quarta-feira, setembro 19

RADIOGRAFIA À SAÚDE EM PORTUGAL

Será o cidadão o centro do sistema de saúde nacional? Como reagir perante o encerramento de unidades públicas e a abertura de verdadeiros shoppings da saúde privados onde restaurantes e cabeleireiros coabitam com consultórios? Durante três dias, Lisboa vai receber um mega evento que reunirá médicos, associações de doentes, prestadores de serviços e laboratórios. O SC aproveita o acontecimento para fazer a radiografia – e outros exames – ao estado da saúde no país.

24 comentários:

lady_blogger disse...

Após uma radiografia à Saúde em Portugal, até um leigo conclui que está bem doente.

Neste novo século tudo é comercializável, logo não seria de espantar que em vez de Centros de Saúde passássemos a ter Centros Comerciais de Saúde.

P.S. Votos de saúde para todos!

Cumprimentos Civis

Maria Mendes

Maria (ª_ª) disse...

A realidade do nosso SNS é:

- Ir para o centro de saúde às 6h da manhã (mesmo doente) para conseguir uma consulta, mesmo sem ter garantia que consiga realmente; ou esperar cerca de 3 meses por uma consulta;

- Quando somos encaminhados para um especialista, são mais cerca de 3 ou 4 meses de espera, ao fim dos quais nos mandam fazer exames e análises. Seguem-se mais 3 ou 4 meses de espera para nova consulta (para mostrar os resultados dos exames e análises). Quando chega a hora de mostrar os resultados, afinal não é detectado nada e mandam-nos para outra especialidade e a história volta a repetir-se…entretanto, vão morrendo pessoas ou agravando o seu estado de saúde.

Quem tem dinheiro para recorrer a privados, ainda se vai “safando”, mas quem não tem, vai ter que se aguentar…até um dia...

No interior do país então é uma desgraça…é muito mas muito pior.


Falta de médicos não me parece que haja, pois as vagas de medicina enchem todos os anos e ainda ficam muitos de fora que vão estudar para o estrangeiro.
Já para não falar dos médicos estrangeiros que temos cá em Portugal.
O que há é falta de organização no nosso SNS!

O problema é que hoje em dia os médicos preferem ter o seu consultóriozinho (privado, logicamente), pois ganham mais dinheiro assim…
Parece-me a mim que não é só no dicionário que a ganância vem primeiro que a vocação…

Jorge disse...

É importante não confundir privatização com comercialização.

Jorge disse...

A privatização pode trazer benefícios em termos de eficiência.
Maria: Portugal tem um dos melhores ratios médico/habitante (1/300) do mundo, o problema é que há uma má distribuição nas especialidades (nalgumas há gente a mais e noutras há falta).
Cumprimentos.

Anónimo disse...

A privatização da Saúde em Portugal é muito negativo, será como transformar um país onde a saúde era gratuita ou quase (dependendo dos casos), para um país que ficará mais próximo do sistema economicista, injusto e imoral dos EUA, que poupa na saúde e ensino gratuitos, para usar esse dinheiro para fazer crescer o seu império militar e dar espaço a que empresas privadas floresçam.

Isto significa que com a privatização elimina-se um dos direitos humanos mais fundamentais de todas as pessoas, o direito de serem tratadas, tenham ou não meios de pagamento. Quem tiver muito dinheiro poderá pagar por um serviço de saúde, que talvez seja mais eficiente, mas que será extremamente caro, enquanto que quem for pobre, ter rendimento mínimo ou pouco mais do que isso, não poderá pagar os tratamentos, e por isso mesmo, não terá direito a um serviço de saúde.

Nos EUA por exemplo, quem não tiver dinheiro ou um seguro de saúde, pode literalmente morrer na rua mesmo ao lado de hospitais privados, pois estes não irão atender a pessoa, só se interessam sim é se essa pessoa pode pagar os preços muito caros, se não puder, mesmo se tiver a morrer, a pessoa é "convidada" (forçada) a sair do hospital. Já aconteceram muitos casos destes em que pessoas tiveram graves problemas de saúde ou morreram devido a isso, é uma vergonha.

Os hospitais privados deveriam ser obrigados a atender a todos, tenham dinheiro ou não, claro que não o fazem porque estes não prestam serviço público, querem sim é ganhar o mais possível custe o que custar.

No Canadá, Reino Unido, Suécia, etc, o serviço de saúde é praticamente gratuito em todos os sectores. Isto sim, é democracia e progresso.

Cá em ortugal o governo de sócrates está de propósito a enfraquecer os sistemas de saúde e ensino públicos, para poupar em despesas, diminuir o défice, tentar fazer crescer a economia (dos empresários) e favorecer empresas privadas dando espaço para que escolas e hospitais privados possam abrir portas em locais onde centros de saúde / hospitais / maternidades públicas fecharam portas, para assim explorarem os seus habitantes, que não tendo escolha, têm de pagar muito caro por uma consulta e outros serviços. Isto é uma clara violação dos direitos humanos.


carpe diem


Nota: Veio a público recentemente que os hospitais empresa acabaram por ter um prejuizo muito grande de dezenas de milhões de euros.

Joana, cartaxo disse...

Uma das piores coisas em portugal, é mesmo a saude!!! Não se admite o q os médicos e enfermeiros fazem nas urgências hospitalares!Deixam doentes à espera horas sem fim, p eles irem comer todos juntos, é obvio q os médicos tb comem, mas, será preciso fazê-lo em conjunto!?! NÃO!!!
As taxas moderadoras,são um autêntico roubo!Eu até concordo q se pague alguma coisa, mas pagar cm se fosse a um privado, é q não!!!Fazer umas analises, num hospital público custa o mesmo, q num laboratório privado!Mas afinal q pais é este!?!
E, isto de tornar os hospitais em S.A, foi das piores coisas q se fez, eu sei de um hospital distrital q esteve uns dias sem seringas!!!Admite-se!?!
E, se formos falar em atendimento, então é mm de por as mãos na cabeça!!! Além de pensarem q os doentes, nunca têm nada, são tds uns mal educados, a começar pelos médicos, q se acham donos da razão, e por isso nem houvem os doentes, salvos raras excepções, é claro!!!
Como eu costumo dizer:"Quem devia mandar era eu!!!"

Obrigada pelos temas sempre interessantes e pela maneira como são dirigidos!!!

Maria (ª_ª) disse...

Se Portugal é um dos melhores ratios médico/habitante do mundo, como disse, Jorge, então podemos concluir que é muito pouco eficaz, infelizmente.

Maria (ª_ª) disse...

Pude testemunhar o caso de um familiar que foi a um hospital de urgência, e depois de estar há espera durante 12h (sim, leram bem, foram mesmo 12h), perguntando constantemente ao segurança se ia demorar muito e o que é que se passava.
Chegou a uma altura em que “se passou dos carretos” (literalmente), e não é para menos, pois já havia poucos doentes e ninguém estava a ser chamado.
Resultado, depois de ter feito praticamente um escândalo é que foi atendida, pois haviam lá médicos mas não estavam a fazer nada!! E os doentes que esperem…

Ze Paulo disse...

Porque razao se espera tanto nos hospitais civis e nos privados e de imediato que somos sujeitos a tratamentos e exames?
Porque se constroiem hospitais monstruosos que depois nao funcionam, como e o caso de Abrantes e os Hospitais privados mnais pequenos funcionam em condicoes?
Portanto vamos ser coerentes e por os servicos a funcionar.
Nao e preciso muito basta irem a Espanha ver como funciona a Saude, desde que haja boa vontade.

Maria (ª_ª) disse...

Neste caso não é falta de informação, Fernanda, é o que se passa na realidade, eu relato apenas o que se passa comigo ou com pessoas próximas.

Maria (ª_ª) disse...

Quando era pequena, fui operada ao apêndice, mas primeiro que fosse detectado o problema foi preciso ir a várias consultas e em sítios diferentes. Quando finalmente foi detectado o problema, fui operada de urgência pois já estava com uma enorme infecção e corria mesmo o risco de morrer (dito pelo médico, na altura).
Para além de tudo isto, fui colocada juntamente com pessoas adultas, sendo eu criança, presenciando situações complicadas como uma senhora que morreu de cancro (em que a minha própria mãe chegou a ajudar na higiene pessoal).

Antonio disse...

A saude publica nao funciona esa e averdade, eu por exemplo com um problema na coluna fui atendido num SAP tipo aaspirina e vai-te enbora, ao entrar nas urgencias da Cuf Descobertas atendimento impecavel , ressonancias feitas e operado em 8 dias ( otempo de fazer exames) tenho conhecimento de espera para intervencoes acoluna de 2 anos no publicom portanto basta irem ver o qeu se passa nos privados e decalcar, nao e dificil

Antonio disse...

A saude publica nao funciona esa e averdade, eu por exemplo com um problema na coluna fui atendido num SAP tipo aaspirina e vai-te enbora, ao entrar nas urgencias da Cuf Descobertas atendimento impecavel , ressonancias feitas e operado em 8 dias ( otempo de fazer exames) tenho conhecimento de espera para intervencoes acoluna de 2 anos no publicom portanto basta irem ver o qeu se passa nos privados e decalcar, nao e dificil

Anónimo disse...

Nao e preciso ter um medico nem um policia a porta d ecada um portugues, basta os que existam serem competentes e trabalahrem como deve ser

Maria (ª_ª) disse...

Eu sou uma daquelas pessoas que gostava de ter um médico e um polícia à porta, porque as coisas não funcionam assim como estão!

Basta repararmos nas pessoas que têm familiares ou amigos médicos, para comprovarmos o que se passa em Portugal…
- Ofertas das empresas farmacêuticas para receitarem os seus fármacos (e não são apenas canetitas, são mesmo leitores de DVD e coisas assim do tipo);
- Consultas gratuitas e receitas a esses familiares e amigos;
- Horário de trabalho agradável (embora fiquem às vezes de banco);
- Ordenado chorudo;
- Pessoas “à sua volta” para lhes fazerem tudo!
Haverá vida melhor que esta?

Eu sei que não posso generalizar, mas conheci um caso assim.

ana disse...

Só por curiosidade, os convidados recorrem ao SNS ou a privados?

Anónimo disse...

Talvez por os serviços publicos de saude funcionarem bem, que ate aluns politicos deste Pais metm cunhas em França para serem la tratados, como foi dito pelo proprio numa entrevista ao Expresso.
E os outros na emsma situaçao mas sem cunhas a governates estrangeiros como fazem?

Maria (ª_ª) disse...

Nem todas as pessoas que recorrem aos serviços de saúde estão doentes, pois todos nós devemos ir regularmente ao médico por prevenção e não só por doença. Por isso, também concordo que não se tratem as pessoas por doentes, mas sim por pessoas.

Anónimo disse...

Por razões óbvias não assino este comntário. Sou doente oncológico benigno há muitos anos tratado e vigiado no IPO. Ouvi há pouco um dos intervenientes falar na hora a que certos serviços são iniciados nos Hospitais. Pois infelizmente é facil verificar para quem se desloque ao IPO de tarde que existem menos médicos, blocos operatórios sem estarem a funcionar. e como sou conhecido por muitos funcionários auxliares, obtive a resposta de muitos deles que a maior parte dos médicos apenas está lá de manhã e portanto à tarde não há médicos que preencham todos os consultórios e blocos que estão simplesmente fechados. Como é possível quando tanta gente existe em lista de espera?

Jorge disse...

maria: Em relação à falta de eficácia concordo, mas apenas remarco que não se pode culpar (só) os médicos; o sistema político tem as suas culpas.
Cumprimentos para si.

roler33 disse...

Olá Fernanda Freitas,

Espero que as férias tenham sido boas.

Quanto ao Serviço Nacional de Saúde, tenho a dizer que realmente não está nada bem.

Tenho 47 anos e há mais de 20 que não tenho médico de família.

Tive durante pouco tempo, mas foi-me retirado, pois o médico foi trabalhar para outro centro de saúde e nunca mais me foi atribuido outro.
Sempre que vou ao centro de saúde pergunto se já me foi atribuido um médico de família, mas apenas me respondem que não. Ando nisto há 20 anos.
Se os serviços de saúde não conseguem resolver problemas elementares como este, como vão resolver problemas mais complexos?

Cumprimentos,
José Maria Bompastor/Vila do Conde
Licenciado em Ciências Sociais (Área da Psicologia Social)
Actual estudante do Mestrado de Gerontologia na Universidade Católica/Braga

Maria (ª_ª) disse...

Concordo plenamente consigo, Jorge.
Cumprimentos também para si.

Anónimo disse...

Fernanda Freitas, lamento que o meu comentário sobre o facto dos blocos operatórios e de consultas do IPO estarem em grande parte desocupados durante a tarde não tenha recebido resposta por nenhum dos intervenientes no debate. É que a Fernanda diz constantemente que eles depois consultam o blog e respondem. Porque seria?

Anónimo disse...

Fernanda Freitas, lamento que o meu comentário sobre o facto dos blocos operatórios e de consultas do IPO estarem em grande parte desocupados durante a tarde não tenha recebido resposta por nenhum dos intervenientes no debate. É que a Fernanda diz constantemente que eles depois consultam o blog e respondem. Porque seria?