quarta-feira, abril 30

Carjacking


O carjacking foi o crime que mais aumentou em Portugal em 2007 e já em 2008 teve um aumento de 60% no primeiro trimestre.
Um fenómeno relativamente recente no nosso país mas que tem sido determinante para o aumento do sentimento de insegurança dos portugueses. A resposta tem passado por pôr forças especiais de segurança à civil nas cidades de forma a combater esta nova criminalidade, até porque se acredita haver ligação com os assaltos a multibancos e pequenos furtos.
Neste Sociedade Civil iremos perceber quais as medidas de segurança neste momento em acção, dar os conselhos mais acertados sobre o que fazer em caso de ser vítima de carjacking e explicar para onde vão os carros roubados.

23 comentários:

jon disse...

A medida mais segura para não sofrer um carjacking é simplesmente não ter/andar de carro, só tem vantagens.


Benefícios de NÃO TER CARRO:

- ser muito mais seguro
- poupar-se centenas de euros por mês
- não destruir o ambiente ao se produzir um carro
- não poluir o ambiente
- ser mais saudável
- não estar a contribuir para a fome de milhoes de pessoas pelo mundo (devido a produzir-se biocombustiveis para "alimentar" o carro)
- andar-se mais de transportes publicos, a pé ou de bicicleta
etc



O problema aqui é ter-se carro, que regra geral é só pelo estatuto social, para passear e outras superficialidades.

Se as pessoas que têm carro pensam que podem continuar a passear no seu carrinho sem consequências, preparem-se para uma desilusão, pois dentro de poucos anos só os ricos vão poder pagar o combustível, pois o petróleo vai sempre aumentar de preço por estar a terminar e os biocombustiveis são muito piores que o petróleo.

A bicicleta é o futuro.


* BOICOTE O CARRO PARTICULAR - UM GRANDE MAL SOCIAL E AMBIENTAL *

sou eu disse...

Visto se tratar de um crime cuja prevenção se torna dificil, concordo com Paulo Portas quando o mesmo afirma que as punições têm que ser efectivas e motivo de reflexão por parte dos criminosos.
Se não se veêm os que são condenados, pior e muito é ver individuos desses apanhados em flagrante serem presentes á autoridade Judiciaria e ficaram com apresentações periodicas na esquadra/posto da sua area.
A forma de combater esse crime, penso eu, poderá passar pelo uso de "iscos"(agentes á civil em veiculo "alvo" nas zonas criticas onde ocorrem maior n. de casos), e pela vigilância dos possiveis receptadores.

João Xavi. disse...

Neste particular penso que é necessário sermos práticos e objectivos e deixarmo-nos de demagogias como por exemplo: boicotar o carro particular, andar de bicicleta ou a pé, etc, etc.
Esta é uma questão que deve ser devidamente enquadrada pelas entidades como aquilo que é verdadeiramente: Um crime violento praticado com armas de morte! E deve ser neste âmbito e em conformidade que as autoridades e a justiça deverão actuar.
Infelizmente, o problema é que, como começa a ser absurdamente "natural", neste, tal como noutros crimes, o criminoso é preso de manhã para ser solto à tarde.
Enquanto assim fôr o criminoso está salvaguardado e autorizado a continuar a praticar o crime.
A menos que as vítimas de carjaking comecem a ser membros do governo, das altas autoridades ou seus familiares, a justiça continuará branda e cúmplice dos criminosos.
Sem a adopção de penas exemplares para os criminosos, parece-me que este cantinho à beira mar plantado vai cada vez mais assistir a uma degradação galopante do maior ex-libris de Portugal: a segurança.
Bem hajam.
João Xavi.

PEDRO DE CASTRO disse...

Boa tarde,
Eu gostaria de saber se já existe algum estudo que estabeleça o perfil dos individuos que estão na origem destes crimes.
Em que medida é que a mensagem que se transmite não é a da impunidade quando vemos nos noticiários uma reportagem sobre jovens que furtaram um veículo e que são colocados em liberdade pelo tribunal, tendo ainda demonstrado um ar de gozo com a situação.
Nem que exista um polícia para cada cidadão, se os tribunais continuarem a libertar os criminosos após detenção continuaremos a passar a mensagem da impunidade. Crimes contra a integridade física de pessoas têm de ser encarados como criminalidade violenta e com penas pesadas nunca inferiores a 10 anos.
Quem pega numa arma para roubar uma pessoa não pode sair de um tribunal com um palmadinha na mão!

Mário Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
carica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Felipe Nunes disse...

Claro que tenho receio de ser vitima de carjacking, mas não me parece que buzinar e fazer sinais de luzes seja o melhor a fazer. Imaginemos que o Senhor Carjacker até tem uma armazinha de fogo no bolso e me dá um tiro à primeira buzinadela que dou.

E esta hein?

Felipe Nunes
Porto

carica disse...

Boa tarde,
Como indivíduo não me sinto, de forma alguma, imune às notícias sobre qualquer tipo de criminalidade.
Diz-se que o "seguro morreu de velho", portanto imponho-me algumas regras de comportamento que me fazem sentir mais segura, das quais não usar caixas multibanco de rua e conduzir com as portas trancadas são um exemplo.
Quanto ao "carjacking" preocupa-me muito mais as consequências à minha integridade física do que a perda do automóvel.
É bom saber que existem novas tecnologias no ramo automóvel, mas creio que estas são para uma pequena percentagem da população.

Gostaria de saber que medidas devemos tomar caso a nossa vida esteja em risco.

Obrigada, Ana Chagas

Mário Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
PEDRO DE CASTRO disse...

esta situação do carjaking faz lembrar o pânico que aconteceu com os atentados bombistas. Na altura bastava olhar para uma pessoa com ar mais estranho para ser logo um terrorista e hoje em dia com o carjacking até parece que em qualquer semáforo vai saltar um carjacker.
O que me preocupa não são os furtos, é a limitação da liberdade que estes crimes está a impor. Ninguém deveria ser obrigado a circular no seu veículo como se estive engaiolado.
Têm de ser tomadas medidas efectivas para o combate a esta criminalidade

tito guedes disse...

O verdadeiro crime é o automovel em si.

AG disse...

Quais os modos de alertarmos que estamos a ser vitimas de tal crime ? Ou como agir, quando notamos que o perigo se "aproxima"?

Será que não reagir será a única via?

carica disse...

Boa tarde,

Gostaria apenas de afirmar que nunca investiria numa tecnologia avançada de protecção e detecção do veículo.
Acredito que o modo de funcionamento de algumas delas aumentam o perigo para a vítima, tornando muito provável que um crime de roubo se transforme em rapto e morte.
A solução para todos os problemas está em encontrar a sua raíz, e este não é excepção. E a raíz não está nos actos dos condutores.

Ana Chagas

João aka Pegasuss disse...

Porque razão são o indíviduos que furtam viaturas soltos vezes sem conta?
Porque razão se pode comprar uma viatura em Portugal, leva-la para paises de Leste e mudar matriculas sem disso dar conta a Conservatoria de Portugal

carica disse...

Buzinar salvou a vida de um familiar meu que estava a ser ameaçado por um grupo armado com armas de fogo.
Por sorte, passou outro carro, que teve a brilhante decisão de buzinar intensamente. Salvou-o.

Ana Chagas

tito guedes disse...

A industria automovel é o grande criminoso. Vai de mão dada com o trafego de armas.

Lamentavelmente, tantos anos de notícias sobre guerra (em horario nobre) acabam por publicitar e incentivar a compra de armas no nosso país.

Ironicamente, estes anos de guerra, alegadamente em busca de armas quimicas, foram em países que fornecem petroleo. Uma especie de invasão porque não aceitamos que vocês subam o preço do petroleo (coisa inevitavel, pois ele escaceia).
A grande arma quimica de destruição maciça são todos esses carros a circular com estatuto de ordem e legalidade.
Desrespeitam essas vitimas de guerra, a Natureza, o bem-estar e os seus proprios filhos.

Carjacking não passa de um reflexo da realidade decadente. Se fossem inteligentes, pelo menos, tornavam o carro num bem colectivo.
E se não passassem a vida a publicitar carros, os jovens pensavam noutras coisas.

jon disse...

"O verdadeiro crime é o automovel em si."


Muito bem dito Titto.

Os consumidores é que devem pensar primeiro no mal que fazem ao planeta ao comprar superficialidades, e mudar de atitude antes que seja tarde demais (já falta muito pouco).

Carro para que? Só para mostrar aos outros que têm alguma coisa, que são mais que os outros, que subiram na escala social, que só gostam de conforto, que não aguentam viajar em transportes publicos... ??


É por culpa de consumidores destes que o mundo está cada vez pior em todos os sentidos. Não existe neutralidade neste assunto.


ESTRADAS PARA AS BICICLETAS NAO PARA OS CARROS

lady_blogger disse...

Nem de propósito...

Não sei se a Fernanda se lembra de um caso que aqui procurei solução no ano passado e que tinha a ver com assalto a automóvel. Pois bem, só agora após quase 2 anos após o sucedido, é que nos chamaram para esclarecimentos. Entretanto há uns meses houve um indivíduo que decidiu parar no trânsito só porque estávamos parados e disse que o carro dele não funcionava. Como não funcionava? Como chegou até ali? Nitidamente foi uma tentativa de assalto que por sorte acabou sem frutos para essse sujeito.

Ainda sobre a questão dos amigos do alheio, reparem que andar de transportes públicos em grandes centros urbanos é sinónimo de estar frequentemente propenso aos larápios, pois talvez este seja o veículo onde mais assaltos ocorrem diariamente.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Não vi todos os comentários, porque já se faz tarde.

Não sei se já todos os leitores se aperceberam do recente aumento dos combustíveis. Obviamente já se terão apercebido. Ora aí está mais um motivo para se deixar o carro mais vezes em casa.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Ainda sobre o tal caso de que vos falei no meu 1.º post de hoje, tenho a acrescentar que quem nos surripiou coisas do carro, também nos levantou muito dinheiro de uma conta, mesmo tendo nós alertado o banco nesse dia.
No nosso caso um crime esteve associado a outro.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

E o que fazem as autoridades policiais a estes criminosos?
No nosso caso havendo imagens do banco, hão-de convir que esperar quase 2 anos para começar a andar com o processo, é esperar o tempo suficiente para dar muitas outras oportunidades de acção aos criminosos. E vai daí que todos julguem que assim o crime compensa.

CC

Maria Mendes

Zin disse...

Acho todo este tema mera publicidade aos novos sistemas anti-carjacking. Nunca se falou tanto deste tipo de crimes como agora que existem empresas que se dedicam a criar produtos para os "evitar".
Se querem acabar com isto e como toda a gente sabe que em Portugal a policia nada faz e mesmo que fizesse a justiça não funciona. Acho que a melhor solução é o velho:
"Se não os consegues vencer, junta-te a eles". Quando a primeira vitima se defender e deixar o agressor marcado para a vida, de certo que este tipo de crimes iria diminuir...