segunda-feira, fevereiro 26

O QUE FOI O ESTADO NOVO?

A presença de Salazar na pole position da eleição do Grande Português surpreende e levanta a questão: os portugueses sabem, realmente, o que foi o Estado Novo? Um modelo governativo que regeu perto de quatro décadas da sociedade portuguesa, incluindo a ultramarina.

20 comentários:

Anónimo disse...

Considero muito negativo que achem que Salazar foi um dos "Grandes Portugueses" da história de Portugal, demonstra poucos conhecimentos acerca da história.

Salazar terá sido sem dúvida, um dos piores portugueses, por muito que prejudicou o país e do quanto fez sofrer milhões de pessoas durante o seu regime tiranico que construiu e manteve durante cerca de 40 anos.

Pelo menos houve uma coisa de positivo acerca do Estado Novo, o nascimento da Amnistia Internacional.

Um dos Grandes portugueses terá sido, por exemplo, Aristides de Sousa Mendes, que conseguiu salvar do regime nazi milhares de pessoas durante a 2ª GM.

Parece-me que "Grandes Portugueses", deveriam sim ser aqueles que salvam vidas e não aqueles que matam.

Paulo

Hélder Fráguas disse...

O ensino primário durante o Estado Novo.

Trata-se de matéria em que o posicionamento oficial do Estado Novo era dúbio.

a) Por um lado, apostou-se na expansão da rede escolar.

Em 1940, com os trezentos anos da restauração, foi lançado o plano dos centenários. Tal permitiu a criação de milhares de novas escolas disseminadas por todo o território nacional. A expansão da rede escolar prosseguiu nos anos 60 e 70, com o Novo Plano, que distinguia as escolas de tipo urbano e de tipo rural.

O livro único, embora retirasse liberdade de escolha ao docente, pôs cobro a situações em que praticamente qualquer texto servia para o ensino da leitura e em que vários alunos da mesma classe possuíam diferentes suportes.

O ensino gratuito era assegurado e até, muito frequentemente, eram providenciadas refeições aos mais carenciados.

b) Mas, por outro lado, o Estado Novo assentava, em grande parte, no analfabetismo, na iliteracia e na exaltação das virtudes da pobreza como forma de garantir a sua sustentação.

Ficou famosa a seguinte frase de Salazar: “Se todos os estivadores, trolhas e secretárias vissem a possibilidade de se tornarem membros do governo, não prestariam atenção às suas funções actuais”.

Vlad disse...

Estou de acordo que considerar Salazar um grande português é um desrespeito pelas vítimas que tombaram perante o despotismo do ditador ,mas pelos mesmos motivos, é também considerar D. João II e o Marquês do Pombal. A diferença é a distância temporal para hoje.
Pessoalmente penso que os votos em Salazar resultam em grande parte, não de uma militância da extrema-direita mas na vontade do cidadão comum enviar uma mensagem aos futeis políticos da actualidade ;

Anónimo disse...

Eu nasci dez anos depois do 25 Abril, por isso não tenho memória daquilo que foi antes do 25 Abril, a exepção das aulas de história e claro da vivência do meu pai e de outros que me rodearam nestes meus 22 anos de idade...

Muitas coisas me contaram eles, umas boas outras más, mas uma é certa, muitas gente disse, diz e dirá:"No tempo de Salazar é que era...!"; mas era o quê?! Isso é que ainda não percebi!

Não defendo Salazar, nem acho que seja um Grande Português;(neste ponto estou de acordo com o que foi dito pelo painel do programa!)
porque grandes portugueses somos todos nós, independentemente das convicções individuais.

Mas para compreendemos o nosso futuro temos que necessariamente conhecer o passado e como Salazar faz parte do nosso passado, não o podemos "riscar".

Lina disse...

Estou de acordo com aqueles que acham que Salazar não foi um "Grande Português", contudo, penso que as pessoas que nele votaram como "Grande Português", fizeram-no pela influência que ele teve no nosso país, que ficou marcada pela negativa, e não por ser realmente um "Grande Português".

Anónimo disse...

A mim faz-me confusão que haja um ensino básico obrigatório do qual não conste o contacto directo com principios empíricos básicos como cultivar a terra ou o mar para obter alimento.. como construir com madeira, betão ou cimento. Como funciona um circuito electrico, etc.

prt

Anónimo disse...

Mas só escrevem neste espaço COMUNAS???? Vergonhoso é o Álvaro Cunhal figurar nos 10 maiores Portugueses, mas ninguem tém coragem de afirmar isto, pois os media estão invadidos de gente de "esquerda", é popular, é moda, ser de esquerda nos nossos dias.
Podiam ao menos por alguem no debate com ideias menos esquerdistas.
Realço tambem a questão de dizerem que a honestidade nao é, provavelmente, o maior valor que podemos ter.

Anónimo disse...

É triste perceber a maneira com que se olha para Salazar!! É demasiado obvio que ninguém quer um novo regime Salazarista! Mas pelos vistos existem muitos que tem algum “medo” de falar nos factos Positivos da governação de Salazar. Quando se diz “queremos o Salazar de Volta” ninguém afirma “queremos uma “Ditadura” de volta”. O que se quer sim afirmar é a reconquista do respeito e perca de valores (que de alguma forma se registava na altura de Salazar). Ao contrario do que seria desejável não é possível nascer Adulto também não o é um país nascer em forma de Democracia a toda uma sequencia de processos que em todos os pais se verificou. Assim nessa sequencia lógica Salazar não foi assim tão “negativo” quanto muitos o querem afirmar comparado com outras Ditaduras mundiais muito mais sanguinárias, castradoras de Direitos e liberdade. A que ser Imparcial e Contextualizar as coisas meus Senhores….

Isabel disse...

Caro Anónimo,

Não estamos aqui a defender lados direitos ou esquerdos...simplesmente estamos aqui a dizer que Salazar realmente marcou o novo país enquanto esteve no poder...embora quase sempre pelas piores razões.

Anónimo disse...

Para discutir Salazar há que primeiramente entender o seu tempo , a Europa de então.Não estou dizendo que ele foi um bom politico , embora o ache um grande didacta , inteligente , mas tacanho.

Esta paranoia á volta do Salazar esconde muitos tabus que Portugal ainda tem

Se queremos ponderar a história que façamos como deve ser analisando desde anos 30 até após 25 de Abril e não ir por bocas paranóicas , que mais me parecem os anos de caça ás bruxas nos estados unidos , quando tudo que gesticulava era comunista

Lurdes Santos disse...

Sou uma fan incondicional do vosso programa. Tenho pena de não ter sido transmitido em directo o programa do hip hop. Gostaria de ter dado uma perspectiva que vocês não deram de associar este tipo de música à música de contestação como faziam os meus filhos sempre que eu lhes dizia que esta música era violenta. Eles respondiam que tal como eu gostava, na minha juventude, do Zeca Afonso também eles gostavam de hip hop. Hoje o objectivo do meu comentário é mostrar a minha indignação com a direcção de programas ou seja lá quem trata disso, pelo facto deste programa não ir para o ar à noite quando toda a gente pudesse ver! a sua qualidade exige esta mudança de horário.

António disse...

Será que é dificil perceber, o porquê da votação em Salazar? Eu não tenho dúvidas quanto ao facto, aliàs a resposta já foi dada, logo no primeiro programa por um ilustre convidado, que não me rcordo o nome, penso que jornalista escritor, que era algo do genero - Os portugueses não querem ninguem igual a eles para os governar, para os governar terá de ser alguem integro, alguem sério, mas atenção só no plano teórico, pois logo a seguir, reeleguen-se arguidos e despotas, acrescento eu.-O pais que temos é o que merecemos, somos nós que o fazemos, olhem para a CP com olhos de ver e verão algo surreal.Tenho dito.

António disse...

Será que é dificil perceber, o porquê da votação em Salazar? Eu não tenho dúvidas quanto ao facto, aliàs a resposta já foi dada, logo no primeiro programa por um ilustre convidado, que não me rcordo o nome, penso que jornalista escritor, que era algo do genero - Os portugueses não querem ninguem igual a eles para os governar, para os governar terá de ser alguem integro, alguem sério, mas atenção só no plano teórico, pois logo a seguir, reeleguen-se arguidos e despotas, acrescento eu.-O pais que temos é o que merecemos, somos nós que o fazemos, olhem para a CP com olhos de ver e verão algo surreal.Tenho dito.

Isabel disse...

Concordo plenamento com Lurdes Santos

Anónimo disse...

hip hop(Falo quando sem qualidade) é como qualquer musica barata que cria alianismo e em muitos um puro nilismo, quando este estilo devai criar idealismos

Acima falo de qualidade na base de apreciação e não de gosto é uma grande diferença e eu nem gosto de hip hop mas entre o estilo há qualidade

Mas o hip hop não é a agravante da consequência mas sim quem está por detrás do meio musical e o faz produto sem qualquer éctica , somente com objectivos de caixa

Anónimo disse...

Grandes portugueses?
O que sabe esta gente de hoje sobre os grandes portugueses?
Quantos já leram os episódios históricos e as grandes personagens neles intervenientes que contribuíram com o seu sacrifício para que hoje se discuta confortavelmente num estúdio de televisão, em português, quais os grandes da nação?
Que tristeza ouvir-se falar mal dos que a construíram e comparar-se-lhes os que actualmente a estão a destruir.
Falam de Salazar... quantos é que conseguem aperceber-se que estão a viver uma ditadura de partidos num ambiente social degradante?
Abram os olhos.

cinetese disse...

Os comentários à História (aquela com o H grande) são feitos independentemente das cores da própria fé politica, assim como fazia a deusa vendada com a balança na mão, a justiça!
Isto é, olhando para os factos, pensando com a própria cabeça e não manchando-a (a história)com influências de doutrinas, como o marxismo e seu derivados (e entre este o socialismo de onde nasce o fascismo), que não contêm a alma de verdadeira democracia (não a grega que era uma oligarquia).

Anónimo disse...

Esta gente para abrir o olho nem á pancada , gosta de ser iludida já que agora já nãohá padre para se iluir pela a fé...

Anónimo disse...

Paulo

"Um dos Grandes portugueses terá sido, por exemplo, Aristides de Sousa Mendes, que conseguiu salvar do regime nazi milhares de pessoas durante a 2ª GM."

Milhares de judeus?

Desculpeé verdade Aristides foi uma grande personalidade , mas quando se fala de história háque saber os factos

E lhe aconselho a estudar a fundo a história de Salazar ele não foi bem como muita gente o aclama de forma radicalizada ,estude também a história espanhola durante o mesmo tempo ,que o vai elucidar

Sobre importantes factores a ponderar , antes de dizer o que lhe metem na cabeça

Vanda disse...

Antes de mais quero dar os parabéns à Fernanda Freitas pela apresentadora, jornalista e mulher que é... Gosto muitíssimo de ver a Fernandinha na 2!!!
Quanto à questão do prof. Oliveira Salazar ser um grande português num mero programa de entretenimento, penso que está a incomodar demais algumas das elites políticas e, ou, intelectuais do nosso país.
Nasci um ano antes da Revolução e as "memórias" que guardo do Antigo Regime advém das experiências de vida dos pais e do pouquíssimo conhecimento que os professores me transmitiram, quer na escola ou na faculdade, com sérias falhas na imparcialidade...
Sou obviamenta contra qualquer regime ditatorial e uma acérrima defensora da liberdade de expressão, mas fico triste ao ver perdurar a falta de imparcialidade no relato dos factos históricos que a todos nós dizem respeito. Salazar quer se queira quer não, para o bem ou para o mal, faz parte da nossa história e de todo o nosso processo de evolução como povo, como Nação e como cultura!
Neste programa, a meu ver, para além de um dos convidados não ter de todo conseguido ser imparcial (como historiador que é!), o mais grave foi no fim do programa "surgirem" problemas técnicos (quando nunca o tinha visto acontecer neste programa), que não permitiram mostrar o documentário do prof.Jaime Nogueira Pinto precisamente sobre Oliveira Salazar!...
Peço desculpa, mas parece-me a mim que esta democracia também ela é bastante parcial!!!