segunda-feira, abril 9

OS DIAS DA RÁDIO


Antecipamos o aniversário da Rádio Renascença – no dia 1 de Abril passam 70 anos sobre o início das emissões regulares da Renascença. Um excelente mote para falar sobre o futuro da rádio, a história, as pessoas e também as profundas mudanças que tem registado (podcasts, etc.). Fazendo a viagem pelo passado queremos perceber o papel da rádio nos últimos anos e enquadrá-lo no futuro deste poderoso meio de comunicação.


45 comentários:

Ana Botas disse...

A rádio continua e será sempre a única companhia para um condutor solitário.

ampo disse...

Que saudade da rádio como companhia diária, em que os assuntos sérios eram tratados de forma divertida mas honesta.
José Nuno e António Sala, com uma RTP "renascida", não deveriam ter um programa de autor???

Adérito Paulino

Anónimo disse...

A magia da rádio nunca vai acabar.
Não se esqueçam do Radioamadorismo no novo Museu da Rádio.
CT1CGO

Mcc disse...

e pena, mas eu acho que cada vez mais a radio perde, para os avanços da tecnologia. Os automoveis vendidos hoje em dia ja vem com televisoes para as crianças nao passarem "seca" a verem a paisagem. ontem parei numas bombas e vi uma televisao num carro a trasmitir um canal de televisão. cada vez ouve-se menos radio e isso deve-se refletir nas audiencias... o caminho para a radio é mesmo pela internet e o radio on-line

Débora - Faro disse...

Olá a todos. Sou estudante de Ciências da Comunicação. A rádio fascina-me com a sua magia única. Gostaria de perguntar aos presentes qual a melhor atitude a adoptar e o meio de comunicação ideal para quem se inicia neste mundo.
Parabéns pelo programa.

Débora, Faro

roler3 disse...

Olá Fernanda Freitas,

Penso que a rádio ainda é muito actual, mas cada vez mais está em mudança.
A rádio do futuro será cada vez mais no formato da internet. No futuro próximo a rádio será em vez de por exemplo 101,2 FM, para passar a ser www.antoniosala.pt. Penso até que os próprios aparelhos de rádio, não serão por sintonia em megahertzs mais em endereços da web, cada vez mais com conteúdos web e personalizados.

Cumprimentos,
José Maria Bompastor/Vila do Conde

Anónimo disse...

A rádio tem a magia de se falar com quem não se vê, fazendo amigos
Não se esqueçam do Radioamadorismo no museu!
CT1CLR
Ismael Coutinho

Anónimo disse...

Três convidados perfeitos para falar sobre os antigos e actuais dias da rádio. E parabéns à Antena3 pelas emissões online que eu ouço sempre. E os podcasts.
Adelino

Mcc disse...

atenção ao falar na seca estava a criticar esta postura dos pais ao deixar as crianças ver um dvd em vez de ver a paisagem

Anónimo disse...

Boa tarde a todos!

Sempre fui um ouvinte da rádio, mas cada vez mais faço uso da Internet para ouvir as minhas estações favoritas. Será a Internet o futuro da rádio?

Cumprimentos, António Martins.

ampo disse...

Só uma questão, porque é que o DAB (Digital Audio Broadcast) não vingou em Portugal, e continuamos apenas com um canal. (RDP)

Obrigado,

Adérito Paulino

Anónimo disse...

Ola!

Lembro-me de ter dado na escola uma frase k me espantou muito. Havia um senhor k quando inventaram a radio ele comentou: "A radio não vai ter sucesso porque ninguem nunca se ia interessar por uma mensagem dirigida a ninguem em especial." Depois eu pensei: "A pessoa k disse isto deve ter engolido muito bem as suas palavras, visto k não há pessoa que não ouça rádio. Faz demasiado parte da nossa vida.

Beijo,

Ana Isabel

Anónimo disse...

Gostava só de colocar uma questão relativamente à nova Era de rádio - as rádios dos dias de hoje;
Como três vivíssimos exemplos do que melhor se fez e faz na Rádio aí presentes, acham que se inventa, reinventa ou melhora a Rádio de hoje?

Fernando Ferreira
Estudande de Ciências da Comunicação
Porto

Anónimo disse...

A questão é iniciada - Com...?

A.Padilha disse...

Olá.
Sou apaixonado pela rádio. Há muitos anos. Tenho 35 e desde os 14 que ouço muito rádio. Trabalhei até aos 22 anos numa radio local. Fiz de tudo. Divulguei música, fiz informação local, fiz programas culturais (sob a região de Coimbra), limpei os estúdios, inventámos sons para gravar publicidade, subi a torres, andei pelo meio do mato a procurar quem nos tinha cortado os cabos coaxiais, estudei menos, aprendi a ouvir nomes desde José Afonso a Bauhaus. Não me esqueço da influência que teve em mim vozes como a do António Sergio....do Amílcar Fidelis (onde está a Ilha dos Encantos). Do Francisco Amaral (Intima Fracção)do Adelino Gonçalves.
Hoje a rádio está diferente.
Hoje as rádios locais já não existem (salvo honrosas excepções). A criatividade em Rádio deixou de ser o objectivo.
A magia pode ainda existir acredito. Mas está diferente. Do lado de lá e do lado de cá.
Mesmo tendo sido obrigado a abandonar a rádio, continuei a ouvir alguns momentos na rádio que me fazem pensar, reflectir, aprender. E gosto disso.
Digam o que disserem está muito diferente.
Lembro-me também do aparecimento da RFM (os 100 mais...).
Desculpem este desabafo recheado de memórias.
Voltem com o teatro radiofónico (os parodeantes de Lisboa)...as madrugadas com aquela interactividade quase íntima entre quem ouve e quem faz rádio.
Seja como for, agradeço à radio a perspectiva da vida que me deu.
parabéns à RFM

Anónimo disse...

A magia da rádio continua com uma nova pujança em comparação da cada vez mais pobre televisão, especialmente a portuguesa RTP onde além do espaço informativo sobressaem somente 3 ou 4 programas de entretenimento com qualidade.
Mas a rádio para ser cada vez mais apelativa em termos de audiência, tem que seguir a tendência dos meios de comunicação do futuro e que é posto em prática neste programa. Tem que ter cada vez mais, programas de interacção com os rádio-ouvintes tal como os programas da manhã na TSF e Antena 1!
Em casa, muitas vezes, podendo escolher, opto pela rádio sem sombra de dúvida!

Indigo disse...

olá!
Sinceramente no meu ver a rádio nao se vangloriza mais porque nao é criativa o suficiente porque para ouvir musica aleatória que nao vai de acordo ao nosso gosto mais vale virar-nos para o mp3

Tiago Gonçalves

Bruno Delgado disse...

Boa tarde a todos os presentes, gostaria de vos felicitar pela excelência do programa de hoje.
Lembro ainda com saudade, quando nos 80 a RR saía à rua às 7 da manhã para realizar ao vivo um programa que fazia praticamente parar as Cidade de Lisboa e do Porto. Algo que actualmente vejo ser muito difícil qualquer outro programa radiofónico igualar.

Bruno, Suiça 9 Abril 2007

Pedro disse...

A rádio portuguesa a nivel musical encontra-se num estado vergonhoso, existe uma falta de variedade incrivel. Por vezes a mesma música passa 3 ou mais vezes por dia na mesma rádio e são sempre aquelas super comerciais que eu não considero música mas sim "uma qualquer forma de fazer dinheiro". O povo português já é muito pouco culto, para não dizer ignorante, no que diz respeito à cultura musical, não o queiram tornar ainda mais.

Pedro Coelho - Oliveira do Hospital disse...

Olá! Eu sou ouvinte assíduo de rádio (4/5 horas por dia) mas também um aprendiz neste meio de comunicação social, tenho 15 anos e um "programa" na rádio local aqui do sítio, a Rádio Boa Nova.

Acho uma boa ideia da RTP2, como canal direccionado à "Sociedade Civil" falar sobre rádio, um meio que invariavelmente tem perdido espaço (menos 300 000 ouvintes) e que necessita de o "reocupar"... qual é, na vossa opinião, o papel das rádios locais no actual panorama radiofónico que está "dominado" pelos grandes grupos?

Obrigado pela atenção e a continuação dum bom programa...

Anónimo disse...

visitem http://jpr.icicom.up.pt.
este é um projecto de alunos do curso de jornalismo e ciências da comunicação da Universidade do Porto. se o futuro da rádio é na web, então aqui estão a aproximar-se desse futuro.

Bruno Delgado disse...

Boa tarde a todos os presentes, gostaria de vos felicitar pela excelência do programa de hoje.
Lembro ainda com saudade, quando nos 80 a RR saía à rua às 7 da manhã para realizar ao vivo o "Programa Despertar" um programa que fazia praticamente parar as Cidade de Lisboa e do Porto. Algo que actualmente vejo ser muito difícil qualquer outro programa radiofónico igualar.

Bruno, Suiça 9 Abril 2007

Pedro -Moreira Dias disse...

Boa tarde. Queria apenas dizer que como locutor de rádio, noutro grupo, noutro tipo de rádio como é a Radar 97.8, existem 3 palavras chave, nesta conversa; tempo / portabilidade / e conteúdo dinâmico.
Tempo : porque as pessoas querem saber tudo, em pouco tempo, porque querem conversar sem perder tempo, querem ouvir música e saber tudo sobre ela.
Portabilidade : porque é o futuro, com o podcast, onde se pode ouvir um prgrama de autor num i-pod sem limitação horária.
Conteúdo dinâmico: tudo o que queremos saber (e incluo os nichos de mercado) com um dinamismo e com uma personalidade dinâmica.
Apenas uma nota de rodapé, o local de trabalho cada vez mais é um enorme mercado visto que cada vez mais as pessoas trabalham em frente ao computador e ouvem a rádio através da emissão online.

Parabéns pelo programa. Pedro Moreira Dias

Anónimo disse...

Tinhamos uma radio voltada também para o mar, para o pessoal do mar, pescadores, marinha mercante ,etc,
caso da RDP internacional e o programa do Candeias em que havia até uma interligação com a Lisboa Radio(radio marconi). Quando havia uma comunicação com um navio, passavam a ligação em directo com o navio. Tudo isso acabou, nem sequer uma meteorologia voltada para o mar, sendo certo que imensa gente está ´ligada´ na faina á noite junto á costa...

Paulo disse...

Boa tarde, estou a acompanhar este exelente programa via RTP-Online desde Inglaterra onde vivo.

Sempre fui ouvinte da Radio Renascenca em Portugal, foi com bastante alegria que quando vim viver para este pais tomei conhecimento que podia continuar a ser ouvinte da minha Radio preferida.

Alegria essa que aumentou algumas semanas atraz quando vi que tambem tenho agora acesso a RTP em directo, obrigado por isso, quem esta longe serve-se de tudo o que tem a mao, para matar saudades do seu pais.

Parabens a Radio Renascenca, um abraco ao amigo Paulino Coelho, com quem mantenho contacto semanal via e-mail.

Paulo Alexandre

Anónimo disse...

Boa tarde
Eu gostaria de dizer que não consigo viver sem ter no carro musica, essa companheira de viagens e parceira de aventuras.
A rádio e uma voz que nos faz rir, nos faz pensar e ajuda muitas das vezes a olhar para problemas que com o frenesim das nossas vidas nos passam ao lado.
A rádio nunca vai acabar, mas terá que não perder o comboio das novas tecnologias.
E IMPORTANTE CONTINUAR A DEFENDER A MUSICA E A NOSSA LINGUA PORTUGUESA!

José Carlos Mascarenhas

Luisa Afonso disse...

Pois, o que eu faria sem a radio, logo de manha, a dar-me noticias, a divertir, a fazer-me sonhar!
A radio faz-nos viajar, mesmo quando estamos parados no transito, a estudar no nosso canto.

A radio nunca vai desaparecer.

José disse...

Acho que a Rádio ainda tem muito espaço por onde evoluir.
Há que aproveitar as novas técnologias e inovar ,em Portugal sabemos improvisar e podemos mesmo ser pioneiros.
A tecnologia de emissão digital tem muitas capacidades que não estão a ser devidamente aproveitadas.
Mas acima de tudo , a lingua Portuguesa é linda e a Rádio é um meio excelente de a divulgar.
Os locutores\as Portugeses\as são um óptimo exemplo para quem quer aprender ou melhorar o Português.

Clara disse...

Boa tarde, quando eu era pequenina, lembro-me de ouvir na casa da minha avó enquanto eu e o meu irmão nos preparávamos para ir para a escola na "telefonia" como a minha avó dizia, o jogo da mala e o os parodiates. Ao lembrar-me disso senti o peso da nostalgia do meio de comunicação que nunca abandonei. De tal forma que tirei o curso de jornalismo, o que realmente lamento é o facto de ainda não estar a gozar e a viver o que aprendi.

Parabéns pelo programa e tenha um dia feliz

Maria Clara Dinis

Anónimo disse...

Boa tarde, quando eu era pequenina, lembro-me de ouvir na casa da minha avó enquanto eu e o meu irmão nos preparávamos para ir para a escola na "telefonia" como a minha avó dizia, o jogo da mala e o os parodiates. Ao lembrar-me disso senti o peso da nostalgia do meio de comunicação que nunca abandonei. De tal forma que tirei o curso de jornalismo, o que realmente lamento é o facto de ainda não estar a gozar e a viver o que aprendi.

Parabéns pelo programa e tenha um dia feliz

Maria Clara Dinis

Pedro disse...

A rádio nunca será subtituida pela televisão, disso é exemplo o programa do óscar daniel.RR é uma rádio ao serviço dos portugeses.

Parabens Grupo Renascença.

Pedro Marinho
Arcos de Valdevez

Clara disse...

Boa tarde, quando eu era pequenina, lembro-me de ouvir na casa da minha avó enquanto eu e o meu irmão nos preparávamos para ir para a escola na "telefonia" como a minha avó dizia, o jogo da mala e o os parodiates. Ao lembrar-me disso senti o peso da nostalgia do meio de comunicação que nunca abandonei. De tal forma que tirei o curso de jornalismo, o que realmente lamento é o facto de ainda não estar a gozar e a viver o que aprendi.

Parabéns pelo programa e tenha um dia feliz

Maria Clara Dinis

Anónimo disse...

ERA UMA BOA OPORTUNIDADE DE ESTARMOS PRESENTES A DUAS PESSOAS TÃO INFLUÊNTES NA RÁDIO PORTUGUESA, PARA PERGUNTAR PORQUE SE CONTINUA A RESTIRNGIR A MUISCA PORTUGUESA.
OLHEM O QUE OS ESPANHOIS FAZEM PARA DEFENDER A SUA LINGUA!

clara.dinis@gmail.com disse...

Boa tarde, quando eu era pequenina, lembro-me de ouvir na casa da minha avó enquanto eu e o meu irmão nos preparávamos para ir para a escola na "telefonia" como a minha avó dizia, o jogo da mala e o os parodiates. Ao lembrar-me disso senti o peso da nostalgia do meio de comunicação que nunca abandonei. De tal forma que tirei o curso de jornalismo, o que realmente lamento é o facto de ainda não estar a gozar e a viver o que aprendi.

Parabéns pelo programa e tenha um dia feliz

Maria Clara Dinis

Anónimo disse...

Como aspirante a jornalista, interrogo-me frequentemente se a Rádio tem os dias contados e o jornalismo que se exerce e "vê" nas rádios de hoje será o melhor, visto que os profissionais de comunicação estão constantemente "presos" à secretária. Serão as fontes de informação via Web fiáveis? E o trabalho de investigação para se saber do que realmente se fala? Partilho da opinião que alguns programas de rádio são verdadeiras conversas de café.
Parabéns Fernanda Freitas,
parabéns também aos excelentíssimos convidados por abordarem um tema que particularmente me fascina.
Obrigado por não deixarem o "bichinho" da Rádio morrer.
A Rádio é como o coração, nasce connosco!

Fernando Ferreira

Ana Chagas disse...

Queria dizer que o "bichinho da rádio" nunca irá desaparecer, e a sito refiro-me que o tal "bichinho" existe tanto em quem faz rádio como em quem ouve. A comunicação no éter será sempre essencial.
Já agora beijinhos para a querida Fernanda, para os convidados, em especial para o meu antigo professor Dr António Ferreira.

Anónimo disse...

Boa tarde, quando eu era pequenina, lembro-me de ouvir na casa da minha avó enquanto eu e o meu irmão nos preparávamos para ir para a escola na "telefonia" como a minha avó dizia, o jogo da mala e o os parodiates. Ao lembrar-me disso senti o peso da nostalgia do meio de comunicação que nunca abandonei. De tal forma que tirei o curso de jornalismo, o que realmente lamento é o facto de ainda não estar a gozar e a viver o que aprendi.

Parabéns pelo programa e tenha um dia feliz

Maria Clara Dinis

Pedro disse...

No 25 de Abril de 1974 no meio de uma confusão de noticias , num grupo de centenas de pessoas alguem em voz alta disse " liguem na renascença que é uma rádio de confiança,ninguem discordou"

Parabens Renasçença

José Marinho
Arcos de Valdevez

Pedro disse...

A renascença é uma rádio que se fosse comparada com o corpo humano seria o coração. trabalha sem parar dia e noite com todo o controlo.
Pedro Marinho
Arcos Valdevez

Mário Brandão disse...

Olá boa tarde a todos.

Aproveitava esta oportunidade para indereçar um convite a esse grande radialista que é António Sala. Estou neste momento a finalizar a gravação de um 2º albúm com a minha banda OS AZEITONAS, que se chamará "Rádio Alegria". Todo o disco será uma emissão experimental radiofónica e gostaria-mos que António Sala nos cedesse a sua voz no texto introdutório deste mesmo disco.

Obrigado.

Aguardo resposta em: geral@osazeitonas.com

António Veríssimo disse...

Fiz rádio durante muitos anos. Na informação e como locutor.
Hoje continuo por dentro da rádio mas como ouvinte.
E acredito: esta magia nunca terá fim.

Anónimo disse...

Obrigado Fernanda por escolheres a rádio como tema do teu programa...

Um beijinho
Paulino Coelho

Anónimo disse...

A rádio foi o "pontapéde saída" para a mofernização do mundo, em termos de tecnologia. A televisão não irá substituir a rádio de forma alguma, a rádio é sempre importante.
Parabéns á rádio Renascença!! E também a esses grandes senhores da rádio, Antónia sala, José Nuno Martins e António Mendes!!!

Anónimo disse...

«Os Dias da Rádio» remetem-me de imediato para 1955, tinha eu então 5 anos de idade, quando então todo me afadigava, em bicos de pés, para mexer irracionalmente nos botões do esplêndido Grundig com frontal de palhinha.

Logo que tomei juízo, ouvia a gosto a Maria Leonor, o Pedro Moutinho e o Fernando Pessa. Cerca de uma década adiante, o Artur Agostinho - voz cordial - empolgou-me com os relatos de futebol e a sua emotiva locução. A partir dos anos 70, passei muitíssimas manhãs com o António Sala no ouvido.

Em súmula, com os cinco nomes que citei, sem me perder em delongas de mais isto e mais aquilo, a rádio portuguesa, tal como as cinco quinas da bandeira, tem histórico condigno e brioso, muito além de políticas, religiões e "todas-as-outras-coisas-mais".

A minha avó, com 80 anos de idade, punha olhos de menina apaixonada sempre que ouvia o Francisco José.

Venham daí, Amigas e Amigos, verificar de olhos e de ouvido se minha avó tinha bom gosto ou não.

Rádio Portuguesa

Eugénio Bragal
Porto - Portugal

Diana disse...

Um olá para essa equipa do sociedade civil e os meus parabéns ao programa,desde já. No dia em que deu o programa dedicado à rádio não pude mandar nada...sou finalista de ciências da comunicação e quero muito seguir rádio. Apesar de saber que muita coisa na rádio é programada, mais do que nós podemos pensar, e parecendo que, de facto, as pessoas estão sempre daquele lado e nem sempre estão,há mesmo uma magia que nunca vai desaparecer deste meio de comunicação. Fico feliz de continuar a ouvir já "graúdos" com programas muito bons e as gerações mais novas também com coisas muito boas. A rádio é o meio, o transporte que, nos dias de hoje, ainda nos faz imaginar e libertar da rotina que nos absorve com tanta imagem, quase que não nos ouvimos, quase não nos falamos. Concordo com o que José Nuno disse em relação à antena3, eu oiço e aprecio, mas também me parece que está a correr o risco de se limitar muito e daí poder vir a tornar-se um pouco aborrecida,sem tanta dinâmica.
De facto, com as novas tecnologias, há um mundo de rádios por todo o lado, mas no fundo, ainda mais num país envelhecido como o nosso, a pequena telefonia, o rádio no carro,têm mesmo um encanto e outra magia. Muitas vezes fico indecisa em ouvir música do computador ou ligar o rádio, mas depois penso que na rádio vou ouvir vozes ou qualquer coisa que, mesmo gravada, me faça, de facto, pensar que está ali uma companhia.

Cumprimentos a todos