quinta-feira, novembro 29

ÉPOCA DE NATAL, COMPRAS INTELIGENTES

Começa amanhã a anual corrida às lojas para cumprir as normalmente extensas listas de compras de Natal. Com o 13º mês no bolso, os portugueses vão gastar mais ou menos do que no ano passado? Em 2006 as compras rondaram 2,1 mil milhões de euros; em 2007 haverá novo recorde?
Este número contrasta com os reduzidos investimentos das famílias portuguesas em PPR/E, seguros de saúde, poupanças, educação e outras formas de assegurar o futuro. Revela ainda uma tendência para o consumismo imediato e excessivo, em detrimento das actividades familiares.

25 comentários:

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Um dia li algures que a Fernanda Freitas não é apologista de se dar presentes no Natal. Ainda continua a ter essa atitude?
O facto de não se presentearem os amigos e familiares infelizmente chega a pôr em causa os nossos sentimentos para com eles. Afinal a amizade parece avaliar-se pelo material e não pelo amor que se dá.
Eu acabo sempre por comprar uns presentes pelo menos para as crianças, mas não fico à espera desta época, vou aproveitando promoções ao longo do ano, pois assim não custa tanto comprar tudo de uma só vez, além disso agindo assim, quem recebe o subsídio de Natal não se empolga a gastá-lo todo em prendas. Deste modo e com tudo previamente comprado terá mais tempo para a família e mais dinheiro no bolso porque fez compras de modo inteligente. Não se deve comprar em excesso, nem ver nas promoções uma oportunidade para adquirir o que nem necessita. Não aceite o preço que lhe pedem como valor final, pois quase tudo é negociável. Não ofereça o que não pode pagar.
Ofereça amor, isso será com certeza a prenda mais inteligente que poderá dar e que dinheiro algum poderá comprar.
Em breve poderão ser solidários e criativos em 2 sites ainda em construção, que são o painatal.org e o painatal.info

"O Natal é sempre que o homem quiser, e a mulher deixar." ;-)

Um Bom Natal a todos! Ho! Ho! Ho!

CC

Maria Mendes

João disse...

Olá. Gostaria de ver relacionado o consumo dos portugueses com a quantidade de crédito ao consumo concedido em Portugal.

Anónimo disse...

Boa tarde, eu pessoalmente não gosto do Natal, por isso anseio que chegue Janeiro rapidamente.
O que noto é que as pessoas só pensam em dar presentes e gastar dinheiro e esquecem-se de todo o ano darem atenção à pessoa.
Cá em casa eu dou prendas à minha mãe ao longo do Ano e não no dia 25.
Paz e Saúde para todos!

Ana

Sylvie disse...

Boa tarde!
Todos os anos faço por esta altura uma lista das pessoas e das respectivas prendas que lhes posso dar. Com antecedência vou sondando o que precisam,o que já têm, etc. Tento sempre dar presentes ás pessoas que me são + chegadas (amigos/família)e gastar o $ sim, mas em coisas úteis, aquele tipo "vem mesmo a calhar" é a melhor recompensa que posso ter!

Há quem gaste $ em coisas que,na minha opinião, todos já estão fartos de as receber tipo canecas...bibelots...almofadas decorativas, sei lá mais o quê! são coisas que depois ninguém liga e vão acabar esquecidas a um canto! gastou-se o $ para quê? espírito de Natal? obrigação de dar uma "pequena lembrança" a toda a gente que se conhece? Isso sim, é hipocrisia! é passar o ano todo sem ligar meia à pessoa e depois no Natal tentar limpar a nossa consciência oferecendo-lhe um bibelot?!
Sílvia
32 anos
Lisboa

Nataxxa disse...

Boa tarde,

Acho positivo ajudarem as pessoas com compras de Natal, mas por favor não as "assustem" desamasiado.
Eu tenho uma loja e por isso falo no assunto. As pessoas são muito influenciaveis pelo que ouvem e não têm capacidade de gerir o seu dinheiro e avaliar o que podem ou não comprar. Daí se é passada a imagem de crise, as pessoas mesmo que tenham dinheiro, não compram.

Obrg,
Teresa Rodrigues

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Sylvie, acho que um bibelot por vezes pode ser uma boa prenda. Imagine ir de viagem e querer trazer de lá uma prenda de Natal. Certamente não trará nada útil mas sim algo típico dessa região que alguém recorde para sempre. Imagine por exemplo uma loiça de Coimbra, umas pipinhas de Aveiro com os deliciosos ovos moles. Estes são só uns exemplos de quinquilharias que se adquirem mas que até são bastante agradáveis. Destes exemplos já eu tenho, pois por onde passo trago sempre algo tradicional.

Mas neste Natal seja original, tente confeccionar os seus presentes, assim pode poupar e ser mais ecologista.

CC

Maria Mendes

Lénia Sousa disse...

Boa Tarde!

Todos os anos a minha grande família reune-se na noite de Natal para a troca das prendas. Todos recebemos muitas prendas sem grande utilidade e depois todos se queixam da grande quantidade de dinheiro gasto nelas. Este ano, e porque a família tem vindo a crescer ainda mais, decidimos fazer uma espécie de "amigo secreto". Assim, este ano vamos todos receber e oferecer apenas uma prenda melhor, mas que terá mais utilidade e sairá mais barato a toda a gente e também ao ambiente uma vez que haverá menos papel de embrulho utilizado. Excepcão serão as crianças às quais todos irão dar uma prendinha.

Anónimo disse...

Pela maneira como todo o país tem andado e pelas noticias com que somos bombardeados todos os dias, o emprego e os aumentos de impostos, eu como consumidor penso que a corrida às prendas deste ano não será a suposta "loucura" que todos os anos temos.

João

António Torres disse...

Diz-se que Natal é sempre que um homem quiser. Eu acrescentaria que agora será sempre que houver um Centro Comercial por perto e enquanto vivermos nesta preguiça consumista disfarçada de agitação frenética de que todos nos queixamos mas que "bovinamente" incorporamos.

António Torres - Porto

Helena disse...

Só gostava de saber o que é isso de árvores naturais certificadas ...
Será que é para que se compre árvores comercializadas apenas pelas grandes distibuidoras?
Eu acho que em vez desse conselho, dever-se-ia dizer para pura e simplesmente NÃO COMPRAR ÁRVORES VERDADEIRAS/NATURAIS
Quanto ao consumo em geral nem comento, os anúncios que constantemente nos bombardeiam, não deixam margem de opção e são geradores de grandes discussões familiares ...

Sylvie disse...

@Maria Mendes
Eu pessoalmente não gosto de bibelots. Nunca gostei e acho que nunca vou gostar e (muito honestamente) fico um pouco desiludida quando recebo algo assim no Natal mas isto são gostos e felizmente já n tenho recebido tantos precisamente porque já dei a entender que n gosto. Mas, obviamente que há excepções...
Obrigado pela sua sugestão!

Sandrine Reis disse...

O Natal para mim é irritante. Além dos CComercias estarem cheios e as MB sem dinheiro a maior parte do dia, não gosto de ver que determinado familiar levou a mal um presente que lhe deram porque foi mais barato do que deu... Acho que a época do Natal hoje em dia é simplesmente uma época de consumo desmesurado. A essência/tradição do Natal, não deveria mudar com os tempos como muitos defendem.

Anónimo disse...

Olá a todos...

O Natal é sem dúvida e antes de mais uma altura do ano em que as pessoas se disponibilizam a juntar-se em família. Não quer dizer que não se ligue ou que se esqueçam as pessoas durante o resto do ano, mas porque é nesta altura que nos díspomos totalmente a estar com a famíli e por esse motivo, e todos na mesma altura o querem fazer, existe a facilidade de se conjugar a vida profissional e a pessoal.
Quanto ao consumo, acho que cada pessoa deve fazer o que sente dentro dela. Cada pessoa deve dar e receber, nem que seja a ternura familiar e o convivio natalicio. Devido à "tradição" (desconheço de quando começou e porquê, mas que existe existe...) as crianças tendem em receber uns miminhos suplementares :), afinal para eles tem um significado especial, como para os adultos estar com a família (digo eu).
Apesar de não achar graça ao consumismo acho que este também faz falta, pois nesta altura do ano consegue-se fazer "rentabilizar" a fraca economia nacional, pois no meu ponto de vista, é necessário haver movimento monetário para que se equilibrem as contas, não só as públicas, mas as dos patrões, e por sua vez dos empregados. O que sinceramente acho é que cada um deverá conhecer os seus limites e acima de tudo nunca recorrer ao crédito...

Um grande abraço a todos, e mesmo para os que acham que o natal não tem siginificado, um Feliz e Santo NATAL.

ASS: Eisen

Maria disse...

Nesta época surgem muitas pessoas a fazer pedidos de dinheiro para instituições diversas, na maioria referindo-se como de caridade ou de acção social. Fico receosa... serão verdadeiras ou apenas uma oportunidade nesta época para fazer dinheiro fácil?
Não devia haver alguma regulamentação para este tipo de peditórios?

lady_blogger disse...

"No Natal procuro espalhar o bem-estar à minha volta"- frase proferida por Ana Paula Reis, uma das convidadas hoje no SC, e que é capa da revista Certa º 110.

CC

Maria Mendes

Marco Miranda disse...

Ora bem, na minha opinião o Natal já perdeu o seu valor, o Natal é para estar em familia que ha tanto tempo não se veem. Hoje em dia o natal significa ir ao centro comercial gastar rios de dinheiro em prendas.

O Natal é durante todo ano, quando temos que oferecer uma lembrança simbolica a alguem qu gostamos, ou entao compramos uma coisa que os nossos pais mais precisam.

Não esquecer que quando no natal nao ha prendas sobretudo as criancas ficam tristes, Nao esquecer tambem aquelas familias que vivem de um ordenado baixo.

O natal devia ser na minha opiniao, cheio de alegria, a familia junta, sem nos preocupar-nos com bens materias meramente superficiais.

Anónimo disse...

Pessoalmente, não sou a favor do uso de cartões de crédito. Acredito que não devemos dar "passos maiores do que as pernas".
No que diz respeito ao consumismo natalício, a minha familia adere também, há alguns anos, ao método do "amigo oculto", mas com limite de preços, para que ninguém se sinta injustiçado:)
Andreia

Carochinha disse...

Na minha família temos a tradição de oferecer presentes feitos por nós aos amigos mais próximos. A verdade é que levamos mais tempo (e até gastamos mais dinheiro) a prepará-los do que se fossemos a um shopping e passássemos uma tarde nas compras. No entanto dá-nos mais prazer pensar no que os outros gostam de receber, e fazer com carinho esses presentes.

Então, passamos serões e fins-de-semana com total dedicação aos presentes, sejam eles doces caseiros ou diversos artigos e acessórios de artesanato.

Depois de prontos, os presentes são embrulhados com bom gosto e originalidade. O que recebemos em troca, por vezes, são artigos comprados nas lojas de chineses, facto que nos deixa menos felizes por não terem sido pensados em nós, mas pelo menos temos a alegria de ver um sorriso estampado no rosto de quem recebeu o nosso presente - é esse o objectivo da troca de presentes no Natal: fazer alguém feliz!

Anónimo disse...

"O Natal é sempre que o homem quiser, e a mulher deixar." ???

Não apreciei a forma como Fernanda Freitas encerrou o seu programa de hoje, citando a frase acima muito pouco feliz...
...além de ser uma frase sexista, não se aplica certamente áquelas mulheres que são alvo de agressões fisícas ou de outro tipo de VILOENCIA DOMESTICA!

Era bom que reflectíssemos no que escrevemos ou repetimos antes de o fazer, e não esquecessemos os assuntos sérios mesmos nestas "circunstâncias natalícias".

Desejo Paz e coerência sincera para todos.
P. Luz, Lisboa

Anónimo disse...

corrigindo erro gráfico *VIOLÊNCIA

P.Luz, Lisboa

lady_blogger disse...

O P. Luz tem ou está com pouco sentido de humor. A frase tanto não foi vista como infeliz que a Fernanda a repetiu. Jamais tentei incutir na frase um sentido sexista, foi uma dita "piada privada". Quem não gosta não precisa de atirar pedras pois todos temos telhados de vidro...
Neste Natal, um pouco de luz para o ou a Luz dos posts anteriores.

CC

Maria Mendes