quarta-feira, fevereiro 7

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

Numa altura em que o país debate as condições, apoios e incentivos dados à maternidade, é absolutamente oportuno abordar no SC a questão da maternidade precoce. Queremos reavaliar o cenário, os números, as alternativas num país que ocupa o 2º lugar no número de mães adolescentes da Europa Ocidental. Uma média de 22 casos por cada mil adolescentes.

20 comentários:

Sociedade Civil disse...

Comentários anónimos e ofensivos a qualquer convidado ou outro blogger serão ignorados e posteriormente apagados pela equipa do Sociedade Civil. Agradecemos também que os comentários sejam sintéticos e que coloquem preferencialmente questões. O objectivo do blog (além de ser um espaço de discussão sobre o tema emitido pelo SC) é levantar questões pertinentes e sérias face ao tema do programa. De outra forma é impossível ler, em directo, os comentários que nos deixam no blog. Fazemos esta salvaguarda porque achamos que o blog do Sociedade Civil deve ser livre e como sabem até hoje não houve a priori qualquer censura de opinião aos comentários que surgiram.


Saudações civis,

Tiago disse...

Seria interessante mostrarem os processos e retrocessos acerca da temática aparentemente tão polémica e não consensual da aplicação de educação sexual nas escolas.

Lembro-me em 1992 talvez ter uma aula inserida nas ciências naturais do 6º ano em que se falava da fisiologia, da Sida, e não tenho a certeza se sobre alguns métodos contraceptivos. Tudo isto numa hora ou menos. A professora parecia um pouco constrangida. Dos alunos ouviam-se uns risinhos de vez em quando, incluindo alguns meus e nenhumas questões.

Pedro disse...

A taxa elevadíssima de gravidezes adolescentes no nosso país é fruto do nosso atraso enquanto sociedade.

Se houvesse uma verdadeira política de educação sexual nas escolas este femómeno não poderia ser bastante reduzido?

Quais as implicações sociais/psicológicas que acarretam uma gravidez precoce?

Este fenómeno envergonha-nos enquanto sociedade que se acha primeiro-mundista.

Ana disse...

Há casos em que as adolescentes grávidas já foram fruto de uma gravidez na adolescência por parte da sua própria mãe, porque será que essa mãe (sabendo por tudo o que passou) não tem diálogos com a filha sobre a sexualidade?

Por outro lado, a maioria dos parceiros das grávidas adolescentes são mais velhos, será que eles nunca podem ser responsabilizados? Uma vez que são mais velhos, pelos menos deveriam ter mais informação sobre contracepção e informar as parceiras mais novas, por vezes muito ingénuas...

Anónimo disse...

Normalmente as gravidezes na adolescencia revelam que para esses jovens, que essencialmente existe pouca informação sexual e responsabilidade, em alguns casos em que o casal pode até estar informado pode acontecer por descuido, em outros casos pode acontecer porque a rapariga foi de alguma forma pressionada a ter relações, e por fim, noutros casos existe a violação.


Existem algumas culturas no mundo (como na india e em partes de áfrica), em que a rapariga é praticamente forçada a casar desde muito cedo (12 anos por exemplo), e a constituir família na adolescência. Isto é imposto pela sociedade patriarcal e com valores machistas que existem dentro dessa determinada cultura.

O que fazer para evitar estes casos ?

Informar e sensibilizar, para que as mentalidades mudem.

Paulo


(parabéns pelo programa)

Luigi disse...

Segundo sei, a investigação cientifíca está a desenvolver a pílula masculina. Já existe? Há alguma fiabilidade da pílula para o homem? Para quando a sua disponibilidade no mercado?

Anónimo disse...

Tenho colegas de 25, 27 e até 30 anos e nunca foram a uma consulta de genecologia, há algum problema nisso?

Bruno disse...

Na reportagem em q falam dos mitos foi dito q só a quando da ejaculação é q era libertado esperma.

Foi-me dito q mesmo q em pequenas quantidades o mesmo está presente na lubrificação.

Gostaria de saber qual a versão correcta.

Obrigado

Anónimo disse...

"Foi-me dito q mesmo q em pequenas quantidades o mesmo está presente na lubrificação."

Quando um casal faz sexo, há sempre o risco de pequenas quantidades de esperma possam sair do penis para a vagina muito antes da ejaculação, sendo que assim existe um risco de a mulher engravidar.

Anónimo disse...

Eu gostaria d saber s uma rapariga poderá correr o risco d engravidar sem penetraçao?
Obrigado

Anónimo disse...

"Eu gostaria d saber s uma rapariga poderá correr o risco d engravidar sem penetraçao?"

Com ou sem penetração, só existe risco de gravidez se algum do esperma tocar na entrada da vagina. A probabilidade de engravidar é muitíssimo maior se o esperma estiver já dentro da vagina.

Anónimo disse...

gostaria de saber se uma rapariga está gravida mesmo que o rapaz nao penetrou na vagina mas sim no ânus?

Anónimo disse...

"eu gostava de saber se mesmo que a rapariga esteja com o currimento de muco esta está gravida?"

joao disse...

"gostaria de saber se uma rapariga está gravida mesmo que o rapaz nao penetrou na vagina mas sim no ânus?"

joao disse...

"gostaria de saber se uma rapariga está gravida mesmo que o rapaz nao penetrou na vagina mas sim no ânus?"

Anónimo disse...

eu gostaria de saber se uma rapariga corre o risco de engravidar, uma vez que o rapaz lhe enjaculou para o anus,
muito urgente a resposta

Anónimo disse...

gostaria de saber se podera haver algum risco de uma rapariga engravidar, no caso da ejaculaçao que o rapaz fez no anus de uma rapariga, ter escorrido para o local da vagina

Anónimo disse...

Oi...
bom eu é minha namorada estavamos em um amasso e nos so tinhamos feito sexo anal e nunca houve a penetração como pênis so com o dedo.. So q nesses de uns amassos encostei meu penis quase perto da vagina dela e ela n sabe o ciclo mentrual dela, mas tava quase pra chegar, ela pode estar gravida??Depois diosso a menstruação dela n veio??
Ela esta??

Anónimo disse...

Muitos parabens pelo programa, sempre que estou disponível vejo.
Há um assunto que eu gostaria de ver tratado e que o proponho:
- Porquê a classe médica é a única que trata as pessoas (inclusivamente os enfermeiros e os auxiliares de acção médica), em geral, por "tu" e as pessoas vendo-os como uns deuses (talvez ou porque têm mais vergonha e educação) acatam essa postura?
- Porquê os poderes médicos se sobrepôem aos poderes administrativos?
- Porquê os outros licenciados dos hospitais e centros de saúde, são tratados pelo nome e não são tão Dr,s quanto os licenciados em medicina? É uma quetão que não deveria ter importância, mas nesta sociedade civil, parece tê-lo cada vez mais!

Muito obrigada e dêem-nos mais programas desta natureza.

Julia disse...

existe possibilidade de gravidez apenas do contato do pênis com a vagina?!

considerando a ausencia de ejaculacão e que a menina é virgem..

obrigada!