terça-feira, janeiro 6

1 ano após lei do tabaco: portugueses fumam menos?

A nova lei do tabaco, apesar dos protestos, veio para ficar.
O que mudou no comportamento dos fumadores portugueses? 10% a 12% (cerca de 200 mil cidadãos) mudaram algo: perto de 160 mil diminuíram o consumo do tabaco, e algumas dezenas de milhar deixaram o vício.
Parece pouco? A lei deve ser modificada? Urge tomar medidas mais eficazes porque um em quatro fumadores ou ex-fumadores tem obstrução pulmonar, que pode desencadear a doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), que afeta 600 mil portugueses e é a 6ª causa de morte.

Convidados
Francisco George, Diretor-Geral da Saúde
Fernando Pádua, Médico Cardiologista e Presidente da Fundação Professor Fernando Pádua
José Júdice, Jornalista
José Manuel Esteves, Secretário-geral da AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal

6 comentários:

casosycosasdecasa disse...

Se alguma coisa se pode criticar a esta lei, é não ter sido implementada mais cedo. É evidente que ainda subsistem muitos intereses a fazer pressão por conseguir alguma regressão na sua aplicação, na qual nao devemos ceder, em absoluto.
Por outro lado acho que ainda se pode ir mais longe, no referente as areas comuns dos predios particulares ou de habitação, onde ainda impera a indiferencia do fumador. Parece que o bom senso debe ser legislado.
Obrigado pela atenção.
HugoB.
Carnaxide

Moon and Star disse...

Os dísticos apresentados em determinados estabelecimentos nem sempre são os mais indicados bem como a informação clara acerca dos extractores de fumo presentes em cafés/ restaurantes.
Muitos proprietários adquirem os produtos para que o seu estabelecimento esteja "conforme" a lei, mas sem estarem devidamente informados.
A questão da proibição do tabaco é claramente uma prova de que, infelizmente, para haver cidadania têm de se impôr coimas aos cidadãos infractores. Deveria fazer parte da educação das pessoas não fumarem para cima de alguém que está a comer, não deitar papeis para o chão, recolher dejectos de animais nas áreas públicas etc etc. Mas talvez se fossem aplicadas as coimas devidas as pessoas aprendessem.
Obrigado e boa tarde

Paulo Jorge da Silva Pereira disse...

Boa tarde.
Aproveito este espaço para mostrar a minha indignação pelos comentários feitos por alguns fumadores ou pretensos defensores dos seus direitos.
Porque é que, antes da lei ter sido publicada, os senhores fumadores não se organizaram e criaram um código de ética para os fumadores respeitarem os direitos de quem não fuma.
E quando falo de ética falo da qualidade do ar, de não atirar as beatas nem cuspir para o chão, etc.
Educação e respeito é aquilo que todos nós como povo necessitamos para termos uma melhor "sociedade civil".
Desejo a todos um ano de 2009 repleto de pequenos gestos e grandes atitudes.

Paulo Jorge da Silva Pereira
45 anos, filho de pai fumador
Engenheiro/Professor/Formador
Leiria

Isabel disse...

O que é que custa mais ao Estado Português: Tratar um doente de cancro do pulmão (porque fuma)ou mantê-lo vivo até aos 90 anos e custear as pensões, as reformas, os rendimentos mínimos e os tratamentos de todas as outras doenças que o mesmo cidadão vai certamente desenvolver pelo processo natural de envelhecimento?

Filipe Albuquerque disse...

Olá boa tarde Fernanda !
Ainda agora se falou por ai da questão da diferença entre os custos com as doenças relacionadas com o álcool ou com o tabaco...500 milhões ao que parece com a primeira...mas o que não foi dito é que é preciso ter em conta também quanto é que o estado cobra em impostos indirectos sobre o tabaco por ano...gostava sinceramente de saber esse numero...já sobre o álcool Portugal é dos poucos Países na Europa que não aplica nenhum Imposto as bebidas espirituosas...
Creio que o Orçamento da saude ainda nos fica a dever muito dinheiro...

Atentamente>FILIPE DE ALBUQUERQUE

Joana disse...

Boa tarde.
Gostaria de deixar o meu testemunho de que, já por variadíssimas vezes, na cidade do Porto, frequentei bares e discotecas que não salvaguardam os meus direitos como não fumadora. Em espaços em que não se pode fumar toda a gente que quer fuma e ainda gozam se forem chamados a atenção. Os funcionários dos estabelecimentos dizem que não podem fazer nada, que não dá para controlar... Acho inadmissível que eu tenha de prejudicar a minha saúde porque neste país muita gente não tem civismo...Optei por deixar de sair à noite mas claro que por vezes gostaria de ir mas vejo-me impossibilitada.
Pensei em formalizar uma queixa mas na ASAE disseram-me que tinha que dar os meus dados e receei represálias.
Sugiro que as queixas possam ser anónimas ou haja mais fiscalização.
Obrigada e continuação de um bom trabalho.