sexta-feira, março 30

O QUE MUDOU DESDE SALAZAR?

Após a queda de Salazar e com o 25 de Abril, a sociedade portuguesa mudou. A crítica não censurada, pelo humor, aos políticos: a revista como único meio da altura e o exemplo do Contra-Informação que, em liberdade, faz uma crítica acutilante nos dias de hoje. A proibição ou limitação do associativismo: os casos da morte, pela PIDE, de estudantes nos anos 60. Os protagonistas das manifestações estudantis de então falam hoje sobre esses tempos em contra ponto com um dirigente estudantil actual. Como era a mulher na década de 50 e 60? Por que conceitos se regia, o que era esperado dela, que direitos tinha, ou não. Comparar a mulher de então, com a mulher de hoje. Por fim, o que Salazar teve de bom? A defesa do estadista por Jaime Nogueira Pinto.

53 comentários:

Anónimo disse...

Muito mudou para melhor desde que a ditadura de Salazar terminou e que Portugal fez uma viragem rumo à democracia, graças a pessoas corajosas que, apesar de todos os perigos lutaram por um país livre, democrático e mais justo.

O meu muito obrigado a essas pessoas que fizeram a diferença.

Lamento que ainda haja individuos que, em detrimento de Aristides que salvou milhares de pessoas de campos de concentração e da morte, considerem sim Salazar como o "Melhor Português", quando este foi responsável por uma ditadura de 4 décadas que tanto sofrimento, morte e destruição social e monetária trouxe a Portugal como às ex-colónias, onde as consequências foram ainda mais gravosas para os nativos.

Pelos vistos ainda há muitos portugueses que não conhecem a história recente ou que lamentavelmente apoiam a ditadura Salazarista.

Por esta lógica, será que também os Alemães escolheriam Hitler como o "Melhor Alemão" (embora este fosse austriaco), ou que no Chile escolhessem Pinochet? E que tal George W. Bush como o "Melhor Americano"?

Não compreendo como há quem apoie ditaduras.

Paulo

Ana disse...

O que mudou?
Tudo!

Anónimo disse...

O Sr Nogueira Pinto deveria aprender uma questão chamada de ÉTICA, para além de precisar de compreender a frase "os fins não justificam os meios".

...

Lina disse...

Nunca vivi no tempo de ditadura de Salazar, no entanto tenho muitos familiares ainda vivos, felizmente, que viveram nesse tempo e sem dúvida que eram tempos bastante difíceis, sobretudo para quem era pobre, que era o caso da minha família.
A minha avó chegou a passar uma noite na prisão por ter enxotado um animal com uma pedra (sem lhe ter acertado com ela), ora isto não cabe na cabeça de ninguém!
Na minha opinião, esse tempo só era bom para os ricos.

Quem nos tira a liberdade de expressão, tira-nos tudo.

Eu só gostava de ver as pessoas que gostam assim tanto do Salazarismo a voltar a esse tempo na “categoria” de pobres, para ver como conseguiam sequer sobreviver…

Ana Rita disse...

Tenho 27 anos e sou do Alentejo, essa terra tão ssumidamente comunista, os meus pais, na altura com 18 anos foram dos que lutaram por um Portugal melhor. Contudo, como o meu pai costuma dizer, o seu 25 de Abril durou uma semana, pois após aquela euforia, pouco tinha mudado e poucas promessas foram cumpridas!
Hoje sou prodfessora e reconheço como a história do 25 de Abril vem tão mal contada às craincinhas que ouvem sempre falar de Salazar como um monstro sem qualquer qualidade! Sejamos honestos, quantas escolas e centros de saúde abrem hoje? Nenhum! Quantos fecham? Infinitos!Quem respeita os professores, os médicos, as autoridades, os próprios trabalhadores dos campos e fabris? Ninguém! E na época de Salazar? Provavelmente os últimos não seriam muito bem tratados, mas são o melhor hoje só porque podem dizer o que querem?
Eu votei Salazar apesar de considerar Luís de Camões e Afonso Henriques portugueses sem igual e figuras incontornáveis da nossa história votei Salazar porque gostava de ver o meu país mais seguro, com mais valores e gostar mais de si próprio e vender-se menos a Espanha, não porque quero uma ditadura mas porque penso que alguém nos deve ensinar a gostar mais de nóe próprios e a respeitar-nos mais a nós próprios!

os parabéns a Fernando Dacosta pela sua interpretanção tão lúcida do estado actual do nosso país.

Ana Rita Aurélio

Anónimo disse...

Nao sei se viram o programa, mas concordo com tudo o que disse o escritor Fernando Dacosta

Anónimo disse...

Será que não sabem que o regime fascista nazi foi apoiado pelo regime fascista de salazar??

Salazar apoiou o holocausto e directamente prendeu, torturou e/ou matou milhões de pessoas em portugal e nas ex-colónias.

É esse o tipo de "pessoa" que apoiam e/ou respeitam?

Paulo

Anónimo disse...

Tá na hora de olhar-mos para os resto dos países há volta de portugal nos anos Salazaristas para compreenderemos que eles estavam a passar os mesmos problemas que nós. A estupidez que existe sobre o Salazar e Portugal.. é Politica para alguns politicos ganharem algum dinheiro..

Não vamos esquecer que a liberdade do leste e o muro caíu a pouco tempo. E prefiro a maneira que o Salazar deixou este país do que a maneira que os comunas deixaram os países do leste???

Tem medo de dizer que entre Cunhal e Salazar os portugueses votaram no Salazar.....!!
Isto é tão comuna que até mete nojo...

Tiago disse...

Filha de comunistas a apoiar Salazar? :D

Para se ser optimista é necessário ter condições para o ser. Ou estão contentes ou vêm formas de melhorar nem que seja apenas a sua vida individual.

Se se é optimista apoia-se Salazar e se se for optimista é-se democrata?

Anónimo disse...

Vivi 33 anos na chamda "ditadura" e estou a fazer 33 anos que vivo nesta chamada "democracia". Não troco um minuto da minha vida da chamada "ditadura" por um minuto da minha vida nesta "democracia"

Rui disse...

Na altura do Salazar as pessoas viam-se quase que "obrigadas" a ter filhos, para que fosses mais essas "mãos" a trazer pão para a mesa. Na minha familia, de 5 irmãos apenas um estudou e foi porque a professora gostou muito dele (porque era muito inteligente) e ofereceu-lhe a oportunidade de progredir nos estudos. Nenhum dos outros irmãos teve essa possibilidade, porque não havia dinheiro e tinham que trabalhar para poder ter pão na mesa todos os dias. Os meus avós deixavam de comer para que os filhos o podessem fazer. Por isto e muito mais, concordo que o Salazarismo era bom apenas para os ricos.

Joaquim Moedas Duarte disse...

Fernando Dacosta tem a visão desencantada de todos os lúcidos. Concordo com muito do que ele disse, apenas ressalvando que a sua visão pode correr o risco de fazer supor que há uma espécie de determinismo histórico que nos condena a ser o que ele diz que somos.

Vivi até aos 26 anos sob o regime salazarista e não gostei. Os "novos" de hoje não fazem ideia do país pequenino que Portugal era: do ponto de vista mental, cultural, educativo ( Diz a Teresa de Sousa que as mulheres precisavam de autorização dos maridos para sair do país. É verdade. E muito mais, que os mais velhos sabem.)...

As preocupações de F. Dacosta são as minhas. Como dizia Wilhelm Reich: Mais importante do que explicar as causas económicas da ascensão do fascismo ( isso, o marxismo fazia muito bem) é perceber porque razão o fascismo teve o apoio das grandes massas populares da Alemanha, da Itália, da Espanha.E de Portugal! ~

Esta continua a ser a questão de hoje. Porque é que se fala tanta de Salazar?
F. Dacosta respondeu com uma evidência que, por sê-lo tanto, nem a vemos: os portugueses acham a segurança mais importante do que a liberdade.

Anónimo disse...

Nomes com R hoje são mau agoiro...

Anónimo disse...

Neste momento estamos a viver uma nova cultura que está a surgir na sociedade contemporânea a cultura de avaliação e de acreditação. Se reportarmos ao ensino superior tentou-se democratizar o ensino promovendo a igualdade de oportunidades para todos e o acesso à escolaridade, neste momento fala-se não tanto de quantidade mas de qualidade. Estarão os portugueses preparados para este controlo sistemático depois de vivermos um período de ditadura salazarista antes de 25 de Abril. Que comentários podemos fazer??

carlos disse...

Na educação talvez tenha mudado pouco. Se no "Tempo de Salazar" ele ditava todas as regras agora há uma ministra que faz o mesmo, que impõe regras sem saber se isso é positivo ou não para a educação, formação e motivação dos alunos. Numa altura em que ainda há uma grande desitencia escolar não me parece positivo forçar os alunos a permanecer dentro de salas quando um professor falta, com outro que não tem formação para ensinar materia dessa disciplina.

Anónimo disse...

Durante a ditadura de Salazar, quase todas as pessoas na minha família viviam em condições de extrema pobreza, em que não tinham quase nada para comer e beber. As crianças tinham de sair da escola desde muito cedo pelos 9 anos, tinham de estar a trabalhar para ajudar os pais e conseguir comida, muitas vezes nem sequer tinham água para beber e eram obrigados a literalmente beber água da chuva e mesmo de poças de água no chão, sendo também obrigados a por vezes ir ao lixo buscar restos de comida dos mais abastados (amigos do salazar) para poderem comer. Muitas foram as vezes que passaram fome, que foram ameaçados para não falaram mal contra Salazar e o seu regime, entre outras coisas mais.

Não eram apenas eles que passaram por esses problemas durante décadas, quase todos que conheciam experimentaram situações similares.

Quem apoia salazar não passou certamente por aquilo que os outros passaram, senão não iria dizer BARBARIDADES.

Paulo

Jorge Ferreira disse...

Quanto às mudanças desde a ditadura salazarista até à actualidade, penso que a síntese entre as análises de Fernando Dacosta e Teresa de Sousa será mais realista: de facto, somos livres de nos associarmos, informarmos e reflectirmos. O problema - entre tantos outros - é que as Associações não são efectivamente livres, como foi explicado na reportagem apresentada, a informação, sobretudo por via da comunicação de massas, é fortemente controlada e manipulada, e a reflexão sobre fenómenos relevantes e não alienantes é pouco estimulada e incentivada, inclusivé ao nível do ensino superior,tal como disse, e muito bem, António Barreto na grande entrevista que deu ontem à RTP. Ficam estas notas, necessariamente breves e incompletas, para reflexão, bem como os meus sinceros parabéns ao sociedade civil, um espaço aberto de reflexão e debate que é das poucas excepções a confirmar a regra e seria programa digno de horário nobre numa outra sociedade, mais livre, igual e solidária, em que acredito e pela qual trabalho. Jorge Horta Ferreira (sociólogo)

P.S. - A mortalidade infantil, apresentada em rodapé e comentada pela Fernanda, é tratada estatisticamente e expressa-se em permilagem e não em percentagem, como tem sido dito, o que é muito diferente: a diferença entre quatro em cada cem ou quatro em cada mil, que é aproximadamente a actual taxa em Portugal.

Lina disse...

É verdade que temos muita coisa má neste país, mas para melhorar essas coisas, não temos que voltar para trás, mas sim olhar para a frente e encontrar soluções. Não é voltando à ditadura que vai resolver as coisas, antes pelo contrário.

Não consigo apoiar de maneira nenhuma a ditadura de Salazar e não consigo compreender quem o faz.
Morreu muita gente para podermos estar hoje numa democracia, dou muito valor a isso e não quero que isso mude.

Inês disse...

Salazar era amigo do Cardeal Cerejeira. Assim a Igreja colaborou com o salazarismo.

Tiago disse...

Corrigindo:
Se se é pessimista apoia-se Salazar e se se for optimista é-se democrata?

Anónimo disse...

MAIORRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR LADRÃO DO MUNDO SOCIALISMO = A EXTREMA DIREITA DE JOSÉ SOCRÁTES, E UM PEIXEIRO COM PEIXES PODRES..................................... MÁRCIO COLOS (ODEMIRA)

Anónimo disse...

Sou uma telespectadora acidental. Não costumo ver televisão a esta hora. Pela amostra, parece-me que seria fiel ao Vosso programa se passasse num horário nocturno, alternativo (em repetição)... Fazem falta coversas sem pressão em televisão.

Quanto a Salazar, acho muito perigoso transformá-lo num novo "D. Sebastião"!

Susana Marques

pedrocarlos disse...

Salazar teve defeitos, mas todos os temos.
A Teresa de Sousa mentiu ao afirmar que so uma certa classe ia a escola no tempo de Salazar!
E um escandalo que alguem diga uma coisa dessas!
Nunca se construiram tantas escolas primarias em tantos locais do pais como durante o Estado Novo!
Sera que ela nunca andou pelo pais ou mentiu descaradamente so para atacar Salazar!?
A minha familia no tempo de Salazar era muito pobre e foram todos a escola!
Se e verdade que o Servico de Saude melhorou muito depois do 25 de Abril dizer que nao existia nada antes e mentir!
Quem e que construiu os Hospitais de S. Joao e de St. Maria?
E o IPO?

Quanto ao associativismo...
Sim e verdade que em Inglaterra pede-se dinheiro para tudo mas isto aqui e uma sociedade da cravacao!
Isso nao e bom mas e pessimo!
Essa comentadora que venha para ca e depois vai conhecer a ditadura da esmola!
Quem nao da e muito mal visto!
Eu tenho esse problema na escola primaria do meu filho, onde quase todas as semanas cravam criancas com menos de 6 anos para contribuirem para isto e para aquilo!
Isto e bom?!
Enfiar na cabeca de criancas que tem de dar dinheiro ou entao...
Ou como se diz aqui:
Or else!
Eu como nao dou somos olhados de lado!
E isso liberdade e democracia?!

A Teresa de Sousa fala assim porque era duma familia de privilegiados!
Se fosse do meu estrato social nunca diria nada disso!
Falar de Franca, Maio de 68, Vietname, etc, era para os burgueses!
Os outros tinham de trabalhar!

Nao falem do Irao porque nao o conheceis!

Pedro Alves - Manchester

Anónimo disse...

Penso que o resultado do programa Grandes Portugueses não espelha a opinião dos portugueses, mas sim apenas duma minoria (provavelmente mais antiga e de classe social mais elevada).

Os 10 finalistas de "Grandes Portugueses" tiverem, sem dúvida, grande influência na história de Portugal, mas para mim o "Grande Português" foi Vasco da Gama que teve também influência na história mundial.

josé costa - casal do marco disse...

Teresa de Sousa é uma ferenha apoiante de Soares, mas o que ela deveria dizer é que vivemos num país que é o de todos os portugueses, mas Salazar defendeu aquilo que foi conquistado pelos nossos antepassados, ao contrário de Soares e Almeida SAntos que se revelaram como os maiores traidores desta nação!
Aquilo que fizeram em relação a desgraçados que fugiram da metrópole para refazerem a sua vida nas antigas colónias, foi do mais desprezível que um português pode ter feito em relação ao seu próprio povo!
Soares chegou ao ponto de dizer a um semanário alemão que : «Se fôr necessário mandarei a tropa atirar sobre os COLONOS BRANCOS!».
O problema não é a diferença entre o POrtugal de outrora e o agora!
O problema e a revolta dos portugueses de BEM,´foram as promesas que nos foram feitas em 25/04/74 e o que sucedeu a seguir com toda a corrupção e o assalto ao poder por uma cleptogracia (estado governado por ladrões) que é protagonizado pelos partidos políticos e por alguns jornalistas apoiantes da mesma cleptocracia.
Bem hajam!

Anónimo disse...

Gostei de um comentário do Fernando da Costa comparando que na altura da ditadura as pessoas estavam condenadas ao silêncio, hoje "falam, falam e não fazem nada" como é que se pode arranjar um certo equilibrio?

João Pedro

josé costa - casal do marco disse...

Peço desculpa pelos erros mas são fruto daquilo q2ue Gandhi uma vez afirmou:«A minha luta diária é contra a raiva e por vezes não consigo ganhar essa batalha!

pedrocarlos disse...

Cuidado com comentarios sobre o Irao!
Eu vivo com iranianos e eles sao muito diferentes dos ETs em que a comunicacao social os transformou!
As iranianas sao as mulheres mais independentes do Mundo Islamico!

Quanto aos comentadores, estou agradavelmente surpreendido com a licides e bom senso de Fernado Dacosta!
A minha opiniao sobre ele mudou radicalmente!
Parabens!

Sobre a OTA, eu estou a tirar o Mestrado em Gestao Hoteleira e a construcao do aeroporto e pura e simplesmente catastrofica para o turismo nacional!
De facto, se as questoes tecnicas ja sao mais do que suficientes para nao ser construido, em termos do seu objectivo - trazer mais turistas a Portugal - ele tera o efeito contrario!
A tendencia do turismo actual e a das ferias curtas em que os aeroportos estejam muito proximos, senao mesmop nos sitios, para onde as pessoas se deslocam.
A OTA vai no sentido contrario ao da historia!
Assim se ve a cegueira e incompetencia deste governo!

Desculpai-me os erros, mas nao tenho teclado portugues!

Anónimo disse...

A democracia é tão bom que onde chega...zás, deixa tudo como se vê...ricos mais ricos, condomínios fechados, máfias (pior que a Pide), corrupção generalizada, liberdade para os ricos e mais ninguém (veja-se quem circula nas auto estradas a 120) etc. É uma perca de tempo falar nesta m...

Anónimo disse...

É engraçado que a visão dos portugueses sobre os tempos do Salazar seja tão diferente sendo na sua maioria determinada pela sua militância politica. De facto, ao conversar com os meus pais e avós que sempre pertenceram à classe baixa não têm uma opinião tão má acerca desses tempos.
O que é certo é que tal como hoje as pessoas que não se envolviam em disputas politicas e que apenas pretendiam trabalhar e viver a sua vida, viviam tão normalmente como hoje em dia. Aliás, todos eles afirmaram que o maior problema do estado novo era a falta de liberdade e a guerra colonial.
O problema da liberdade nesses tempos era na maioria para os activistas politicos contra Salazar.
Quanto ao que realmente mudou a democracia em Portugal? Tudo e muito discutivel pois os tempos mudaram e tudo teria de mudar certamente, quer em democracia quer em ditadura, pelo que nem tudo o que mudou se deve a democracia mas sim à evolução natural dos tempos e mentalidades. Mal seria para esta democracia, que a saude nao tivesse melhorado ou que a educação não se democratizasse, etc...
Não sou apoiante nem detrator de Salazar, acho que teve o seu tempo e cometeu muitos erros como muitos dos actuais ditos democratas e que esses sim teriam melhores codições para efectuarem um bom trabalho.
Mais do que se preocuparem com salazar deviam-se mas era de preocupar com a corja de politicos que actualmente existe em Portugal.

Anónimo disse...

Ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão.

gil disse...

A discussão é bastante interessante...mas relativamente aos "maiores portugueses de sempre" julgo que todos deram o seu contributo para um melhor portugal, de alguma forma...e certamente todos teriam algum aspecto menos positivo. Acabou por ganhar a pessoa mais marcante do século passado...neste contexto a situação económica actual e o clima de insegurança do país, assim como o envelhecimento populacional levaram a uma vitória pouco concensual de salazar.

Neste contexto e tendo em conta que não vivi nesse tempo, Salazar não fugia à "regra" - permitiu que o país crescesse à margem daquilo que era a europa de então, mas de uma forma totalitária e interiorizada. Isto para não falar em todos os condicionalismos que implicava viver sob uma ditadura colonialista.

O temperamento português, apesar de bastante temperamental, talvez seja o menos temperamental dos latinos, daí uma revolução pintada do vermelho dos cravos e não pelo vermelho do sangue...ainda bem...ou não....quem sabe se à imagem de espanha (gerra civil),uma revolução mais drástica e cuja roptura com o passado tivesse sido mais profunda, a situação económica do país fosse melhor, uma vez que implicaria uma maior e melhor abertura à globalização e ao crescimento económico (deixando de olharmos demasiado pro nosso umbigo).

Já agora gostaria de ver abordado o tema do cartaz polémico do PNR...

Anónimo disse...

Lá por o Cerejeira ser amigo de salazar, não quer dizer que este fosse salazarista. Aliás eu sou muito amigo de alguns comunistas e um deles é muito meu amigo, e não é por isso que eu sou comunista ou sequer os apoie.

josé costa - casal do marco disse...

« Exemplo: Constitución Española.

“Constitución Española aprobada por las Cortes en sesiones plenarias del Congreso
de los Diputados y del Senado celebradas el 31 de octubre de 1978.”

Ratificada por el pueblo español en referéndum de 6 de diciembre de 1978.

Sancionada por S.M. El Rey ante las Cortes el 27 de diciembre de 1978.»

**********************************************************************

Portugal - Este projecto de Constituição, não foi sujeito a nenhuma consulta popular.
“Democraticamente”, todos os grupos parlamentares se esqueceram que uma das funções do P.R. foi por eles próprios definida neste “Projecto de Constituição”e por eles aprovada em 2 de Abril de 1976, que reza o seguinte:

Artº 137.º (Falta de promulgação ou de assinatura):
-A falta de promulgação ou de assinatura pelo Presidente da República de qualquer dos
actos previstos na alínea b) do artº134.º, implica a sua inexistência jurídica.

O artº 134.º (Competência para prática de actos próprios), alínea b) diz-nos que:
- (Compete ao P.R.) Promulgar e mandar publicar as leis, os decretos-leis e os
decretos regulamentares, assinar as resoluções da Assembleia da República que
aprovem acordos internacionais e os restantes decretos do governo.

O artº 299.º (Data e entrada em vigor da Constituição) diz:
- 1. A Constituição da República Portuguesa tem a data da sua aprovação pela
Assembleia Constituinte a 2 de Abril de 1976.

2. A Constituição da República Portuguesa entra em vigor no dia 25 de Abril de 1976.

Como se pode constatar, nada neste artº nos diz sob a aprovação ou não, deste “Projecto de Constituição” pelo Sr. Presidente da República Portuguesa, que à data da sua aprovação pela Assembleia Constituinte e data da entrada em vigor, era o Sr. Gen. Costa Gomes, que assumiu o cargo por indicação da Junta de Salvação Nacional, em 30 de Setembro de 1974 até à realização de eleições que levaram à Presidência da República o Sr. Gen. Ramalho Eanes em 14 de Julho de 1976.
Tomando como um facto provado a falta de promulgação da Constituição da República Portuguesa por qualquer dos dois Presidentes e fazendo fé no artº 137.º deste “Projecto de Constituição”, o mesmo não tem existência jurídica.

Tomando esse facto como provado, é ilegal a sua utilização como base (desde o dia 25 de Abril de 1975 até esta data), para a aprovação de leis.
Em democracia, essas mesmas leis têm que ter o suporte de uma Constituição aprovada pelo povo. O mesmo é igualmente válido para o sistema político.

Anónimo disse...

Acho que por não vivemos num país com uma politica ideal, onde tudo é perfeito, não quer dizer que se apoie o regime Salazarista, que era tudo menos ideal e perfeito!

Tiago disse...

O PNR quer ainda mais tempo de antena.

Anónimo disse...

Essa história do cartaz do PNR é muito controversa...

pedrocarlos disse...

Mais uma coisa para a Teresa:
sabera ela que aqui para uma crianca ir com a propria roupa para a escola obrigam-la a pagar pelo privilegio?!

A unica maneira de nao pagar e ir com o uniforme!

Hoje era o dia em que as criancas tinham de ir com as suas roupas para contribuirem com 1 libra e 50 para o Tostao de S. Jose, seja la o que isso for.
O meu filho era o unico da escola com o uniforme!

Pedro Alves - Manchester

Anónimo disse...

De forma nenhuma sou salazarista mas não é tudo verdade o que dizem sobre esse tempo.Eu tenho 70 anos vivi essa situação, e só quem se manifestava é que era perseguido.A escola era obrigatória e eu era pobre, tinha alimentação gratuita vestuário e calçado. Isto em Lourenço Marques. Havia respeito pelos professores,e só tenho a dizer bem do ensino que me foi prestado,não nego uma ou outra bofetada, mas fez de mim alguém muito responsável.Bem haja a minha professora D. Leonilde onde ela estiver. E Hoje? O que é a educação?!!!

gil disse...

axo que ou é muito coincidência ou "nós" estamos a ficar demasiado xenófebos?...

Tiago disse...

Em Portugal não há uniforme obrigatório nas escolas.

Boa política educativa=educação obrigatória de 4 anos, a restante altamente selectiva??????????

Escolas gratuitas e roupa para um português pobre numa colónia portuguesa em África? Ah era em Lourenço Marques... Suponho que se os imigrantes estivessem cá na mesma categoria dos colonizados de então não haveria problema para estas pessoas...

josé costa - casal do marco disse...

Fernanda, pode prestar um inestimável serviço ao país e á DEMOCRACIA!
Com a sua honestidade como pessoa de bem e de uma excelente apresentadora, desafio-a a convidar o Ex-presidente Mário Soares, para um debate sobre a legalidade deste Projecto de Constituição.
E porquê Projecto?
Tal como existe um projecto de constituição para a Europa e que só passará a chamar-se CONSTITUIÇÃO após a sua aprovação em REFERENDO popular pois só o povo tem legitimidade para aceitar viver sob a lei fundamental do país!
Só após uma conversa franca com os portugueses,poderemos todos descansar em paz!
Enquanto isso não acontecer, nós da geração do 25/74, continuaremos a exigir justiça e honestidade na condução dos destinos do país.
E não acabará com a nosa morte pois a nossa herança será continuada pelos nossos filhos e netos!
Não esqueceremos nem deixaremos ninguém esquecer que Mário Soares e Almeida Santos traíram Portugal e os Portugueses ao entregarem Cabo Verde e S. Tomé e Principe a quem não tinha direito a elas, pois são sem margens para dúvida, TERRAS PORTUGUESAS!
Em troca de apoio para conseguirem o poder em Portugal continental!

Anónimo disse...

Olivença é nossa!

Anónimo disse...

Não sou contra os emigrantes e concordo que muitos contribuem para a nossa economia, mas tudo tem a sua conta. Portugal não consegue comportar tantos emigrantes...para além de haver muitos emigrantes honestos e trabalhadores (ainda que ilegais), há por outro lado muitos que só trazem criminalidade (e não só) para o nosso país.
Por isso, por um lado concordo (até porque também há muitos emigrantes portugueses lá fora), mas por outro lado, nem por isso...principalmente quando há tanto desemprego em Portugal, pouco apoio à natalidade, encerram maternidades e centros de saúde, etc...

josé costa - cacsal do marco disse...

Há falta de honestidade dos governantes ao falar com os cidadãos e nós temos cada vez mais necessidade de falar directamente com aqueles que têm poder para decidir o nosso bem estar e o da nossa família!
OS governantes portugueses não o fazem, por medo e falta de respeito para com o povo.
E também porque têmm receio das perguntas incómodas ás quais eles não saberão responder!
O desafio que lhe fiz quanto a Mário Soares é só um exemplo, mas os nosos vizinhos espanhois, povo mais consciente dos seus direitos e da sua cidadania, já o fazem há algum tempo sem problemas.

Prestam-se a responder com evasivas ou não perante debates na blogosfera!
Foi o que aconteceu com o 1º ministro espanhol, Zapatero, há uns dias em que tinha á sua espera 100 perguntas directas :««TENGO UNA PREGUNTA PARA USTED»
Zapatero en TVE: «Un café vale 80 céntimos»
27/03/2007 José Luis Rodríguez Zapatero, presidente del Gobierno, sólo ha tenido tiempo de responder a 42 de las 100 preguntas formuladas por los ciudadanos en el programa conducido por Lorenzo Milá Tengo una pregunta para usted señor presidente. Durante dos horas, Zapatero ha intentado explicar al público la política desarrollada por su Gobierno a través de las cuestiones que le han sido planteadas.»

O problema que também aqui se coloca é porquê a comunicação social não incentiva este tipo de ligação entre os governantes e os governados permitindo que o conflito se agudize!
É dificil acalmar o povo quando se chega á conclusão de que NESTA DEMOCRACIA, tanto faz gritar com ira como fugir á polícia pois o resultado é o mesmo perante a falta de cultura democrática dfos funcionários partidários que se apoderaram do país!
Com tôda a "justiça"especialmente aquela que deveria defender o povo e não as instituições (O MINISTÉRIO PUBLICO!)a assistir impávida e serena!
.
Alguém consegue visualizar o Sócrates a discutir directamente com o povo?

Anónimo disse...

No passado houve a ditadura de Salazar.
Hoje, há a ditaduta do «politicamente correcto», da responsabilidade da «esquerda caviar», que apenas admite as «verdades» do estreito quadrado onde se movem!
O programa de hoje foi a prova disso. A senhora Teresa de Sousa julga-se uma intelectual com inteligência superior, detentora da verdade absoluta, e que aqueles que não pensam como ela são estúpidos...
A própria apresentadora, Fernanda Freitas, não foi imparcial...
O único participante que mostrou ser um verdadeiro conhecedor do que mudou desde Salazar foi o escritor Fernando Dacosta.
A terminar: Hoje vive-se muito melhor que no tempo de Salazar, assim como no tempo de Salazar se viveu muito melhor que no tempo da primeira República, assim como na primeira República se viveu muito melhor que no tempo da Monarquia Constitucional, e por aí fora...
Assim como não é possível comparar Salazar com Dom Afonso Henriques, também não é possível comparar épocas onde o simples avanço tecnológico pode fazer toda a diferença, como o escritor Fernando Dacosta muito bem mostrou ao «sacar» o seu telemóvel durante o programa...

Paulo Devesa disse...

Eu não votei Salazar, o meu modo de estar na vida, em momento algum, me primite ladear com um DITADOR, seja ele qual for, mesmo que uma parte do que fez, reconheço, tenha sido louvável.
Como se dizia em directo, no programa de todas as decisões, (Grandes Portugueses), foi apenas um concurso. Mas um concurso onde se votou em alguém que não tinha, 20, 30 ou mesmo 40 acessores e outras tantas secretárias pessoais, alguém que não tinha 3 ou 4 condutores e outros tantos carros, alguem que não viajava para todo o lado por tudo e por nada, alguem que não se limitava a fugir para um TACHO maior, sempre que algo estava a correr mal. TUDO PAGO PELO ESTADO, OU SEJA POR NÓS ( Estamos fartos, sim, estamos fartos desta maneira airosa de fazer política. De gente que se governa e só depois pensa no povo que neles acreditou, duma assembleia repleta de gente, nem sei bem para quê, nem a fazer o quê.) O voto do povo no Dr. Salazar, tem que ser entendido como um recado a estes senhores, que actualmente brincam à política, onde nós os contribuintes, nem peões já somos. NÃO SE PODE DIZER NUNCA, BEM HAJA SALAZAR, MAS PODE-SE DIZER SEMPRE SEJAM HONESTOS CONOSCO E PRINCIPALMENTE CONVOSCO SENHORES GOVERNANTES.

M. Teresa disse...

Tenho 54 anos, Votei em Marquês de Pombal, considero que foi outro ditador como Salazar, na hostória precisamos de distanciamento para podermos julgar. Marquês de Pombal foi um grande Português não deixando por isso de ser lembrado pelas coisas boas que fez neste País. Com Salazar acontece o mesmo, não se pode apagar a história, à que dar-lhe valor pelas coisas positivas, não esquecendo evidentemente o mal que causou o seu regime.

Artur Ceia disse...

Chamo-me Artur Ceia, tenho 43 anos e moro em Mogofores, Anadia, e estou a ouvir o Vosso programa atentamente.
No respeita ao tema de hoje, perplexo com o que estou a ouvir... Então os heróis que fizeram o 25 de Abril, não tinham intenção de acabar com o sistema de protecção a todo o custo, das famílias mais ricas e mais influentes da sociedade da época? Básicamente não era a implementação da democracia para o povo ter direitos iguais entre si, e direitos iguais como os mais protegidos? Estão os senhores indignados pela votação que o Dr. Salazar obteve nessa espécie de concurso promovido pela RTP! Então os políticos actuais não caminham exactamente para o mesmo sítio, quer dizer, os mais pobres cada vez mais pobres e os ricos sempre e cada vez mais ricos? Como querem que os jovens de hoje tenham uma cultura activa em relacção à política, se que o que nós vemos são os políticos a retirar direitos adquiridos pela democracia, a não se preocuparem com o povo, o Portugal profundo a ser ostracisado. A política actual, e isto acontece desde o primeiro governo do Professor Cavaco Silva, só se preocupa com a macro-economia, esquecendo-se dos problemas reais do cidadão.
E agora pergunto eu: Quais são os ideias, em termos nacionais e políticos, que podem cativar o interesse da nossa sociedade actual?

Garcia disse...

Votar Salazar foi uma forma de protesto contra a escandaleira que se passa hoje na sociedade, como termos idosos a terem que optar entre medicamentos ou alimentos e termos gestores de empresas públicas que recebem dois milhoes e meio de euros, meio milhao de contos, de indemnização, como hoje foi noticiado.

Quanto a falta de solidariedade dos portugueses discordo dem absoluto do que foi dito.
Esqueceram-se do apoio aos retornados?
Esquceram-se de Timor?
E os milhares de instituições de solidadriedade social, de associaçoes culturais e recreativas, de associações desportivas, incluindo muitas federações, todas com dirigentes nao remunerados. Para ja nao falar de inumeros peditorios, para o cancro, medicos sem fronteiras, deficientes, bombeiros,etc.

Anónimo disse...

d.fernanda quando quizer dizer mal de alguem seja inteligente e nao seja estupida de nao ter ninguem a defender a outra parte,ou seja o maior portugues de sempre.e nao pessoas que so vivem a custa de ou [empresas ou do propio estado]so esses comedores podem ser contra SALAZAR O GRANDIOSO.ESTE PAIS PRECISA DE UM NOVO 25 ABRIL MAS DE G3 EM PUNHO A LIMPAR A PORCARIA QUE EXISTE A COMER ESTE PAIS....

Anónimo disse...

Bravo! o que é preciso é ser português! Só nos falta a Pátria...

Ricardo disse...

Destruição monetária ? É claro que mudou muita coisa, o homem morreu em 1970, isto perfaz 37 anos, e em 37 anos muda muita coisa. o que não mudou infelizmente, acredito mesmo que tende a piorar é o "esgananço" que há em querer montar frases bonitas, frases feitas, lugares comuns e esperar que façam significado ou que não fiquem ridiculas.
Parece que 37 anos não foram suficientes é para as pessoas começarem a pensar por si sem encarneiramentos de qualquer espécie. Gostaria da frase "destruição monetária" se não fosse ridcula. também gosto desssa história do "enxotar o cão" e passar a noite na choldra... história mal contada. também tenho um tesouro literário da minha parte. uns homens que pousaram um andor numa procissão porque estavam cansados e foram logo presos pela Pide... linda esta história não é ? é pena é ser invenção.
Vejam se poem na cabeça o ditado "Know thy enemy" e " não queimem as pontes com os vossos inimigos". Amei a história de falarem do Sr. Nogueira Pinto e de ele precisar aprender o significado da palavra ética. amei ! carneirismo puro é preciso seguir por uma bitola, se ele fala de uma coisa que não agrada logo não tem ética... já agora também não tem honra. ataque-se o homem. são tiques totalitários de esquerda e de direita, mas o que importa ?
Quanto ao facto que antes era bom "era para os ricos"... tretas ! continuem a brincar ás retóricas vazias que só agradam a quem gosta de se ouvir e depois não se admirem. Só com muito trabalho , esforço e dedicação é que se vai a algum lado. Enquanto persistirem em andar a brincar ás palavras e fazer crer ás pessoas que só têm direitos e nenhuns deveres... os espertos vão fazendo a vida deles, vão trabalhando, amealhando, fazendo por a vida deles e depois adeus !
Os que têm um "ouvidinho doce" para as suas próprias palavras foram falando em patacoadas ( no outro dia uns herois andavam a pintar umas paredes com dizeres com a comemoração dos 90 anos da revolução bolchevique... interessa muito. o futuro é para a frente e aquilo foi tanto uma evolução nas condições de trabalho das pessoas que trabahavam como se tivessem a cortar as unhas com um moto-serra. . foram-se amanhando. adeus !
só os ricos, quantos não se encheram de massa a seguir ao vinte cinco de abril? quantos funcionários públicos não ficaram bem na vida em menos de vinte anos de serviço.
É claro que mudou muita coisa, em quase quarenta anos o mundo girou muitas vezes