sampayo, pediu para ser recebido pela Rainha.

Ele havia começado a servir Portugal, quando o país ainda era um reino. O embaixador era convicto monárquico e profundamente admirador da família real.

O encontro com a Rainha constituía, para ele, um momento da maior importância na sua vida.

Veio a traduzir-se num episódio dramático, com o seu quê de tragicomédia. O diplomata, já aposentado, foi acometido de um enfarte, enquanto beijava a mão de D. Amélia. Caiu prostrado no chão e morreu.

O encontro foi, realmente, curto.

Emocionado, Teixeira de Sampayo deixou-se dominar pelo frémito e disse à Rainha:

- Minha Senhora, sinto-me mal!

Já caído sobre o tapete, as últimas palavras do diplomata foram:

- Peço desculpa a Vossa Majestade por este incómodo.

D. Amélia não escondeu a sua surpresa:

- Sempre morte à minha volta!



(Uma nota: quanto à execução do testamento de D. Manuel II, falecido em 1932, é inadmissível afirmar que Salazar expropriou bens da família real).

Anónimo disse...

E extraordinario o que acabo de ler,neste primeiro comentario. Esta pessoa deve ter vindo de outro planeta!!!e ainda la vive de certeza,pois neste nao pode viver.Gostava de saber quem fundou este pais???quem delemitou as fronteiras ha mais de oitocentos anos???Quem fez a primeira Universidade???Quem pagou e impulsionou as descobertas,que hoje tanto se orgulham???quem construiu palacios,monumentos,igrejas,que sao hoje o nosso ganha pao com o turismo???quem aboliu a escravatura???enfim de quem sao as nossas honras e glorias???Em que tempo e que este Pais foi tao poderoso que divide o Mundo a meias com os Espanhois???Para ele este Pais so existe desde a Republica???e os Reis portugueses so cometeram atrociades???isto e para nao dizer burrisse pura e dura e uma total e absoluta ignorancia.Isto e: nao ser Portugues,isto e: nao ter a menor nocao do que foi o Mundo,isto e:nao peceber nada do Mundo actual.
Sera que as atrocidades do Presidente da America, do Presidente da Birmania,e de muitos outros no mundo actual sao as correctas???Os Reis com todos os seus defeitos,nasceram para servir o seu Pais,o que se passa com os Presidentes e que a maioria serve-se do Pais.E va a Inglaterra conhecer uma verdadeira democarcia,e onde a Monarquia e respeitada.Nao contenta a todos,pois tambem nao ha nenhuma Republica que contente todas.No Brasil,por ex. se nao lhes desse-mos a Independencia,ou melhor se continuasse a ser uma monarquia,quem sabe se a corrupcao,o crime, a miseria,nao eram menores,como foram no tempo dela???Palmas para os Presidentes Brasileiros,de facto a escravatura,o racismo agora passa-se a todos os niveis,e a miseria tambem.Vivem agora felizes em Favelas,e com crimes por minuto,onde os atiradores tem menos de 10 anos em muitos casos.As pessoas,peco desculpa de repetir,sao completamente ignorantes e por isso nao conseguem,ver o bem e o mal dos tempos, e as razoes, a luz dos mesmos.