quinta-feira, março 1

HUMANIZAR A RELAÇÃO MÉDICO-DOENTE

Nos cursos de Medicina desde a década de 80 que é sublinhada a importância da comunicação médico-doente. A eficiência do diagnóstico clínico depende muito do entendimento das queixas do paciente. Além disso, há cada vez mais evidências dos efeitos psico-somáticos na evolução da doença.A humanização de espaços pediátricos e a modernização das instalações de saúde são a face visível da melhoria do ambiente hospitalar. A saúde cuida-se apenas com os medicamentos?

7 comentários:

Anónimo disse...

Boa tarde e parabéns pelo vosso programa de grande qualidade.



Sobre o tema, gostaria de dizer que infelizmente há ainda bastantes médicos que são muito arrogantes, que não sabem ser compreensivos, em ouvir e respeitar o seu paciente e que se preocupam mais em vender medicamentos de marca.



Assim, tenho questões muito importantes que gostaria de colocar sobre a questão dos direitos do paciente:

1- Pode em qualquer altura, no centro de saúde por exemplo, o paciente pedir ao seu médico para ver todo o seu dossier onde se encontra o seu historial médico? (Poderá este pedir para fazer cópias do seu dossier para ter em casa?)

2- Caso nesse seu dossier, haja algum tipo de informação médica e/ou comentário do médico sobre si mesmo, do qual o paciente não concorde e/ou que não corresponda à verdade, terá este o direito de pedir para que esses comentários ou outros dados, sejam modificados ou eliminados? Como o poderá fazer?
(Se não o poder fazer, porque razão o paciente não pode ter esse direito?)




3- Caso um médico tenha algum tipo de atitude negativa e desrespeitadora para com o seu paciente, tanto a nível médico, profissional como pessoal, que direitos tem o paciente e o que poderá este fazer para modificar essa situação e/ou conseguir um novo médico mais competente e compreensivo?

4- Se um médico se recusar sem nenhum motivo, a passar uma receita onde permita a compra de um medicamente genérico (igual aos de marca mas muito mais barato), que tem acontecido muito, dando sempre a falsa justificação que os de marca são mais seguros, o que pode o paciente fazer para obrigar o seu médico a permitir isso?



Agradecia qualquer outro tipo de informação relativamente a direitos do paciente e sobre a confidencialidade dos seus dados médicos, por exemplo.

Abraços
Santos

Mário disse...

Como em todas as profissões existem bons profissionais e maus profissionais.
o medico e alguem que se preocupa em curar os seus pacientes, e isso nem sempre e feito de uma maneira mais humanizada.
a minha namorada, depois de fazer um teste de gravidez negativo foi ao hospital e depois de explicar a situação ao medico ele vira-se e diz-lhe de uma forma de gozo e a rir-se
"pois, nao sei, é melhor falar com o seu namorado e com os seus pais.."
isto não é ajudar os outros, não e ter prazer na profissão que se escolhe.
a medicina e uma profissao tao especifica, que, ou se gosta muito ou nao, nao sei como e que uma pessoa parece estar a fazer o seu trabalho contrariado, parece que lhe estamos a fazer favor ao consulta-los.

Anónimo disse...

Com a forma elitista como os futuros médicos estão a ser seleccionados…boa relação médico-doente, só na privada são obrigados a isso. As “vocações” tendências naturais vale tudo Zero na entrada de um curso em que a vertente humana é tão importante! Para quê falar mais se tudo esta errado desde o principio!!! (A que referir que em Portugal existem excelentes profissionais, mas que cada vez soa menos humanos e mais “maquinas” comportamentalmente, Salvo as devidas excepções)


(Carlos Santos, Lx.)

João faria disse...

essa senhora que ai está devia dar aulas a todos os medicos de portugal para lhes ensinar a falar... tem uma voz tao calma que transmite a qualquer doente uma sensação de paz

Anónimo disse...

Boa tarde!
sou enfermeira num serviço de urgência geral, e observo todos os dias a falta de humanização com que os doentes são tratados !Nao culpo os profissionaos mas sim o sistema, pois toda a gente conhece a realidade dos SU's do nosso pais!Eu como enfermeira tento ao máximo minorar estes aspectos, ouço os doentes e familiares, usando uma relação de empatia franca.

Anónimo disse...

Há muitos médicos que são médicos, não para ajudar a salvar vidas, mas sim puramente pelo imenso dinheiro que ganham.

Porque é que há médicos (a maioria) que recusam permitir ao paciente poder comprar um genérico em vez de um de marca que é muitissimo mais caro?

Por dinheiro, porque as empresas farmaceúticas subornam os médicos para fazerem apenas isso.


Porque é que há alguns médicos que apoiaram a liberalização do aborto?

Por dinheiro, porque com cada "operação" de 20 mins, ganham perto de 1000 euros.

Há muitos médicos de grande qualidade, mas também há muitos que são o contrário.

Anónimo disse...

Não acredito que neste ponto o sistema de saude tenha evoluido ,pelo contrário quanto maior a evolução das suas estruturas e meios tecnológicos e quando o estado esta centralizando o sistema... se ganha um precário atendimento do paciente , porque se extingue um serviço personalizado...

Mas também há que observar que hoje em dia por mão do Sr Autoritário Ministro da saude , está impunemente apontando nessa mesma direcção que é a mecanização desses serviços , quando obriga os pacientes a serem tratadas como numeros de atendimento e isso é um flagelo social

Mas é um problema que afecta não só o sistema de saude mas como outras areas importantes do serviço publico