quinta-feira, fevereiro 26

A fidelidade está na moda?

58% dos portugueses afirma ser fiel ao(à) seu(sua) parceiro(a) – um estudo elaborado pela Eurosondagem – apesar de um em quatro homens admitir que trai a companheira.
Os portugueses aparentam algum conservadorismo e um terço acredita no amor à primeira vista – um dado igualmente surpreendente.
Outra curiosidade está na resposta ao número de parceiros que cada português apresenta no seu “CV amoroso”: 16% afirmam que já tiveram mais de 10 parceiros. A esmagadora maioria dos que ostentam este número são homens. Será que os homens mentem nesta matéria e as mulheres reservam-se mais? Assuntos a tratar neste SC, com enfoque na principal revelação: a fidelidade

Convidados:
Abel Matos Santos, Sexologista e Mestre em Psicologia da Saúde
Margarida Rebelo Pinto, Escritora
Dulce Garcia, Jornalista da Revista Sábado
José Luís Borga, Padre

25 comentários:

Sandra Bastos disse...

Boa tarde a todos!

A fidelidade tem de estar cada vez mais na moda. As pessoas est~~ao com quem querem quando querem.
Por isso assistimos com mais frequência ao término de relações que seriam para "toda a vida".

Martinha disse...

Oláaaaaaaa

A fidelidade tavez esteja na moda, porque os casais, desde há algum tempo que começaram a casar por amor.logo a probabilidade de haver infidelidade é mais baixa.
Também ainda a questão das doenças sexualmente transmissíveis ajudará a travar a infidelidade.

Mas acima de tudo e o mais importante é que quando gostamos, nunca somos infieis.

Kanina disse...

Hoje em dia tambem se trai menos tambem porque a nivel sexual ha muito mais liberdade entre o casal para experimentar coisas novas... como o swing, o vouyerismo, etc...

(Off topic: discutam qualquer dia BDSM :D)

emanuf disse...

"A fidelidade, se não é espontânea, morre", Julio Machado VAz, in Visão Novembro 2003. Para que isto aconteça é preciso treinar e ter vontade e querer que assim seja. É preciso investir na afectividade. É preciso investir na relação como um todo (desde as compras, à lide da casa, ao cuidar dos filhos e à vivência da sexualidade).
Emanuel

Reparos e Desabafos disse...

Não é moda, mas sim o facto de como já foi dito as pessoas começarem a juntar os trapinhoss porque gostam, um do outro.
Casei com 35 anos, depois de 6 anos de namoro, e já estou casado há 12.
Continuo a gostar muito da minha mulher, e não imagino ser infiel nesta altura, com qualquer outra.
Já enfrentei situações, mas...

Gustavo Santos Costa

Catherina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Markcs disse...

Boa tarde!

A fidelidade ainda é um conceito em construção. Dantes era aceitável os homens serem infiéis, hoje, com a igualdade entre homem e mulher, começa a ser aceitável as mulheres serem aventureiras!

Paulo Aguiar disse...

Boa tarde.

Em relação aos convidados, não entendo porque o sacerdote, não baseia os seus comentários no livro sagrado. Não deveria apresentar o conceito da bíblia sobre esse assunto? Se não for ele a fazer isso, quem o fará?

Jota disse...

A fidelidade é no fundo uma forma de santidade e é pena que no Cristianismo esta noção tão única de sermos santos no mundo tenha sido relegada para os conventos por alguns grupos cristãos. O adultério é pecado e cobiçar a mulher do próximo também, até mesmo fantasiar, segundo Jesus.

Renata Figueiredo disse...

Boa tarde a todos!
Goataria de fazer uma pergunta ao Dr. Abel Matos Santos.
Já vi vários casos de homens que traem suas mulheres, por sua vez muito interessantes, com boa formação moral e académica, etc por mulheres que não tiveram acesso a estudo, muitas vezes ignorantes de tudo?
Obrigada pela oportunidade.

Jota disse...

O problema é que por nós não podemos nada, apenas com o auxilio de Jesus. Ele é que nos torna santos.

João52 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Susana Lança Rodrigues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Markcs disse...

Mas afinal o que é a fidelidade!?

Mariana disse...

boa tarde!

todos concoradermos que fidelidade e traição nao sao exactamente iguais. nao é so quando se trai que se é infiel. a infidelidade passa também pela mentira, pela falsidade, por 'desligar' da relaçao e nao o discutir com o parceiro, passa por deixar de viver o casamento/namoro na plenitude e com genuinidade.

é vergonhoso que se possa ser tao infiel... o casamento (pelo qual nunca passei)é o maior acordo de vida, e ele próprio assenta na verdade, acima de tudo. mentir é desmoronar a integridade.

um bem-haja ao padre borga, sempre tao sensato.

Mariana, 18 anos

Nuno disse...

Boa tarde a todos.

Eu sempre me interroguei o que é o casamento? para mim, filho de um casal divorciado, é apenas uma palavra, que cada um adapta a sua imagem.
Eu sou contra o casamento, respeito-o imenso, no entanto, quando olhamos para o casamento na nossa sociedade é como um portal. um ponto de viragem. e com isso não concordo. Quando vejo amigos a casarem, vejo muitas vezes dois erros crassos. O primeiro, o facto de verem o casamento como uma mudança na relação. Como se a relação passa-se a ser "séria" a partir daquele momento.O que se passou antes foi apenas uma bricadeira, como se o casamento fosse mudar as pessoas. O segundo erro que vejo passa por namorados que nunca moraram juntos e nunca partilharam responsabilidades e de repente casam. Enquanto namorados tudo era um mar de rosas e quando passam a morar juntos descobrem um mar de problemas. Eu tenho 25 anos, e moro com a minha namorada (companheira). Tirando o facto de não termos filhos, partilhamos as mesmas responsabilidades que um casal que tenha "institucionalizado" a sua relação. Não precisamos de um casamento para levar a nossa relação a serio. Vivo assim a 2 anos e costumo dizer que ainda estou a espera de descobrir os defeitos da minha companheira. Quanto a fidelidade penso tambem que não é o casamento a ferramenta ideal para estabelecer essa promessa. Vejo afidelidade mais como uma trabalho em progresso, que a medida que a nossa relação vai avançando se foi cimentando, em que ambos fomos percebendo que eramos a pessoa que nós queriamos para partilhar a vida e so ai começamos a viver juntos, sabendo no entanto que a partir desse momento outras dificuldades apareceriam.

A pergunta que eu deixo aos convidados é a seguinte, não devem os casais viverem na mesma casa antes de casar? o mesmo a nivel da vida sexual, não devem ter experiencias sexuais antes de casar?

madame M. disse...

Fernanda,
Não concordo com o convite ao padre aí presente para fazer parte da discussão. Não faz sentido. Os padres não sabem nada sobre o assunto da fidelidade e da relação entre as pessoas, pois fizeram votos de castidade, só deveria estar aí se a discussão fosse a castidade e uma vuda sem sexualidade.
E a fidelidade entre os homossexuais e as lésbicas? Não faz parte?

Ana disse...

Fui infiel num casamento com vários anos. Casei por amor e a pensar que era para toda a vida. no entanto, ao longo dos anos de casamento, percebi que a pessoa com quem estava não era compatível comigo e não me poderia fazer feliz. Encontrei um colega com quem me identificava incrivelmente e por quem me apaixonei. Ambos éramos casados e ambos nos separámos e continuamos juntos, já lá vão 2 anos.
Penso que, na traição, encontrei o amor da minha vida.
Sei que procedi mal, mas não me arrependo! Serei assim tão má?

marlise_diabinha disse...

Acho que para sabermos se estamos a ser infieis basta pensarmos uns minutos na reacçao do nosso companheiro/a se soubesse daquele sms,daquele flirt com o colega...basta isso para sabermos os nossos limites para nao magoar o outro.

José Carlos Tavares disse...

Quando ouvi o Médico falar que o facto de se ter vários parceiros é um factor de risco é muito moralista ,o factor de risco é o não se ter relações protegidas.
Não existem grupos de risco e sim comportamentos de risco.
José Carlos

Carla Couto disse...

Acho que a infidelidade não devia afectar-nos tanto. Partindo do princípio que estamos numa relação honesta e transparente, se acontece uma traição é porque afinal havia motivos e problemas. Há razões que levam à traição e à fuga, ao prazer e ao conforto noutra pessoa. Se este problema for identificado e resolvido dentro do casal, o casal pode ter a sua relação fortalecida ao ultrapassar a questão. Mas podíamos estar enganados com a pessoa com quem vivíamos, ou nós estávamos a cometer um erro dentro da relação que levou o outro a "escapar".
Por outro lado, sinto que a maioria das traições é cometida por pessoas bastante inseguras. Podem estar numa relação óptima e sentir orgulho no parceiro, mas têm tanto medo da solidão, de serem incompetentes na relação, ou da infidelidade que a cometem para se sentirem resistentes. O nosso cérebro tem truques destes.

interaction disse...

Boa Tarde,
Gostaria de deixar uma pergunta a todos. Sou casada há 13 anos, uma historia de contos de fada. Amo meu marido incondicionalmente. Entretanto, a rotina e as dificuldades do dia a dia aliada ao stress, penso eu... faz com que não tenhamos relações. Essa é uma parte importante para mim, para me sentir amada e desejada. Já tentamos terapia de casal e já conversei com ele várias vezes mas o facto é que já ficamos até 1 ano sem ter nada. Sinto-me perdida. Fico num casamento sem uma parte que considero importante? Estou a me enganar de que algum dia isso vai mudar? Ele não estará a ser infiel ao sentimento que temos?
Quais são as soluções para mim?

dransa disse...

Boa tarde!

Acho que cada vez mais nos relacionamentos as pessoas optam pelo caminho mais fácil ou seja,trair. Não se dão ao trabalho de reflectir para compreender o que está mal. Desinvestem completamente na relação e acham que a solução está na em procurar relacionamentos extra-conjugais.
O pior acontece quando a parceira (o)descobre.Destroem-se lares mas acima de tudo, seres humanos.
Por isso sou apologista do acabar uma relação enquanto há respeito e amizade. Ambos saem a lucrar.

Abraços

Kanina disse...

Se se suspeitar uma boa maneira de descobrir é o MSN, arranjar uma amiga ou fazer mesmo a pessoa e fazer com que ele caia na armadilha, marcar um encontro com ele, enfim... resulta

Maria disse...

Estou casada há quase 30 anos,sentindo-me sempre feliz e confiando plenamente. Há 4 anos acordei com o pesadelo de descubrir que o meu marido está infectado com o HIV, negando a infidelidade, alegando ter sido infectado em solteiro. Vivo um casamento de faz de conta ,sem relações sexuais. Os meus filhos não sabem da doença do pai. Sofro em silêncio, imensas dúvidas invadem a minha alma :((....será que vale a pena viver assim, continuar com um casamento de fachada? pela familia, pela sociedade? por um juramento feito no dia do casamento??