quinta-feira, outubro 9

Portugal envelhecido

Um em cada seis portugueses tem 65 ou mais anos, mas a medicina em Portugal resiste ainda à ao desenvolvimento da geriatria como especialidade, cabendo à medicina geral cuidar dos idosos. Estima-se que em 2050 um terço da população mundial tenha mais de 65 anos, sendo que a esperança média de vida atingirá os 80,5 anos. Esta revolução etária exige novos conceitos e atitudes A geriatria é um ramo da medicina contemporânea que tem vindo a assumir um papel fulcral na prevenção e tratamento de doenças em idades avançadas. Em vigor há mais de uma década na UE, a medicina geriátrica surgiu apenas em 1997. Como irá reagir Portugal a esta nova tendência?

Convidados:
Rui Cunha, Provedor Santa Casa da Misericórdia de Lisboa
Isabel Hoffmann Miles, Presidente da Federação Ibérica da Academia Americana de Medicina Anti-envelhecimento
Maria João Quintela, Chefe de Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos da Direcção-Geral da Saúde
Inês Guerreiro, Coordenadora da Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados do Ministério da Saúde

21 comentários:

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Eu aos 19 anos tive de encarar a vida sozinha, e muito se deve ao facto de termos um Portugal envelhecido... isto não querendo entrar em mais detalhes...

Neste momento até gostaria de ter mais filhos, mas o nosso Estado não estimula a natalidade. Ganha-se tão pouco que não podemos investir na criação e educação de mais filhos.
Pelo menos deveriam garantir escola gratuita em tudo até à escolaridade obrigatória.

Na Inglaterra, as ajudas para incentivar a natalidade são óptimas. Se assim fosse em Portugal, haveria certamente mais crianças. Mas a nossa realidade infelizmente é outra.

Daqui a uns tempos teremos mais geriatras que pediatras, pelo menos haverá mais necessidade de médicos da dita 3.ª idade.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lady_blogger disse...

Com Portugal a envelhecer, teremos mais dependência que sustentabilidade, mais reformados que trabalhadores, e muitos dos que trabalharem será para prestar cuidados de geriatria.

Não conseguir economicamente suportar a educação de crianças suficientes para rejuvenescer o país, porá em causa a saúde financeira deste. É preciso jovens para criar novas ideias e desenvolver projectos, para garantirem o progresso e sustentabilidade de Portugal.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Passarmos muitos anos a estudar e a procurar um emprego estável, em nada abona para a criação de novos laços familiares. Dada a instabilidade profissional e logo económica, há a tendência para se casar cada vez mais tarde, ou nem se casar, e por vezes quando se tem o 1.º filho já se está próximo dos 40.

Antigamente, as pessoas passavam menos anos a estudar, tinham mais garantias de trabalho, as mulheres ficavam a tomar conta dos filhos (poupando dinheiro de infantários) e tinham mais filhos. Pena é que muitos desses filhos fossem somente vistos como mais uma mão-de-obra.

Poderiamos tentar arranjar um meio termo entre os tempos idos e os actuais...

CC

Maria Mendes

manucha disse...

Boa tarde
Felizmente começa-se agora a falar de cuidados paleativos e geriatria.
No entanto parece-me que esta lacuna não está só na medecina, mas na sociedade em geral, na forma como se lida com a velhice!
Ainda se desvaloriza muito o idoso, não lhe dando o valor que merece, a experiência e sabedoria que têm não é valorizada e muitas vezes é desrespeitado e inferiorizado.
Enfim,reeducar para melhorar!
Obridado

MT disse...

São as pessoas, os rostos, as escolas, os hospitais, os mercados, as nossas aldeias, as nossas ídeias... Uma geração que cresce com os Lusíadas e vive envelhecida no passado. Portugal precisa de uma atitude jovem que nos permita combater estas rugas do nosso envelhecimento sem matar o que temos de bom. Parabéns Siza Viera!

MT disse...

São as pessoas, os rostos, as escolas, os hospitais, os mercados, as nossas aldeias, as nossas ídeias... Uma geração que cresce com os Lusíadas e vive envelhecida no passado. Portugal precisa de uma atitude jovem que nos permita combater estas rugas do nosso envelhecimento sem matar o que temos de bom. Parabéns Siza Viera!

Mauricio (Porto)

Quinta disse...

Tenho medo, realmente, de pensar que serei um velho amanhã.
A geração dos morangos não cresce com as preocupações de acompanhamento dos mais velhos!
A medicina do envelhecimento deveria, também, preparar o envelhecimento num código de atitudes sociais, económicas mais cedo e destinado aos bastantes mais novos!

Pedro Duarte

O Homem dos Leões disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
O Homem dos Leões disse...

Pensava eu que hoje não diria nada, mas lá terá de ser.
Então é assim, com 3 filhos, abdiquei de estudos de carreira profissional, desviando para um tipo de função que me permitisse, criá-los, pois nem lugar em cresches havia, e as que havia, em qualidade eram quer pelo pessoal quer pelo custo a evitar.
Outra visão, um casal amigo, não teve filhos, e que vida progrediram em termos de carreira, já correram meio mundo, e um dia no futuro com sorte e se eu lá chegar estaremos todos num lar, (afinal) só com uma diferença o deles será de melhor qualidade, tiveram hipótese de ter mais posses e viveram mais anos, nem lhes passa pla cabeça o que é criar 3 filhos, etc, etc, nas circunstâncias.
Os filhos, não estão dispostos para nos aturar, até porque se vulgarizou o egoísmo; ai se eu soubesse o que sei hoje!!! Isto não tem nada a haver com gostar deles ou não, é sim os factos concretos, e sobretudo uma visão pelos vizinhos. - "Temos de seguir a nossa vida", pois, pois.

Falta ressalvar que há honrosas exepções.


tt

Em tempo: Então porque as mulheres vivem mais tempo?

manucha disse...

Um à parte para " o homem dos leões ":
Pq nós, as mulheres apesar de termos mais preocupações,mais trabalho com filhos e maridos! apesar disso somos mais resistentes e temos a parte psicológica que nos dá força para resistir ás doenças!
Lamento dizer-lhe mas nós as mulheres somos o sexo forte!!

anabela disse...

Boa tarde de todos. Sou recém-licenciada em Gerontologia pela Escola Superior de Saúde de Bragança e gostaria de referir que apesar do forte envelhecimento populacional que se faz sentir em Portugal, muito pouco é feito pelo nosso Governo para aumentar a qualidade de vida dos nossos idosos, pois embora tenha criado este curso ainda não o legislou, apesar da nossa insistência, pois já enviamos várias cartas mas continuamos sem resposta.
Também as instituições de apoio ao idoso estão muito pouco receptivas a esta nova especialidade que é a Gerontologia, não sei se por receio ou se por falta de informação.
Todavia se trabalharmos em equipas multidisciplinares poderemos com toda a certeza dar mais e melhor aos nossos idosos.

O Homem dos Leões disse...

www.rncci.min-saude.pt
213588060

É bom chegar a idoso, significa que escapámos à morte nas estradas de léguas conduzindo dia após dia, na construção de barragens, nas pontes, nos prédios de dezenas de metros, nas minas, nas pescas, nas profundezas dos mares e rios na prospeção de petróleo, etc, etc. Para além disso, debaixo de sol do Verão, da chuva e do vento frio e algumas vezes ciclónico do Inverno, e das doenças profissionais, realmente chegar a idoso já é uma vitória, grande vitória.

Parabéns idosos, porque deram a vossa vida pelos vossos filhos.

tt

maria amélia disse...

gostaria de saber se existe algum apoio financeiro para ficar em casa de um familiar envelhecido a ser cuidador. ou seja, estando eu desempregada em lisboa e tendo um familiar idoso isolado numa aldeia poderia substituir o lar camarário para onde irá ser levado e receber o valor que a câmara gasta para cuidar do meu familiar? sei que por exemplo as amas da segurança social não podem ter a seu cargo os seus próprios bebés, no caso de pretender ser cuidadora de idosos também só o posso ser reconhecidamente, ou seja, como profissional, em relação a terceiros? como as amas que têm de entregar os seus bebés a terceiros para poderem cuidar de outros três ou quatro bebés?
maria, lisboa

Ângela disse...

Penso que o principal problema dos nossos idosos é o ababdono pelos seus familiares. É impressionante o número de idosos que são despejados nas urgências dos hospitais sem qualquer acompanhante (para os profissionais de saúde fazerem adivinhação!) e ficam por vezes semanas internados após alta médica porque ninguém quer olhar por eles e nem se preocupa em encontrar soluções. É um facto que o ritmo de vida actual não permite à maioria das pessoas tomar conta dos seus idosos mas nada disso justifica o abandono. Para 1 semana de férias na praia ou um passeio ao centro comercial vai havendo tempo... Mesmo na ocupação de tempos livres podem ser filhos ou netos a tirar os idosos de casa, procurar actividades que eles possam fazer (temos muito melhor acesso a informação), arranjar os instrumentos que lhes melhoram a mobilidade e que eles acham que não procuram porque acham que não vale a pena. Mas quando os familiares não se preocupam quem esperamos que se vá preocupar? Felizmente vamos vendo excepções..

lady_blogger disse...

Realmente, chegar-se a idoso é sinal que se é um sobrevivente, quase um rei da selva.

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Não tenho estado a ver o programa, mas julgo que ainda não terão falado na crise generalizada e na possível ruptura do sistema da Segurança Social, e consequentemente no fim das pensões...
Isto é preocupante..

CC

Maria Mendes

lady_blogger disse...

Sim aos lares de dia! Não aos lares de idosos!

CC

Maria Mendes

O Homem dos Leões disse...

Até que enfim uma boa notícia, o sexo é importante para a prevenção da osteoporose nas mulheres, foi o que ouvi, certo.

Telm. nº..., haverá muitos homens que logo à noite terão uma surpresa, "mas o que é que se passa, deves querer alguma coisa!"

tt

Martinha disse...

O adiamento da maternidade, a conciliação da vida familiar com a vida profissional, a contracepção, a alteração dos estilos de vida fazem com que Portugal fique cada vez mais envelhecido. Bom, como a taxa de natalidade está a baixar, lá teremos nós que receber imigrantes...