sexta-feira, maio 11

FÁTIMA, 90 ANOS

Celebra-se este ano 90 anos da primeira das aparições de Nossa Senhora de Fátima aos três pastorinhos. Ao marcarmos assim a efeméride aproveitamos para falar da influência de Fátima no Mundo, do papel do Papa João Paulo II no séc. XX e obviamente da fé que todos os anos move peregrinos para junto do Santuário que reúne milhares de pessoas todos os anos.

12 comentários:

Anónimo disse...

Olá sou o Rui e tenho 36 anos.
Fui a Fatima a 1ª vez a pé em 2001 depois de ter nascido o meu 1º filho e numa noite em que o meu filho quase sufocou fiz a promessa de ir a pé e lá fui eu sozinho.
Depois disso tenho ido todos os anos, não por promessa mas porque realmente senti a Fé de Nossa Senhora, e o conforto que dá a todas as pessoas que se poem a caminho.
Este ano não fui porque não tinha companhia.
A unica coisa que tenho pena é a falta de informação e organização para os peregrinos individuais ou grupos pequenos.
Isto porque os grupos grandes já têm tudo preparado, dormidas, refeições, etc. e quando é apenas 1 ou 2 pessoas têm que ser elas a deserrascarem-se, e quando nos juntamos a um grupo que encontramos no caminho, alguns até olham um pouco de lado, porque eles pagaram a inscrição, com direito a enfermeiros, dormidas e tudo o resto e nós vamo-nos "colar" a eles.
O negocio está em todo o lado, mas não vai ser por isso que eu vou deixar de ir sempre que puder.

Anónimo disse...

Gostaria de dizer que apesar de não ser católica e não pertencer a nenhuma religião da mesma origem, a mensagem de Fátima e toda a envolvência da aparição me tocam bastante e considero algo de muito importante para a humanidade. Consigo retirar muito desenvolvimento espiritual da mensagem de Fátima e da Virgem Maria. A peregrinação a Fátima é algo que está nos meus objectivos de vida pelo sentido antropológico que foi referido no programa e porque considero que seria importante para mim espiritualmente. Um dia ouvi uma expressão em portugal que gostei muito e acho que expressa muito do que eu sinto em relação a esta figura: "Senhora só há uma que seja digna de ser chamada por esse nome: a virgem Maria."
A virgem encarna o que de mais puro há no ser humano e o que lhe pode garantir o seu desenvolvimento: a capacidade de amar altruisticamente como todas as mães fazem e a sabedoria e sacrificio de entregar o fruto da sua existência e dedicação ao longo da vida ao mundo e aos outros. Não conheço em todo o universo maior amor e compaixão, nem maior sabedoria e santidade.

Anónimo disse...

Boa tarde,aproveito este forum para deixar no ar uma pergunta que há bastante tempo me inquieta.
O porquê das pessoas acharem que a fé está associada ao sofrimento?
Falo daquelas pessoas que percorrem o Santuário de joelhos e arrastando-se ficando com lesões muitas vezes graves!
Que forma estranha de agradecer a Deus, está na altura de explicar á nossa sociedade que Deus de certo não quer o nosso sofrimento.
Fátima Passos

Anónimo disse...

Humberto Sousa
Jornalista
56 anos
Parece que rescussitámos o paradigma de Salazar. Regressámos ao país dos três efes: fado, futebol e Fátima.
A tv pública, pela programação e pelos filmes que escolhe exibir nas efemérides cristãs, Natal, Páscoa, 13 de Maio e outras, revela-se muito pouco independente. Neste programa, concretamente, só há opiniões pró Fátima.
O fenómeno foi investigado e deu origem a alguns livros muito interessantes, dentre os quais destaco o "Fátima desnascarada" de João Ilharco, editado em 1971 e proibido pela censura do cristianíssimo Salazar. Aqui se explica o tremendo embuste, a farsa que serviu os interesses do regime. O que me espanta é que hoje, em democracia, se continue a perpetrar este acto de ignorância e fanatismo.
Acrescento ainda uma nota de rodapé. Reparem quem são os peregrinos que vão pelas estradas. Donde vêm. Que perfil têm.
Por coincidência, ou talvez não, são oriundos das pequenas localidades mais atrazadas, predominantemente nortenhas, com uma escolaridade muito baixa.
Fátima continua a estar associada à ignorância e ao fanatismo o que diverge muito do Portugal moderno e europeu que gostaríamos de construir.

Cátia Ferreira disse...

Olá boa tarde,chamo-te Cátia tenho 18 anos e muito embora não seja Católica, respeito imenso Fátima e tudo o que as pessoas vivem à sua volta. Porém faz-me uma certa confusão ver não só no 13 de maio, mas noutras ocasiões, as pessoas fazerem kilometros e kilometros, para provarem o seu sacrificio e pagarem então as suas promessas, mas Jesus foi o único que se sacrificou pela humanidade, o sacrificio dele não foi suficiente ? Ele pede que as pessoas sangrem em caminhadas de inumeros kilometros? É dessa forma que somos mais religiosos e devotos? Um deixar de fumar, um privar de algo superfulo não terá tanto ou mais valor ? Eu não gostei de ver a minha avó a rastejar na praça em Fátima, as pessoas não podem ir na mesma a Fátima sem terem de se sacrificar corporalmente?
Contudo, quero deixar claro que respeito imenso todas as pessoas que vão a Fatima em msisão de peregrinação, apesar de não achar que seja por aí que passa a devoção. As velas , os santos, as formas de várias partes do corpo que as pessoas compram quando têm um cancro ou algum problema em algum membro, passa por gastar dinheiro a melhoria da nossa saúde? A fé não pode ser um comérico.
Continuação de um bom programa.

Anónimo disse...

Olá novamente!
Sem querer ferir susceptibilidades, não fiquei de todo satisfeita com as "justificações" que os 3 convidados deram ao meu comentário sobre os sacrifícios como forma de agradecimento.
No entanto quero desde já dizer que respeito, pois todos temos direito ás nossas opiniões e maneiras de pensar.
Andei 10 anos num colégio de freiras e hoje não sou católica, mas acredito em Deus ou em algo Superior e valorizo muito a parte espiritual que existe em cada um de nós.
A meu ver a Igreja defende situações com as quais não concordo e esta é uma delas, para mim o importante é ter consciência e praticar o bem no dia-a-dia, ajudar os outros, ser amável ou seja ter sempre um sorriso nos lábios.
Achei curioso o relato, feito por um dos convidados, de um soldado que estava a pagar a sua promessa e que quando abordado por um individuo que lhe demonstrou a sua indignação,o soldado lhe perguntou se ele lá tinha estado, na guerra!
Então é assim que se agradece, desculpem-me mas é algo que não consigo compreênder,com tantas pessoas, criânças que precisam de ajuda, causas nobres que necessitam de apoio, emfim tanto há a fazer para tornar o nosso Portugal num lugar mais justo, melhor, mais feliz!Acho que a Igreja devia esclarecer estas pessoas, mas pelos vistos não o faz!
Serão estas e outras posições que afastam cada vez mais a Igreja Católica dos seus seguidores?
Fátima Passos

Anónimo disse...

Saudações a todos.

É salutar a partilha de várias opiniões e a existência de vários pontos de vista que devem, de facto, ser respeitados e partilhados.

Mas tenho de me manifestar relativamente a um comentário do Sr. Jornalista, Humberto Sousa, na liberdade que também tenho de o fazer, e no respeito pela sua opinião, que diverge da minha.

"Fátima" não é uma crença de ignorantes, nem de gente de aldeiazinhas ou iletrados! E não é só "algo" português. Muitos são os que vêm partilhar dessa fé, de fora.

É transversal! É um fenómeno de FÉ! E esta não se explica, vai além do explicável, é vivenciada,
e sentida. Algumas pessoas têm essa capacidade, esse dom, têm vontade de o desenvolver e desenvolvem-no, outras infelizmente, não, e colocam a dúvida, o criticismo, o cepticismo e a "suspeita" minante na fé dos outros, que é muitas vezes o único "pilar" de esperança na vida, o motor da motivação e força.

Sempre há e haverá quem crê e quem não crê. Faz parte. Já Jesus, foi crucificado pelos seus "opositores"! Porque seria diferente agora? Não é. Há quem não acredite no fenómeno de Fátima, há quem até invente histórias convincentes que contradigam a fé e as aparições, à semelhança das invenções e "romances" sobre Cristo, a sua vida, e até o seu túmulo!

Mas uma coisa é certa: nada demove a fé verdadeira. Nem agora, nem nunca.

E a fé, é algo que se vai construindo e alimentando. Será isto fanatismo?! Não, é "apenas" a FORÇA da fé, que move.

Cabe a cada um de nós escolher as "versões" por que quer reger a sua vida. Se pela fé pura e inquestionável, se pela "suspeita" de pseudo-histórias que só tentam minar a crença e alcançar protagonismo.

E concordo, quando dizem que não é preciso sacrifícios corporais para manifestar a fé. De facto não é! Porém, cada um tem a sua forma de a vivenciar e para as pessoas que o fazem, fazem-no porque é isso que lhes alimenta melhor a fé. São opções que fazem alcançar paz interior.

É a minha opinião.

Que a fé vos acompanhe sempre.

Melhores cumprimentos.

Andreia de Jesus.

Sara disse...

Em especial ao senhor Humberto Sousa e à senhora Anreia de Jesus: Penso que a Fé é algo que tem uma explicação que vem de dentro de cada um, é subjectivo, é diferente de pessoa para pessoa porque todos nós somos diferentes e olhamos o mundo de forma diferente.

Todos nós acreditamos em algo, mesmo aqueles que se consideram ateus! Acreditamos nem que seja em nós mesmos, na nossa força, ou na Natureza. Eu acredito em mim e na Natureza e nas coisas existentes à minha volta, na minha espiritualidade, na minha subjectividade, na minha maneira de sentir e de viver as coisas.

Eu sou agnóstica. Não creio em nenhuma religião nem deixo de acreditar. Tive formação Católica pois toda a minha família o é.

Ir à missa, rezar, visitar locais de devoção, etc. não me diziam nada, eu não sentia qualquer presença divina, não sentia qualquer Fé nem utilidade nesses actos, fazia-os apenas por obrigação.

À medida que fui crescendo, fui deixando de participar nesses eventos religiosos porque para mim não faziam sentido. Principalmente porque há uma série de coisas ensinadas pelo Catolicismo que eu não compreendo, algumas incongruências e alguns aspectos que se chocam com a minha maneira de pensar.

Penso que poderá existir algo superior a nós, quem sabe um Deus, mas tenho a certeza que a história contada na Bíblia está mal contada ou mal interpretada. Não faz sentido, por exemplo, fazer sacrífíos corporais para adorar a a Deus, para pagar promessas, para mostrar o quanto se é devoto...

A única mensagem que tiro de real valor do Catolicismo é a de Amor, de compreensão e de apoio ao próximo e a nós mesmos, pondo de lado sentimentos maus como egoísmo, rancor, inveja, etc.. O que vale é a união, o respeito mútuo e o bem estar de todos.

Ir missa, fazer promessas e sacrifícios não faz de nós melhores ou piores pessoas! (Quantas vezes não vi velhotas a sair das missas e logo a cuscovilhar umas com as outras e a falar mal da vida dos outros...)

Ir a Fátima a pé, por exemplo: Respeito muito, não pelo sacrifício mas pela Fé, "a Fé move montanhas". E a Fé, para mim, é uma força interior que cada um possui e pode ou não desenvolver.

Relativamente ao comentário de que os peregrinos são normalmente oriundos das localidades mais atrasadas (em termos de falta de informação), penso que terá alguma razão, mas também é preconceito. Porque hoje em dia não se prega com tanta intensidade a religião e é por isso que são, em geral, as gerações mais antigas o principal foco de Fé. As pessoas vivem, seguindo mais ou menos aquilo que lhes foi ensinado.

Quanto a fenómenos milagrosos, nunca assisti a nenhum e gostava muito. Alguns poderão ter alguma explicação natural, outros não sei. Mas gostava de ver.

Algumas das questões a que mais gostava de ter resposta é: Se Deus existe e é tão bom, se Deus é amor, se somos todos iguais perante Deus, porque é que Ele permite desigualdade e sofrimento? Porque estamos aqui? Para onde vamos? Deus está a brincar connosco, somos peças de xadrez? Se Ele existe, porque não se mostra, porque não diz o que pretende?

...

O maior propósito da vida, aquilo que para mim faz sentido, é ser Feliz! É fazer o que se gosta, amar e ser amado, despreocupar-se e viver intensamente experimentando aquilo que se deseja, centrados no momento, no presente. Carpe Diem! =)

Anónimo disse...

"Boa tarde,aproveito este forum para deixar no ar uma pergunta que há bastante tempo me inquieta.
O porquê das pessoas acharem que a fé está associada ao sofrimento?
Falo daquelas pessoas que percorrem o Santuário de joelhos e arrastando-se ficando com lesões muitas vezes graves!
Que forma estranha de agradecer a Deus, está na altura de explicar á nossa sociedade que Deus de certo não quer o nosso sofrimento.
Fátima Passos "


Fátima, essa é a forma da subjugação...Por vêzes pela a dôr por outras pelo o medo...Se analisar os muitos estados facistas , ao longo da história se verá que sua temática e lógica , se orientam pelas mesmas formas que a católica..

Mélita disse...

Sinceramente, senhor anónimo, que associa esses sacrifícios a formas de subjugação fascistas...(por acaso, agora são os comunistas e terroristas que o fazem, não é por nada). Repare que sacrifícios fá-los qualquer mãe que se preze, ou acha que a sua, para o parir, lhe doeu pouco e deitou pouco sangue? Parece-lhe que cozinhar ou limpar para si 2 vezes ao dia é pouco sacrifício? Porque é que essas pessoas lhe estão subjugadas a si? Não será porque lhes merece um pouco de amor? Ou também não consegue ver isso?

Anónimo disse...

Quem não quer vêr ..Por forma alguma algum dia verá...

Senhora Amélia falei no sentido da própria instituição que é o vaticano , e com base de conhecimento e entendimento do que faz andar essa mesma instituição e das muitas vêzes que é mal usada, para fins politicos e de interesses económicos..

Não falei que o crente é imbecil , mas a forma como o manipulam...

Se a senhora não constacta esse mesmo facto..O problema é seu..Mas não contra-ponha por forma distorcida, quando acho que nem entendeu o que escrevi


Estude as diversas antigas culturas e seus religiosos rituais e não verá qualquer diferença...Somente estão mais modernizados e não tão desumanos, mas mais manipulativos...

E por favor não generalize , somente se fala de fé ou melhor da instituição , que devia se assentar no maior conceito humano que existe , liberdade e não o eterno condicionamento....

E desculpe a verdadeira fé , não precisa de dôr ,nem de um seguir cegamente de regras , e muito menos de espaço concreto para cada crente se encontrar...


Veja o que o seu papa , foi tentar fazer no Brasil...Mas com olhos de vêr...e talvêz comece a vêr o que alguns vêem...

Anónimo disse...

E já agora, acho piada , que em tudo que se fala , se invoca o comunismo...Mas o engraçado que é no seguimento da lógica impingida ou seja..Comunismo é lobo mau que tem boca grande e como crianças...rs E olhe que nem sou comunista , mas acho piada...