quinta-feira, janeiro 29

Como fazer crescer as poupanças

Recessão, bolsas em quedas, dificuldade no acesso ao crédito obrigam a uma alteração nos hábitos de investimento. Mas em tempos de crise será possível pensar em aumentar as poupanças?
Números do Banco de Portugal, relativos a 2007, indicam que há 47 anos que a taxa de poupança dos portugueses não atingia níveis tão baixos. No entanto, o Observatório do Endividamento dos Consumidores, em Coimbra, refere que há uma tendência para as pessoas serem mais cautelosas e controlarem excessos. Numa altura em que todos os bancos apelam aos depósitos a prazo e outras aplicações sem risco, o SC reúne os melhores especialistas, que lhe darão os conselhos que precisa.

Convidados:
Camilo Lourenço, Jornalista RTPN
Leonor Coutinho, Vice-Presidente da Associação Portuguesa dos Utilizadores e Consumidores de Serviços e Produtos Financeiros
João Martins, Associação para o Posicionamento Estratégico e Financeiro
Susana Albuquerque, Secretária-Geral Associação de Instituições de Crédito Especializado

57 comentários:

Jota disse...

A melhor forma de fazer crescer as poupanças é poupar sempre. Quanto mais se poupa mais as poupanças crescem :D

É curioso que capitalismo hoje seja relacionado com consumismo, porém os capitalistas que estiveram na origem da prosperidade moderna eram pessoas frugais e desprendiadas de bens materiais, era o capitalismo ascético sobre o qual o Max Webber escreveu.


A melhor forma de fazer crescer as poupanças a longo prazo em termos de aplicações financeiras penso serem as acções pelo menos isso é o que certos estudos mostram. Estas alturas de queda dos mercados podem as melhores para investimentos a longo prazo. Sublinho a palavra longo prazo ;)

Pedro Miguel Simões Oliveira disse...

Gosto de poupar, faço-o com regularidade, mas também adoro investir. O dinheiro parado no banco não vale nada.

Hernâni disse...

Até que ponto poupar de uma maneira desenfreada será a melhor solução?...Que tal tentar viver a vida de uma forma mais descontraída, mas sempre com a realidade bem assente nos nossos "bolsos", isto é, gastar o que se pode gastar.

Hernâni Zão

martinhaa disse...

poupar?
díficil, sim!só porque trabalho sazonalmente e o que ganho é para as despesas da universidade, incluíndo as propinas. posso não conseguir poupar, mas consigo gerir o que tenho consoante o que preciso.
próximo objectivo: juntar o valor da propina do próximo ano lectivo.

mesmo assim, agradeço dicas, nem que seja para poupar 10€ ao fim do mês!

marta loureiro

PEDRO DE CASTRO disse...

A aprendizagem para a poupança tem de começar desde criança. As sociedades ocidentais vivem sobre o pressuposto do consumismo e as campanhas são muitas vezes agressivas e actuam de forma consciente e inconsciente sobre as pessoas. Aliado a essa forte componente consumista, junta-se a transformação operada de valores. À 30 anos o príncipio era o de comprar quando se tinha dinheiro e não ter vergonha de ter menos que o outro. O importante para a honra era não dever. Hoje estamos perante uma sociedade em que os cartões de crédito vão ter a casa já pré-activados e sem terem sido requeridos. Se juntarmos a isso a mudança de valores que vemos nos nossos dias, em que o importante é ter os mesmos bens e serviços que os outros têm, mesmo que não tenhamos os rendimentos para isso, está formado o cenário para a desgraça.
Pergunto para quando, teremos nos curricula escolares "Formação Cívica e Gestão Económica Familiar"?

Fábio Damas disse...

Este tópico nesta altura de crise apesar de essencial, pois se os bolsos dos portugueses estão cada vez mais vazios, para muitos especialmente na classe média tem-se tornado uma impossibilidade. Nos últimos anos temos sido bombardeados de tal forma que hoje em dia é quase um passo de magia para milhares de portugueses conseguirem chegar ao fim do mês sem cobradores à porta, quanto mais conseguirem guardar algum dinheiro de parte para investir.

Na minha opinião um dos factores que provocaram esta crise de sobre-endividamento é o facto de os portugueses não saberem viver dentro do seu nível de vida e pedirem empréstimos muitas vezes desnecessários em épocas económicas mais favoráveis e que com mudanças bruscas nas conjunturas internacionais, como têm acontecido, ficam com os "pés de fora".

Por este motivo dou os parabéns pela escolha deste tema no vosso programa e votos de continuação de um bom trabalho

mariete disse...

Boa tarde
Desde sempre achei que a poupança é fundamental na minha vida, talvez pelos valores incutidos pelos meus pais que sempre me mostraram o quanto o dinheiro custa a ganhar. Ou a razão é porque sou uma pessimista por natureza e gosto de pensar que no pior cenário não ficaria sem dinheiro.
É uma questão de educação, uma questão de precaução porque ninguem sabe o dia de amanhã. Concordo com o convidado que mencionou que os portugueses tem vivido acima das suas posses, pois olhamos nas ruas e toda a gente usa aquela roupa, tem aquele carro, etc.
Pessoalmente o meu pensamento é para quê comprar aquelas calças a 50 eur quando em saldos descem para 25 eur e assim poupo. Para quê ter um carro novo quando o velho ainda funciona?
Há apenas um sector onde não me importo de pagar mais, que é na alimentação, pois isso sim é fundamental para uma vida em pleno com saúde. Curiosamente é neste sector que muitas vezes vemos as pessoas apertar o cinto, e não em bens futeis como viagens, carros, roupas...
Eu também gostaria de viajar, de ter bom carro, boas roupas andar sempre fashion, mas a minha realidade não é essa...
Mas sssim consigo poupar e não viver atolada em créditos.
Cumprimentos

vicente disse...

será verdade que os bancos portugueses querem aplicar uma taxa de 1,50€ por cada levantamento em ATM's. Obrigada pelos esclarecimentos diários que nos fazem tanta companhia!!

ct2htm disse...

Saudações a todos. A minha opinião é que em Portugal o crédito está entranhado nas pessoas, sinais de falta de disciplina e de organização financeira. No entanto, reconheço que as soluções de poupança também deixam a desejar na medida em que as taxas de juro estão a descer consideravelmente mesmo mo abaixo da inflação (certificados de aforro). Sem dúvida que os depósitos a prazo são bem mais vantajosos em Espanha.

PEDRO DE CASTRO disse...

A primeira ideia que qualquer consumidor tem de compreender é que NENHUMA empresa anda a fazer favores a ninguém! E se a oferta parece boa demais então é para desconfiar.
Desde criança que fui educado a poupar, e é algo que vai fazendo com que a satisfação cresça em proporção com a poupança. A satisfação de saber que se quiser ou precisar tenho dinheiro para algo que quero e que está dentro dos limites das minhas posses é liberador.
Vivemos num país em que só para a casa (a qual se apresenta na maior parte das vezes com um valor superior ao que o agregado pode suportar) e carro ( e aqui vai o resto do dinheiro porque somos um país de gente que tem de andar de carro novo) vai o rendimento quase na totalidade do agregado.
Mais uma vez à 30 anos tinha carro quem podia, hoje parece um dado adquirido.
Se não queremos que Portugal se torne numa Islândia por andar a viver acimas das posses têm de se mudar mentalidades e estilos de vida.

Mário Ramos disse...

Tenho 54 e estou desempregado desde Julho 2005; se não tivesse poupado ao longo da minha vida profissional, estaria neste momento em maus lençois;mas, quando pretendi liquidar o empréstimo, logo no inicio do desemprego, o banco tentou que não o fizesse; a prestação é baixa, não vai notar etc.etc.
Só que, o subsidio de desemprego só duraria 3 anos; e depois?
Obviamente que faço parte duma geração que teve outras influências que não o consumo desenfreado; mas estou agora a usufruir do bom-senso que tive ao longo da vida.
Mário Ramos

tulipa disse...

Hoje tenho 53 anos e desde os 17 anos que me casei e comecei a governar sozinha uma casa.
Nesse tempo não havia computadores para fazer contas e gráficos, como um dos convidados de hoje falou: que se faça gráficos do que se ganha e do que se gasta...

A minha forma de fazer contas é apenas mental, sei que não posso "estragar" dinheiro em coisas superfluas, daí à poupança é um pulinho.

A melhor forma de fazer crescer as poupanças é poupar sempre. Quanto mais se poupa mais as poupanças crescem. Isto não quer dizer que seja rica, mas remediada.
Nunca me vi em situações de aflição em relação a contas para pagar. E, consigo viajar para fora do País todos os anos, desde 1999.

Carlos Rocha disse...

Olá

A minha técnica é guardar 1 euro por dia, numa latinha, porco ou ovelha. No final do ano estão lá 365 euros. E se quiser guardar mais basta estabelecer as pequenas prioridades, como jornais, cafés, lanches, etc. No poupar é que está o ganho.

Carlos Rocha

Jane & Cia disse...

Antes de mais parabéns pelo programa, que é mesmo um exemplo maior de serviço público.
Quanto às poupanças... Somos um casal com 3 filhos, 16, 3 anos e 2 meses, não ganhamos o salário mínimo.. e mesmo assim fazer poupança é impossível.
A única coisa que fica garantida são os presentes monetários que os filhotes vão recebendo.
Gostaria que me aconselhassem, qual é o melhor tipo de conta poupança para fazer para os mais pequenitos.
Obrigada

josé oliveira disse...

Boa Tarde,
Como posso saber qual o cálculo da minha taxa euribor 3M (por 360 ou 365)

José Oliveira

tulipa disse...

Peço desculpa abordar algo que não tem a ver com o tema de hoje, mas gostaria de saber como posso enviar um e-mail, qual o endereço para que a Fernanda Freitas o leia.

Muito obrigado por existir este programa, através da Fernanda.

André Pereira disse...

Boa Tarde,

É sempre interessante ouvir dicas de como poupar. No entanto sejamos realistas no panorama nortenho mais concretamente do vale do ave, o ordenado minimo é o que prevalece nesta região do país. Como retirar o nosso "quinhão" de um ordenado que mal chega para a alimentação? Cuidado quando se fala em mealheiros, pois há muita gente que mesmo trabalhando nem dinheiro para um mealheiro tem! Cumprimentos.

PEDRO DE CASTRO disse...

Os gastos fantasma com pequeno-almoço, almoço e lanche quando se estáa trabalhar também podem ser alvo de uma poupança substancial.
Se tivermos a possibilidade de levar estes alimentos de casa, pode-se poupar diarimente valores que rondam os 10€. No final do mês faz toda a diferença.
Se formos ao estrangeiro vemos precisamente isto e ainda mais acentuado, um café pode custar 2€! Mas precisamente porque é encarado como algo acessório. Quem quer pagar um café num estabelecimento paga o luxo.

Sónia Meira disse...

Olá, eu tenho 33 anos, sou casada e tenho um filho na 1ª classe. Como todos os casais temos pilhas de contas para pagar todos os meses, e como não conseguia poupar nada optei por: todos os meses retiro no inicio do mês 60 euros para o mealheiro- eu e o meu marido imaginamos k retiramos 1€/dia - e normalmente um dos ordenados quando recebemos o 13º mês. Desta forma conseguimos juntar para algumas "aflições" com k não contamos.
Também fizemos um mapa em Excel onde registamos tudo o k recebemos e o k gastamos, desta forma conseguimos eleminar gastos superfluos.

Melhores cumprimentos,
Sónia Meira

b@be disse...

Antes de fazer crescer as poupanças, é muito importante diminuir as dividas, principalmente acabar com tudo o que é visas e créditos instantaneos... Enfim, acima de tudo os portugueses têm que perceber que certas coisas não são necessidades mas sim luxos!

victor disse...

melhor forma de poupar e nao gastar mais do que se ganha mensalmente e por favor nao uzem palavras em ingles

NUNO disse...

Boa tarde, deixo a minha dica:
um carregador solar ou éolico, para o telémóvel, para o Iphone ou para a PSP custa 60€. Se o carregador do telemóvel estiver sempre ligado em Casa, custa ao fim do ano, €80,00.

O conceito de Vida + Verde, também é económica.

NUNO disse...

O sistema solar térmico, para aquecer as águas é um investimento, mas ao fim de dois anos uma garrafa de gás, chega para as comidas, pois o sol trata da água dos banhos.

Valsa Lenta disse...

Subscrevo 2 PPR. Um que é investido em acções do BPI e outro da Fidelidade Mundial PPR LEVE.
Creio que será uma boa forma de poupar.

Susana Varela disse...

Utilizo um pequeno truque há já alguns anos. Começou com a implementação do Euro. Tenho daqueles mealheiros de lata, com uma pequena abertura (daqueles que não abrem). De cada vez que encontro moedas de 1 euro na carteira, vão direitinhas para o dito. Em média ao fim do ano junto cerca de 500 euros, quase sem ter dado conta.

PG disse...

Havendo uns eurozitos que sobrem no final do mês, costumo aplicar em despósitos a prazo (baixo risco) - curto/médio prazo -, deixando sempre cerca de 30% para o investimento em fundos de investimento e acções - longo prazo.

Como tenho 30 anos ainda não me atraem produtos como os PPR's, apesar do benefício fiscal a eles associados.
Pena terem retirado o benifício das Contas Poupança Habitação, pois era um produto muito atractivo para pessoas que como eu estivessem a pensar costruir uma vida começando pela casa.

Inês disse...

Infelizmente a poupança é algo que, hoje em dia, se tornou praticamente impossível, tanto para a classe média baixa, como para a classe média. No entanto, o problema não é o facto de não se conseguir poupar mas antes o facto de mais de metade dos portugueses estarem muito endividados. De há dez anos para cá que os portugueses, classe média essencialmente, acharam que poderiam, através do crédito, ter grandes vidas. Com o dinheiro de quem?? Dinheiro virtual. E agora, nos dias que correm, estão completamente estrangulados com os juros, as taxas aplicadas aos créditos e etc.
A única pergunta que coloco é: como é que os meus pais, com um rendimento mensal não superior a 1500 euros, com um crédito para habitação pequeno, me conseguem pagar uma faculdade privada 550€(visto que a educação em Portugal nos obriga a recorrer a este tipo de ensino, infelizmente) e sobreviver ao longo do mês sem recorrerem às suas poupanças? Tem sido impossível, nos últimos 3 meses, não o fazer. Dado que só no supermercado se deixam fortunas na alimentação.

Carlos disse...

Gostava de perguntar ao Camilo Lourenço, na opinião dele, quando é que as acções vão chegar ao seu nivel mais baixo este ano?

NUNO disse...

Consegui abrir a minha empresa, agora no meio da crise, porque estive a trabalhar em Angola durante 2 anos. Em Portugal estava no mesmo posto a olhar para o chefe. O dinheiro poupado, foi sofrido, mas agora estou pronto para enfrentar a vida e a familia.

amr disse...

Boa tarde, tenho uma pergunta relacionada com a questão dos cartões de crédito que abordaram há pouco. Tenho dois cartões de crédito que já deixei de usar há algum tempo mas quando tentei devolvê-los ao banco pediram-me para não o fazer porque ainda tinha uma anuidade paga em vigor e ia estragar-lhes as contas... Eu, como sou mole, vim embora. Mas quero mesmo devolvê-los, pelo que vos pergunto: pára devolver os cartões por correio, devo enviá-los intactos ou "cortados"?
Muito obrigada
Marta

Micaela disse...

Sou profissional liberal e a poupança é difícil porque não ganho um montante certo por mês.
O que faço é, assim que recebo, retiro uma parte para poupança (25% ou 50% consoante o valor). Assim sei que numa emergência tenho. Sei que vou precisando de retirar dali mas penso melhor antes de o gastar.
Também tenho uma caixinha e sempre que resisto a uma compra (uma peça de roupa, uma revista...) ponho o dinheiro que não gastei naquela caixa. Este dinheiro é para os "mimos" para mim: um jantar, cinema, um bom livro ou até um workshop de dança que queria muito frequentar.
E ando com pouco dinheiro na carteira. Gasto mais depressa em dinheiro do que usando o Multibanco. É que com o Multibanco a conta do banco diminui e custa-me mais.

Marinho disse...

Talvez pareça paranóico aos olhos de alguns, mas já cheguei a ir ao supermercado e agarrar na calculadora para fazer a razão entre a quantidade e o preço, de modo a fazer a melhor escolha. Com base nisto, penso que devo poupar só em bens consumíveis pelo menos 5€ por semana.

Cumprimentos.

shuffler disse...

Nao estou em Portugal. Ajuda a Poupar !!!
Mas os Meus Pais sempre me ensinaram a poupar . Talvez isso falta para muitos portugueses.
E Ja agora Os Cafes matinais os bolinhos , e ate o carro ate ao emprego seriam evitaveis . E' que o passe pode ser caro mas sera sempre menor que a gasolina...
E qd estava em Pt a trabalhar utilisava o comboio, o metro para ir trabalhar...

A. disse...

Há muito q oiço todas as dicas de poupança,mas não consigo poupar! Se pudessem indicar algo ao meu caso: 950€ de ordenado(média, parte é variável),renda 550€ (finalmente vai descer),água,luz,água,condomínio,alimentação e um filhote de 16 anos... como poupar?!

Obrigada pela ajuda.
Gosto muito do programa e dos convidados,
A.

Ricardo_Rodrigues disse...

Para além da poupança existe outra forma de fazer face a uma crise financeira, vender bens que podem ser dispensados, uma casa pode até ser complicado, mas um carro de valor eevado pode ser substituido por outro de menor valor ara desempenhar as mesmas funções, face a uma crise temos de deixar comodismos à parte e obter liqudez para pagar dívidas.

ricardo roquette disse...

Bolsa ou aplicações sem capital garantido não devem ser vistos como alternativas de poupança. As amortizações de empréstimo são sempre boa ideia desde que, o que se poupe em prestações seja aplicado em poupança, seja no porquinho, na ovelha ou em investimentos finaceiros, no minimo, com capital garantido.

Anabela disse...

Boa tarde:

À momentos falaram da descida da euribor e o que se pode poupar na prestação da casa, no entanto esqueceram-se de referir que os bancos estão a subir o spread através de carta, (duas vezes desde Setembro), o que faz com que a prestação não desça tanto.
Já agora aproveito para fazer a questão: este aumento do spread é legal?

Cordialmente
Anabela

Ana Garrancho disse...

Para quem gosta de andar fashion ou com roupas diferentes: podem poupar trocando as roupas de criança com as amigas à medida que vão crescendo, à velocidade que as crianças estragam a roupe é sempre rentável a de 2ª mão; podemos fazer o mesmo com as nossas roupas ou acessórios; em vez de dar ou deitar fora a roupa que não gostamos mais ou que já não nos servem, podem fazer ajustes, aplicações, aproveitar o tecido de uns para modificar outras peças...
É uma sugestão!

Cumprimentos
Ana Cristina

Rui Coelho disse...

Olá, parabéns pelo programa.

Só queria acrescentar que um passo importante para quem quer poupar, para além de ler o livro do Sr. Camilo, é gastar bastante tempo no blog do Pedro Pais.

http://www.pedropais.com/

É do melhor que já vi e tenho a certeza que o Sr. Camilo já por lá passou.

C_Coelho disse...

Boa tarde,

Gostaria que me indicasse um livro para quem quer começar a atender mais sobre investimentos e bolsa, pois na realidade existem nos bancos diversos produtos que parecem apelativos, mas que quando se leem as "letras pequenas" a realidade é outra. A informação está realmente presente, mas não é fácil entender por qualquer pessoa...

David disse...

caros amigos
uma sugestão, deixar de usar o cartão de multibanco, e passar a utilizar apenas dinheiro, é psicológico, mas tendo que pagar com dinheiro as coisas parecem mais caras, e então faz-nos pensar duas vezes se são mesmo necessárias.
outra coisa que eu faço é apenas gastar quando tenho, nunca usar crédito, se não posso agora espero e quando poder compro.
david jorge

victor disse...

Falam em poupar poupar e muito bonito mas a pessoas que nao ganham para o dia a dia quanto mais para poupar que solucao a para essas pessoas

Dominic Oliveira disse...

Boa tarde!Tenho 22 anos e penso que o grande problema esta no conhecimento sobre esta matéria, as pessoas em geral nao querem saber o que é poupar devido a maneira como o sistema económico está organizado. Os meus próprios pais acham ridiculo poupar, acham dinheiro mal parado e nem sequer se interessam sobre esta matéria. Penso que o grande problema está na educação das crianças, deveria existir na escola uma disciplina logo no 5º de maneira a sensibilizar desde cedo para este problema cultural. Se nao fosse este programa de á 2 anos para cá eu ainda estaria a gastar a minha unica "fonte de rendimento" (dinheiro que recebo nos anos e no natal - porque digo que quero dinheiro e nao prendas):)

Pedro disse...

Poupança e ser capaz de refrear o consumismo pode permitir grandes poupanças.
Só nestes saldos posso dizer que gastei perto de 100€ num total de 8artigos que em preço de loja totalizavam mais de perto de 400€.
Como em tudo, temos de estabelecer prioridades e saber definir o acessório.
Para os consumidores compulsivos recomendo que se sirvam da possibilidade da devolução para não andarem a adquirir produtos que não precisam e que no dia a seguir a serem adquiridos já não o satisfazem.

Pedro C
Lisboa

Maria Dias disse...

É difícil poupar, os salários em Portugal são muito inferiores ao espaço Europeu, mas eu adoptei um sistema, todas as moedas de 1 euro que tenho coloco num mealheiro, há quase 8 meses que tenho esta poupança, quanto lá esta? não sei mas vou continuar a poupar, quando cheio vou abrir o mealheiro e depositar esse dinheiro, assim crio uma poupança, por este sistema consegue-se um bom pé de meia.
Parabéns pelo seu progama.
Maria Dias
Funchal

luiszangao disse...

boa tarde tenho nos meus rendimentos sobra de 400 euros qual seria a melhor forma de o poupar onde o investir

Pedro disse...

Poupar, poupar, poupar!
Se formos a poupar em todos os cêntimos, deixarmos de ir à café da nossa zona, comprar revistas, etc. O que é que vai acontecer aos donos desses negócios? Onde é que eles irão poupar se os clientes forem todos poupados?
Os meus amigos consideram-me um forreta, porque me exalto quando vamos “socializar” e o café custa 2 euros. Eu bem os tento levar a sítios de preço mais “justo”, mas eles argumentam que não têm a melhor vista, etc. O que devo fazer? Mudo de amigos ou deixo de sair com eles para poupar mais?

Dominic Oliveira disse...

Boa tarde!Tenho 22 anos e penso que o grande problema esta no conhecimento sobre esta matéria, as pessoas em geral nao querem saber o que é poupar devido a maneira como o sistema económico está organizado. Os meus próprios pais acham ridiculo poupar, acham dinheiro mal parado e nem sequer se interessam sobre esta matéria. Penso que o grande problema está na educação das crianças, deveria existir na escola uma disciplina logo no 5º de maneira a sensibilizar desde cedo para este problema cultural. Se nao fosse este programa de á 2 anos para cá eu ainda estaria a gastar a minha unica "fonte de rendimento" (dinheiro que recebo nos anos e no natal - porque digo que quero dinheiro e nao prendas):)

Diogo disse...

Boa tarde!
Sendo muito sistematico, posso apontar algumas formas de poupar.
- Investimento na bolsa (comprar em altura de pânico e vender em altura de euforia - correndo o risco de perda ou ganhas extaordinarios)
- Deposito do dinheiro de uma conta a prazo(gerando lucros)
- Controlo desses mesmo juros
- Poupança no sentido literal, deixando de comprar bens superfulos e dirigindo os seus ganhos para os bens de primeira necessidade.

Alem destes há outros e muitas pdoem ser as formas, maneiras ou esquemas de poupar.
Na minha opiniao, sabe-se que o português tem a mania de viver o presente e esforçar-se no futuro vezes sem conta. Podemos refir que o português tem memória curta. Seja, Trabalha para gastar e nao para poupar ou investir.
Claro que o Estado deviria tambem controlar a poupança dos portugues, seja atraves do controlo da divulgaçao da publicidade, embora seja direito presente na Constituição. Pode tambem deixar de fixar preços minimos e maximos, deixando o mercado funcionar por si proprio e chegar a um preço de equilibrio. Bons exemplos desta situaçao é o salario minimo (originando desemprego) e o congelamento de rendas (que provoca uma maior impacto que uma bomba atomica).

Nao é de excluir que a educaçao é importante para a poupança e investimento, e cabe cada vez mais ao progenitores educar os seus filhos neste sentido, visto que o capitalismo avança a passos largos pelo mundo, podendo-se dizer que Hoje em dia há uma autentica globalização do capitalismo.

Para nao me prolongar muito mais deixo o meu concelho: Investir na bolsa, em empresas de monopolio ou oligopolio (que em principio sao mais seguras), ignorar os bens de luxo, mesmo que aumente o salario (por exemplo) e mantendo sempre um certo nivel de racionalismo nas escolhas de consumo.

Dominic Oliveira disse...

Boa tarde!Tenho 22 anos e penso que o grande problema esta no conhecimento sobre esta matéria, as pessoas em geral nao querem saber o que é poupar devido a maneira como o sistema económico está organizado. Os meus próprios pais acham ridiculo poupar, acham dinheiro mal parado e nem sequer se interessam sobre esta matéria. Penso que o grande problema está na educação das crianças, deveria existir na escola uma disciplina logo no 5º de maneira a sensibilizar desde cedo para este problema cultural. Se nao fosse este programa de á 2 anos para cá eu ainda estaria a gastar a minha unica "fonte de rendimento" (dinheiro que recebo nos anos e no natal - porque digo que quero dinheiro e nao prendas):)

Andromeda disse...

Uma vez que a ideia deste programa é incentivar a poupança, não podiam mencionar, pelo menos neste blog, o nome da tal loja no Porto com quase tudo a 20€?

João Fonseca disse...

Penso que a forma mais interessante de poupar dinheiro começa com poupar o ambiente, ou seja poupar em água, luz, emissoes de CO2. É uma dupla poupança, na carteira e no NOSSO planeta.

Parabens pelo vosso programa, sempre com temas interessantes e uteis.


um blog interessante:
www.ecosolucoes.blogspot.com

Mendes disse...

Tenho estado a ver o programa e no geral concordo com a maioria das soluções apresentadas.
No entanto, acrescentem esta nmáxima, base de toda a poupança possivel.

O DINHEIRO NÃO É DE QUEM O GANHA, É SIM DE QUEM O SABE GASTAR.

Quanto aos PPR..... aprofundem bem este tipo de investimento e concordarão que estamos a sustentar mais a banca.....

cumprimentos,
a.c.
Coimbra, cidade de PORTUGAL e dos conimbricenses.....por enquanto...

laca disse...

caros leitores/espectadores,

parece-me que o que falta é os que estão a encontrar "soluções para poupar" passarem realmente pela experiência - de não ter dinheiro - o que se poupa se realmente a maioria da população não tem ordenado fixo, muito menos ordenado mínimo???

sucintamente a minha vida (41 anos) resume-se "a tentar dar a volta à questão económica"... os meus pais incentivaram-me desde sempre (mesmo com dificuldades económicas) a investir numa carreira académica, eu colecciono cursos (vários), 2 licenciaturas, uma pós-gradução, estou no doutoramento (viciada)... pelo percurso tive diferentes empregos e felizmente sempre nas áreas que mais gosto. só que estes sempre me ofereceram situações precárias como os tais "recibos verdes"... conclusão: hoje com 41 anos, sou docente do ensino superior, já lá vai uma década, continuo com "recibos verdes", numa situação de o que vai acontecer no próximo semestre??? a minha situação ao nível de segurança social é "fora da lei" nunca consegui descontar para esta, muito menos fazer poupança. paguei e continuo a pagar os estudos, a investigação, o crédito da casa, sorte não tenho prestação de automóvel, os transportes públicos são caros, a casa precisa de obras (não há possibilidades)... por fim, recorro, ainda, aos meus pais quando estou "com o nó na garganta", e confesso que acontece com frequência... não viajo, não faço vida social, saio das aulas para casa, de casa para as aulas, das aulas para a biblioteca, da biblioteca para casa... não tenho empregada doméstica (sou eu), não tenho amigos veterinários, não consigo fazer tratamento de estomatologia...

continuo positiva... mas, sinceramente parece utópico!!!

núcleo familiar: eu + quatro gatos.

como poupar???

*****

Marta Sofia Silva disse...

Numa compra através da internet tentei pagar um bilhete de avião através de visa Electron já que o próprio site informava que, por se tratar de um cartão de débito, não seria cobrada qualquer taxa adicional. Fui informada no balcão do meu banco de que isto não seria possível porque em Portugal este tipo de cartão não é emitido com código de segurança. Fui assim obrigada a pagar com cartão de crédito pagando uma taxa adicional de 7,50€ a somar aos cerca de 35€ pela demora da compra devido à situação bancária. A minha dúvida é se esta situação é efectivamente legal e como posso fazer para evitar este tipo de gasto adicional?

arelaçãovirtualcomameninadosolhosgrandes disse...

muito boa tarde!
sou psicologo e presidente da associação juvenil ambiente e património. Gostaria de saber qual será a possibilidade de ter o contacto do investigador que esteve no vosso programa a falar de psicologia ambiental.

muito obrigado

ricardo cardoso
moitacardoso@gmail.com

roxo disse...

Boa tarde a todos:)

Ainda relativamente à poupança gostava de vos pedir uma ajuda em relação ao valor comercial do ouro. Devo vender os bens que tenho em ouro ou esperar que o v.comercial suba?

Mt OBG, Cpts, SFM