segunda-feira, junho 11

DISCRIMINAÇÃO: ORIENTAÇÃO SEXUAL

A Comissão Europeia estabeleceu o ano de 2007 como o Ano Europeu para a Igualdade de Oportunidades para Todos, com o objectivo de sensibilizar a população para os benefícios de uma sociedade mais justa e solidária através da promoção da igualdade e da não discriminação, onde se ofereçam a todas as pessoas, independentemente do sexo, origem étnica, religião ou crença, deficiência, idade e orientação sexual, as mesmas oportunidades. Neste Sociedade Civil queremos orientar a abordagem para a questão da Orientação Sexual.

96 comentários:

Sara disse...

Defendo a igualdade de direitos e de respeito para qualquer ser vivo que habita a Terra.

Quanto à discriminação da orientação sexual penso que quem discimina:
- Não respeita.
- Não pensa por si (está apenas ligado à "moral e costumes" da sua religião e/ou cultura).
- Ignora e rejeita o facto de que realmente, qualquer um pode, a qualquer momento da sua vida, se sentir sexualmente atraído por alguém do mesmo sexo, apesar de não ser comum.

O que acontece é que a discriminação muitas vezes chega a ser tão cruel, tão invasora (até parece que é crime) que faz com que muita gente esconda a sua verdadeira orientação sexual e viva infeliz, fechado em si mesmo.

Se com outras espécies, por vezes, também acontece, porque é que com o ser humano havia de ser diferente? Por exemplo, vê-se de vez em quando cães a acasalar com cães.

Não é nenhuma doença nem problema psicológico! Nem contagia! Então porquê homofobia?

Homosexuais, lésbicas, bisexuais são pessoas normais, como qualquer heterosexual!

O que interessa é que exista Amor e, de resto, a orientação sexual de cada um é pessoal e não interfere com a de mais ninguém.

Vivam e deixem viver! =)

ac disse...

Citando Jean Jacques Rosseau:

“A liberdade é um alimento nutritivo, mas de difícil digestão.
É por isso necessário preparar os homens para ele muito tempo antes de lho ministrar…”

Porque? A liberdade dos outros será demasiado “incomoda” que nos afecte tanto o dia-a-dia?

Filipa Carneiro disse...

Sou uma adepta da igualdade entre todos os cidadãos tendo em conta as diferenças entre cada um.

Não me incomoda a diferente orientação sexual, a cor de pele ou religião que possam ter, da minha parte não há discriminação. Apesar disso, não concordo que os casais homossexuais devam ter certos direitos como por exemplo, a adopção de crianças por parte desdes casais. Uma criança com 2 pais ou 2 mães nunca seria educada para viver na nossa sociedade, teria a sua noção de maternidade e paternidade totalmente distorcida, e imagino que não seria fácil dar as primeiras lições da anatomia/fisiologia do aparelho reprodutor (pois os pais dão-lhes uma utilidade diferente da maioria dos indivíduos).

Para além desta questão não ponho qualquer entrave às relações entre individuos do mesmo sexo, ainda que não me sinta à vontade a ver 2 homens/mulheres a beijarem-se.

Pedromarinho disse...

O já mencionado relatório da ONU sobre a eliminação da intolerância diz: “Visto que todas as formas de intolerância e de discriminação baseadas em religião ou em crenças nascem na mente humana, é para a mente humana que os trabalhos devem ser inicialmente dirigidos.” Essa educação pode até ajudar as pessoas a examinar as suas próprias crenças sobre a homosexualidade.
Pedro Marinho
Arcos de Valdevez

Anónimo disse...

a discriminação sexual deve-se em parte aos comportamentos muitas vezes provocatórios e ostensivamente demonstrativos da opção sexual dos visados, nomedamente dos masculinos. se o comportamento, postura e sinais sociais fossem no minimo tão discretos como os restantes, certamente o grau de hostilidade ou discriminação seriam atenuados.

Pedromarinho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
carlo nery disse...

manifestações como as paradas gay servem para provocar e aumentar a discriminação sexual. esses desfiles carnavalescos não são mais que provocações isentas de um conteudo pedagogico e contribuem para ridicularizar os homosexuais.
Carlos Nery

Pedromarinho disse...

A intolerância muitas vezes gera violência. O respeito é recíproco, mas existem tendências que nos separam, apesar de reconhecer a discriminação nesta área o que lamento...profundamente, eu tenho as minhas convicções religiosas e respeito a minha crença, mas seria absurdo não aceitar os outros como são, como nasceram e como são felizes.

Pedro Marinho

Arcos de Valdevez

Mário disse...

O problema para as pessoas é o que diz a igreja! A igreja diz que é errado, que é imoral, que os homens têm de se casar com as mulheres! Apesar de a lei poder ser contraria a igreja tem mais poder na mentalidade da população que o próprio governo.

Heliocoptero disse...

"a discriminação sexual deve-se em parte aos comportamentos muitas vezes provocatórios e ostensivamente demonstrativos da opção sexual dos visados, nomedamente dos masculinos. se o comportamento, postura e sinais sociais fossem no minimo tão discretos como os restantes, certamente o grau de hostilidade ou discriminação seriam atenuados"

Errado! Isso é dizer «são aceites, desde que se escondam», tal como em tempos se defendeu em relação às minorias religiosas. Basta ver o caso da sinagoga de Lisboa, construida por trás de muros, porque a legislação da época não permitia que templos não-católicos tivessem fachada para a via pública. Os judeus eram tolerados desde que não dessem muito nas vistas.

Dizer que os homossexuais só serão aceites se se esconderem é ter o mesmo tipo de raciocínio discriminatório que nada mais é quer do que tenta dar uma máscara aceitável à intolerância.

Filipe Albuquerque disse...

O Casamento é por defenição uma Instituição Heterosexual,pelo que não concordo com o seu alargamento a grupos Homosexuais, no entanto penso que estes poderiam criar uma Instituição própria com caracteristicas semelhantes...

No meu entender é apenas uma questão Formal...

Na questão da adopção sou inteiramente a favor, as instituições não são uma solucção particularmente + natural, antes pelo contrário...

Pedromarinho disse...

Pergunto: Como entenderá a orientação sexual uma criança que seja adoptada por um casal do mesmo sexo antes da puberdade? A orientação pode ser afectada? O respeito é num todo! Haverá possíveis traumas na criança?

Pedro Marinho

Arcos de Valdevez

Heliocoptero disse...

"O Casamento é por defenição uma Instituição Heterosexual"

Durante séculos também foi, por definição, um sacramento, uma cerimónia exclusivamente religiosa, mas não foi por isso que se deixou de instituir o casamento civil, pois não?

Pedromarinho disse...

A liberdade não significa libertinagem... alterações por imposição é mau para uns e outros...O respeito pela vida , pelas regras da natureza é ampla ,sendo assim a homosexualidade tens riscos fisiológicos, existem partes do nosso corpo que não tem essa função,os médicos sabem disto...mas respeito...reconheço promiscuidade em certos actos ...mas a discriminação é um erro.

Pedro Marinho
Arcos de Valdevez

Rita disse...

Boa tarde Fernanda e convidados
Vi uma vez num programa (Oprah) que a orientação sexual pode revelar-se muito cedo na vida (tão cedo quanto 7 anos). Se esta tendência se pode entender como quase uma tendência nata, não será altura de a Sociedade aceitar de uma vez que pode existir a diferença???

Acho uma verdadeira violência incutir desde sempre nas crianças de que o certo é só Homem/Mulher e que só a ideia homosexual é uma abominação!! Se queremos que, acima de tudo, os nossos filhos sejam felizes, a descriminação deveria acabar, primeiro que tudo, em casa.

Tiago disse...

Os estereótipos que são impostos desde a infância sobre sexualidade podem acabar por condicionar como se cresce e vive a sexualidade. Ao mesmo tempo que rejeita, define a alternativa... O célebre "ou connosco ou contra nós". Isso está tão enraizado que até afecta pessoas que não são homossexuais, mas que aparentemente têm características estereotipadas (quase tiradas de anedotas) do que se considere ser homossexual.

Acho que o problema não é tanto heterossexual vs. bissexual vs. homossexual (embora os números tenham bastante peso na forma como afectas os outros), mas saber aceitar que os outros vivam a sua sexualidade como desejam, porque até homossexuais podem ser intolerantes, ou não?

Filipe Albuquerque disse...

"O Casamento é por defenição uma Instituição Heterosexual"

Durante séculos também foi, por definição, um sacramento, uma cerimónia exclusivamente religiosa, mas não foi por isso que se deixou de instituir o casamento civil, pois não?

Muito antes de ser uma cerimonia Religiosa foi uma cerimónia Social...

No essencial não vejo qualquer problema, mas não pudemos misturar tudo no mesmo saco...

No mundo as coisas são e têem defenições distintas e isso nada tem que ver com descriminação sexual...

Liberdade para todos sim, mas sem confundir valores historicos que são a base das culturas e dos povos com as suas especificidades e prencipios próprios...

AGoncalves disse...

no infantario do meu filho existe um menino com 4 anos que tem como "tendencia" beijar na boca os colegas masculinos, recusando-se a beijar as meninas. Por mais que tentemos explicar ao nosso filho, tambem de 4 anos, de que isso não é nada de anormal a resposta que temos é de que os meninos so podem beijar na boca as meninas. Como explicar este comportamento a uma criança e combater este comportamento, para já "só" de gozo.
Antonio Goncalves

Pedromarinho disse...

É de se admirar que a prática do homossexualismo seja muitas vezes frustradora? O Criador fez os dois sexos para se complementarem, ambos com o fim de ‘encher a terra’ e dar satisfação e felicidade a cada um. Que o homem e a mulher se destinavam um ao outro é indicado pela própria estrutura dos órgãos sexuais. As intimidades maritais, realizadas com consideração mútua, fortalecem o vínculo marital, bem como a personalidade de cada um. Sim, quando tanto o marido como a mulher desempenham o papel devido segundo as normas de Deus, o casamento é belo e edificante.

Não faz a própria racionalidade da atitude heterossexual da Bíblia que se saliente logo a irracionalidade da atitude homossexual? Na relação homossexual, um dos participantes amiúde finge ou age a parte do sexo oposto, física, mental e emocionalmente, de modo que isso se baseia numa mentira. Conforme diz o livro Homosexuality (Homossexualismo), da autoria da Sociedade de Psicanalistas Médicos, Comissão de Pesquisa: “É irracional tentar encontrar qualidades femininas num companheiro do sexo masculino.”

A propagação do homossexualismo significa que muitos começam a adoptar um modo de vida que tantas vezes causa frustração e aflição. É algo detestável e repugnante aos olhos de Deus e dos amantes da justiça. Saber o que fazer para evitar um resultado tão infeliz, desaprovado por Deus, é o proceder sábio a adoptar.

pedro disse...

tou a acompanhar o programa e gostava de fazer uma pergunta:
Porke é que os gay´s têm tendencias fimininas?

Anónimo disse...

Eu vejo no meu diarimente 2 tipos diferentes de discriminaçao. Por um lado a discriminaçao da sociedade que nao suporta um beijo em publico de 2 pessoas do mesmo sexo quando somos bombardeados por cenas intimas heterosexuais a toda a hora, no entanto os homosexuais 'auto discriminaçao-se' por força dos exageros da promiscuidade que os caracteriza ainda que essa mesma promiscuidade seja muito inflacionda por quem ve a minoria homo do lado de fora do armario.

Anónimo disse...

Quem e que lhe disse que os gay's tem tendencias femeninas?

Anónimo disse...

Estaremos nós a regredir no tempo, no que concerne à discriminação sexual?

Tiago disse...

Humor/anedota/aparte:

Satanismo não existiria sem Cristianismo :)

Heliocoptero disse...

"Liberdade para todos sim, mas sem confundir valores historicos que são a base das culturas e dos povos com as suas especificidades e prencipios próprios..."

Foi exactamente este tipo de argumenos que se usou contra o casamento civil quando se quis institui-lo em Portugal! Se era ou não atentatório da identidade cultura cristã de Portugal, se ia ou não contra a Constituição Política católica do país.

Cem anos depois já deviamos saber ultrapassar estes preconceitos.

Rui Luzes Cabral disse...

A homosexualidade como quase todos sabemos não se questiona. Aceita-se e respeita-se. Cada um dentro daquilo que a vida lhe permite fazer, vive de acordo com as suas orientações e modos de vida que julga melhores para si.
Mas quando se coloca a questão da adopção está-se a pensar mais nos homosexuais ou nas crianças a adoptar?
Os homosexuais queixam-se ainda da descriminação de que são alvo. E quem hoje diz por exemplo que a homosexualidade é um comportamento contra natura porque é que é também já olhado descriminadamente?

Anónimo disse...

Boa tarde Fernanda Freitas! Antes de mais quero dar-lhe os parabéns pela distinção com que dirige este programa e pelo seu talento.
Penso que o maior passo a dar para que se "abram" as mentalidades, sérá justamente falar sobre os Tabus. Todos somos humanos, todos temos "jardins proibidos"! Não nos devemos rotular mútuamente, devemos antes criar um respeito mútuo. E são programas como este que contribuem para isso. Parabéns pelo tema e pelo importante contributo!

Miguel disse...

Eu apesar de ser bissexual nao concordo com a adopçao de crianças pelos gupos LGBT. Nao tem haver com o facto da educação ou com a orientaçao sexual que a criança vai desenvolver porque mesmo com a educação dita tradicional a orientaçao sexual das crianças pode se revelar ser Não-Hetero.
Acho que quando e fala da adopção de uma criança nao se deve olhar para o direito ou a liberdade que os grupos GLBT possam ter mas sim para aquilo que vai ser a vida social da criança e a discriminaçao com que se vai deparar quando se falar acerca do pais ou maes... Acho que quem vai sofrer vai ser a criança logo nos seus primeiros anos de vida...

Anónimo disse...

Na minha opiniao a discriminação por orientação sexual deve se a 2 razoes. Primeiro ignorancia motivada por valores ultrapassados, nomeadamente valores religiosos e sociais, por outro o desconhecimento profundo da sociedade sobre o que se passa a sua volta por isso para o cidadao medio o homosexual e uma 'bicha louca' promiscua e desviante.

Anónimo disse...

Eu acho que a homosexualidade tem vindo a aumentar ao longo dos anos e a minha pergunta é se acham que daqui a uns 20 ou 30 anos se fazem programas de TV com pedofilos que coitados tambem são discriminados.
E tambem se acham que a homosexualidade, pedofilia, doenças psiquicas, etc. podem ser tratadas ou devem ser todas olhadas como uma escolha individual ?

filipa ventura disse...

casamentos entre homosexuais? conseguem imaginar uma criança crescendo saudavelmente no seio de uma "familia" homosexual ? não estarão os defensores deste tipo de união a tentar justificar esta aberração social invertendo mais um dos valores naturais das sociedade ( já de si tão adulterada em valores humanos/sociais ) contribuindo para uma geração desprendida de identidade,crescida no seio de referências contraditórias que acabam por gerar promiscuidades de todos os tipos?
Filipa Ventura

Carolina disse...

Ainda acho que hoje não se respeitam as oriebtações dos outros. Ainda vivemos com os ensinamentos dos nossos avós e pais: meninas bricam com meninas e meninos com meninos, e as meninas namoram com meninos, se não estamos a comenter um grande pecado. São estigmas que estão presentes no nosso quotidiano. E porque será que não damos importância quando vemos 2 mulheres de mão dada ou abracadas, mas achamos estranho e até comentamos quando vemos 2 homens a fazer exactamente o mesmo?
Mas se me perguntarem se Portugal é um pais de preconceitos eu respondo que infelizmente sim, pois se não fossemos preconceituosos não falariamos desta situação com tanta frequência.
Felicidaes para o programa e para todos os conviados!

luvi disse...

Estou a ouvir e a ver o programa na RTP 2.
Fico perplexo quando se escuta psicologos dizerem que a homossexualidade é uma minoria...enfim!...
Basta ver cada vez mais os ditos "heterossexuais casados" que andam todos os dias nos chats homossexuais...
Basta ir na rua e ver os olhares de muitos homens e mulheres acompanhados pelos parceiros(as).
É claro que não tem nada a ver o exibicionismo "gay", com a verdadeira orientação homossexual de um indivíduo...ser gay é de todo um comportamento e não uma forma de catalogar a homossexualidade.
Como na heterossexualidade existe comportamentos menos ou mais exibicionistas..ou não?
Não existem minorias sexuais. existe sim, orientações sexuais. Mas se quisermos faalr em maiorias, pois acho que aí então deveriamos dizer que a Bissexualidade é sem sombra de dúvida a maior orientação sexual.

Clara Caldeira disse...

Boa tarde,

O meu nome é Clara Caldeira e sou autora de um estudo publicado que penso ser de interesse para o programa que está a decorrer sobre a discriminação por orientação sexual. «A representação das minorias sexuais na informação televisiva portuguesa», é o nome do livro publicado pela editora Livros Horizonte, na sequência de uma tese de mestrado.

Parece-me fundamental discutir o papel dos media na integração de uma imagem normalizadora destas minorias ou no reforço das imagens estereotipadas.A investigação que realizei inclui um estudo de caso sobre o noticiário da Sic entre os anos de 1995-2000, período em que as associações de defesa dos LGBT ganharam alguma projecção. Os resultados da análise mostraram que este canal, a nivel informativo, tendeu a integrar esta nova realidade, em áreas temáticas diversas, com predominância quantitativa de áreas «legitimadoras». No entanto, a análise texto-imagem revelou que permanecem algumas marcas de estereotipização, nomeadamente ao nivel do reforço do aspecto sensual deste grupo, o que será por ventura natural, uma vez que os media fazem parte de uma sociedade em evolução e que ainda há poucos anos este assunto era tabu. No entanto, os resultdos são animadores.

Queria ainda acrescentar que não faço parte do grupo LGBT, e que me parece fundamental que pessoas exteriores a este grupo se interessem por esta matéria. É de facto uma questão da sociedade civil.

Anónimo disse...

Serà que eu sou preconceituoso? Sou homosexual, mas não me assumi ainda. Não me sinto preparado.
Não sera isso uma forma de auto-preconceito e auto-discriminação? João

AGoncalves disse...

Sem querer monopolizar o debate a questao levantada em relação ao meu filho de 4 anos é mais abrangente porque o que aconteceu foi que uma série de pais começou a perceber que uma determinada criança esta a ser posta de parte pelas outras e quando tentamos perceber o porquê surgiu a tal explicação de que ele beijava os meninos. Corraborando alguns dos dados sobre o tipo de descriminação mais comum nunca vimos este tipo de comportamento em relacão a colegas de cor, que também existem.
Antonio Goncalves

susan disse...

"Na relação homossexual, um dos participantes amiúde finge ou age a parte do sexo oposto, física, mental e emocionalmente, de modo que isso se baseia numa mentira. "

Numa relação homossexual, os amantes sejam ambos masculinos ou femininos não procuram no companheiro caracteristicas do sexo oposto ao seu. Sou lésbica, tenho namorada a mais de quatro anos e não procuro nela qualquer sinal de masculinidade e virilidade socialmente atribuida ao sexo masculino, tal como ela não o faz em relação a mim. A atracção que sinto por ela, seja de natureza emocional ou sexual, advém de um sentimento de amor tão nobre como aquele que se pode vivenciar numa relação heterossexual.
Não faz sentido algum pensar que os homossexuais procuram estabelecer com os seus parceiros uma relação dentro dos moldes hetossexuais, moldando-se aos roles socias do que é ser homem e mulher numa relação amorosa. Essa questão é mais uma manifestação de descriminação, intolerância e mesmo ignorância daquilo que são as relações não só entre homossexuais, mas entre seres humanos.

Heliocoptero disse...

"Acho que quando e fala da adopção de uma criança nao se deve olhar para o direito ou a liberdade que os grupos GLBT possam ter mas sim para aquilo que vai ser a vida social da criança e a discriminaçao com que se vai deparar quando se falar acerca do pais ou maes..."

Pensou-se o mesmo a respeito dos filhos de pais divorciados, argumentava-se que na escola iam perguntar-lhe «como é isso de só teres um pai?» ou «como é isso de só teres uma mãe?». Não consta que tenha havido um colapso social por causa de legalização do divórcio ou que o caminho para o fim da discriminação dos filhos de pais divorciados tenha sido manter a lei na mesma.

ANEVE disse...

O que é que sentes quando vez dois homens a beijar-se?
É exactamente o mesmo que ver um homem e uma mulher? Enquando a tua reacção emocional for diferente também tu discriminas!
Nuno

Tiago disse...

A pedofilia é um problema quando o pedófilo abusa de crianças ou quando fonte de angústia para o pedófilo por não poder concretizar os seu impulsos sexuais.

Daniel disse...

Segundo o artigo 1577.º do Código Civil, "casamento é o contrato celebrado entre duas pessoas de sexo diferente que pretendem constituir família mediante uma plena comunhão de vida". Existe, desta forma, uma discriminação no que concerne à orientação sexual, uma vez que o artigo 13.º da Constituição da República Portuguesa trás consigo que ninguém pode ser discriminado mediante a sua orientação sexual.

Não entra aqui a Constituição em rota de colisão com o Código Civil?

Tiago disse...

Natura anti-natura

Anónimo disse...

Enquanto bisexual posso sentir o mesmo, tudo depende de varios factores que nao vou discriminar agora porque a minha questao nao se centra no apelo ao desejo que o acto possa provocar mas a recriminação que o carinho entre homosexuais e sujeito por ser contra a norma.

rita disse...

a chamada 'família' é um mito. desde sempre houve homens que engravidam as namoradas e as abandonam, e casos de mulheres que deixam os homens com os filhos.

_Para mim é mais chocante ver, hoje em dia, rapazes e raparigas em pleno marmelanço (profundo) em qualquer sítio e ninguém diz nada. Se vêem dois homens de mão dada, são logo insultados.

Pedro disse...

A questão que coloco dirige-se a todos os telespectadores que, não sendo homosexuais têm dificuldade em aceitar essa inclinação sexual.
"Se tivesse um filho, ou uma filha, que se abrisse consigo e lhe dissesse que era homosexual o que faria? Tentaria compreendê-lo e estaria ao seu lado, ou seria egoísta, irresponsável e arrogante ao ponto de ignorar os obstáculos redobrados que o seu filho encontraria ao longo da vida?"

Pedro Santos
Porto

Anónimo disse...

Resposta ao tiago-

Nos 2 casos obviamente, um problema legal moutro um problem clinico...

Daniel disse...

Pois é. Quem não tem algo a dizer sobre a igualdade de direitos.

Até fica bem falar-se disso, mas será que são só os homossexuais que estão implicados neste tema? e os deficientes? que têm direitos iguais mas barreiras que um dito "normal" não tem.

Quanto à homossexualidade, eu sou Gay, não me revejo no que já alguem comentou de terem tendências femininas, mas o julgo que o problema reside no que se vê.

Quando vemos uma marcha de orgulho o que se vê? Gays? não... Vemos transformistas, vemos a maioria dos gays que têm sim tendencias femininas e que não têm problemas em esconder o que são. No entanto para quem conhece minimamente o assunto sabe que são uma minoria.

Quem sabe se o seu colega de carteira ou de trabalho, tão masculino que é, não será também homossexual?

A meu ver não tenho de andar a mostrar na rua que sou gay. EU sei, os meus pais sabem é o que me basta.

Cumprimentos Daniel

Miguel disse...

Uma criança em que os pais s divorciam é totalmente diferente da questao da adopçao...

Afinal a Criança continua a ter pai e mae, apesar de nao tar ao mesmo tempo com os dois.

Se na sociendade nao existisse a dita discriminaçao não haveria qualquer problema para a adoçao da criança por grupos LGBT...

Mas de momento e por enquanto acho que é errado e há que pensar na criança e na sua saude mental e na discriminaçao com que se vai deparar por ter dois "pais" ou duas "maes".

No futuro quando as pessoas forem mais "modernas" e respentarem os outros esse problema já nao se poe...

Filipa Carneiro disse...

"O que é que sentes quando ves dois homens a beijar-se?"

Acho estranho só... "primeiro estranha-se, depois entranha-se"
Pode ser que quando houver mais gente o mesmo sexo a beijar em publico eu me habitue... (não me parece, mas pode acontecer)

Para além disso não acho que um beijo em 2 homens/2 mulheres seja tão belo, mas isso são gostos (tal como também não gosto de piercings ou tatuagens...)

Isso não implica que eu discrimine quem tem piercings ou quem tatua o corpo. Não gosto mas tolero isso perfeitamente...

Marta Fernandes disse...

Se alguém consegue dizer que as crianças criadas por casais do mesmo sexo nunca seriam educadas para viver na nossa sociedade, que teriam a sua noção de maternidade e paternidade totalmente distorcida, gostava que me explicassem então qual é a situação das crianças que são educadas apenas por uma pessoa ou até numa instituição.
Eu fui criada pela minha mãe até aos 9 anos e pela minha avó a partir dessa idade, ou seja fui sempre educada por uma pessoa e nunca por um homem. Devo dizer que estou perfeitamente inserida na sociedade e não tenho noções de maternidade e paternidade distorcidas. Aliás, ao contrário do que muita gente possa pensar, tendo em conta que fui educada exclusivamente por mulheres, não sou excessivamente feminina. Até cerca dos 15 anos fui uma verdadeira "maria-rapaz".
E acho um tanto absurdo dizer que seria difícil dar as primeiras lições de anatomia do aparelho reprodutor. Se me pedissem neste momento que explicasse a uma criança, quer esta fosse menino ou menina, como funciona o aparelho reprodutor (masculino ou feminino) eu fá-lo-ia sem a menor dificuldade , tanto no sentido reprodutor como no sentido do prazer sexual (hetero ou homosexual).
Concordo plenamente com Sara quando menciona que também se verificam comportamentos homosexuais noutras espécies. Vários documentários dedicados ao tema (um dos quais já deu na rtp2) mencionam que são imensas as espécies que exibem comportamentos homosexuais (na realidade, bisexuais), a homosexualidade humana não é única nem anormal.

Enfim, aos meus olhos os homosexuais deviam ter exactamente os mesmos direitos que todos as outras pessoas, desde o casamento à adopção. Se é impossível evitar completamente a dscriminação, deviam pelo menos ter os mesmos direitos legais que o resto da população.

Sr. Meireles disse...

Fernanda Freitas, parabéns pelo programa e pela profissional que é. Já agora uma pergunta: Não sei se tem filhos, mas se os tiver era-lhe completamente indiferente que a sua filha ou o seu filho lhe apresentassem um(a) namorado(a) do mesmo sexo?

Anónimo disse...

Bem hajam por abordarem um tema tão sensível e, infelizmente, polémico. Sou homossexual e tenho a certeza que se alguém da minha empresa soubesse da minha orientação seria, sem dúvida, discriminado. Infelizmente, ou felizmente, sou homossexual mas sou porque sou não porque optei. Caso contrário seria infeliz tal como são alguns amigos meus que optaram por casar com mulheres. Considero-me uma pessoa com grande auto-estima e isso faz-me superar as dificuldades em esconder a pessoa que sou. Tenho um parceiro fixo (porque neste meio há alguma promiscuidade) e sou feliz ao lado dele. Era só para deixar o meu testemunho. Obrigada e felicidades para o programa.

Miguel disse...

Nao se está a espera que ninguem tenha que sair à rua e dizer a toda a gente qual a sua orientaçao sexual...

Os Heteros nao o fazem... porque razão haveriam os homossexuais de o fazer?

O importante é que uma pessoa assuma pra si proprio aquilo que é...

Se eu não gostar de peixe tambem ninguem tem nada haver com isso e não vou ser discriminado por isso... nem vou discriminar os outros... Gostos cada um tem os seus, temos que nos respeitar independentemente do que gostamos...

Anónimo disse...

Boa tarde,
se a homosexualidade não é uma doença, então porque discriminam os pedofilos e dizem que são doentes ?
Afinal em que ficamos ?

JP disse...

Sou empresário das artes do espectáculo e tenho dificuldades em entrar nesta área porque sou heterossexual. Gostava de ouvir os vossos convidados sobre a discriminação dos heterossexuais em áreas como a cultura e as artes.

Inês Pinho disse...

A propósito de (des)igualdade com base na orientação sexual, como comentar a recente polémica sobre os desenhos animados "Teletubbies" que, segundo muitos, devem ser banidos da televisão porque "incitam à homossexualidade"? Porque tantos receiam desde cedo, que as crianças sejam orientadas para determinada orientação sexual tida como "correcta"?

Filipa Carneiro disse...

Acho que está a haver neste blog uma confusão entre discriminação e compreensão.

Eu admito que não compreendo a homossexualidade e éra-me muito dificil entender se um filho/irmão/pai me dissesse que tinha essa orientação sexual, mas não os discrimino por isso. ok??

Heliocoptero disse...

Ora aí está um meter de dedo na ferida: a ausência de figuras públicas respeitadas ou acarinhadas pelo público geral e que se assumam como homossexuais.

Critica-se a parada gay por estar cheia de transformistas e pessoas espampanantes, mas a verdade é que elas são a maioria das que têm coragem para se assumir e falar publicamente da sua sexualidade. Já actores, jornalistas, escritores, empresários ou políticos portugueses que façam o mesmo.... é como encontrar uma agulha no palheiro.

Anónimo disse...

Nao acredito que assumir a homosexualidade seja sinonimmo de a publicitar. Nem gay's nem hetero's tem de andar na rua com um triangulo colorido como nos campos de concentração para se distinguirem. No entanto sei por experiencia propria que se chegar a um bar e beijar a minha namorada ningem liga, mas se eutiver um namorado e fizer o mesmo vou conseguir chamar a atençao do bar inteiro.

Anónimo disse...

Não há duas pessoas iguais. Mas onde está a diferença?
As pessoas que alimentam a descriminação são aquelas pessoas que vêm sem olhar...

Anónimo disse...

Boa tarde a todos do programa.. Me chamo igor e estou em Portugal a 1 ano, sou brasileiro e no que diz respeito a discriminação, realmente aqui sentir esta discriminação coisa que nunca sentir em Brasil, mas tambem nao ligo a minima por isso, trabalho pago meus impostos, sou honesto e acima de tudo ajudo a contruir esta sociedade em que a desigualdade com relaçao a sexualidade é por demais imensa. Peçam a estes que descriminem os homosexuais que cuidem de suas vidas.

Rita disse...

Infelismente considero que este meu país ainda é muito, muito conservador nesta matéria.
Fazendo com que muita gente viva escondida atrás da sua verdade... muita gente acabe com a sua vida.... muita gente tenha medo de viver numa sociedade assim.

Mais uma vez... a discriminção deveria acabar na casa de cada um, só assim aos pouquinhos podemos vir cá para fora e começar a ser mais tolerantes e mais "naturais" no Mundo onde todos vivemos. O Amor é Universal.

Joao disse...

um amigo matou-se graças à discriminação.

a sua ultima mensagem: "não aguento mais, adoro-vos"

Marta Fernandes disse...

A homosexualidade nada tem que ver com a pedofilia.
A pedofilia prejudica o outro (neste caso a criança), a homosexualidade não. Além disso, os impulsos e fantasias pedófilas afectam o comportamento dos pedófilos, podendo causar-lhes grande aflição. O mesmo não acontece com os homosexuais.

Heliocoptero disse...

"Nao se está a espera que ninguem tenha que sair à rua e dizer a toda a gente qual a sua orientaçao sexual...

Os Heteros nao o fazem... porque razão haveriam os homossexuais de o fazer?"

Porque a heterossexualidade é tida como norma, logo é pressuposto que a pessoa é heterossexual até prova ou referência em contrário. E o estarem ocultos, tidos como dentro da "norma", alimenta a discriminação. Daí a necessidade de visibilidade para quebrar o preconceito.

Tiago disse...

"Porque tantos receiam desde cedo, que as crianças sejam orientadas para determinada orientação sexual tida como "correcta"?"

Talvez porque considerem que as orientações que tiveram em crianças tenham sido essenciais para definir a sua orientação sexual?

Anónimo disse...

Helena : Não sei como poderemos ser mais aceites. Sei que sofremos e os nossos amores são desprezados pelos que mais amamos e no entanto amar uma mulher não é uma opção mas uma pulsão, do domínio da nossa natureza e não uma escolha. Porque será que essa natureza nos faz sofrer? Mas não podemos mudar. Portanto a sociedade está a condenar ao sofrimento dez por cento da população. (Em Portugal) As lésbicas são pessoas iguais às outras, mas sofrem mais, sem terem feito nada de errado. Isso é profundamente injusto.

João disse...

Claro que não se pode questionar a igualdade entre os seres humanos. Mas não posso admitir que, à pala disso, se pretenda subverter a sociedade, os seus direitos e as suas instituições.
Afinal de contas o que querem os homossexuais? Igualdade de direitos? Concerteza que sim, desde que não colida com outros valores, nem com a consciência das pessoas e muito menos com a vida, a sensibilidade e o desenvolvimento o mais harmonioso possível das crianças ( por ex., a adopção e o curioso caso dos beijinhos na boca entre meninos que foram apadrinhados aí no programa - um dos convidados aida tem esperança que este menino que não quer, ainda venha a querer...!!!).
Todos diferentes, todos iguais, um lema tão simples que apenas necessita de bom senso para ser aplicado.
Foi sem dúvida o tema tratado da maneira mais infeliz que vi fazer à Fernanda... No melhor pano cai a nódoa!
Um admirador,
João

Daniel disse...

BEm.. Tenho de relatar um cenário que passei diáriamente durante vários anos.

A caminho da minha faculdade no Comboio da linha de cascais, até à bem pouco tempo, na parede de um café na marginal em letras bem grandes esteve escrito no minimo durante 3 anos a seguinte frase: "Gays, Stop out killing children!!" como é possivel esta frase fazer fachada de uma edificio durante tanto tempo sem nunca ser apagada?

Cumprimentos e parabens para o programa

Tiago disse...

"um dos convidados aida tem esperança que este menino que não quer, ainda venha a querer...!!!"

Rever o programa no site da RTP2

Anónimo disse...

Estive mais de 20 anos na vida política, e terminei a minha carreira por ter sido frontalmente avisado por algumas pessoas, que teria de ingressar no famoso "lobby gay" para poder progredir e subir nas hierarquias.
Obviamente a minha resposta, foi a de que nunca subiria no Partido.

É real e acredito que neste momento muitos sectores estão nesta situação. Incluíndo como já aqui foi dito, as artes e a cultura com as quais dificilmente (pelas mesmas razões) tento trabalhar neste momento.

Pedro Vilela disse...

Num país como o nosso pouco mudará se se continuar a não apostar em campanhas de "normalização" de orientações sexuais diferentes. Pelo menos na lei temos um artigo que proibe qualquer tipo de discriminação, incluíndo discriminação devido à orientação sexual mas poderíamos ir mais longe e, em menos de uma semana, garantir cidadania plena a todo o grupo LGBT. E falando em cidadania plena, porque razão é a Transexualidade tão esquecida e posta de parte? Esses sim merecem a atenção de toda a sociedade civil pois, para além de todo o mau apoio que o estado fornece às minorias que pretendem mudar o seu sexo e aspecto para o que realmente se identificam, ainda têm de passar por um longo e humilhante processo de correcção do nome e sexo no registo civil, muitas vezes sem garantia de que tudo correrá bem. Se correr bem ainda continuarão a ser discriminados em qualquer lugar onde terão de apresentar a sua identificação visto que lá estará uma nota bem explícita de que são transexuais. Quando reconheceremos que estes seres humanos também merecem ser vistos como pessoas?

Pedro Vilela
18 anos

Heliocoptero disse...

"Afinal de contas o que querem os homossexuais? Igualdade de direitos? Concerteza que sim, desde que não colida com outros valores, nem com a consciência das pessoas e muito menos com a vida, a sensibilidade e o desenvolvimento o mais harmonioso possível das crianças ( por ex., a adopção e o curioso caso dos beijinhos na boca entre meninos que foram apadrinhados aí no programa - um dos convidados aida tem esperança que este menino que não quer, ainda venha a querer...!!!)."

Este argumento já foi usado noutros tempos com outro tipo de discriminações: que em Portugal havia tolerância religiosa, desde que as não-católicas não colidissem com a identidade e valores católicos de Portugal, que os negros podiam ter direitos, desde que não pedissem para casar com pessoas de raça diferente, que as mulheres deviam ser bem tratadas e ter até direitos, mas não muitos...

Os mesmo argumentos, mas reciclados para casos diferentes.

ana paula p. lopes disse...

eu gostaria que lessem este manisfesto... cada vez mais sou da OPONIAO que as pessoas julgam a homossexualidade por aquilo que nós fazemos dentro de casa na nossa cama e na nossa privacidade.
nós pagamos os mesmos impostos, temos as mesmas obrigações, porque nos sao negados os direitos?? e as pessoas limitam-se a 2 direitos. casamento e adopção. mas temos mais direitos que nos sao vedados! licenças de saude por apoio á familia, herança, ferias em casal...funeral... o casamento e os filhos sao só mais 2...!
Escreveu-se por aqui coisas sobre o modelo de familia...o modelo de familia como o conhecemos, está mais que ultrapassado. o nº de familias monoparentais é cada vez maior. e totalmente deturpado.

Heliocoptero disse...

"as pessoas limitam-se a 2 direitos. casamento e adopção. mas temos mais direitos que nos sao vedados! licenças de saude por apoio á familia, herança, ferias em casal...funeral..."

O casamento cobre todos esses direitos ou fornece a base legal para os obter.

Anónimo disse...

Os gays Portugueses, tem que fazer como os brasileiros, que pensem que a parada gay seja como um blco carnavalesco, mas vamos sair do amario e fazer com que os "portugueses heteros" dizem eles, nao dormimos com eles e nao sabemos a sua vida intima, mas que venha a se adpatar com esta realidade, ou mesmo obrigar-vos a adaptrem...

susan disse...

Acredito que quando falamos do casamento, o fazemos no seu âmbito civil e não religioso. Portanto, os homossexuais como cidadão de direito tal como todos os outros, deverão ter total acesso a este e a todos os beneficios que com ele vêm.
Somos parte integrante da sociedade, com os mesmo deveres e consequentemente com os mesmo direitos. Não devemos estar privados de liberdades sociais, não somos criminosos ou doentes com comportamentos aberrantes ou contrário de que muitos demagogos tentam fazes transparecer nos seus comentários, esses sim vergonhosos e aberrantes no século em que estamos.

Andreia Nunes disse...

curiosamente, o helicopetero, pegou apenas num ponto que a ana lopes falou! que tal falarmos das familias monoparentais?! 2 pais, 2 maes, 2 casas, 2 natais, semana sim semana nao, na casa do pai....
e a estabilidade da criança??

os casais que estão unidos em uniao de facto, têm acesso aos direitos de que se falou...e nao sao casados....

e depois... convenhamos.... nao se resume tudo, apenas por aquilo que fazemos na cama?!..no fundo, no fundo, é só nisso que pensam, não é??? confessem lá. estão aqui como anonimos...

Heliocoptero disse...

"curiosamente, o helicopetero, pegou apenas num ponto que a ana lopes falou! que tal falarmos das familias monoparentais?! 2 pais, 2 maes, 2 casas, 2 natais, semana sim semana nao, na casa do pai....
e a estabilidade da criança??"

Já falei disso nos primeiros comentários aqui deixados. Mas se tem dúvidas sobre a estabilidade da criança, veja o caso de países que permitem a adopção por homossexuais há vários anos ou mesmo décadas. Não consta que estejam à beira do colapso por causa disso.

Inês Pinho disse...

Caro Tiago,

Nunca no meu desenvolvimento senti necessidade de que "orientassem" a minha sexualidade. Uma coisa é influenciar, implicita ou explicitamente (ex. as cores da roupa dos bébes, os brinquedos que desde cedo se dão às crianças, etc.), agora orientar no sentido de dizer "é por ali" julgo ser o mesmo que passar um atestado de incompetência à autonomia humana. Daí que assista com alguma estranheza, por exemplo, um pai que não quer que o seu filho vá vestido de "abelha maia" no carnaval por ser "fantasia de menina"... Parece caricato mas é verídico. Aceito que é importante haver referências, mas a orientação quem a constrói deve ser o próprio porque quando imposta pode gerar sofrimento porque ambivalência.
Agora, pergunto: qual o receio de deixar o/a filho/a construir a sua orientação sem sermos nós a orientá-lo?

Anónimo disse...

O principal responsável pela discriminação que se faz sentir hoje actualmente sobre os homossexuais, é sem dúvida a Igreja, pois assume desde há muitos anos um papel "importante" no desenvolvimento erróneo do psique do individuo e faz com que as pessoas aceitam sem qualquer contestação aquilo que ela clama.

Se os individuos que se dizem religiosos acreditam sem contestar que Deus existe, porque hão-de contestar mais uma vez que a família biparental é a única possível?

The Swedish Chef disse...

nao aceito que digam que sou diferente por amar uma pessoa do mesmo sexo.

na verdade, tenho sorte por poder amar alguem sem ter a grilheta do sexo.

Seremos finalmente felizes se nos livrarmos do conceito da normalidade sexual.

Quantas pessoas nao sentiram a tal afinidade pelo melhor amigo??o tal amor que se mascara de fraterno...e se acaba por perder, por causa da dita normalidade??

João disse...

"Este argumento já foi usado noutros tempos com outro tipo de discriminações: que em Portugal havia tolerância religiosa, desde que as não-católicas não colidissem com a identidade e valores católicos de Portugal, que os negros podiam ter direitos, desde que não pedissem para casar com pessoas de raça diferente, que as mulheres deviam ser bem tratadas e ter até direitos, mas não muitos..."
Desculpe lá, mas abominei suficientemente as argumentações que refere, lutei contra elas no momento próprio, da maneira que me foi possível e com consequêncis que não está no meu feitio publicitar. Não preciso de lições de civismo de nenhum arrivista.Que cada um saiba assumir com dignidade os seus princípios, se é que os tem, sem ser preciso pôr-se em bicos de pés. Muito menos sem pretender ser o "bom" e os outros os reacionários.
Parece-me uma boa escolha esse nick: tal como o hélio, um gás de muito baixa densidade, sobe, nem que tenha que passar por cima dos outros e depois pairar por cima deles , como os helicópteros.

Marta Fernandes disse...

"Agora, pergunto: qual o receio de deixar o/a filho/a construir a sua orientação sem sermos nós a orientá-lo?"

Iria mais longe: qual o receio de vir a ter um filho homosexual?

Sara disse...

"Humor/anedota/aparte:

Satanismo não existiria sem Cristianismo :) "

Boa! E outras religiões também! =)

Sara disse...

"Eu acho que a homosexualidade tem vindo a aumentar ao longo dos anos e a minha pergunta é se acham que daqui a uns 20 ou 30 anos se fazem programas de TV com pedofilos que coitados tambem são discriminados.
E tambem se acham que a homosexualidade, pedofilia, doenças psiquicas, etc. podem ser tratadas ou devem ser todas olhadas como uma escolha individual ? "

A homosexualidade não tem vindo a aumentar. O que acontece é que, felizmente, cada vez mais se "abrem as mentes" à mudança e à diferença, havendo cada vez mais tolerância e respeito e, por isso, os não heterosexuais têm cada vez mais coragem de assumir a sua orientação sexual e vivê-la. Precisamente porque antes, mais do que censurados, eram perseguidos como criminosos e actualmente isto não acontece, de longe, com tanta intensidade.

Brutal! Comparar homosexualidade com pedofilia?!

Homosexualidade é entre adultos que sabem o que querem e o que fazem e fazem-no porque o querem. Não é doença! Nem interfere com a liberdade nem vontade de ninguém!

Quanto a pedofilia, trata-se, basicamente, do relacinamento sexual de um adulto com uma criança (que é manipulada (em vários casos maltratada e ameaçada) para servir os desejos sexuais do adulto)...

Sem mais comentários...

Sara disse...

Correcção: Um pedófilo pode sê-lo (ter tendência para o relacionamento sexual com crianças) mas não ceder à própria tentação para o abuso sexual! É tratável, por exemplo, com a ajuda de um psicólogo.

Sara disse...

Concordo com a adopção de crianças por partes de homosexuais. Acho é que qualquer pretendente a pai/mãe adoptivo deve ser acompanhado nos primeiros tempos por assistência social para haver um mínimo de garantia de que a criança em causa fique bem entregue.

(Há vários casos de pessoas que querem adoptar uma criança e, após algum tempo de o conseguirem (normalmente no caso de crianças um pouco mais velhas (4 ou mais anos)) acabam por devolver a criança à instituição...)

O pior não é ser discriminado por ter um só pai ou por não ter pais e ser criado por outra pessoa ou por ter ter pais homosexuais! Pior do que isso é ser criado numa instituição sem o amor e o suporte de uma verdadeira família que assegure outras necessidades como a educação.

Anónimo disse...

A questão do porque que algumas pessoas são homosexuais é muito mais complexo do que se possa imaginar, e esta questão sempre existiu desde há milhares de anos, não só com humanos como também com outros animais.


Resumindo:

Pessoas/casais homosexuais são seres humanos como todos os outros.

Eles devem também ter direito a se poder casar oficialmente e obter os mesmos direitos que casais heterosexuais, e de poder adoptar filhos caso se revelem bons pais/maes. (Não é por uma criança ter pais/maes homosexuais que se vai tornar homosexual, se assim fosse então não haberia pessoas homosexuais).

Paulo




Nota: o comparar homosexualidade com pedófilia é uma barbaridade e manipulação por parte de pessoas que não sabem respeitar e não têm mente aberta.

Tiago disse...

"Quanto a pedofilia, trata-se, basicamente, do relacinamento sexual de um adulto com uma criança (que é manipulada (em vários casos maltratada e ameaçada) para servir os desejos sexuais do adulto)..."

"Correcção: Um pedófilo pode sê-lo (ter tendência para o relacionamento sexual com crianças) mas não ceder à própria tentação para o abuso sexual! É tratável, por exemplo, com a ajuda de um psicólogo."

Pedofilia é sentir-se atraído sexualmente por crianças, não é o relacionamento sexual com crianças. Apesar de se ser pedófilo não significa que tenha de resistir especialmente à tentação de abusar sexualmente de uma criança, tal como a maioria das pessoas com outras orientações sexuais não o fazem quando privadas de sexo. Acho que pedofilia não tem cura, mas o problema não é tanto a pedofilia, mas o abuso, tanto de crianças como de qualquer outra pessoa.

Sara disse...

Foi mesmo isso que quis dizer com a correcção Tiago.

E não é que tenha cura mas essa atracção, esse desejo inclinado para as crianças pode ser controlado e atenuado. Eu acredito que a psicoterapia ajuda.

José Araújo disse...

Muitas teorias , muito ao jeito do bom português mas na prática até parece que fogem da lepra...

Como uma personalidade publica imbecilmente referiu "Homossexualidade não existe em Portugal" (What a jackass!!!!)

Enquanto assim for este pais , que é na boa base de um hipócrito civismo , que por suas homógrafias, teoriza e mal pratica , por adiante falácias moralistas , que teimam em manipular a sexualidade de terceiros...Vamos cantando coomo fossemos coro de celestial igreja , que jamais comete tamanhas descrimiçãoes , porque somos o melhor do que existe , porque escondemos o mal que temos...

Ao jeitinho do portuguezinho , o mesmo que se diz moderno , mas que consegue ser mais saloio que o saloio...

nelson disse...

bem para começar sou bisexual, vivo nos açores... No entanto quero fazer um reparo, de que adianta discutir casamento homosexual, adopção por parte de homosexuais se infelizmente a comunidade homosexual não é aceite no nosso país...
para mudar mentalidades convem que seja de inicio, e não começar pelo meio...

Anónimo disse...

Concordo com o direito à orientação sexual de cada um. Mas, como já aqui foi dito - e acho que e necessário que se note - acho que as manifestações homossexuais, tais como desfiles de "orgulho gay", não representam a opinião nem a atitude de muitos, senão da maioria, dos homossexuais. Sou bissexual mas não me identifico com a "cultura gay" estabelecida na sociedade ocidental, que de cultural não tem nada. Por outro lado apelo às pessoas que divulguem e façam ver aos outros que os bi e homossexuais são pessoas como as outras, e que a maioria não se identifica com as exibições luxuriantes da "cultura gay". Aliás, quando vêm à tona escândalos de cariz sexual, muitas vezes homossexual, costumam aparecer nomes de pessoas importantes da nossa sociedade. Acho que isso é mais que suficiente para demonstrar que certas tendências sexuais não são sinónimos de doença mental e outros títulos injustos.
João

Anónimo disse...

RESPEITAR QUALQUER SER VIVO,
ESSA É A LEI. AGORA, CASO ALGUÉM
CONSIGA-ME RESPONDER:
COMO SABERIA EU, SE MEU MARIDO TERIA OU NÃO TENDÊNCIAS HOMOSEXUAIS,
QUE TALVEZ, TENHA MANTIDO ENRUSTIDO,
SEM SE REALIZAR( OU NÃO, PQ NADA SEI) E NÃO ME REALIZANDO, TAMBÉM.
E PASSADOS ANOS E FILHOS, COM POUQUÍSSIMO RELACIONAMENTO SEXUAL, SEMPRE MUITO EDUCADO E GENTÍL, BOM
PAI, HOMEM ÍNTEGRO, COMEÇAR A FICAR AMUADO E CERTO DIA DIZER:
-----NÃO NASCÍ PARA O CASAMENTO, MELHOR, TERMINAR POR AQUI. TRINTA ANOS DEPOIS.......

Actos side effects disse...

i agree with last comment, you have nice blog and new rss reader :)