segunda-feira, novembro 12

ESTATUTO DO ALUNO - O QUE MUDA NAS ESCOLAS?

As alterações ao Estatuto do Aluno do Ensino Básico e Secundário foram aprovadas na generalidade na Assembleia da República. A oposição refere que o governo recuou, porque o documento original previa que caso do aluno atingisse o limite de faltas a uma disciplina não chumbaria automaticamente e teria a oportunidade de fazer um exame a essa mesma disciplina.No entanto, o documento final refere que os alunos com excesso de faltas e sem aproveitamento na prova de recuperação podem chumbar se o conselho pedagógico da escola assim o decidir. Mas, afinal, esta medida promove a inclusão ou acentua a exclusão do aluno na escola. Será esta melhor forma de responsabilizar alunos e pais no sucesso ou insucesso escolar?

18 comentários:

Anónimo disse...

os professores têm que ter mais autoridade dentro das salas de aulas...as antigas réguadas eram tão eficazes!!!
Carlos Marques

Alberto disse...

a principal e ultima preocupação deste governo são as estatísticas, ie, a imagem que vai dar além fronteiras. a qualidade se existir é benvinda, mas não é de todo o mais importante. vão verificar in loco o funcionamento dos cursos profissionais e dos de educação formação.
Joaquim Silva

Nataxxa disse...

Eu não tenho filhos ainda mas também não deixei a escola assim à tanto tempo.

Em relação ao controle das faltas e/ou saídas quando os alunos não têm aulas, penso que o Ministério da Educação devia ponderar a criação de um sistema informático onde, senão todas, a grande maioria das escolas estivessem ligadas, com um site onde a escola publicaria as tais faltas de forma imediata e que permitia aos pais acederem em qualquer sitio (mesmo que fossem avisados para isso, por sms, por exemplo) e onde poderiam agir mais rapidamente: dando para enviar uma justicação da falta (caso haja), ou simplesmente permitindo um conhecimento rápido.

Talvez nem todos os pais tenham acesso a este sistema ou saibam usá-lo de forma fácil, mas aí teriam também que ser ensinados. Nessa área, com toda a certeza, os filhos já estão muito mais à vontade que os pais. Mas isto já é fugir um pouco ao tema, o que não deixaria de ser interessante discutir noutro dia.

Cumps,
Teresa Rodrigues

Ângela Martins disse...

No seio de cada escola há alunos mto diferentes e existem formas de "exclusão" dentro da própria escola, como por exemplo, através da forma cm se formam as turmas. Há professores que são a favor das "turmas de níveis" e a autonomia irá dar a esses mesmos professores um grande poder.

lady_blogger disse...

Quando um aluno é autodidacta até não são assim tão imprescindíveis todas as aulas, pois compreendo que cada qual tenha o seu ritmo e método de estudo.
O que não comprrendo é que as avaliações sejam tão diferentes de escola para escola, e que alguns alunos tenham provas tão mais fáceis que outros. Defendo que todos os alunos sejam submetidos no mesmo dia a uma dada prova a nível nacional, isto deveria ser assim a todas as disciplinas para que houvesse uma avaliação mais justa. Além disso não seriam os próprios professores a corrigir essas provas, para garantir a imparcialidade na correcção.

E prestem atenção à educação dos alunos para com os colegas e os professores, pois estão a perder-se alguns valores sociais. Crie-se uma disciplina dedicada às normas gerais de conduta social.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Acho que até já existe uma disciplina de Educação Civica, mas parece não estar a ser eficaz.

CC

Maria Mendes

Alice disse...

É claro que a escola se tem que preocupar com os alunos que causam problemas, mas e os outros? Os que estão com vontade e empenho na escola ficam sempre à espera que se resolvam os problemas para então terem a atenção devida. Quais os mecanismos para estes alunos?

Ricardo disse...

Concordo perfeitamente com o comentário do Alberto, só quem já foi professor no 5 ao 9 anos é que sabe o facilitismo que as leis do Min. Edu atribuem à aprovação do alunos.
Ricardo Madeira

Anónimo disse...

a proposito dos alunos chamados dificeis, que criam os problemas numa turma, gostaria de saber como o colegio São joao de Deus lida com estas crianças,pois nos colegios particulares tb existem crianças "problematicas".
Obrigado

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Nuno disse...

porque nao tentam novas pedagogias alternativas nas escolas com maior insucesso escolar, como por exemplo Waldorf

Anónimo disse...

Responsabilizar mais os pais e menos as escolas! A Escola é uma instituição onde se instrói crianças e jovens, cujos pais os deveriam educar em casa como deveriam e devem comportar-se fora de casa e na escola.
Infelizmente esta situação é a nível mundial:cada vez mais os pais estão ausentes a fazerem carreira ou a serem explorados. As crianças e jovens estão entregues a ATL's, amas, etc., sendo que os pais muitas das vezes, com sentimento de culpa, deixam os filhos fazerem tudo e, logo aí, falha a autoridade, o diálogo, a repreensão/castigo e estes futuros homens e mulheres pensam que são reizinhos.Vão para casa dizer mentiras sobre as atitudes e comportamentos dos Professores na sala de aula e na escola e os senhores Pais dão-lhes ouvidos e tentam prejudicar o trabalho dos Docentes e sentimo-nos desrespeitados.Na sala de aula mandam os Professores!Se os Pais não gostam têm muitas escolas e outros Docentes!
Associações de Pais sim mas não as que estão a funcionar mal, pois somos um povo que ainda mal interiorizampos o que é DEMOCRACIA e PARTICIPAÇÃO, logo em vez de lutarmos para melhorar os espaços físicos das Escolas dos nossos filhos, só vamos falar mal dos Professores e levantar falsos testemunhos sobre a relação pedagógica entre alunos e Professores.Primeiro deve-se criar escolas para Pais e depois,então aí sim, formar as Associações de Pais.
Respeitem os Professores e a Tutela!!!Pais sejam mais cívicos e auto-analisem-se.
Professora Carla-1º Ciclo

Anónimo disse...

Sinto-me tentada a perguntar ao Sr.Secretario de estado da Educação se por ventura já ouvio falar em educação de Montessori e Educação de Waldorf?
Está na altura dos nossos governantes se convencerem que as nossas crianças sofreram uma evolução e o sistema actual de ensino não está minimamente adequado!
Temos que mudar a maneira de ensinar! Urgente pois elas crianças são o nosso futuro!

Ricardo disse...

Garanto que a nova geração de professores está desencorajada pelas medidas aplicadas e pela falta de emprego. Por isso acho que no futuro irá haver falta de professores, mas porque os que se formaram agora já não vão querer enveredar pela carreira docente.
Falo pela minha experiência e pela dos meus colegas de curso.
Ricardo Madeira

Cristina Martins disse...

Gostava de saber que medidas é que o governo acha que se devem aplicar a lunos que agridem violentamente professores e colegas? Trnsfere-se para ir agredir outros noutra escola? Muitas familias se limitam-se a despejar os filhos na escola à espera que a esta os eduque?
Como é que um professor enfrenta um aluno que já o agrediu?
Já agora, porque é que não estão no programa professores da escola pública? Assim é mais fácil culpabilizar os professores de tudo o que está de mal na educação...
Porque é que em Portugal se insiste em aplicar politicas educativas ultrapassadas, que já provaram ineficácia noutros países?Que tal responsabilizar pais e alunos por uma grande quota parte da educação?

Sylvie disse...

Boa tarde.
Se hoje em dia não percebo nada de matemática devo-o ao facto de deixarem-nos passar de ano com disciplinas atrasadas. Sempre passei de ano com matemática por fazer. Como poderia eu no 10º ano, por exemplo, passar a matemática se a tinha em atraso desde o 5.º?

Anónimo disse...

Anónimo disse...

Responsabilizar mais os pais e menos as escolas! A Escola é uma instituição onde se instrói crianças e jovens, cujos pais os deveriam educar em casa como deveriam e devem comportar-se fora de casa e na escola.
Infelizmente esta situação é a nível mundial:cada vez mais os pais estão ausentes a fazerem carreira ou a serem explorados. As crianças e jovens estão entregues a ATL's, amas, etc., sendo que os pais muitas das vezes, com sentimento de culpa, deixam os filhos fazerem tudo e, logo aí, falha a autoridade, o diálogo, a repreensão/castigo e estes futuros homens e mulheres pensam que são reizinhos.Vão para casa dizer mentiras sobre as atitudes e comportamentos dos Professores na sala de aula e na escola e os senhores Pais dão-lhes ouvidos e tentam prejudicar o trabalho dos Docentes e sentimo-nos desrespeitados.Na sala de aula mandam os Professores!Se os Pais não gostam têm muitas escolas e outros Docentes!
Associações de Pais sim mas não as que estão a funcionar mal, pois somos um povo que ainda mal interiorizampos o que é DEMOCRACIA e PARTICIPAÇÃO, logo em vez de lutarmos para melhorar os espaços físicos das Escolas dos nossos filhos, só vamos falar mal dos Professores e levantar falsos testemunhos sobre a relação pedagógica entre alunos e Professores.Primeiro deve-se criar escolas para Pais e depois,então aí sim, formar as Associações de Pais.
Respeitem os Professores e a Tutela!!!Pais sejam mais cívicos e auto-analisem-se.
Professora Carla-1º Ciclo

15:08


INSTRÓI !!!!!!!! OU INSTRUI.....

sonia carvalho disse...

boa tarde, falaram bem mas a violencia e tb de funcionarios da escola para com alunos como sucedeu kom o meu mais velho k o prof. da 1ª classe batia nos alunos e n tinhamos linha do estudante como acontece kom os professores que sofrem violencia por parte dos alunos, no ano passado na mesma escola estava o meu mais novo na 1ª classe e a escola tem la uma funcionaria que batia e chamava nomes aos alunos, e continua sem haver linha de apoio.
acho bem que apoiem os funcionarios da escola que "apanham" mas nao se esqueçam qe ha muitos alunos que "apanham" nas escolas.
sonia Carvalho