terça-feira, março 17

Casamento entre pessoas do mesmo sexo

A atribuição do Óscar de melhor actor a Sean Penn pelo papel em Milk, o filme sobre o primeiro homossexual assumido eleito para um cargo político nos EUA, relança do tema do casamento homossexual em todo o mundo, em particular em Portugal, onde é bandeira do PS para as legislativas. A discussão não é novidade, novas são as posições da Igreja em Portugal que nunca foram tão sonantes como nos últimos tempos.
A última foi proferida pelo cardeal D. José Saraiva Martins – “…a homossexualidade não é normal”.
Mas irá a sociedade reconhecer no Código Civil um direito que está implícito no artigo 13.º da Constituição? Uma matéria sensível e extensível a todos os parceiros do SC.

Convidados:
Padre Jacinto Farias, Teólogo e Professor na Universidade Católica
Pedro Pestana Bastos, Advogado
Isabel Moreira, Constitucionalista e Docente na Universidade de Lisboa
Miguel Vale de Almeida, Antropólogo e Professor no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa

127 comentários:

Jota disse...

Enquadramento legal para a união sim, casamento não. O casamento homossexual não gera filhos e por isso nunca pode ter o mesmo enquadramento legal que o casamento hetero. Mais valia legalizar o casamento polígamo que sempre tem significado e não entendo porque há de ser ilegal.

A Bíblia condena a homossexualidade, e muitas outras coisas. Se bem que é hipócrita julgar os homossexuais também não se pode dizer que é uma coisa ok para quem tenta viver segundo parâmetros cristãos.


Não é uma questão de liberdade porque os homossexuais são livres para viver juntos.

pe disse...

Parece-me a mim que comentários HOMOFÓBICOS como o primeiro são completamente desnecessários.

É surpreendente como ainda há tanta falta de abertura da mente e racismo ainda nos dias de hoje, e depois cai-se na incongruência de afirmar que os homossexuais são livres de fazerem o que quiserem, mas ao mesmo tempo querem limitar (e muito) a sua liberdade... que hipocrisia.


E desde quando a bíblia é um livro de confiança quando não o é? Muito especialmente depois de ter sido MANIPULADA ao longo dos séculos.
Se a bíblia também disser para nos atirarmos do precipício abaixo vai-o fazer? :-p

E desde quando é que o casamento existe apenas para a procriação? O casamento é APENAS UM SÍMBOLO DA UNIÃO DE DUAS PESSOAS, desse seu amor.
Além do mais está provado que casais gays podem ser tão bons ou melhores pais que casais hetero.

E já agora que se fala sobre religiões, por acaso acha que uma alma tem género??? As almas não são nem masculino nem feminino, só o corpo físico o é.


A questão do casamento é dar IGUALDADE de direitos/oportunidades tanto para casais hetero como homo, especialmente a nível LEGAL. Então para se ser mais justo deveria-se retirar igualmente os privilégios de pessoas hetero casadas para só terem os benefícios de uma união de facto como seria no caso de um casal homo (não casado)?



Se alguém achar que não é homofóbico, então só tem mais é que dizer que acredita na IGUALDADE DE DIREITOS PARA TODAS AS PESSOAS, independentemente se são do mesmo sexo, país, religião, cultura, cor, etc etc.


O tempo das cavernas já passou...
DESCRIMINAÇÃO NÃO.

Cristina Rocha disse...

e a adopção não presume amor aos filhos?

Cristina Rocha

Paulo disse...

"Casamento não pq nao gera filhos", de entre muitas coisas que já ouvi, é sem duvida a que ganha como maior barbaridade dita!

Sr. "Jota" diz bem nao tem a ver com liberdade, tem a ver com MESMOS DIREITOS.

Jota disse...

O pe não sabe o que é homofobia, a menos que seja a definição da sua bíblia Alan Kardec.


Primeiro aprenda a diferença entre liberdade e direitos.

Pe entenda uma coisa o objectivo não da religião não é dar graxa às pessoas mas dar-lhes a salvação. Eu respeito homossexuais, alcoolicos, adulteros, cleptomaníacos e não sou perfeito, mas não vamos dizer que uma coisa é Cristã quando não é.

Pedro disse...

A evolução social e a estigmatização continua presente na sociedade portuguesa.
Os cidadãos homosexuais desde país vão continuar a ser presseguidos e estigmatizados, sendo alvo da pressão familiar e social por serem quem são.
Não se tratam de escolhas, nem opções. Estas pessoas são assim, da mesma maneira que outras pessoas têm olhos azuis e outros olhos castanhos.
O respeito e a igualdade só pode ser alcançado quando a sociadade reconhecer que estas pessoas não são extraterrestres nem têm nada de errado neles. Apenas são diferentes. assim como todos os seres humanos são diferentes.
Quanto à posição da Igreja, essa é apenas mais uma posição de um grupo de homens que se baseiam em dogmas arcaicos. A Igreja é uma instituição criada pelo Homem e gerida por homens e que não é detentora por si da espiritualidade.
O Casamento é o que enquanto sociedade nós decidámos que seja. A nossa sociedade hoje não é a mesma do início do século XX e muito menos a que a biblía nos relata.
Respeito e Igualdade!

Pedro disse...

Basta de rodeios! Toda a discussão à volta de casamentos gay, adopção e outros direitos civis relativos a esta comunidade resume-se a uma palavra: homofobia. Isso mesmo: medo! Quem argumenta contra, quem se diz defensor da tradição e dos valores familiares, tem medo. Medo de ser considerado homossexual por defender direitos para homossexuais. Ou medo de desvendar a sua homossexualidade reprimida. É muito simples. É uma questão de mentalidade obtusa e personalidade fraca.

Eugénio Rafael disse...

A não legalização do casamento homossexual viola os princípios basilares da democracia, viola os códigos dos direitos humanos, e patrocina a homofobia

a legalização não comporta quaisquer consequências, o argumento do "chamem-lhe outra coisa" é uma formalidade estética, o contra é necessariamente homófobo, e fazer um referendo é descaradamente errado, a fazer-se e a ser chumbado seria mais um golpe na democracia, nos direitos humanos e na imagem do país que mais uma vez se afirmaria como conservador (conservadorismo=anti-evolucionismo) numa altura em que eu sei se paga 1milhao ao steven meisel para fotografar a campanha de de promoção da Marca Portugal

o casamento homossexual sim, simplesmente porque o 'não' não tem sequer estrutura para se aguentar em pé,

Pedro disse...

Apenas digo que se devia, antes demais, respeitar o amor de uma pessoa por outra e não apenas o amor de um homem por uma mulher e vice-versa.
Não existe um amor mais válido que outro nem superior ao de outro.
Portanto não se queira a exclusividade do Casamento para a heterosexualidade.

Dread. disse...

Boa tarde Clara, com todo o respeito venho manifestar a minha indignaçao pelo facto de se continuar a convidar representantes de um grupo religioso para um debate sobre questoes que dizem respeito `a legislaçao em Portugal. Felizmente desde o 25 de Abril que Portugal e´ um dito estado laico. Logo nao creio que qualquer grupo religioso tenha voto na materia ( muito menos baseado em concepçoes religiosas ) .

A questao do casamento homossexual e´ totalmente dissociada do casamento religioso. A defesa de opinioes em que alguem devido `a sua orientaçao sexual nao tem o direito a partilhar de beneficios proporcionados pelo firmar de um acordo denominado casamento civil ( e aqui frisamos a irrelevancia da discussao do termo, pois caso a raiz simbolica do termo tivesse alguma importancia nao faria sentido apelidar o casamento civil de casamento ) e´ claramente homofobica .

Eu sou um heterossexual chocado com a falta de laicidade do nosso estado .

Por fim em relaçao ao senhor que insiste em discutir questoes semanticas sobre os termos relacionados com o casamento homossexual, que se relembre que nao e´ o ponto de discussao do programa . Mas sim uma questao legal.

Cumprimentos Diogo .

P.S. Peço desculpa mas o meu teclado nao possui acentos.

Jota disse...

Socieda homofoba, cleptofoba, gerontofilofoba, pedófilofoba, é uma tristeza. Porque não conceder o direito ao homicida? Ao pederastra? Para fazerem o que quiserem?

Jota disse...

Agora se v~e a hipocrisia desta gente porque não a poligamia???? Ou o casamento entre irmãos?????

Nhepras disse...

Pegando no conceito de que o casamento tem como predisposição a procriação pelo Pedro Pestano Bastos, pergunto se uma conservatória vai perguntar a um casal heterossexual se é infértil como condição para casar? Quero ainda perguntar o porquê do confundir o conceito de "constituir família", como condição constitucional para o casamento, como o de "procriar"?
Isso é uma visão redutora e nuclear do conceito de família.

Os comentários da ala do "não" revelam homofobia implícita e pânico de que os seus valores estejam a ser ameaçados. Nós não queremos entrar em ruptura com ninguém, apenas um reconhecimento das igualdades civis!

heber disse...

ola a todos:
Atendendo ao que disse o advogado que está presente. Se realmente considera que para que os direitos de todos sejam reconhecidos e aplicados seria necessário organizar-se o casamento no código civil, assim como quase tudo o que lhe está inerente, como a paternidade, maternidade, familia, etc etc. Deixo esta questão e pk não se altera??? Porque é claro que a questão está relacionado com a obtenção de igualdade de direitos.
Já agora informo este sr. que está errado quando coloca a questão da biologia. Maxo e femesa sá serão necessários na reprodução sexuada e mesmo esta pode acontecer em algumas especies de seres vivos sem que estejam presentes dois seres diferentes. Por isso nem sequer isso se pode colocar. Informo que sou formado em biologia.
Preve-se que este debate vai ser de bradar aos ceus!!!
Boas, produção do sociedade, to mt triste com vocês pelo que sucedeu na sexta feira, descriminaram os dois comentarios que surgiram no blog. (LOL)
Saudações a todos
héber

Pedro disse...

É hilariante ver a argumentação do casamento como sendo algo específico do homem e mulher só pelo aspecto reprodutivo e biológico.
Gostamos de separar o Homem do restante reino animal pelas suas características intrínsecas, mas quando temos oportunidade de ser realmente humanos nas acções, o comportamento animal sobrepõem-se.
Quem quer utilizar o argumento animal e procriativo deveria fazer melhor o trabalho de casa e iria verificar que a homosexualidade está dessiminada por todo o reino animal.
O que se quiser chamar a dois patos, ou pombos é irrelevante se o tipo de relação que mantiverem for em tudo igual a um comportamento de casal.

Pedro Tomás disse...

Acabou de ser dito que dois homens não podem acasalar e por isso não são um casal. Pergunto: um homem e uma mulher casados mas que não "acasalem" não são um casal?

Mostrar nome disse...

é só teorias, para que se querem casar? se querem porque nao se casam noutro país? que e' que tem a ver com descriminação? tenho na estante dezenas de poetas homosexuais portugueses e franceses e nunca vi interessarem-se pelo assunto e nao conheço nenhum homosexual que queira casar.se. eu sou hetero e nao quero . descriminação e homofobismo é tratado com cultura. também ninguém quer uma lei para Rimbaud e Al berto por exemplo serem obrigatórios nas escola? era melhor ler que ouvir estes debates Ler + / - debates

maria amélia disse...

Sou contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo porque sou contra o casamento como contrato oficializado. Porque é que quem se casa tem mais direitos que quem não casa? Essa é que a descriminação feita pela constituição!
Vivo em união de facto com a pessoa de sexo oposto ao meu de quem gosto e com quem tenho filhos. Recuso-me a casar porque acho repugnantes as condições contratuais da oficialização legal de algo tão íntimo como os afectos. Não quero ser obrigada por ninguém, muito menos pelo Estado, a amar ou cuidar alguém ou a ter relações sexuais por causa de um papel.
Não acho justo que quem se submeta a essa intromissão da vida privada tenha mais direitos que eu. O Estado existe para regular a convivência comum e o que interessa a todos, não o que só interessa a quem se ama. Porque indo por aí, porquê discriminar casamentos múltiplos?
Acabe-se com a figura do casamento legal por favor. De resto cada um siga a sua fé, vontade e amor.

Pedro disse...

Jota voçê é o arquétipo dos portugueses reprimidos. Talvez se estivesse mais seguro da sua sexualidade não fizesse comentários tão obtusos e despropositados.
Este assunto é sério e o tipo de comentários que faz revelam uma pessoa completamente acéfala.

paulo jorge disse...

por favor! será que não é entendivel de que estamos a falar de milhares de casais em portugal? que estamos a falar de algo exigido por organizações da sociedade civil? que estamos a falar da minha vida e da pessoa que amo e com quem partilho a minha vida?
será que ser muitos a ir para conservatórias tentar casar? muitos a sair as ruas a mostrar a nossa vontade de ver o Estado reconhecer a nossa relação?

queremos ser reconhecidos!

Pedro disse...

Aos senhores da igreja só lhes pergunto, é normal o celibato?
Não o é na natureza! Deveremos chamar os celibatários de anormais?

heber disse...

Pedro o jota tá a ser irónico, ele manifesta-se de acordo com o casamento entre pessoas do mesmo sexo...
saudações do héber

carmen irmamata disse...

Educação sexual com animaizinhos?

Ichh!

Mas eu pensava que o pilar mais básico fosse a livre e espontanea vontade dos intervenientes... afinal estou enganada! É como a nossa querida fauna! Agora fiquei baralhada. Eu que eu já vi o cão da minha vizinha a violar uma gata. Onde será que isso se enquadra? É grave? Deverão ser abatidos os pobres bichos? É que estão a contrariar o argumento do senhor de camisa azul...

Lúcia disse...

Entristece-me ver que este assunto ainda provoca tantas reacções negativas, tantas fobias. Compreendo que a Igreja Católica não possa a curto ou médio prazo aceitar o casamento homossexual; já legalmente, custa-me muito ouvir ideias que relacionam indistintamente casal e reprodução. O que sentirão muitas mulheres e homens que, por qualquer motivo, não podem ter filho? A grande questão aqui é definir o que é casamento. Para mim casamento é uma decisão, tomada por duas pessoas conscientes, de partilhar afectivamente a sua vida e, eventualmente, constituir família. Indiferentemente do seu sexo.

Cumprimentos a todos. Espero que o debate sirva para uma boa reflexão e sobretudo para aprendermos a ouvir os outros.

heartvibes disse...

Boa tarde, ao ligar a TV deparei-me mais uma vez com um debate sobre esta temática e mais uma vez constatei que à semelhança de muitos outros debates e programas o lado do não é sempre representado pelo sexo masculino. Face a isto pergunto-me se se trata apenas da aprovação de uma lei ou da afirmação do homem enquanto ser másculo. Porque têm tanto medo os homens heteros?

pe disse...

Caros senhores do SC.

Por favor perguntem ao senhor padre, se acredita que as almas têm género?


Se responder sim, que explique em que é baseado essa convicção.

Se não, então não significa isso que a homofobia é um assunto sem lógica ? (já que no mundo espiritual não somos nem macho nem fêmea)


Esta é uma questão pertinente.

Jota disse...

Pelos vossos insultos percebo que se alguém tem medo não sou eu. Para ser sincero só comecei a não simpatizar com certos homossexuais depois de começar a verificar o modus operandi.

Em relação ao resto o que está em discussão é a concepção de casamento e não os homossexuais.

heber disse...

que engraçado!!! Parece que só há comentarios de pessoas que estão a favor. Participem homofóbicos, vamos tornar este blog interessante!! Só pessoas a favor... please!!!
saudações do héber

paulo jorge disse...

o meu companheiro voltou agora do trabalho, ouvimos o programa! mais do que irritados estamos tristes!
um casal que não é casal?
sentimos estranheza num país onde a nossa relação sendo reconhecida pela família e amigos não é reconhecida pelo estado onde vivemos.
sinceramente só nos apetece chorar! ou gritar o nosso amor!

Mostrar nome disse...

Cultura, é cultura e nada mais. literacia.

SVarela disse...

Desculpem a falta de romantismo, mas o casamento tem muito pouco a ver com o amor e afectos. É válido que pessoas que têm um projecto de vida comum, queiram ou não casar. O casamento é sobretudo um contrato, com todos os aspectos jurídicos associados.
Tenho amigos e familiares (homo e heterosexuais) que vivem em união de facto e me parecem ser felizes.
Conheço casais tradicionais que também me parecem ser felizes.
Conheço vários casamentos por interesses associados ao lado judicial. Estrangeiros que pretendem obter nacionalidade, vistos de permanência e outros…
Conheço casais que se separaram também pelas ditas questões judiciais, dinheiros, penhoras, falências… mas continuam a viver juntos.
Conheço também casais que só estão juntos porque não têm autonomia financeira para viver em separado.
Assim o casamento (como contrato que é) dever ser permitido a todos os que tenha essa pretensão, independentemente da orientação sexual.

heber disse...

bom volto atrás parece que a maria amelia tem uma opinião ligeiramente diferente das restantes, porem, não é radical na opinião. Falta neste blog quem é radical na opinião que casamentos do mesmo sexo não deverião existir.
saudações do heber

Pedro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro disse...

porque se quer manter o casamento como uma instituição hermética se nada é permanente e imutável?

pe disse...

Jota:
"Eu respeito homossexuais"


Oh caro senhor (ou senhora), parece-me que para além de não saber o que homofobia quer dizer, que tem um discurso completamente incoerente e hipócrita.

Se respeitasse homossexuais, NÃO SERIA CONTRA essas pessoas terem os MESMOS DIREITOS que heterossexuais, o facto de ser CONTRA automaticamente significa DESCRIMINAÇÃO, que por sua vez significa que é homofóbico, queira ou não ver isso, é um FACTO.

É o mesmo que dizer que gosta de pessoas negras, mas ainda assim preferir que eles tenham WCs à parte, não possam deslocar-se ou entrar em certos locais, ficarem na parte de trás do autocarro, etc.

Pelo menos tenha a coragem de assumir que o é e não faça de conta que respeita homossexuais quando os seus ACTOS claramente dizem que não.

Pedro Tomás disse...

Compreendo que a Igreja nunca possa aceitar o casamento homossexual. Mas o Estado é laico, por isso a concepção do casamento não pode estar ligada à filosofia da Igreja nesta matéria. O Estado deve legislar de acordo com a evolução da sociedade, e parece-me que a sociedade está a evoluir no sentido da aceitação do casamento entre pessoas homossexuais. A perspectiva puramente biológica é completamente redutora. Não está em causa se se é de direita ou de esquerda, e muito menos as perspectivas dogmáticas.

Jota disse...

Realmente começo a verificar que a Ayn Rand tinha razão quando disse:

"there is a psychological immorality at the root of homosexuality" because "it involves psychological flaws, corruptions, errors, or unfortunate premises"

Mostrar nome disse...

quero-me casar com duas mulheres, sou um cidadão numa democracia, porque nao posso, porque me descriminam?

Mostrar nome disse...

bigamia a debate!

Jota disse...

Sim ao referendo! O aborto não foi referendado. Que direito têm vocês de impôr a alteração do conceito de casamento?

joao disse...

A grande questão aqui são as crianças.

Os adultos casam e separam passam de eteros a homo e de homo a eteros ou não, alhando os seus direitos de o fazerem sem contudo olharem e pensarem nos que lhes estão mais perto

as crianças

Se as crianças ficarem o mais defora deste "casamento" posivel melhor.

A não ser que alguem já tenha provas cientificas dos possiveis sofrimento das crianças com as decisões dos adultos

até poderão defender-se com os problemas causados pelos divórcios

mas não justifiquem os erros futuros com os erros do passado

heber disse...

jota e pedro e pedro e jota não vamos desrespeitar-nos senão os homofobos e/ou os que estão contra ao casamento entre pessoas do mesmo sex não participarão neste blog, pois recearão serem "lixados", o que tornaria isto um pouco aborrecido, o que importa é a pluralidade de opiniões e a discussão destas sem resvalarmos para as considerações pessoais e ofensas. Por isso regradem esses ânimos!!! please
saudações do heber

manuel disse...

estou a ver o programa e ao ouvir 2 dos intervenientes
no debate senti algo que não consigo descrever, apenas
quero dizer que foram mencinados patos e pombos,:-)
ainda bem que pensamos assim como os "patos",
falaram tambem em autores muito bons
mas lembro que a homossexualidade é mais antiga do que
qualquer escrita, espero que o eterno fogo queime mesmo
as pessoas que foram más em vida e que me desculpem embora
não acreditando encontrar muitos padres bispos e papas lá .

Jota disse...

Sim ao referendo as pessoas estão a construir uma sociedade se querem uma sociedade imoral que a criem e assumam as responsabilidades.

carmen irmamata disse...

Ele disse mesmo "Macho Fêmea"? Ou será que percebo "Facho Mêmea"?
Para ficar esclarecida. Esta pergunta é para animal de nome Pedro

heber disse...

lol para o mostrar nome.
saudações do héber

A Lisboa disse...

Concordo inteiramente com as palavras de Isabel Moreira.

O casamento é aquilo que quisermos, não é justo haverem leis que descriminem ou limitem alguns membros da sociedade.

Se somos todos iguais deveriamos ter todos os mesmos direitos.

João Manso disse...

O Estado é laico e por isso não se deve reger pelos principios éticos ou morais de nenhuma religião. Se a ICAP for contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo tem uma solução - Não o faça. Como ateu não irei mexer uma palha para mudar isso. Deixo isso a cargo dos movimentos católicos mais progressistas que existem dentro da igreja. Agora, o não acesso ao casamento cívil para pessoas do mesmo sexo é apenas uma forma de homofobia institucionalizada.

Mostrar nome disse...

os padres têm razão. este assunto nao faz sentido nenhum, querem estar juntos estejam nao façam barulho só fica mal

pe disse...

"Jota disse...
Sim ao referendo! O aborto não foi referendado. Que direito têm vocês de impôr a alteração do conceito de casamento?"



Pois, na SUA opinião, você está a idealizar o casamento RELIGIOSO, como a Igreja católica (e outras) o vêm, quando são na realidade instituições corruptas, demagogas e hipócritas, que ajudaram e ainda ajudam a cometer crimes contra a humanidade.

E será que tenho de referir as dezenas/centenas de padres que violaram de crianças de ambos os sexos (especialmente rapazes)?
E também que durante milénios as igrejas consideravam as mulheres como inferiores?!

Epá, há aqui qualquer coisa que não bate certo. lol

O que está aqui em discussão não é o casamento visto de um ponto religioso (= retrógrado e muito limitado), mas sim um CASAMENTO CIVIL, ou seja, a união legal de duas pessoas que se AMAM e que possam ter os mesmos direitos legais que outros casais.

Mas claro, que como você não pensa por si e apenas vê a visão da igreja, fica mais limitado no modo de ver as coisas.


Então se na bíblia lá disser para saltar do penhasco, vai-o fazer ou vai questionar se isso faz sentido ou não?

Pense por si próprio sem as influências nefastas das religiões, vai muito mais longe assim.

mcpa disse...

A palavra "casamento" origina na religião católica e pressupõe a união de um homem e uma mulher. Se dois homens ou duas mulheres pretenderem "casar" (não que me oponha, cada um sabe da sua vida), há que ter em atenção a origem dessa união. Primeiro criada por uma religião, depreende-se que apenas as pessoas crentes a usassem, segundo, Portugal, como muitos países da Europa, tem algumas coisas do sistema jurídico, apoiadas na biblia, logo a palavra "casamemto" é usada actualmente como enquadramento legal nos livros de direito, para definir o casamento entre duas pessoas, homem e mulher, pois era o que vinha na biblia. Apartir destes dois pressupostos, ou a União de facto tem os mesmos direitos que o casamento, embora eu esteja contra, ou é criado um novo sistema para casais do mesmo sexo, visto que o casamento, instituição criada pela religião católica é para homem e mulher.

Não se pode usar uma religião para beneficio próprio, é contra natura.Se aceitam as leis desse credo, há que segui-las, senão não vejo a lógica em perseguir uma só porque "dá jeito"
O Estado também tem culpas no cartório pois ainda não é verdadeiramente laico, nem nunca será, pois a religião dominante nesse país estará sempre intrinsecamente ligada ao direito.

Concordo que devam lugar pelos direitos a que acham que merecem, mas creio que não é por "adulterar" o enquadramento legal do casamento, que o vão conseguir.

Marie disse...

Bom, se o argumento é o da parentalidade, que se saiba que pelo menos duas meulheres já podem ter filhos com o seu ADN, sendo assim talvez fosse bom permitirmos só as lésbicas, que vos parece?
Desculpem a ironia mas todos os argumentos contra me parecem ser sempre disparatados...não está na lei de Deus, bom então talvez Deus não tenha cumprido muito bem o seu papel, já que até os animaizinhos o fazem, e eles não comeram a maça proibida.
Tudo me parece ter base numa unica palavra, medo...n~ºao sei bem porque mas sempre tivemos medo da mudança e do que é novo...resta-me esperar que primeiro se estranhe e depois se entranhe...
E já agora sou heterossexual, para que não me acusem de ter agendas secretas...

heber disse...

Ola carmen irmanata, para responder à tua pergunta remeto-te ao que disse ao Pedro e Jota. Please!!! Respeitemo-nos...
saudações do héber

manuel disse...

e se não existisse casamento? como seria a nossa sociedade? mais uma vez ouço dizer que é uma coisa religiosa, pois mais uma vez a igreja se quer misturar com o que não deve, a igreja devia envergonhar-se do que já fez á sociedade ao longo dos séculos.

Pedro Tomás disse...

João Manso, eu ainda vou mais longe. Não sou ateu, mas concordo com os casamentos homossexuais. Quem sou eu para, por causa dos meus princípios religiosos, impôr a minha vontade a outras pessoas? Serei eu superior aos outros por ter princípios de vida diferentes? Por ser não fumador, tenho o direito de proibir os outros de fumar?

Aqualung disse...

Estou farto de ouvir a justificação que um casamento entre 2 pessoas do mesmo sexo não é natural.

Mas o que se verifica na Natureza é existência de muitos casais do mesmo sexo, no reino animal abundam espécies que estabelecem casais e jamais deixam descendentes.

Não estou a falar de casos extremos (Jardins Zoológicos) mas observações no seu habitat natural, sem influências externas.

Isso de usar a natureza como exemplo...

Para algumas serve e para outras não?

O argumento da poligamia e do incesto é mais um exemplo do algo baseado no argumento do Straw Man.

http://en.wikipedia.org/wiki/Straw_men

Nônô disse...

Defender o casamento entre homossexuais baseado na defesa da evolução faz pouco sentido. Homossexuais sempre houve. Na Antiguidade Clássica, na Grécia, a homossexualidade não chocava. Depois começou a organizar-se a sociedade e percebeu-se que não era sustentável numa sociedade, por motivos óbvios que dizem respeito, essencialmente, à natureza humana. A evolução tem uma conotação demasiado positiva actualmente. Temos de ponderar a evolução, compreender o que é bom ou mau. De resto, o Direito fala a quem o estuda e Deus fala a quem o ouve. A natureza do Homem fala a todos. E ela, neste tema, é bem clara. As pessoas não nascem homossexuais. Nascem com uma determinada sensibilidade que pode ser abalada nesse sentido.

Mostrar nome disse...

e um debate sobre a legalidade de algumas drogas, também algumas são legais noutros países

Marie disse...

Bom se a questão são os filhos, que se saiba que duas mulheres já podem unir o seu ADN e gerar uma criança...sendo assim, se calhar deviamos permitir o casamento apenas entre lésbicas. Desculpem a ironia mas todos os argumentos apresentados contra me parecem sempre sem fundamento...já agora restringir o casamento entre irmãos ou pais e filhos tem uma razão biologica de dadno para a especie, o mesmo não acontece com os homossexuais.
Em relação à história de que é contra natura, que se saiba que até os animais o fazem...deus devia estar distraido nessa altura...porque os bichinhos não comeram a maça.
Parece.me que tudo nasce de uma unica palavra...medo...medo de tudo o que é novo...resta-me esperar que primeiro se estranhe e depois se entranhe.
Já agora sou heterossexual para não acharem que tenho uma agenda escondida

AH disse...

O grande problema do ser Humano é o de, com o passar do tempo da sua existência, ir alterando tudo que a Natureza já defeniu à muito tempo, para proveito próprio, esquecendo-se de que o planeta terra não é só seu. Por isso é que hoje enfrentamos problemas como aquecimento global, desflorestação, poluição severa... Eu não tenho dúvidas que mais tarde ou mais cedo o planeta Terra tornar-se-á inabitável ou será tudo tao artificial quanto pouco ético. Onde é que a homossexualidade e o casamento homossexual se encaixa aqui? O Homem está, mais uma vez, a alterar mentalidades, leis e tudo o resto para que a homosexualidade seja considerada "normal". É uma visão uma bocado radical mas imagine-se: e se daqui a umas centenas de anos todos se tornarem homossexuais? Pois é, acabar-se-ão filhos "naturais" mas não acabarão os filhos em si, isto porque a ciência já tem resposta para casais que não podem ter filhos! :/
A "evolução" nem sempre é uma coisa boa e já que não conseguimos pelo menos deviamos tentar manter-nos "no canto e nos parametros que nos foram oferecidos pela Natureza".
Na minha opinião a Homossexualidade deve ser encarada como disturbio mental que é, tal como outros disturbios como a pedofilia, que nos levam a ter desejos sexuais com animais, etc.
Cumprimentos

pe disse...

"Pedro Tomás disse...
João Manso, eu ainda vou mais longe. Não sou ateu, mas concordo com os casamentos homossexuais. Quem sou eu para, por causa dos meus princípios religiosos, impôr a minha vontade a outras pessoas? Serei eu superior aos outros por ter princípios de vida diferentes? Por ser não fumador, tenho o direito de proibir os outros de fumar?"



PARABÉNS :)
CLAP CLAP CLAP

Merece os aplausos, estou plenamente de acordo.

Infelizmente há outros (poucos) aqui que querem LIMITAR os direitos de outros, só porque são diferentes... ai a descriminação e inconsciência aqui em força :-p

Mostrar nome disse...

e a ervinha hã...

pe disse...

AH: "Na minha opinião a Homossexualidade deve ser encarada como disturbio mental que é, tal como outros disturbios como a pedofilia, que nos levam a ter desejos sexuais com animais, etc. "


Oh caro senhor/a

Concordo consigo apenas quanto à questão de estarmos a destruir o planeta, quanto ao resto estou totalmente de desacordo.

Só para que saiba, no reino animal do qual nós fazemos parte, existem imensas espécies de animais que praticam homossexualidade, incluindo os caes.

Então também são doentes mentais? então acha que na natureza só existem é casais hetero?

Tem muito que aprender sobre a natureza, ah tem tem :p

É por culpa de pessoas assim como você, que fazem descriminação e querem limitar os direitos de outros que o mundo está como está.

Pedro230 disse...

Exmos. Senhores,

Sou um homem da ciência e relativamente a este assunto que ultimamente tem sido bastante "martelado" não poderia estar mais de acordo com o Dr. Pedro Pestana Bastos porque a meu ver, e do ponto de vista biológico, um casal é exactamente um macho e uma fêmea.
Agora, creio que o ataque ao Dr. Pedro foi de certa forma inadequado pelo que este apenas expôs o seu ponto de vista para o qual está geneticamente "programado".
Opinião à parte, não me considero homofóbico até porque não pretendo ser julgado por tal, mas convinhamos que esta temática é algo "desnorteante" e completamente "contra-natura" para instituições onde o casamento é visto do ponto de vista biológico tal como é o caso da igreja católica.
Todos somos livres até onde começa a liberdade do próximo, e sinceramente pouco me interessa se o vizinho do lado é homossexual ou não, mas uma coisa é certa, sou completamente contra a adopção de crianças feita por um "casal" do mesmo sexo porque defendo que nós, os humanos, fomos naturalmente criados para olhar para o sexo oposto, tal como no caso de outra qualquer espécie animal, pelo que a homossexualidade, apesar de não discriminada por mim, considerado meramente psicológica dado que geneticamente, XY (homem) só pode acasalar aquando do encontro com XX (mulher). Desta forma, censuro a adopção de crianças por casais homossexuais pois seria criar possíveis desvios
às pobres e inocentes crianças daquilo para o qual foram naturalmente feitas.
Uma vez mais friso que não sou homofóbico, e se dois homens ou duas mulheres se amam, que se juntem, nunca interferindo com a educação dum futuro adulto em ascenção.
Para finalizar, pergunto à Isabel Moreira e ao Miguel Vale de Almeida se o facto de uma criança ter dois "pais" ou duas "mães" não poderia causar alguma confusão ao ver os colegas de escola com um pai e uma mãe. Tenhamos em conta que apesar de existir o instinto, todo o ser mamífero tem de ser educado e apresentado à vida, e todos sabemos que se eu agredir a minha mulher à frente do meu filho (para que conste sou bastante pacífico e condeno todo o tipo de agressões) ele certamente o irá fazer a terceiros pois é o exemplo que tem em casa.

Sem mais de momento.

Com os melhores cumprimentos aos convidado e à Fernanda Freitas.

Pedro disse...

A presunção de paternidade já vem de longe com o seguinte provérbio " os filhos das minhas filhas, meus neto são... os dos meus filhos serão ou não!"
Argumentem com fundamento

Mostrar nome disse...

a unica descriminação... deve ser deve

pat disse...

Muito boa tarde, antes de mais gostaria de felicitar o programas pelos temas interessantes que tem debatido.
A minha questão quanto ao tema é a seguinte como poderá a nossa sociedade aceitar o casamento entre homosexuais se à partida também não vê com bons olhos a união de facto entre casais hetero. Vivo em união de facto e as primeiras pessoas a terem me apontado o dedo foram os ditos católicos, será q o facto de ser católico faz com que amor seja diferente. Ou será que é essa a mensagem q os padres passam para os cristãos.

Pedro230 disse...

Caro pe,

Penso que quem tem muito para aprender sobre biologia é o senhor.
Os cães podem ter praticas homossexuais mas não o fazem com fins procriativos.

Relativamente às outras espécies referidas, atenção! As práticas homossexuais são apenas para assegurar a sua sobrevivência. O macho assegura um tipo de Gâmeta (célula reprodutora) que só é completo pelo gâmeta feminino e vice-versa.

AH disse...

caro senhor/a pe

Vamos lá ver se me entende: Que na natureza há muitos animais que praticam a homossexualidade já eu sei e muita gente sabe. há espécies que assim foram concebidas até. No caso dos cães , sim é um disturbio, nao diria mental mas é um distúrbio pois é da sua natureza acasalar com "cadelas" xD Eu não quero limitar direitos a quem os merece! Mas também não quero que por se viver em democracia se faça tudo que se quer... Daqui a uns anos estarão os pedófilos a exigir casamento com crianças menores de 12 anos como já existe em outros paises...

pe disse...

" Vivo em união de facto e as primeiras pessoas a terem me apontado o dedo foram os ditos católicos, será q o facto de ser católico faz com que amor seja diferente. Ou será que é essa a mensagem q os padres passam para os cristãos."


pat, aconselho é que deixe de se importar com a opinião das religiões, que de bom pouco têm, mas sim que faça aquilo que o SEU coração lhe disser.

E se lhe "apontarem o dedo", deve ser porque têm inveja e não querem ver os outros felizes.

Religião é talvez a maior "castração" mental e espiritual que se pode ter.

Boa sorte no vosso "casamento" :p

heber disse...

ola mcpa, em termos descritos e históricos tens razão. Mas a sociedade caminha por transformações, o casamento já não é só uma figura religiosa, tornou-se uma figura judicial, porém, descriminadora, é por isso que se luta, para que essa denotação descriminatória termine.
Depois... podes ter razão qd dizes que o estado nunca será laico... no entanto é assim que se define, é assim que tenta agir, caso não tenhas reparado nas ultimas leis que têm sido publicadas, por exemplo, a que proibe simbolos religiosos em espaços publicos, etc etc etc. Como tal, estamos a percorrer um caminho que se pretende que seja o mais breve possível, para que não permaneçamos tão atrasados em relação aos outros e os apanhemos ainda a tempo para nos regozizarmo-nos um pouco com a evolução social que este país necessita de ter, para sermos maiores do que os outros, mais justos, mais integradores, mais acolhedores, mais..
Espero que tenha sido explicito e compreensível.
Saudações do Héber

Blau disse...

Se olharem para a historia europeia e redondezas o casamento não começou por ser religioso, de todo. Estudem o casamento na Grécia Antiga, na Roma Antiga e no Antigo Egipto. Esse argumento da origem do casamento na religião só é apresentado por desconhecimento da história ou por desonestidade intelectual.

heber disse...

Ola AH:
Se a homossexualidade for um disturbio, seja de que nível for, sexual, psíquico, psicológico, etc etc etc etc, ficas a saber que é algo que, segundo podes ler neste blog, no comentario de outros bloguistas, a homossexualidade existe desde que a humanidade existe e não é violação de direitos de terceiros. Isto é, se eu fosse homossexual não prejudicaria mais ninguem se não eu proprio, partindo da premissa que isto seria um disturbio, como o afirmas. Mas repara que raio de disturbio seria esse!!!! Eu, que me afirmaria, como homossexual, eventualmente, a viver com alguem do mesmo sexo, a levar uma vida que consideraria estavel, em principio estaria feliz, não estaria só, sentiria-me completo, etc etc etc etc. Onde é que se encontraria o disturbio nesta hipotética realidade. Fiz-me entender AH??? Obrigado pela tua participação. Fartei-me de apelar para que participassem pessoas com essa opinião.
Saudações do heber

Jota disse...

Já agora os Gregos repudiavam na maior parte dos casos a homossexualidade. O que aceitavam era a pederastria. Existem excepções como o Bando Sagrado de Tebas, um exército de homossexuais.

AH disse...

pe disse...

"aconselho é que deixe de se importar com a opinião das religiões, que de bom pouco têm,..
Religião é talvez a maior "castração" mental que se pode ter."

Em tudo o que disse, posso dizer que estou de acordo em relação a isto.

Chateia-me também um pouco que se queira comparar a descriminação que os homossexuais sofrem com a que os individuos de raça negra sofreram e ainda sofrem apesar do que se possa dizer em contrário. É que esta comparação é tão ridicula, que só quem não percebe o porque de um ser humano ter a pele escura é que a faz!
PS: Não, não sou negro e nunca tive qualquer tipo de atitude descriminatória para com um, isto porque a ciência me ajudou a perceber desde muito cedo o porquê de haver negros e outros cor de leite!
Cumprimentos

unha disse...

Boas tardes
Pelo ke tenho estado a ouvir , não é de confúsao ke se trata, mas sim de um lote de convidados ke à confusao levam.(a minha 1ª crítica vai mm para o painel escolhido).
O casamento não existe. Existe a união entre 2 pessoas(pk n mm mais ?...)unidas por um Sentimento.
Ora , essa instituição centenária ai representada (tal como o voodoo) só tem poder para kem nela acredita, e ja poucas pessoas teem vontade para a sustentar(nao estou a pessoalisar, mas o todo deveria ter sido responsabilizado pelas partes,socialmente, mas em portugal e sempre o mm, a culpa morre sempre solteira. julgo ke se esta a crescer por cá, mas o poder instituído ainda é muito forte,tal como na politica, o poder e sempre conservador.
Nem mm a consciência social e lei. Como esses srs. podem estar ai a tentar convencer o próximo de ke o seu ponto de vista é o melhor !!!!!!
DEVEM SER VENDEDORES, mas isso eu não quero comprar, casamento!!! mas agora eu preciso de preciso de alguem ke me diga se eu posso ou não ter um relacionamento com alguem .
kuanto vale um sentimemto ,
kuanto vale um carinho ,
kuanto vale um beijo ?
abaixo a essa discussão do sexo dos anjos.
muitos outros pontos haveria a discutir.
falam falam e não sai sumo nenhum parece a assembleia da republica (lol)
o casamento não e politica,
é o acasalamento (como kiserem),
só na gosto e mm de ver seres humanos com outros animais,mas ai mm , e um sentimento pessoal e longe de mim tentar impingir a minha opinião a outros (se o kisesse fazer ia para, politico, padre ou vendedor da banha da cobra).
fikei triste por saber ke entre nós, continuamos a ser bons conversadores mas muito parcos nas acções
TUDO NO VERDADEIRO INTERESSE DA CRIANÇA (kuando na realidade se observa o oposto)as crianças no nosso país vão sempre atrás, na precisava era ser tantos séculos.
Para acabar uma nota para para a descriminação entre juntos e casados , natural vivemos num país de filhos e enteados [em tudo ate mm nos direitos dos cidadãos(saúde ;justiça;acesso a educação etc, etc...)]
ke tal para uma proxima oportunidade levar ai cidadaos
ke trabalham
ke vivam
ke amem
e só vendedores
sem mais,por agora. um bem haja

Jota disse...

E já agora também a homossexualidade é que é muoitas vezes uma repressão da sexualidade. Nasce de não saber lidar com o lado feminino que todo o homem tem e deturpar a admiração ou o amor saudável e fraterno que pode existir entre duas pessoas do mesmo sexo.

heber disse...

ola mais uma vez AH:
A concepção disturbio é algo que é puramente humano, provavelmente, haverá imensas coisas na tua vida que praticas de que haverão especialistas a considerarem disturbios. Por exemplo, sabias que é considerado disturbio casais que consideram o sexo como uma pratica penetrativa, isto é, que consideram que o sexo apenas decorreu quando o pénis penetra na vagina??? É inacreditavel não é??? Pois fica ainda a saber de que esta questão é remetida por alguns especialistas da sexologia como parafilia. E comparavas tu, ironicamente, homossexualida vs pedofilia. Pois agora tens a heterossexualidade mais proxima da pedofilia. A tua metafora comparativa foi entendida, mas foi muito mal aplicada. Lamenta-se...
saudações do Héber

Jota disse...

Muitas vezes a homossexualidade é uma fuga a problemas com o sexo oposto e como todas as fugas não traz felicidade.

Jota disse...

Acima quis dizer pederastia e não pederastria.

heber disse...

Ola Jota:
Na excepção que levantas acerca da forma como a antiga grecia considerava a homossexualidade já te contradizes com o que dizes no inicio de esta não ser aceite. O grupo de exercito homossexual que referes era tido muito em conta pelas praticas em batalha e pelas sucessivas vitorias que almejavam. A homossexualidade neste tempos era, razoavelmente, bem aceite, porque simplesmente, não havia a necessidade de a discutir, nem sequer se falava, são, praticamente, raros os manuais que as referem. As intimidades humanas era algo muito pouco difundido, embora, no campo artistico, principalmente, ao nível das esculturas fosse predominante, contudo, a literatura, o teatro, a legislação, a propósito do sexo, propriamente dito, hetero ou homo, pouco ou raramente citam algo.
Saudações do Héber

Blau disse...

Jota, sim senhor sabes mais que todas os estudos científicos validados sobre a homossexualidade e heterossexualidade. É que só podes saber mais, porque eles não dizem o mesmo que o senhor Jota.

Em quem confiar... hmmm? No Jota ou nas associações académicas e científicas de renome e de credibilidade? Hmm, acho que vou acreditar no Jota. Tem mais cara de dizer a verdade... ou aquilo que eu quero à viva força seja verdade. Ou ai espera... não é assim que se podem fazer as coisas, pois não? Eu mando umas teorias para o ar e aceito só como verdade aquelas que correspondem ao que quero acreditar, mesmo que não sejam validadas cientificamente...

Haja paciência. Guardem as vossas teorias de trazer por casa para o lugar certo: a vossa retrete!

AH disse...

heber disse...
"cas a saber que é algo que, segundo podes ler neste blog, no comentario de outros bloguistas, a homossexualidade existe desde que a humanidade existe e não é violação de direitos de terceiros. Isto é, se eu fosse homossexual não prejudicaria mais ninguem se não eu proprio, partindo da premissa que isto seria um disturbio, como o afirmas. Mas repara que raio de disturbio seria esse!!!!" O facto de limitar/condicionar a continuidade da espécie não é uma violação aos direitos da próxima geração?
Sim, porque apesar de a homossexualidade existir desde há muito tempo, a continuidade do Homem não se deve concerteza aos casais gay! Estes apenas foram coexistindo em uma minoria que não provocou mal maior, pelo menos até agora! O Problema é quando se quer/está a ultrapassar esse limite! Eu não defendo a exterminação dos homossexuais, por amor de deus... Mas se dermos a ideia de que a homossexualidade é uma coisa completamente normal estaremos condenados: Aqueles que não têm a certeza das suas tendências não hesitarão em tornar-se gay, pois é normal, os que têm a certeza que sofrem dessa condição alastrarão em dimensões inimagináveis! Não podemos esquecer que o Ser Humano tem queda para seguir tendências! Porquê, ainda não sei!
Jota disse...
" já agora também a homossexualidade é que é muoitas vezes uma repressão da sexualidade. Nasce de não saber lidar com o lado feminino que todo o homem tem e deturpar a admiração ou o amor saudável e fraterno que pode existir entre duas pessoas do mesmo sexo."
não poderia estar mais de acordo!

mcpa disse...

"Blau disse...

Se olharem para a historia europeia e redondezas o casamento não começou por ser religioso, de todo. Estudem o casamento na Grécia Antiga, na Roma Antiga e no Antigo Egipto. Esse argumento da origem do casamento na religião só é apresentado por desconhecimento da história ou por desonestidade intelectual.
"

Creio então que não entendeu a que referia...
O casamento ou seja a acto de casar foi criado pela igreja. O que existia antigamente era um acto oficial/"religioso" mas não pode afirmar com certeza que se chamava casamento e que esse casamento era igual ao praticado pela religião católica, base do casamento civil que usamos actualmente no direito civil.

É claro que podiamos passar a tarde a discutir onde foi que primeiro surgiu o casamento e a sua formalização... mas o que realmente interessa neste caso é que a lei do casamento civil em Portugal baseia-se no casamento pela Igreja Católica, homem com mulher ... por muito que se custe a aceitar, a Religião Católica ainda tem muito poder sobre as leis neste país.

lili_one disse...

Mostar Nome, na sua estante deve faltar o poeta Joaquim Manuel Magalhães, entre outros...
Quanto ao Rimbaud e ao Al Berto, deixe-os em paz que estão ambos mortos e não se pode saber o que pensariam agora deste assunto.

Claro que V. queria casar com duas mulheres, a poligamia tem sempre intrínseco o machismo.

''[...]
Não vou seguir a prática actual da lírica.
Afirmo, homossexual. Silencia
o Código Civil a garantia
da pluralidade da orientação sexual.
Desacato e desamparo ao projecto
de uma relação perdurante.
Balança, não o percebe um conservador?,
do equilíbrio da integração
ao que desse modo a pretender.

Vivo com o João há quarenta e um agora,
um nada, Fevereiro 2005. A dignidade inteira
de cidadão por atingir. O par, uma caminhada,
não um exemplo. A vicissitude
cruza o habitual
oblíquo apaziguamento.

O sexo é a banalidade, obriga entre
adultos à licitude absolutamente comum.
A ossatura do usual necessita
para o temeroso do que fermenta
um apoio legal
para nítida harmonia e agasalho.

A partilha da Segurança Social,
do Serviço de Saúde, a protecção
da reforma ao sobrevivo
e uma herança intributável.
Durante a vida parece aguentar-se
a anomalia,
porém à morte do primeiro
logo intervém a felonia.

74 – interrogo-me – uma
revolução. Repudiou, na demanda
de aniquilar a economia, uma invenção
de pulso contrário ao continuado
precipício.
A um centro vital desinteressou o progresso
de um consenso que exigia a lentidão,
é tarde, para não forçar clivagem.
Lá reside a culpa, o incumprimento,
o atraso deliberado.

Um verso confronta uma ordem
enferma. Dissipará o seu sentido,
alheio à literatura, ao findar
a sua oportunidade.
Não o empenha convir à poesia.
combate um regime desavisado,
falho na educação gradual da maioria.

Mero comparsa do preconceito, o Direito
Civil, uma ética judicial mata-borrão
da inépcia civilizacional, da moral corrente.
A tortura vagarosa que daí resulta
promove-a por omissão um Código imoral,
torcionário inviamente,
torna-se Código de Direito Penal.

Oito ou nove por cento de povo inegável
não é um zero de humano.
A revolta com diálogo sucederá.
Insolúvel por referendo. Enraizável
pelo próprio decreto, caso promulgado
pela placidez e não pelo pregão
de um conjunto parlamentar isolado, ultrapassável
pela zanga de uma larga comunidade.

Não tombasse no desentendimento mútuo
nenhum grupo ou indivíduo homossexual.
Inadmissível a mínima razão
(creio que com mágoa se conviverá
com a homofobia, a misoginia, a xenofobia
e com a heterofobia, importará
a possibilidade de a lei erguer um contraforte).
A perfeição do encéfalo incompleta.
Unir-nos-ia a nossa realidade notarial.
A partir dela tente-se o acordo
com tudo o que não fomente o retrógrado.
Também com o poder, o que governa
e o da variedade partidária,
(qualquer que pressinta o renovar).

Não me dirijo ao como eu, sim
ao heterossexual. Cometê-lo à persuasão.
Conciliado, suponho que consegue
impelir para um senso de civilidade
o recuado.
Ao aceder, seria o motor assente
Do direito procurado.
Péssimo poema, já sei. Só me preocupa
A vontade de dizer.

Compreenda um conservador
que argumente o primado da pacificação
política ao vínculo cível do comportamento.
De novo: sem referendo.
De novo: para o sossego de morrer.
Pactuar com ele a confiança
em acareamento frontal.
e final.''
[...].


- Joaquim Manuel Magalhães -

Blau disse...

mcpa, na lei romana, antes da igreja católica meter o nariz, já havia o casamento. Mais uma vez, estudem um pouco mais de história.

AH disse...

ola mais uma vez AH:
"A concepção disturbio é algo que é puramente humano, provavelmente, haverá imensas coisas na tua vida que praticas de que haverão especialistas a considerarem disturbios."

Dúvido ;) mas se de facto existirem garanto-te que farei tudo ao meu alcance para os eliminar! Só quero é que os apontem!
Cumprimentos :)

mcpa disse...

Blau, nao sei se percebe português, mas vou repetir entao. O Casamento na Lei Portuguesa tem como base o casamento religioso católico. Onde ele começou não interessa, o que interessa neste caso é que a Lei Portuguesa tem as suas bases na religião católica, é uma questão de cultura e também de história, Portugal sempre foi um país muito ligado à Igreja, aliás existe também por intervenção da própria Igreja Católica aquando da separação do Reino de Castela. Com isto apenas quero voltar a frisar que o casamento em Portugal, tem como base o casamento da religião católica, só não aceita isto quem não tem o mínimo conhecimento da história Portuguesa.

heber disse...

Ola mais uma vez AH:
Sem contar com as inovações cientificas e até onde elas nos poderão conduzir. Hoje brinca-se com o seguinte, mas quem sabe amanhã não sera a realidade; qq dia até os homos se procriam (lol).
Aparte disto:
Lembro-te AH de que existem muitos homossexuais com filhos. È obvio que os tiveram ou obtiveram das mais diversas formas; naturalmente, relações hetero, sim tb há os bi e tb há homos que têm relações hetero (lol); adopção, obtida no estrangeiro, ilegal em território nacional; por morte do(a) antigo(a) companheiro(a); por separação legal e com atribuição do poder paternal ou maternal a um dos conjugues que por acaso é homo; e por outras formas de que me tenha esquecido de enunciar.
Sinceramente... ainda pensas que a humanidade estará condenada!!!!!! Será que a homossexualidade condena-nos à extinção??? Parece-me claro... e à maioria das pessoas que aqui escrevem também. Mas estou a gostar de debater contigo AH. Força nisso. Continua! Manda a proxima... Espero é que aida aí estejas...
saudações do héber

AH disse...

Sim heber, ainda vou estando por aqui, hoje felizmente o "trabalho" é pouco :p
É óbvio que quando falo em termos de extinção de raça humana porque todos virámos gay é num sentido exagerado/radical como referi logo no primeiro post! Mas falo nessa dimensão porque sempre que fazemos algo ou estamos prestes a decidir algo desta natureza devemos medir as consequências, nas suas proporções é claro, mas devemos medi-las. O problema não é o casamento entre homossexuais ser permitido, mas sim o significado que o mesmo trás consigo. Na minha opinião trás um rótulo de normalidade para com todas as relações homossexuais! E é isso que me preocupa, ver crianças ser educadas com a ideia de que ser homossexual é normal, imaginar um miúdo a entrar no quarto dos seus pais "gay" e vê-los por exemplo durante uma relação sexual, de seguida vai para a sala e liga a televisão no canal xxy ou algo do genero (um canal para gay)... Os pais terão a coragem de lhe explicar que o que ele viu não é normal e o que eles tao a fazer é errado?! Ou por outro lado permitirão e que o mesmo vá para a sua escola primária apalpar outros colegas do mesmo sexo porque no fundo não consegue distinguir o amor fraternal do amor carnal? Pois é, porque o ser humano é muito bom a adaptar-se ao que vê, ao que o rodeia, este aprende por imitação... Se me garantirem que o educarão como uma criança que vê o pai e mae de mao dada, que vê os mesmo beijarem-se e naturalmente fará o mesmo com uma rapariga, então não tenho qualquer problema em dizer: Força com isso para a frente! O que não faltam é crianças em lares a precisar de amor e carinho! Agora vamos lá medir bem a consequência dos nossos actos , só peço isso! Confesso que não gostaria, aos meus 100 anos de idade ver uma sociedade em que seria raro , numa ida à foz, ver um par de namorados hetero!
Cumprimentos

Blau disse...

mcpa, a cultura greco-romana, especialmente a romana, também faz parte da origem da cultura portuguesa (afinal a nossa língua até vem do latim). Aliás muitos dos ritos actuais na cerimónia religiosa do matrimónio vêm da cultura romana, apropriados pela igreja católica quando começou a estar misturada com o estado e a cultura romana durante o império romano. Não escolha de onde vem a cultura portuguesa só da data histórica que lhe dá jeito. ;)

De qualquer modo o argumento do "conceito histórico" não é um argumento. Sabemos bem que os conceitos têm mudado e sempre para melhor e sempre no sentido da inclusão e da igualdade.

Se alguns dos portugueses pensam erroneamente que o casamento é pertença da religião historicamente só temos que os elucidar historicamente. O facto é que na tradição de onde vem a tradição portuguesa, a romana mais directamente, o casamento não tem origem religiosa originalmente. A história do casamento na cultura de origem da nossa actual ocorreu com um período em que não foi religioso para um período em que foi religioso, para um momento em que deixou novamente de ser religioso.

heber disse...

Olá Jota mais uma vez:
Deixa-me dizer te que essa concepção que falas acerca da homossexualidade tem direitos de autor. O sr. Sigmund Freud dizia o mesmo. No entanto, apesar de ainda ser estudado, deve-se dizer de que apenas se motiva os seus estudos para se compreender a evolução das concepções científicas. Actualmente, considera-se-o como o pai da psicanálise, porém, há rumores que remontam a psicanálise para outros precursores mais antigos que o dito académico; para não falar de uma serie de conceitos que o dito retrata já há muito ultrapassados e desconsiderados pelos académicos, como o estudo do mapeamento cerebral que é de bradar aos céus, naquela altura o sr. Freud já detinha de informações mais que comprovadas para efectuar um estudo verosímel, não nos podemos esquecer do, tb, anatomista Leonardo da vinci e do nosso querido nobilizado Egas Moniz. Bom tudo isto para afirmar categoricamente de que quem ainda usa a argumentação freudiana para justificar o que quer que seja arrisca-se a ser humilhado em qq defesa publica da sua tese. Nem mesmo aquelas concepções acerca dos sonhos e acerca das relações parentais são levadas à letra pelos respectivos profissionais, etc etc etc etc etc.
Por isso afirmo categoricamente de que, embora, seja essa tua opinião, a qual respeito, não tem pés nem cabeça e não dás minimamente factos concretos que a apoiem.
Todavia, obrigado por me proporcionares este debate contigo, continua, aprimora os teus argumentos…
Saudações do heber

heber disse...

Ola AH:
Muito provavelmente arriscariaste a se ligasses a tudo o que os especialistas dizem ou afirmam como disturbio a eliminá-los da tua vida a deixares de ser feliz a deixares que te comandem na vida, perdendo um dos nossos maiores valores, o, hipotético, livre arbitrio, porém estamos a deviar-nos do assunto...
saudações do heber

heber disse...

Ola AH:
tu só não encaras todas essas realidades que descreves como normalidades, como as encaras na medida de que se isso se sucedesse nas relações hetero, como sucedem, pk estás "formatada" a não aceitares tal, isto é, desconheces de muita coisa que se passa no universo LGBT (lesbico, gay, bissexual e transexual). Sugiro-te que vás conhecer, que te introduzas no meio, para verificares algo de tão simples qt isto, são pessoas tão ou mais normais do que tu e eu. Têm um quotidiano mais normal do que algumas vez possas imaginar e pasma-te, uma grande parte vive com crianças e são os maiores protectores do que possas imaginar. Até eu fikei boquiaberto. Ainda para mais qd se associa a este mundo concepções como a pedofilia que não têm qq relação. Ilucida-te amiga(o)!!!
Saudações do Heber

lili_one disse...

As pessoas não nascem homossexuais. Nascem com uma determinada sensibilidade que pode ser abalada nesse sentido.

Ó, Nônô, realmente a homofobia tem formas muito manhosas de se manifestar.

Quanto a Deus ouvir só alguns, este seu deus é um pouco surdo de ouvido.

Jota disse...

Heber a Grécia antiga era composta por várias cidades-estado com vivências culturais bastante diferentes. Por aquilo que li a pedastria era a única forma de homossexualidade geralmente aceite na cultura grega em geral. Ocorre entre um homem mais velho e um adolescente. A homossexualidade entre homens da mesma idade era ridicularizada. O Bando Sagrado de Tebas era uma força militar que ocorreu num determinado espaço de tempo na cidade-estado de Tebas. Não se trata de uma prática que tenha sempre ocorrido em Tebas ou nas outras cidades-estado. Tirava partido da maior união que havia devido aos laços afectivos entre os soldados que compunham essa força.

Jota disse...

Acima quero dizer pederastia.

Jota disse...

Blau não faço ideia de que estudos científicos estás a falar, mas parece que no nosso país a ciência deixa de funcionar quando se discutem assuntos destes. Se bem me lembro no debate sobre o aborto já nem se sabia quando começa a vida humana.
Eu sei que pessoas procuram relações homossexuais depois de sucessivas relações heterossexuais falhadas ou outros problemas. Se isto engloba a totalidade de "homossexuais" não sei.

AH disse...

lol Caro heber,
Na minha opinião acho que nunca deves partir do pressuposto que tens mais informação/sabes mais do que uma pessoa com quem estás a discutir, porque antes de mais, fica mal... Tenho amigos gay e bi, e tal como me confessaram que o eram também me confessaram que sabem que não é normal gostar de pessoas do mesmo sexo, eles têm a consciência e a sinceridade para dizer isso a quem prive com eles (coisa que infelizmente não acontece com grande parte da comunidade gay, que não conseguem ou prefere acreditar que não têm problema nenhum e que o facto de gostar de pessoas do mesmo sexo é completamente normalissimo e quem diz que não simplemente só pode estar enganado, só quer tirar-lhes direitos! (sim também já testumunhei casos destes)) A primeira etapa para o tratamento de uma desordem é a "consciencialização" de que a possuímos! Pior cego é o que não quer ver (detesto usar frases feitas)... Quando usei o exemplo da pedofilia foi com outro propósito do que aquele que acabaste por perceber, lamento por isso...
já referi em posts anteriores que não tenho nada contra homossexuais, assim como não defendo a sua exterminação. Um dos meus melhores amigos é bissexual, nunca tive qualquer tipo de problemas com ele e admiro-o pela sua capacidade em perceber que sofre de um problema e que não hesitaria em submeter-se a um tratamento se amanha a ciencia o descobrisse... Cumprimentos :)

Jota disse...

Heber desconheço totalmente Freud, e aquilo que escrevi é apenas baseado na observação que faço de pessoas que conheço e situações que encontro. E também da observação dos meus "mecanismos" mentais.

Para ser sincero eu não tenho nada contra os homossexuais. Embora considere a homossexualidade uma tentação tal como outras que deve ser evitada mas respeito quem não concorda visto que a homossexualidade não prejudica terceiros.

A minha discordância aqui é em relação a grupos homossexuais que querem passar a mensagem de que o casamento homosexual é igual ao casamento entre hetero.

Tudo seria mais fácil se o casamento não fosse regulado pelo Estado. Desta forma não haveria uma imposição cultural.

lili_one disse...

Jota, a homossexualidade não é uma doença e por isso não pode ser curada.

Nasce-se homossexual, exactamente da mesma maneira que se nasce heterossexual ou bissexual.

Tudo o resto é homofobia, e não é preciso recuar até à Grécia antiga...

Jota disse...

Aliás pelo que leio o Bando Sagrado de Tebas era composto por casais e cada casal era formado por um homem mais velho e outro mais novo. Portanto também não fugia à tradição referida.

Jota disse...

Lili one eu não disse que era uma doença. Para mim é uma tentação. Também não acho que pode ser curada ou não mas sim que pode ser rejeitada.

Não é a única tentação a que um homem/mulher pode ser sujeito.

Jota disse...

Bem foi uma discussão interessante cumprimentos a todos e á S.C. também.

Thomas Ripley disse...

Boa noite,
Eu francamente já não percebo se este debate é sobre história, arte ou história de arte, ou se apenas e só um show off de cultura geral...
Francamente interessa se a Bíblia condena os homossexuais, se o Bando de Tebas mantinah práticas homossexuais para reforçar união de grupo ou se o início do casamento actual teve como origem a roma antiga ou a igreja católica?
Neste aspecto tenho que ser muito pragmático e ignorar as raizes históricas do problema. E porquê? Simplesmente porque os direitos (ou a falta deles) dos homossexuais já sofreu demasiados avanços e retrocessos ao longo da história para que se possa contruir um historial de tendência, pois existiram alturas em que os direitos eram relativamente salvaguardados e as relações até certo ponto "incentivadas" (Macedónia), bem como Dark ages em que eram tratados como animais (quase todo o resto do tempo).
Assim sendo refiro-me apenas à realidade actual. Neste momento não faz sentido considerar o homossexual como alguem a quem não pode ser concedidos direitos! O casamento é civil, qualquer que seja a origem do mesmo, se o estado é laico, eu quero ter o direito a casar-me. Quero ter o direito a adoptar, o meu filho ver-me-à a partilhar os momentos de carinho com o meu marido e não fará o mesmo na escola, porque nem o fenómeno da imitação consegue ultrapassar o fenómeno da natureza que é a orientação sexual. Quanto ao facto da normalização da homossexualidade por via da instiucionalização do Casamento para os homossexuais poder vir a influenciar pessoas para virarem homossexuais em caso de indefenição, não me façam rir, só memso alguém que não faz a mais pequena ideia do sofrimento espiritual que é ser homossexual pode pensar uma barbaridade dessas. Alguém que se sinta indefinido (90% dos adolescentes por exemplo) deverá percorrer o seu próprio caminho, tendo as experiências que considerará correctas para a altura, agora se a pessoa não for homossexual, não é por ter uma experiência que se tornará, porque a Natureza dela não o permitirá! Para terminar, que já vai longo, deixem-me só tecer esta consideração a jeito de conclusão. Como nós sabemos não é o casamento que está a afligir as pessoas, mas sim o que vem logo a seguir e que os representantes das associações de defesas dos direitos dos homossexuais tentam fugir como forma de manobra política: A adopção. Sem querer alongar mais sobre isto deixo esta: Quem de vocês se pode arvorar da capacidade de educar, amar e ensinar um filho melhor de que outrém, qualquer que seja a orientação sexual desse outrém? Eu poderei não vir a ser o melhor pai do mundo, mas tenho a certeza que vou proteger essa criança com todas as minhas forças e amá-la como nunca ninguém amou! Só preciso que me dêm essa oportunidade! Pode ser?

lili_one disse...

Uma tentação, Jota?! Como se os homossexuais não fossem outra coisa senão ''sex machines''?!

As pessoas nascem como são, não são tentadas pelo demónio. Ou Deus será um grandessíssimo sádico?

lili_one disse...

Homofóbico, disfarçado de tolerante, Jota, é o que V. é.

AH disse...

Thomas Ripley disse...
"Quero ter o direito a adoptar, o meu filho ver-me-à a partilhar os momentos de carinho com o meu marido e não fará o mesmo na escola, porque nem o fenómeno da imitação consegue ultrapassar o fenómeno da natureza que é a orientação sexual."

Como disse anteriormente, se me garantirem que tudo sucederá como dizes serei o primeiro a votar a favor da adopção para casais homossexuais!
Por outro lado não te esqueças que o poder da Natureza tem limites, pelo menos versus Homem, que infelizmente é capaz de tudo fazer em seu proveito... E nem a Natureza é totalmente perfeita, senão não estariamos aqui a ter esta discussão de ideias sobre este mesmo tema...

Thomas Ripley disse...
"só memso alguém que não faz a mais pequena ideia do sofrimento espiritual que é ser homossexual pode pensar uma barbaridade dessas"

Normalmente quando "entro" numa discussão de ideias gosto de aprender algo, não sou dono da verdade nem pretendo ser, como tal gostaria, se possivel, que me falasses mais desse sofrimento espiritual que mencionaste...

Thomas Ripley disse...
"Alguém que se sinta indefinido (90% dos adolescentes por exemplo) deverá percorrer o seu próprio caminho, tendo as experiências que considerará correctas para a altura, agora se a pessoa não for homossexual, não é por ter uma experiência que se tornará, porque a Natureza dela não o permitirá!"

Concordo com a parte do a "Natureza não permitirá" mas bato na mesma tecla e pergunto: por vezes a vontade do homem não será superior ao poder da Natureza? Isto é, não é o homem capaz de alterar a sua Natureza com o poder/defeito da mente?

Cumprimentos :)
Até manhã O/

David Erif disse...

“Um Casal é a união de dois seres de sexo diferente. Para ser mais claro, macho e fêmea. Só o macho e uma fêmea é que formam um casal.” - diz o Dr. Pedro Pestana Bastos.

Dois homossexuais em estado de união de facto ou mero relacionamento amoroso, serão portanto, sei lá, outra coisa qualquer. Onde é que já se ouviu esta conversa antes?

Graças a deus que a lei não faz esse tipo de descernimento ignoto ao preceituar o conceito de Relação. Mas parece que a juricidade limitada do Pedro Pestana Bastos não lhe chega para isso.

Pobre Dr. Pedro Pestana Bastos que vê obrigado a ir à procura de uma compreensão biológica sem validade de jurisprudência no tratamento legal das interações humanas para encobrir a sua atitude homóbofa e justificar a sua posição para com a “agenda das pessoas homosexuais”, contrária à das “pessoas heterosexuais” que, obviamente, só poderão ter a mesma posição que a sua, jamais tomando para si o principio de que os individuos são mais do que os seus orgãos sexuais.

Jota disse...

lili one

"Uma tentação, Jota?! Como se os homossexuais não fossem outra coisa senão ''sex machines''?!

As pessoas nascem como são, não são tentadas pelo demónio. Ou Deus será um grandessíssimo sádico?"

Cada um acredita no que quer. Deus não é sádico pois através da oração dá-nos a força para vencer as nossas fraquezas.

"Homofóbico, disfarçado de tolerante, Jota, é o que V. é."

"Hate the sin not the sinner." Condeno a prática em si e não os praticantes. Tenho aversão à homossexualidade e não aos homossexuais.

Jota disse...

"agora se a pessoa não for homossexual, não é por ter uma experiência que se tornará, porque a Natureza dela não o permitirá!"

Isto é o que eu chamo uma linha de pensamento desviante. Todo o ser humano é vulnerável ao pecado e à homossexualidade ou oputro vícios. Talvez a homossexualidade seja mais tentadora para uns, a pedófilia para outros, o recurso à prostituição para outros, etc... mas quem faz isto está a ir contra o Deus e a apartar a sua alma de Deus. E quantas mais vezes o fizer mais difícil será deixar o vício.

Jota disse...

lili one, já agora Deus criou um mundo perfeito aonde não havia pecado nem maldade e nem morte. Todos os animais incluindo os que hoje são carnívoros se alimentavam de vegetais.
Adão e Eva viviam nus e em tamanha pureza que nem sabiam que estavam nus. Viviam em verdadeiro e puro amor. O amor perfeito com que muitos sonham. Mas foi depois da desobediência à única regra imposta por Deus que o homem caiu em desgraça. Perdeu a comunhão com Deus, sentiu-se nu, começaram as acusações mutuas entre Adão e Eva. Com Satanás o pecado e a morte entraram no mundo. As doenças surgiram, os animais começaram a matar-se uns aos outros e é a desgraça que hoje conhecemos.
Por isso o mundo que vemos hoje não foi o mundo que Deus idealizou para nós. Mas Deus não abandonou o Homem e através de Jesus traz nos a esperança do regresso a esse mundo perfeito. Aliás o profeta Isaias escreveu sobre o regresso a esse mundo perfeito em que o lobo e o cordeiro comem no mesmo pasto.

Pregas na Alma disse...

Fiquei chocada com o debate. As opiniões são para se respeitar sejam elas quais forem. Essa é a premissa para qualquer debate. A vitória estará no facto de conseguirmos mudar as outras opiniões. Não é assim, com pessoas agressivas e pouco educadas como a Dra Isabel Moreira que iremos mudar mentalidades. E a propósito, alguém que queira intitular-se especialista, tem que ter pelo menos 20 anos de exercício da profissão e uma ordem profissional que lhe atribua esse título. O Grande Doutor Gomes Canotilho, por exemplo, não se intitula assim...Este tema ainda é muito controverso e por isso fracturante. E lã está o PS a tentar forçar uma coisa que ainda não está assente na consciência da comunidade. O legislador não pode andar ao sabor do que aparece no momento nos media. Existem assuntos que são muito mais prementes resolver eu diria urgentes e não vejo ninguém a lutar por eles dessa forma tão apaixonada. Para consentirmos o casamento entre homossexuais teríamos que rever quase todas as premissas do Direito da Família. Até o simples conceito de casal terá de ser revisto...ou não...cabe á comunidade em geral decidir e não a um partido político com maioria forçar a decisão. Tem que haver uma reflexão séria com um plano eficaz para depois estruturar os conceitos e institutos de acordo com a legislação vigente e só depois se a consciência geral o ditar se fará a alteração legislativa. Foi assim que me ensinaram na faculdade...mas provavelmente Coimbra está "desajustada" com a sociedade quanto mais "fast" melhor. Quanto aos homossexuais que querem ver os seus direitos concretizados, parece-me que a nossa sociedade é bastante tolerante, os acessos a direitos legais que invocam podem ser conseguidos, embora de outra forma. Há que ter paciência e tudo se resolverá. O que não podem é obrigar as pessoas a concordar com algo que não pretendem. Façam as vossas reinvidicações mas com seriedade, tranquilidade, com um plano concreto e com argumentos válidos. Não como foi feita nesse programa....

Blau disse...

Jota, vá ler o que se diz o que é a homossexualidade por quem sabe do que fala:

http://www.apa.org/topics/sorientation.pdf

Muitos dos seus problemas com a homossexualidade irão dissipar-se quando deixar ter essas ideias conspurcadas pelo preconceito na cabeça.

E não há pecados nenhuns aqui. Há pessoas que se amam, há pessoas que são como são. E estas pessoas são heterossexuais, bissexuais ou homossexuais. Ponto final. É isto que existe na natureza humana.

Thomas Ripley disse...

"Isto é o que eu chamo uma linha de pensamento desviante. Todo o ser humano é vulnerável ao pecado e à homossexualidade ou oputro vícios. Talvez a homossexualidade seja mais tentadora para uns, a pedófilia para outros, o recurso à prostituição para outros, etc... mas quem faz isto está a ir contra o Deus e a apartar a sua alma de Deus. E quantas mais vezes o fizer mais difícil será deixar o vício."

Estimado Sr., parece-me que está a confundir alguns conceitos, misturando religião com um direito de lei. Francamente não me interessa nada a religião nem o que ela representa, empresas privadas que exploram os seus apaniguados já me chega onde trabalho...
Parece-me igualmente estranho (o que me apetecia dizer era outra coisa) que considere que eu trilho um caminho de vicio como os pedófilos ou os que buscam prostitut@s.
Vivo a minha sexualidade com calma e tranquilidade, pago os meus impostos e as ocasionais multas de trânsito.
Apenas quero ter direito a usufruir do casamento quando for a minha altura, não estou interessado em contraír o matrimónio religioso.
Assim sendo e face ao acima exposto, gostava de lhe dizer que eu não pago para ter sexo e certamente não me interessa sexo não consentido com pessoas menores de idade, até porque não estamos a falar de sexo, mas sim de carinhos, afectos e partilha de uma vida em conjunto, mas mais uma vez, enganou-se nos conceitos e misturou tudo.
Parece-me igualmente aconselhável ler umas coisas sobre o assunto de autores independentes, por forma a não repetir o erro de misturar os conceitos novamente. A busca de informação por apenas uma fonte torna as pessoas beatas, seja sob que forma for, tornando-as obtusas e, no limite, desligadas das realidades emocionais das pessoas e do mundo em que vivemos.
Trata-se de um conselho de amigo antes de efectuar novas citações (minhas ou de outrém) a chamar alguém de deviante, pode ter o azar de estarmos a cuspir para o ar e a escarreta bater-nos na testa....

Jota disse...

Portanto o que a Blau me aconselha é que deite a minha cabeça para o ferro-velho e deixe que outros pensem por mim?
O taylorismo está entre as formas de estar pelas quais tenho repúdio. E é essa uma das razões pelas quais deixei a Igreja Católica.
Eu não acredito na versão New Age do amor.

Jota disse...

"agora se a pessoa não for homossexual, não é por ter uma experiência que se tornará, porque a Natureza dela não o permitirá!"


A linha de pensamento que segue é desviante. E é você que pressupõe ao fazer um comentário destes que as pessoas se podem envolver afectiva e sexualmente sem haver qualquer prejuízo emocional. E no dia seguinte apaga-se tudo como se não tivesse acontecido nada porque a Natureza não permite.

Talvez você se sinta bem em induzir as pessoas ao erro mas alguém tem que dizer que isto não é verdade.



Eu vivo segundo o que acredito e não sou obrigado a viver segundo os referenciais que me querem impor.

Blau disse...

Jota, faça o que quiser com a sua cabeça, mas não se ache no direito de saber o que é ser homossexual só porque lhe dá na telha.

Quero lá saber das teorias new age do amor. Interessa-me que as pessoas sejam elas próprias e autênticas.

Essa maniazinha de avaliar, do nada, quando não do total desconhecimento, sobre terceiros é atroz, para não dizer patética.

Veja se compreende com todas as letras o que é igualdade e liberdade.

Porque se não compreende o que isto significa, talvez seja o próximo um dia a ver-lhe retiradas estas duas "coisinhas" na plenitude e alguém andar a mandar uns bitaites sobre como o senhor é ou porque é como é baseado na sua orientação sexual (que presume-se heterossexual, valha-nos!).

Hmm, deixe cá ver... tarado sexual, pedófilo, promíscuo... Isto com base que a prostituição e indústria pornográfica existe primordialmente para homens heterossexuais, que a pedofilia existe primordialmente por parte de homens heterossexuais. Estas coisas far-me-iam concluir que todos ou a maioria dos homens heterossexuais são promíscuos. Portanto, são doentes descontrolados concentrados em sexo.

Para quando começar a vedar-lhes direitos à parentalidade, ao casamento (puf para não falar que a violência doméstica é praticada maioritariamente por homens), a sequer viver em sociedade! Tudo para a prisão já que a maioria das pessoas presas já são homens - portanto é indicador do comportamento de todos - e vamos lá meter tudo na choça só por ser homem.

Devaneios, devaneios... opiniões, opiniões.

Quanto aos pensamentos todos temos. Agora se são reais ou deliriosos é de cada um. Não deixe de pensar pela sua cabeça. Deixe é de mandar postas de pescada sobre assuntos que não conhece ou não entende. Isso basta.

Afirmações como a sua última sobre a natureza da homossexualidade são delírios pessoais seus sem fundamento empírico.

Para não falar do "Eu vivo segundo o que acredito e não sou obrigado a viver segundo os referenciais que me querem impor." Ora que lindo, mas já quer obrigar terceiros a viver segundo os seus referenciais e esses já quer impô-los vedando o acesso ao casamento, à adopção e afirmando que a homossexualidade é um desvio e não uma orientação sexual tal como a heterossexualidade é. Brilhante!

lili_one disse...

"Sou um velho rato celibatário
- a lei não me permite casamento.

Outros encontram sem dificuldade
o universo pronto a vestir

logo de manhã, desde que nasceram.
Depois trajam todas as convenções

- que lhes assentam bem, do colarinho
às mangas, até parece que Deus

é um alfaiate por conta deles.
A nós, a melhor roupa fica mal

- em nenhuma loja vendem sapatos
que nos deixem ir noutra direcção,

nem anel que não faça propaganda
à ordem sempre «natural» do mundo."

- António José de Almeida -

Jota disse...

Blau não sei quem começou com a pedofilia mas era prática comum entre os gregos e romanos e era uma prática homossexual, tal como já referi. Mas é indiferente.


Quanto ao resto, não ataquei ninguém e não percebo aonde quer chegar com a maioria das suas afirmações já que não fiz juízos de valor sobre ninguém. Critiquei acções e não pessoas

Quanto à liberdade pessoal não é você que me está a tentar calar? Com o argumento doentio papista/tayloriano/salazarista/estalinista (e por aí fora...) de que não me compete a mim pensar porque existe um grupo de pessoas encarregues de pensar por mim. Sim, porque eu sendo humano não entendo da condição humana. Existem outros humanos mais humanos do que eu para pensar por mim e me darem a informação dijerida.
E existe também um grupo de pessoas neste país que quer espetar um grande 666 na testa dos outros e pôr toda a gente de joelhos a adorar a foice e o martelo (leia-se: todo-poderoso Estado centralizado). Mas não contem comigo.

Reparou que eu apenas expressei a minha opinião? E até defendi a alternativa democrática do referendo?

Eu não concordo que o casamento homossexual deva ser encarado da mesma forma que o casamento heterossexual e não concordo que devam adoptar filhos. É me completamente indiferente que casem, ou que haja instituições não governamentais que os casem e as suas uniões sejam reconhecidas pelo Estado.

Agora promover essa fantasia de que o casamento homossexual é como o heterossexual e é uma familia equilibrada eu não concordo e digo não.

Quanto ao resto eu quero apenas que o Estado não se meta na minha vida naquilo que faço dentro da lei e que essa lei proíba apenas o que lese os outros. Nada mais. E se o Estado me quiser oprimir, Deus conduzir-me-à à liberdade tal como libertou o povo de Israel da tirania. Vem de Deus tudo o que preciso, não do Estado.

Blau disse...

jota, eu também acho que o senhor devia utilizar um penico em vez de uma sanita. Vou lutar para que seja passada uma lei para todas as pessosa que se chamam jota tenham direito a um penico e a restantes a uma sanita. Estamos entendidos?

Que queira "arreigar-se" de saber o que é ser homossexual e porque há pessoas que o são como tem feito desabridamente só demonstra, como já disse antes, patetice sua. E com patetice realmente não adianta argumentar mais do que fiz.

Ah sim, lembrei-me de algo afinal, tome um medicamento para as doenças que tiver porque acha que é o que deve tomar e não "porque há um grupo de pessoas encarregues de 'pensar' por si" que dizem que é o melhor para a tosse. O senhor é que sabe! Não são os outros, ora!

Sobre a Grécia não confunda práticas culturais com orientação sexual e fique a saber que pedofilia tecnicamente só se refere a relações sexuais com crianças até aos 12 anos. A partir dos 13 anos fala-se de abuso sexual de menores.

Jota disse...

Blau tão autoritária que você é...

Por norma não tomo medicamentos, procuro soluções criativas.

Em relação ao resto vamos ver se nos entendemos.

1- Muitos cientistas não consideram a psicologia uma ciência.

2- Toda a ciência é feita de teorias e modelos. Aquilo que é aceite pelos leigos como "verdade cientifica" é normalmente a teoria com maior aceitação entre os académicos. Que pode estar desactualizada daí a uma dezena de anos.

Sinceramente acho que as pessoas devem desenvolver um sentido crítico em relação a tudo. A psiquiatria chegou a considerar uma doença mental a vontade de fugir dos escravos nos EUA.

Eu não aceito a definição homossexual, heterossexual, bissexual como é apresentada. Não faz sentido para mim.


Eu só trouxe os gregos à baila por causa dessa ideia de que eles eram abertos à homossexualidade, na verdade tinham era o "abuso sexual de menores" do mesmo sexo como prática corrente. Obrigado pelo esclarecimento. Não admira que lhes chamassem pagãos.

Ei, eu fico com o penico, não há crise.

Jota disse...

"This example highlights a cardinal rule of science: Always consider alternative explanations, never accept anything at face value."

http://www.arachnoid.com/psychology/

Este artigo mostra bem o que é a psicologia, ou não é...

Blau disse...

Jota, note como não conseguiu desconstruir um argumento.

Basicamente o que disse foi "Eu não quero saber se as pessoas dizem que se atirar um martelo ao ar ele cai ao chão. Eu penso por mim próprio e para mim ele flutua."

Quanto ao desclassificar a psicologia, quão hábil. Esqueceu-se da medicina e da psiquiatria, é? É que dizem o mesmo sobre a homossexualidade...

Quanto ao identificar-me como "menina", quão simpático da sua parte. Realmente prefiro isso que a ser confundido com um católico "convencido que sabe de tudo e mais que os outros [inclusive sobre eles próprios]" como o senhor.

Jota disse...

Blau... poupe-me. E como é que a medicina chegou a essa conclusão? Dissecando homossexuais e heterossexuais para ver a diferença?

Realmente a comparação do martelo é excelente. Todos nós verificamos que o martelo cai, assim como todos verificamos que existem comportamentos homossexuais, mas vá pesquisar as razões pelas quais o martelo cai e descobre que ao longo dos séculos foram encontradas novas explicações e eventualmente novas serão encontradas no futuro. E se pesquisar sobre as causas da homossexualidade sem dúvida encontrará várias teorias e explicações. Também há quem diga que a homossexualidade é uma doença que pode ser curada e apresente casos de pessoas que foram "curadas". O que não falta são teorias.

Ei, eu nunca disse que as aparências não enganam ;) Já agora eu não sou Católico e escrevi isso num dos comentários.

Blau se o "magister dixit" vai ter que provar, se não é capaz de provar é uma crença.

Para mim a solução apresentada no programa é a melhor, acabar com o casamento civil e cada um casa-se como quer e o Estado não impõe crenças a ninguém.

André disse...

Todos os seres humanos têm direito ao casamento, seja esse ser humano homem ou mulher...
Como o "Jota" disse o enquadramento legal para a união sim...mas não entendo porque e não se podem casar...

No meu ponto de vista a Bíblia diz coisas "irracionais" e muitas vezes sem sentido. Ainda estou para perceber porque e que duas pessoas do mesmo tempo não se podem casar.

O meu comentário fica por aqui porque concordo com tudo o qe "pe" disse.

DESCRIMINAÇÃO NUNCA!

Ana disse...

Passados alguns meses da realização do debate, li estes 126 comentários, com um sorriso nos lábios.

A mim, como defensora dos direitos humanos e particularmente dos direitos dos homossexuais, não me interessa minimamente que a população fale bem ou fale mal de relações amorosas entre pessoas do mesmo sexo! Interessa-me que falem, espalhem a quatro ventos que o vizinho da frente vive com um homem há quase um ano, ou que aquelas duas meninas do autocarro trocaram um beijo na BOCA!

Falem, gritem, condenem, rejeitem, aceitem, mal tratem, respeitem ou admirem, mais do que tudo, digam o que vos vai na alma!!

Porque é a falar que as pessoas se entendem, compreendem e aprendem a respeitar!
Eu não quero viver num país calado, que faz de conta que os problemas não existem, eu quero um "Quinto Império" polémico, incendiado, mas mais do que tudo lutador!
Eu anseio pelo referendo sobre Casamento homossexual, não pela utopia de vencer o "Sim", mas sim pela polémica! Eu quero que as pessoas pensem nisto antes de adormecerem, quero que falem com a família, os amigos, os colegas, os conhecidos, quero que as crianças falem disto nos infantários e nas escolas!
Um tema como este, que provoca sentimentos tão controversos, tem de ser desmontado e explorado a uma escala nacional para ser aceite por, pelo menos, 5 milhões de pessoas.

E só quando os portugueses se tornarem mais altruístas e perceberem que o cerne desta questão não é a procriação, nem os padrões sociais e muito menos a religião é que haverá igualdade de direitos legais.

Não façam disto um bicho-de-sete-cabeças e nunca se esqueçam que "a nossa liberdade termina quando a liberdade do outro começa", por isso quem sou eu para proibir que quer que seja a duas pessoas que apenas se amam?